10.5.14

Mini Fic - Capítulo 21

Seja honesto.

~ Manual 101 de Combate a Incêndio ~

Ao elaborar o plano inicial, Joe decidiu que, se as coisas dessem certo e ele acabasse tendo a sorte de ficar nu com Demi de novo, em algum momento do futuro, faria devagar. Saborearia cada milímetro do lindo corpo dela e se concentraria em levá-la ao ápice do prazer tantas vezes que ela não seria capaz de negar a conexão entre eles. Entretanto, ele não contava com a ânsia desesperada de ambos para ficarem um com o outro. Joe pegou a camisinha que deixara sobre o cobertor e, antes que pudesse rasgá-la, Demi inclinou-se para colocá-la entre os dentes e rasgou-a. Pegou a camisinha antes que caísse sobre seu peito e então a colocou no membro de Joe, ereto e latejante, deslizando a camisinha sobre ele, e o toque excitante dos dedos longos de Demi fazia Joe ranger os dentes para evitar explodir ali mesmo, nas mãos dela. E as mãos de Demi já estavam nos cabelos dele, e ela lhe puxou os lábios sobre os dela ao mesmo tempo que enroscou as pernas em volta da cintura dele e o recebeu dentro de si. Ela gemeu de prazer, e Joe engoliu o gemido dela, agarrando-lhe os quadris para penetrar mais fundo, mais forte. Por ter um pênis avantajado, Joe sempre tomava cuidado para não machucar suas amantes. Entretanto, quando os músculos internos dela lhe apertaram o membro, o prazer de estar com Demi de novo foi tão intenso que ele não conseguiu pensar em mais nada, não pôde fazer nada além de se entregar à intensidade do desejo pela mulher que se contorcia e gritava de prazer embaixo dele. Ela arqueou-se, e Joe abocanhou um dos mamilos dela, chupando-o com força, degustando o doce sabor da pele dela contra sua língua. No céu, os fogos de artifício continuavam explodindo quando ela gozou; sua pélvis se esfregava nele enquanto Demi chegava ao orgasmo, com as mãos enroscadas nos cabelos dele, segurando-o contra os seios. Ele não conseguiu se segurar nem mais um segundo, especialmente quando os músculos fortes dela o apertavam, sugando tudo o que tinha para dar. Desencostando a cabeça dos seios dela, Joe mudou de posição colocando o peso sobre os joelhos, então agarrou os tornozelos dela e os ergueu até a altura dos ombros. Ele tinha de penetrar mais fundo, tinha de tocar cada parte dela. As mãos de Demi alcançaram os antebraços dele, para que pudesse segurar com firmeza enquanto ele a penetrava cada vez mais fundo e mais forte.
— Ah! — ela sussurrava, com olhos semiabertos. — Isso é tão gostoso. Tão, tão gostoso. — A cabeça dela inclinava-se para trás, as mãos acariciavam os próprios seios enquanto absorvia tudo o que ele estava lhe dando, e implorava:
— Mais, Joe. Por favor. - Ele não achava que alguma coisa pudesse deixá-lo ainda com mais tesão, mas o som da voz meiga dela, implorando daquele jeito, bem como vê-la tocando-se enquanto ele a amava, fazia tudo revirar dentro dele.
— Querida — ele murmurou diante do contato físico selvagem daquele ato de amor criando emoções igualmente selvagens dentro dele —, não me faça chegar lá sozinho. - Mesmo vendo que ela tinha o olhar fixo nele, com a boca entreaberta em um grito silencioso de prazer enquanto atingia novamente o orgasmo, mesmo com o próprio corpo seguindo o mesmo caminho de verdadeiro caos, Joe sabia que não estava só pedindo a ela que gozasse com ele. Não, o que estava lhe pedindo era muito maior do que sexo, muito mais do que o melhor orgasmo que já tinha tido na vida. Joe não queria só o corpo de Demi; também queria seu coração, queria conhecer e amar cada parte dela. A cada momento que passavam juntos, percebia mais e mais o quanto ela era afoita e aventureira. Ela adorava altura e não hesitou uma só vez em transar loucamente a céu aberto, no terraço. Por quanto tempo essa caçadora de aventuras havia deixado de lado a verdadeira pessoa que era? Desde a morte do marido? Ou mesmo antes disso? Demi não tinha condições de fazer mais nada além de pendurar-se em Joe e enfiar o rosto em seu ombro largo. Ela mal conseguia respirar; assim, como seria possível colocar os pensamentos em ordem para analisar o que tinha acabado de acontecer entre eles? 
Ele continuou a segurá-la com força quando mudou de posição para que, em vez das almofadas, seu corpo pudesse proteger o dela. Ela adorava senti-lo inteiro em volta dela, dentro dela, e sabia que, mesmo com 100 anos, nunca se cansaria dele. O choque daquele pensamento, do futuro que jurou nunca ter com ele, a fez abrir os olhos, tentando dissipar a nuvem de luxúria temporária que os encobriam. Ai, ela acabou de transar no terraço. No terraço! Demi não quis pensar muito em quão perigoso era o que estavam fazendo, principalmente se pensar muito fosse atrapalhar o beijo de Joe. Mas agora, ao olhar para cima, para os prédios em volta , sabia que era muito provável que alguém os tivesse visto. Ela puxou o cobertor sobre os quadris e os seios, mesmo com a sensação de estar gostando daquela aventura exibicionista. Joe passou a mão sobre a curva do traseiro dela embaixo do cobertor.
— Acha que fizemos a noite de Ano-Novo de alguém? - Ela ficou surpresa pela maneira educada como ele reconheceu que poderiam ter sido vistos.
— Espero que não! - No entanto, mesmo falando com sua voz mais firme, Demi não podia negar o frio na barriga ao pensar em outro casal se preparando para apreciar a queima de fogos... e, em vez disso, vê-los fazendo amor. Esses eram pensamentos que ela só se permitia ter em suas fantasias mais secretas e pervertidas. Pior ainda, ela nem podia culpá-lo pelo que tinha acontecido. Não quando tinha sido exatamente ela que tinha arrancado as roupas dela diante dos outros prédios e terraços, e ainda pediu para ele se apressar e tirar logo as roupas também. A gargalhada dele foi morna, repleta do calor entre eles que ainda não havia se dissipado.
— Estou só brincando, querida. O prédio mais alto do que esse mais próximo daqui está longe o suficiente para alguém precisar de um bom binóculo para nos ver aqui em cima. — Ele tocou de leve na ponta do queixo dela. — Você diz que a Summer é a única aventureira da família, mas não é verdade. - Fazer amor com Joe era algo absurdamente íntimo. A maneira como ele conversava com ela, porém, como se soubesse os segredos de sua alma, parecia ainda mais profunda. Demi sentia que estava sendo observada muito profundamente, muito além das barreiras com o que tanto havia se esforçado para mantê-las seguras, ela e a filha. Ela tremeu e ele imediatamente a pegou, com cobertor e tudo.
— Hora de esquentar você de novo. - Demi sabia que deveria só dizer “obrigada pela queima de fogos”, mesmo só tendo sido capaz de prestar atenção ao fogo que queimava entre eles naquela noite, e dizer a ele que tinha de ir para casa; mas já tinha quebrado sua última promessa de ficar longe dele. E tinha trabalhado muito desde que Summer foi viajar com os avós. Estava muito cansada. E era tão bom senti-lo segurando-a dessa maneira por alguns segundos a mais. Joe beijou-lhe os cabelos, a testa, o rosto, e ela virou-se para beijá-lo na boca. Quando estavam a meio caminho das escadas para o apartamento, ele parou e se concentrou em acabar de tirar o oxigênio que ainda restava nos pulmões dela.
— Feliz Ano-Novo. - Ela passou a língua sobre os lábios dele antes de dizer:
— Feliz Ano-Novo. - Demi esperava que ele a carregasse até o quarto, mas Joe não parou na enorme cama coberta com uma linda colcha de patchwork azul e marrom. Em vez disso, seguiu para o banheiro.
— Que tal começar o ano-novo com um banho de banheira? - A ideia deliciosamente tentadora de ficar nua, escorregando e deslizando sobre Joe na banheira de hidromassagem, foi quase suficiente para fazê-la aceitar o convite. Mesmo assim, desde o incêndio, ela ainda não conseguia entrar em uma banheira de novo.
— Por que, em vez disso, não tomamos um banho de chuveiro? - Ela ergueu a cabeça para beijá-lo, mas, sendo esperto e mesmo sempre cedendo aos desejos de Demi, Joe enxergou claramente algo além da distração dela.
— Quero tomar um banho de banheira com você, Demi. - Ai, meu Deus. Ela respirou fundo e tentou se recompor. 
— Acho que posso tentar. - Ele tirou uma mecha de cabelo dos olhos dela, mais uma vez enxergando mais profundamente do que ela gostaria.
— É porque esse foi o lugar onde encontrei você? Na banheira? - Se ela fosse mais forte, se estivesse menos embalada pelos braços de Joe, se ele fosse qualquer outra pessoa, ela tentaria negar. Mas como podia mentir para aquele homem?
— Achei que fôssemos morrer lá. Na banheira.
— Eu nunca deixaria isso acontecer. - Ela não conseguiu deixar escapar a pergunta que esteve em sua cabeça nos últimos dois meses:
— Mas e se não tivesse chegado a tempo?
— Nada de “e se”. — Ele pegou uma das mãos dela e colocou sobre o peito dele. — Não esta noite. — Ele inclinou-se e beijou-a suavemente nos lábios. — Não deixe que o incêndio tire de você mais do que já tirou, meu bem. - Mas será que ele não via que ela estava no meio de um turbilhão sem fim de “e se”? Não só o incêndio, mas eles dois, Summer, o futuro dela, e... Ela fechou os olhos com força, odiando cada um daqueles “e se”.
— Sabe de uma coisa?
— Diga, Demi. - Ela respirou fundo e abriu os olhos.
— É ano-novo. Hora de recomeçar. De deixar o passado para trás. - Ela era madura e inteligente o bastante para saber que não podia mudar quem era, nem a forma como seu coração e sua mente estavam conectados, mesmo que fosse por uma noite apenas. Mas poderia dar um pequeno passo na intenção de aliviar o peso de todos aqueles medos de seus ombros. Especialmente se esse pequeno passo envolvesse entrar na banheira com um homem cujos olhos prometiam a ela um prazer imensurável.
— Encha a banheira, Joe. - Ele continuou a segurá-la com força com uma das mãos enquanto alcançava as torneiras com a outra. Enquanto a banheira se enchia de água morna, Demi virou-se, pensativa, para o homem segurando-a no colo e passou a ponta dos dedos sobre a cicatriz levemente aparente na testa dele.
— Gostaria que não tivesse se machucado. — Os olhos dele se fecharam por um momento, enquanto ela passava levemente os dedos sobre a testa dele.
— Aquele dia no hospital... — Ele olhou para ela, a emoção profunda nos olhos dele fazendo-a tremer da cabeça aos pés. — Sinto muito por ter sido um babaca. — Ele pegou a mão dela, colocou-a sobre os lábios e beijou-lhe a palma da mão. — Quando você entrou e vi você sem toda aquela fumaça, sem aquelas chamas, sabia que era especial.
— Você quase morreu tentando nos salvar — ela reconheceu, com uma voz que parecia mais um suspiro. — Tinha o direito de se comportar como bem entendesse. Ele balançou a cabeça. 
— Fiquei admirado ao ver como meus sentimentos por você já eram fortes. Mas isso não serve como desculpa para meu  comportamento. - Dentro de casa, Demi já estava mais quente, mas, agora, com Joe falando de sentimentos e medos, ela sentiu-se gelada novamente, tremendo diante de todas as coisas que não queria encarar. Pelo menos não por enquanto. Certa de que ele podia perceber o quanto aquela conversa a incomodava, Demi observou Joe mudar de assunto quando lhe ergueu a palma da mão novamente até os lábios, mordiscando a pele sensível dela.
— Não levei o tempo necessário para despir você apropriadamente lá em cima — ele disse, começando a tirar as camadas de cobertores.
— Acho que você mandou bem — ela murmurou, enquanto se inclinava para beijar a parte de cima daquele peito maravilhoso e tentador. Demi estava aliviada pela maneira como ele a estava deixando permanecer fora das profundezas de suas emoções, mas, estranhamente, também estava meio decepcionada.
— Só bem? — Com a voz rouca, ele cobriu o seio dela com a palma da mão e acariciou o mamilo com a ponta do polegar. O mesmo polegar que ela tinha chupado e mordido quando estavam no terraço.
— Hum! — Foi tudo o que ela conseguiu exclamar, e então ele tirou todo o cobertor de cima dela e entrou na banheira com ela nos braços. Nada podia ser mais romântico, mais sexy, do que esse banho a dois. Lá fora, no terraço, fizeram coisas arriscadas e excitantes, mas, ao entrar na água morna e descansar as costas e a cabeça sobre o peito de Joe, Demi suspirou fundo diante do prazer de ter todos os seus desejos realizados em uma só noite maravilhosa. Joe encheu as mãos de água e derramou-a sobre a pele dela, molhando cada centímetro de seu corpo, inclusive o cabelo. Era tão excitante ser mimada dessa forma, era mais do que sexo, mais do que necessidade. Ele tinha acabado de possuí-la e com certeza sabia que não precisava fazer nada daquilo para tê-la novamente. Mas, de qualquer forma, continuava fazendo. Ela se aconchegou no bíceps dele e beijou-o, enquanto ele se mexia para pegar o sabonete.
— Está tentando me distrair, querida?
— Não — ela respondeu, com sinceridade. — Precisava te beijar. - Enrolando os cabelos dela no punho, ele lhe virou o rosto, firme, porém gentilmente, e sugou-lhe os lábios em um doce beijo. E esperou um tempo para deixá-la respirar de novo.
— Eu também. - O sabonete tinha escapado dos dedos dele durante o beijo e Joe teve de procurá-lo embaixo d’água, ao passo que suas mãos subiam e desciam na lateral dos quadris dela.
— Não está aqui. — Ele levou os pés até o fundo da banheira, procurando o sabonete. — Nem aqui.
— Acho que sei onde está. - Ele olhou para os lábios dela ao perguntar:
— Onde? - Ela pegou uma das mãos dele e colocou-a sobre sua barriga.
— Está chegando perto. - Ele escorregou a mão um pouco mais para baixo, brincando com ela.
— Quase lá. - Ela segurou a respiração quando ele tirou as mãos dos cabelos e, em seguida, lhe apalpou a vagina, com a palma larga da mão cobrindo cada centímetro daquele calor molhado; a respiração dela saía ofegante, em um espasmo de prazer, e então Demi colocou a cabeça para trás, no ombro dele. Era impossível parar de pressionar os quadris contra os dedos dele, e, Demi soube que ele não estava mais brincando quando dois dedos grossos dele penetraram-lhe a carne sensível e macia enquanto a outra mão deslizava para baixo, concentrando-se no clitóris. A língua e, em seguida, os dentes dele encontraram as orelhas dela e, apesar da água morna, apesar do calor do corpo dele atrás dela, Demi ficou toda arrepiada.
— Você é tão linda, querida. Muito linda. — Joe passou a língua sobre aquele ponto mais sensível atrás da orelha, um milésimo de segundo antes de pedir: — Goze para mim. Quero ver. Preciso sentir. - No entanto, ela já estava gozando, já estava respirando ofegante e montando nas mãos dele quando os tremores dentro de sua barriga se transformaram em um terremoto incontrolável, com força total.
— Joe! - Ele ajudou-a a chegar ao orgasmo, sem tirar nenhuma das mãos, nenhum segundo; quando Demi finalmente voltou a si dentro da banheira, percebeu como ele estava grande e excitado atrás da cintura dela. Felizmente, Joe estava preparado: ela viu uma camisinha em cima do cobertor. Sem dar a mínima sobre o que ele achasse dela naquela noite, Demi inclinou-se sobre a banheira para pegá-la. Ela rasgou a embalagem, desta vez abrindo-a com as mãos, e não com os dentes, ainda que tenha sido divertido e bem louco; então, ele, em silêncio, levantou os quadris para fora da água, para que ela pudesse deslizar a camisinha sobre seu membro maravilhosamente ereto.
— Sei que concordamos em não ter “e se” esta noite, mas não consigo parar de pensar... — Ela fez uma pausa e lambeu os lábios. — E se me ajudasse a realizar minha fantasia? - Subitamente, Demi queria ter a oportunidade de retomar o controle não só da banheira, mas também de sua esperança para o futuro, em vez de continuar agarrada ao medo. Ele passou as mãos sobre as coxas e os joelhos molhados dela.
— Que tipo de fantasia? — O som profundo das palavras dele quase a fez desistir de sua fantasia e, em vez disso, montar no colo dele.
— Até hoje nunca tinha tomado banho de banheira com um homem.
— Que bom. - Ela teve de sorrir diante do prazer ciumento que ele sentiu por ser o primeiro. Ela também estava feliz, feliz por poder realizar essas fantasias pela primeira vez com Joe.
— Mas, às vezes, quando estou sozinha e estou... — Ela parou nas palavras que não estava acostumada a falar em voz alta.
— Se masturbando? - Ela concordou.
— Às vezes, gosto de me imaginar em uma banheira como essa e ter... - Ela mordeu os lábios e ele gemeu.
— Se não parar de fazer isso, não tenho certeza se vamos conseguir realizar sua fantasia. - Os olhos dela se arregalaram e ela soltou o lábio.
— Ah. — Ela quase mordeu o lábio de novo, mas segurou-se no último segundo. — OK.
— Demi. - Ela ouviu o apelo sensual na voz dele, claramente reforçado quando ele insistiu:
— Qual é a sua fantasia? - No entanto, ela já tinha chegado à conclusão de que nunca seria capaz de confessá-la em voz alta. Em vez disso, teria de mostrar a ele. Com a máxima elegância possível, considerando o quanto estava excitada e, ao mesmo tempo, nervosa, ela mexeu o corpo embaixo d’água e virou-se de costas para Joe. Olhando para trás por sobre o ombro, ela ergueu-se lentamente, ficando de quatro para ele.
— Isso — ela disse num suspiro quase abafado pelo som da água mexendo na banheira. — Isso é a minha fantasia. - O gemido dele ecoou pelas paredes azulejadas e então, finalmente, Joe também começou a se mexer, cobrindo o traseiro dela com as mãos enormes. Mesmo se arriscando mais do que jamais tinha feito com um amante, Demi surpreendeu-se quando ele inclinou-se para a frente e a beijou, primeiro de um lado do rosto, depois do outro. Devagar, Joe passou a língua da cintura até o pescoço, acariciando cada vértebra da coluna, até mordiscar a curva do ombro dela.
— É isso, Demi? É esta sua fantasia? - Ela não conseguia falar, somente balançar a cabeça e segurar-se firme na borda da banheira enquanto se encaixava nas curvas dos quadris dele. A água espirrou toda em volta deles quando Joe penetrou-a por trás e, dessa vez, quando ela foi à loucura, ele estava bem ali com ela, gozando, metendo tão forte e tão profundamente que Demi não sabia quando um parou e o outro começou. Com uma das mãos sobre o seio e a outra entre as pernas dela, e os dentes e a língua dele em seu pescoço, Demi entregou-se completamente nos braços de Joe.

Continua... Então? ok, estou corada de vergonha... bem, está mini fic está quase no final, falta pouquinho.. Ela é uma adaptação, ok? No momento não tem nada melhor do que escutar as músicas antigas dos Jonas embrulhada na coberta </3 Eu realmente espero que vocês estejam gostando das fics em si. E, obrigado pelos comentários e pelos 91 seguidores. Beijos lindas! 

9 comentários:

  1. SOCORRO QUE CAPITULO PERFEITO!!!!!!!!!
    AMEI OS HOTS!!! DOIS SAFADOS, SEXO AO AR LIVRE E AINDA NO TERRAÇO, ELES SÃO DOIS MALUCOS KKKKKKKKK
    DEMI BEM SAFADINHA TENDO VARIAS FANTASIAS SEXUAIS. JOE TEM QUE REALIZAR TODAS ELAS!!! ADORO HOTS E OS SEUS SÃO OS MELHORES <33
    Quero ver no que vai dar isso aê. Demi tem que se declarar para ele ou vice-versa. quero Summer chegando logo da disney *---*
    Posta mais plmdds eu estou tendo um troço aqui!!!! posta LSS hoje, por favor. estou com saudades de Dan *--*
    Beijos <3

    ResponderExcluir
  2. To ate com calor depois desse capitulo ameiii
    Posta LSS pfr

    ResponderExcluir
  3. OMG que cap quente esse!!! Os dois não são fracos não!! Se pegam até no terraço kkkk
    A fic é maravilhosa!!!
    Posta mais, por favor!! Quanto mais eu leio mas vontade tenho de que vc poste outro!!!
    Ah e também adoro sua fic LSS!!! Essa é mais que perfeita!!! Parabéns pelo blog incrível!! Bju!!

    ResponderExcluir
  4. Que capítulo foi esse minha filha eu amei cara #DemiOusadaAgain adoro meu! Posta mais por favor u.u
    Fabíola Barboza

    ResponderExcluir
  5. AHHHH AMEEII
    GENTE TA MT PERFEITA *-*
    Eu to sem palavras pra dizer o quao perfeita esta <3
    Eles transaram no terraco jalhgsbs mds perfeiti
    Esse hot na banheira entao sem palavras,Dem bem safada quer q o Joe realize todos os desejos sexuais dela ui adoroo ta mt perfeito ain Gosh
    To amando demais
    Posta Logo
    Xoxo

    ResponderExcluir
  6. muitas emoções para uma só pessoa kkkkkkk...
    tá perfeito
    posta logoo
    beijos

    ResponderExcluir
  7. PQP OQUE FOI ISSO TO CHOCADAAAA SOCORRO DEMI SAFADENHA JESUS QUE HOT BEM HOTIZADO JESUS DEU ATE CALOR ...POSTA DEPRESSA CRIATURAAA

    ResponderExcluir