30.10.15

Epílogo


Um ano depois...

Borboletas, pássaros e formiguinhas. O jardim era simplesmente incrível! Tudo era tão vivo e mágico. Bernardo estava sentado sobre a mantinha forrada pela mãe na grama do jardim de casa onde tinha sombra e brincava com o cubo mágico e milhares de lego que não tinha risco dele engolir que ganhara do namorado da irmã naquela manhã; O dia estava lindo para a reunião em família marcada para o almoço. O sol brilhava no céu e os raios que eram irradiados não eram tão agressivos como o de costume, os pássaros encantavam Bernardo voando e se embrenhando na grama molhada como se estivessem brincando com o pequeno. As formiguinhas às vezes subiam nas perninhas gordinhas do bebê e Bernardo as observava atentamente com os seus olhos marrons antes que a mãe se irritasse com a pobre formiguinha e a colocasse bem longe de suas perninhas. Demi, a poucos metros do pequeno, sempre observava o filho atenta a tudo que o cercava mesmo que estivesse focada em podar as roseiras para que lindas rosas crescessem daqui alguns meses. Também plantara tulipas numa área do jardim que preparara com meses de antecedência. As flores eram rosas, brancas e roxas e pela ordem que plantara cresceria um lindo espiral de tulipas que começara com a cor branca, logo vinha a rosa e depois a roxa. Passando as mãos cobertas pelas luvas de jardinagem no macacão jeans que usava para aqueles fins, Demi não se importou com a sujeira de terra que ficara na roupa e observou Bernardo como ela fazia de cinco e cinco minutos.

   - Bê? - Chamou o pequeno pelo apelido carinhoso. Mas Bernardo estava ocupado demais esboçando um sorriso babão fitando a borboleta azul que pousara em seu joelho. Mais cabeludo que os irmãos com apenas um aninho, Bernardo tinha cabelos castanhos como os da mãe, eram lisos e sempre penteados de lado como um rapazinho comportado. Os olhos alegres e meigos eram marrons e sempre estavam focados no que o bebê achava de mais interessante. As bochechas cheinhas eram gostosas de apertar quando o pequeno esboçava um lindo sorriso de um só dentinho que dera muita dor de cabeça e noites em claro para nascer. – Cuide de Bernardo para mim, vou lavar as minhas ferramentas e já volto. – Disse Demi a Buffy que se aproximou dela todo alegre, mas grunhira alguma coisa fingindo caminhar preguiçosamente para espantar os pobres passarinhos e deitar-se ao lado de Bernardo com a língua de fora ofegando.

   - Mama! Mama! Mama! – Dizia Bernardo desenfreado tentando montar o lego sem sucesso. A primeira palavrinha do pequeno fora “Mamãe” que soara mais como “Mama”, o que fez Demi derramar muitas lágrimas e sorrir boba até quando dormia até porque Bernardo só tinha sorrisos e todas àquelas fofurinhas de bebê com ela. Ele fazia a maior festa quando via a mãe e se aninhava nos braços dela para mamar a olhando com tanta paixão e amor. Adorava quando ganhava beijos e a atenção da mãe. Com Joe e com os irmãos não era muito diferente, mas a ligação com a mãe ainda conseguia ser mais forte.

   - Bê! Eu vou pegar você! – Bernardo sorriu e soltou gritinhos animados ao ouvir a voz do irmão que corria na direção dele completamente molhado vestido apenas com um calção. Joe vinha logo atrás de Daniel também molhado e risonho. Os dois beijaram as bochechas de Bernardo o arranhando com a barba e voltaram correndo para a piscina.

   - Deus! Buffy, você o lambeu? – Disse Demi assim que voltou para o jardim quando era mais tarde às pressas com medo de algo ter acontecido com o seu pequeno. E bem, Bernardo estava todo molhado. – Acho que alguém vai ficar sem patê de carne hoje. – Demi agachou-se ao lado de Bernardo e com muito custo o pegou no colo sobre as ameaças de choro do pequeno que estava adorando brincar no jardim com aquela bola de pelos brancos que ele adorava apertar e com o presente que ganhara na caixa envolta com papel de presente de ursinhos. – O senhor está muito manhoso Bernardo. – Disse o segurando com mais firmeza uma vez que o pequeno tentava sair de seus braços. Bernardo estava naquela fase impossível de querer cruzar os quatros cantos da casa engatinhando e tentando andar apoiado nas paredes com o incentivo do pai e dos irmãos que torciam pelo pequeno como quem torce por um time de futebol. – Eu já disse Buffy, nada de patê de carne para você hoje! – Disse Demi a Buffy que a seguia pelo jardim resmungando como se estivesse entendendo o que ela dizia. – E você precisa de um banho. – Murmurou e Buffy apressou o passo correndo jardim a fora. Ora, a palavra banho ele entendia muito bem.

   - Mama.. – Choramingou Bernardo e Demi o beijou na bochecha logo fazendo careta ao se lembrar de que Buffy tinha o lambido ali.

   - Mamãe vai dar banho em você. Quero o meu bebê limpinh.. – Era inacreditável! Boquiaberta, Demi fechou e abriu os olhos não acreditando no que acabara de acontecer quando virara a direita conversando com Bernardo e praticamente ganhara um banho gelado.

   - Ai caramba! – Alguém gritou e Demi não soube se fora Daniel ou Joe. Os dois estavam dentro da piscina e aos arredores dela tudo estava molhado indicando os mergulhos e “mortais” que eles davam. E se ela caísse com Bernardo no colo? Demi respirou fundo e os fuzilou com os olhos, e pelo sorrisinho amarelo de Joe ela soube que fora ele quem a molhara e molhara Bernardo da cabeça aos pés. – Foi o papai! – Disse Daniel apontando para o pai que também apontava para ele.

   - Eu já avisei sobre essas brincadeiras. – Resmungou Demi. – Machuquem com essas brincadeiras estúpidas que eu vou bater nos dois! – Até Bernardo arregalara os olhos com o tom da mãe. Ele estava achando tão divertido aquela brincadeira e estava louco para sair dos braços de Demi e engatinhar para a piscina para brincar com o irmão e com o pai. – Filhote, mamãe vai dar banho em você, não quero que você fique doente. – Disse Demi carinhosamente beijando a bochecha de Bernardo enquanto eles adentravam a casa. E bem, Joe e Dan não molharam só Bernardo e toda a região da piscina, havia traços de onde eles passaram correndo dentro de casa e Demi escorregou num deles.

   - Você está bem? – A sorte era tanta que Eric a segurou antes mesmo que ela pudesse se chocar com o chão com o pequeno Bernardo nos braços.

   - Estou! – Ela disse com o coração a mil apoiando-se ao braço de Eric e segurando Bernardo firmemente contra o peito. - Obrigada querido. – Eric era oficialmente o seu herói particular. Começara a salvando quando ela estava inconsciente e imersa na banheira, meses atrás ele a salvou de rolar montanha a baixo enquanto esquiavam e agora a salvara de cair dentro da própria casa e com Bernardo nos braços.

   - Quer ajuda com o Bê? – Perguntou Eric acariciando o rosto do bebê que sorriu para ele de orelha a orelha.

   - Está tudo bem, fique a vontade, vou banhá-lo antes que ele fique resfriado. – Eric assentiu e Demi sorriu observando o rapaz partir para a cozinha e então subiu as escadas abraçando Bernardo contra o peito como se quisesse protegê-lo de todo o mal do mundo.

   - Mama. – O pequeno a chamou e Demi sorriu parando em frente à porta do quarto dele para beijá-lo exageradamente na bochecha.

   - Mama está aqui bebê. – Disse Demi abrindo a porta do quarto do filho. – O que foi? Está com fome? – Perguntou o deitando no trocador para despi-lo. – O papai e o Dan são tão malvados com a gente, não é? A mamãe vai dar muitos tapas no bumbum deles. Ninguém molha o meu bebezinho. – Demi curvou-se e distribuiu beijinhos na barriga de Bernardo o fazendo gargalhar. Beijara-o até que encostara a testa a dele e fitou-lhe os olhos marrons como os seus sorrindo. – A mamãe ama você. – Sussurrou e Bernardo animou-se gritando e rindo quando ela o beijou na bochecha.

Despir Bernardo era impossível! O bebê era cheio de energia e adorava rir pensando que a mãe estava brincando com ele, mas na verdade Demi tentava despi-lo a todo custo e quando finalmente conseguiu, fizera careta ao ver a fralda do pequeno carregada.

   - Ugh! O bumbum do bebê da mamãe está todo sujo. – Disse Demi puxando lenços umedecidos e levantando as perninhas de Bernardo para cima para limpá-lo.. – Que tal um banho bem gostoso para ficar fresquinho? A mamãe vai te amamentar e você pode dormir à tarde todinha. – Pelo visto a ideia de dormir estava fora de cogitação. Demi observou Bernardo dar aquela risadinha gostosa olhando na direção da porta e quando ela virou-se para ver quem era cerrou os olhos ao encontrar Joe ali todo molhado que os cabelos chegavam estar colados à testa. – Joseph! – Ela o repreendeu e ele sorriu adentrando o quarto.

   - O garotão vai tomar banho? – Demi revirou os olhos quando Joe se aproximou e Bernardo como sempre esboçou o sorriso babão para o pai erguendo os bracinhos para que Joe pudesse pegá-lo. – Ei cara, você está sujo de cocô. – Disse fazendo careta e rodeando a cintura de Demi com os braços para abraçá-la por trás.

   - Deus! Joseph! Você está impossível! – Disse Demi o empurrando. Ele estava gelado, oras! – Pior que Bernardo. – Joe riu sapeca e a beijou na bochecha sem soltá-la. – Amor, já que você não vai tirar essa roupa molhada, separe um par de roupas frescas para o nosso pequeno. – Ela simplesmente não conseguia resistir a ele e ficar chateada por muito tempo. Demi o olhou e riu do estado do marido, mas o beijou na bochecha.

   - Vou separar. – Disse Joe sorrindo ao olhar para o filho inquieto no trocador brincando com os próprios dedinhos. Bernardo era tão fofo que mesmo com a bagunça que ele fez, Joe curvou-se para beijá-lo na bochecha e sorriu bobo ao ver o sorriso do filho.

   - “Pa Pa”. – O pequeno chamou pelo pai erguendo os bracinhos, mas quem o pegou foi a mãe depois de limpá-lo com os lenços umedecidos para levá-lo para o banheiro.

   - Posso lavá-lo? – Perguntou Joe logo atrás de Demi segurando a mãozinha de Bernardo enquanto Demi preparava a banheira com água morna.

   - Não é melhor você tirar essa roupa? Vai acabar ficando resfriado. – Comentou Demi colocando o pequeno na banheira dando espaço para Joe aproximar-se para lavá-lo.

   - Não vou ficar resfriado vestido apenas com bermudas. – Disse Joe ensaboando o pequeno arrancando gritinhos e risadas de Bernardo que como sempre pensava que o pai estava brincando com ele.

   - Não é bom usar roupas molhadas. – Demi encostou-se à bancada do banheiro de Bernardo e sorriu o observando todo animado brincando com o pai. Era tão gratificante vê-lo sorrir todo feliz com algo tão simples. – Meu Deus! De onde vem tanta energia? – Demi acabou se juntando a brincadeira. Aproximou-se da banheira para ajudar Joe a lavar os cabelos de Bernardo e a festa começou. A gargalhada de Bernardo era contagiante assim como a da mãe, o pequeno não economizava sorrisos e engatava em todas as brincadeiras bobas do pai.

   - Olha só! O super bebê vai para os braços da mamãe! – Joe segurava Bernardo de forma que as perninhas dele ficavam livres no ar, cortava o ar com o pequeno como se o mesmo fosse o superman e Bernardo ria animado. – Fala para a mamãe segurar você bebê. – Disse Joe o beijando na bochecha e logo Bernardo estava nos braços da mãe feliz e risonho.

   - Você está ligado na tomada? – Perguntou Demi arrumando a toalha no corpo do pequeno caminhando para dentro do quarto. Nos últimos dias Bernardo acordava no meio da noite chorando esfomeado, não queria dormir no berço e só sossegava quando estava na cama dos pais nos braços da mãe. Assim fora na última noite. – Espero que ele durma um pouco. – Comentou Demi posicionando a fralda descartável um pouco acima do bumbum do bebê depois de enchê-lo de talco e secá-lo para que o pequeno não sofresse com assaduras.

   - Você sabe como são os bebês nessa fase querida, não param um segundo. – Disse Joe pegando a camisa azul bebê que separara para vestir Bernardo. – Deixe-o apenas de fralda e camiseta para proteger o tórax dele. – Joe vestiu a camisa em Bernardo e Demi sorriu quando o pequeno bocejou. Ora! Mais cedo ou mais tarde ele teria que ceder e deixar o sono dominá-lo.

   - Agora você vai ficar com a Beth para a mamãe tomar banho com o papai, ok? Depois você pode mamar e dormir. – Demi penteou os cabelos de Bernardo como sempre fazia e o aninhou no colo para levá-lo para Lizzie. – Ele vai dormir. – Disse Demi para Joe acariciando os cabelos do pequeno enquanto eles saíam do quarto.

   - Será? Vou te esperar no banheiro. – Joe beijou a bochecha de Bernardo e roubou um selinho de Demi.

   - Meu amor, você vai ficar com a sua irmã e o Eric. – Disse Demi enquanto descia degrau por degrau da escada tendo todo o cuidado do mundo já que estava com Bernardo nos braços. – À noite a gente pode assistir um desenho do Pooh e comer chocolate. – Bernardo simplesmente adorava assistir desenhos animados, principalmente quando o desenho era do ursinho Pooh. – Bê? – Chamou o pequeno pelo apelido assim que desceu a escada. Bernardo estava tão quietinho, tinha a cabeça deitada em seu ombro esquerdo e Demi tinha certeza que ele estava a um passo de dormir. – Amor? Você está dormindo? – Demi acariciou os cabelos dele ainda úmidos e caminhou para sala onde encontrou Elizabeth e Eric concentrados nos livros sentados no tapete da sala. Lizzie estava sentada entre as pernas de Eric e lia atentamente o livro que tinha em mãos. Desde a última virada do ano, quando Eric pôs-se de joelhos e pediu a menina em casamento em frente a todos, o namoro ganhara uma força incrível e inabalável, Elizabeth tinha amadurecido tanto que a mãe ficara orgulhosa e de coração partido só de pensar que a sua menininha sairia de casa daqui alguns anos.  – Crianças? – Demi os chamou observando como Lizzie tinha crescido e não descolava de Eric nem mesmo para ler um livro. Às vezes todo aquele grude lhe causava ciúmes por Elizabeth dar toda a sua atenção para o namorado, mas daí Demi se lembrara de quando era adolescente e Joe era o seu mundo.  E em comparação a Elizabeth, ela era muito rebelde e desobediente. – Bernardo vai ficar um pouquinho com vocês, tudo bem? – Disse Demi aproximando-se para colocar o bebê nos braços da filha.

   - Eu vou adorar ficar com esse bebê babão. – Disse Elizabeth apertando as bochechas de Bernardo que mesmo sonolento ergueu-se esboçando o seu sorriso de derreter corações.

   - Ele está morrendo de sono, mas não quer admitir. – Comentou Eric sorrindo para o pequeno que sorriu de volta apoiando as mãozinhas nos ombros da irmã para tentar ficar de pé.

   - Está. – Disse Demi agachando-se para ficar pertinho de Bernardo. – Mamãe vai tomar banho, obedeça a sua irmã e o Eric, está bem? – Demi acabou roçando o nariz ao de Bernardo e distribuindo vários beijinhos pelo rosto dele arrancando risadinhas do pequeno. – Cuide dos meus filhotes Eric, volto num segundo. – Demi ergueu-se e antes de subir para finalmente tomar um banho relaxante com Joe passara no jardim para recolher os brinquedos de Bernardo e colocá-los no chiqueirinho que ficava na cozinha.

   - Você demorou querida. – Disse Joe assim que viu Demi adentrar o banheiro e fechar a porta pelo reflexo do espelho.

   - Eu estava cuidando do nosso filhote. – Disse envolvendo a cintura dele com os braços e depositando um beijo nas costas largas e nuas. – Não quero que você fique resfriado. – Sussurrou Demi um tempo depois admirada com o homem a sua frente fazendo a barba.

   - Não se preocupe querida, vou te passar o meu resfriado. – Ele disse piscando para ela e Demi riu encostando-se no balcão do banheiro para esperá-lo.

   - Vai tirar toda a barba? – Perguntou Demi fitando Joe deslizar suavemente o barbeador abaixo do maxilar onde estava cheio de espuma branca.

   - Hum.. – Ele murmurou quando toda aquela região já estava livre da espuma e dos pelos que o incomodava. – Só estou acertando. – Demi assentiu e preferiu ficar quieta olhando o marido se barbear. Joe tinha um cuidado absurdo com a barba, nunca a deixava crescer sem os devidos cuidados e retoques como ele dizia. – Está bom? – Ele finalmente perguntou quando a espuma branca já não estava em maior parte do rosto.

   - Está. – Disse Demi sem deixar de sorrir para ele puxando a blusa que para cima. – O que foi? – Ela perguntou sem deixar de notar os olhos de Joe sobre o seu corpo enquanto ela se despia.

   - Eu sou um cara de muita sorte, sabia? – A risada dela foi contagiante. Demi despiu-se ficando completamente nua na frente dele sem vergonha do corpo que batalhara na academia nos últimos meses para conseguir e o resultado fora de completo agrado. – Amor, vou tomar banho de cueca, não quero te assustar. - Revirando os olhos, Demi riu e correu para o box ligando a ducha e puxando Joe para abraçá-la enquanto a água morna levava todo o cansaço daquele dia que mal começara.

   - Vai me ajudar na cozinha? – Perguntou Demi beijando o maxilar de Joe encolhendo-se nos braços dele.

   - É claro que eu vou pequena. – Disse ele pegando a bucha e o sabão para ensaboá-la. – Agora eu vou cuidar de você bebê. – Demi fechou os olhos com o carinho que ele fazia em suas costas a ensaboando e sorriu com o beijo que ganhara na testa. Ela sim tinha muita sorte. Joe era o melhor marido que uma mulher podia desejar.
...

   - Não aperta para não estourar. – A cozinha estava uma verdadeira bagunça, havia ingredientes de todos os pratos que preparariam para o almoço em família espalhados pela mesa e pelo balcão. O fogão e o forno trabalhavam a todo vapor finalizando os pratos deliciosos que Demi montara junto com Joe. – Amor, não aperta! – Ela disse auxiliando Joe que fritava as almôndegas que acompanhariam o espaguete apimentado.

   - Se eu não apertar vai ficar crua por dentro. – Disse Joe determinado a fritar as almôndegas as apertando com a espátula e como Demi disse, a bolinha de carne que Joe apertava partiu-se.

   - Joseph! – Demi o olhou feio e tomou a espátula dele para que ela mesma fritasse as almôndegas da maneira correta. – Deus! Joseph! Deixa de ser manhoso. – Disse quando ele a abraçou por trás do jeito exagerado dele e a beijou na bochecha resmungando algo baixinho.

   - Dem, eu queimei o meu dedinho. – Resmungou manhoso e Demi riu colocando mais almôndegas para fritar.

   - Queimou o dedinho meu príncipe? – Abaixando o fogo da chama do fogão, Demi beijou o dedo indicador de Joe e envolveu o marido num abraço de urso. – Oh Deus! Que homem manhoso. – Ela disse o beijando na bochecha.

   - Você não tem noção de como é bom ser mimado por você. – Disse Joe com um sorriso de orelha a orelha nos lábios. – Você só não é uma boa chefa, acho que vou voltar para Sara. – Demi arqueou as sobrancelhas e Joe deu de ombros. Meses atrás quando ele mostrou a Demi a carta de demissão, Joe realmente não estava brincando. Pedira demissão a NY Times e ficara trabalhando no estúdio com os irmãos e como um dos empresários de Demi, o que era bem cansativo já que Demi fazia questão de jogar duro com ele ao mesmo tempo em que eles flertavam.

   - É mesmo Joseph? – Disse Demi levando as mãos à cintura e Joe engoliu em seco. – E você vai flertar com a Sara e transar com ela na mesa de vidro do seu escritório? – Joe arregalou os olhos, mas sorriu puxando Demi pela cintura.

   - Só vou flertar e fazer amor na mesa de vidro do meu escritório com você. – Ele sussurrou dando um beijo suave no maxilar dela. – Eu amo você bebê ciumento. – Disse Joe acariciando o rosto dela com a ponta dos dedos admirando cada detalhe que ele tanto amava, principalmente as sardas que pintavam o rosto da amada. Beijara os lábios dela e a vontade de sorrir quando ela não o correspondeu a início era grande, mas Joe focou-se em aninhá-la em seus braços e saborear dos lábios dela como se o mundo estivesse para acabar no próximo segundo quando Demi o correspondeu enlaçando os dedos nos cabelos dele e o beijando com paixão.

   - As almôndegas! – A voz de Elizabeth os assustou e só notaram que as almôndegas estavam esturricadas quando se separaram ofegando e assustados. – A vovó tem razão de reclamá-los, Deus! Vocês não podem ficar um segundo sozinhos. – Disse a menina entregando Bernardo nos braços do pai para que pudesse abrir a janela da cozinha. – Bê quer ficar com o papai, ele não para chamá-lo e não quer dormir. – Disse Lizzie arqueando as sobrancelhas como a mãe arqueava ao olhá-la.

   - É que está na hora da gente assistir animal planet, não é bebê? – Disse Joe limpando a baba de Bernardo com a fralda. Todos os dias naquele mesmo horário Joe e Bernardo assistiam animal planet sentados no sofá um abraçado ao outro e impressionados com os milhares de documentários sobre os animais e o mundo. – Hoje vai passar a história dos lobos, o papai viu na internet. – Joe beijou Demi na bochecha e Lizzie logo caminhando para a sala com o pequeno nos braços.

   - Ei, onde está o seu namorado? – Perguntou Demi colocando uma mecha dos cabelos loiros de Lizzie atrás da orelha da menina.

   - Está com Daniel. – Murmurou Elizabeth revirando os olhos. E Demi riu. Elizabeth e Dan nunca levantariam a bandeira branca. – Mãe, a carta chegou. – A principio Demi não sabia o que diria, o coração apertou e a vontade de chorar a dominou. Daniel terminara a escola e como todo adolescente a tão esperada carta de recomendação fora enviada a faculdade que Daniel escolhera e o retorno chegara.

   - Ele abriu? – Perguntou Demi franzindo o cenho quando Elizabeth assentiu e ela soube da resposta. – Oh Deus. – Murmurou apoiando-se na bancada. Só de pensar em Daniel na faculdade e Elizabeth casada daqui alguns anos a deixava zonza e de coração apertado.

   - Mãe.. Mecânica é o sonho dele. – Disse Elizabeth aproximando-se da mãe para limpar as lágrimas que rolavam pelo rosto de Demi. – Não chora. – Pediu abraçando a mãe e sendo abraçada por ela.

    - Meu amor.. – Começou a dizer Demi abraçando a filha contra o peito tentando conter as lágrimas e o buraco que se formava em seu peito. – Um dia.. um dia você vai ser mãe e você vai saber como é horrível ficar um segundo longe dos seus filhos. São tantas coisas que passam por nossa cabeça. Se eu pudesse, eu teria você e os seus irmãos comigo o tempo todo. Não quero que nada de mal aconteça a vocês, prefiro que aconteça comigo a ver os meus bebês machucados. – Lizzie sabia que era verdade cada palavra dita pela mãe. Ela sempre estava lá para protegê-los e guiá-los daquele jeito carinhoso e durão que só pertencia a Demi.

   - Eu queria ficar protegida em seus braços para o resto da minha vida, mas.. – Disse a menina olhando para os olhos da mãe e por mais que machucasse, Demi a entendia, pois passara o mesmo com Dianna.

   - Mas você o ama. – Sussurrou Demi acariciando o rosto da filha. – Só não case agora, quero você e os seus irmãos comigo e com o seu pai bobão por muito tempo. Nós não estamos preparados para deixá-los ir. E novos demais para ter netinhos. – Elizabeth assentiu sorrindo para a mãe e acabara roçando o nariz ao dela num beijinho de esquimó o que fez Demi chorar ainda mais a abraçando contra o corpo.

   - Eu sempre vou ser o seu bebê. – Disse a menina arrancando um sorriso da mãe em meio às lágrimas. – Dan também, e o Bê, bem, ele é um bebê. – Demi riu e a aninhou em seus braços, beijou-lhe a testa e guardou as palavras da menina em seu coração.

   - Que tal ajudar a mamãe com o almoço? Se nós dependermos do seu pai a gente não termina esse almoço hoje e o pessoal morre de fome. – Lizzie assentiu envolvendo a mãe num abraço de urso adorando toda aquela atenção que recebia. Era simplesmente fantástico ser mimada por Demi.

   - Mãe, o Bê estava tentando andar sozinho, ele deu um passinho e caiu. – Demi sorriu sabendo que aquilo era obra de Eric já que ele adorava mimar Bernardo e ensiná-lo a andar segurando nas mãozinhas do pequeno. – Você e o papai vão ter mais bebês? – Perguntou Elizabeth do nada e Demi franziu o cenho sem saber o que responder.

   - Hum.. não, vocês três já são o suficiente para me deixar louca. – Comentou Demi buscando pela batata palha para começar a fazer o salpicão. – E o seu pai.. Ele dá muito trabalho, mais trabalho que você e os seus irmãos juntos. – Disse e a menina riu assentindo. Joe era realmente um bebezão quando queria, era manhoso e muito carente de atenção feminina. – Mas se acontecer, um bebê sempre será bem-vindo na nossa família. – Lizzie assentiu e juntas elas elaboraram milhares de pratos enquanto conversavam em meio às risadas exageradas de Demi e as bochechas coradas de Elizabeth.

Não tinha coisa melhor que ter a família e os amigos reunidos numa tarde ensolarada Californiana. Não demorou muito para que o almoço ficasse pronto já que Denise e Danielle ajudaram Demi e Lizzie na cozinha. A casa então estava cheia de alegria e muitas risadas.

   - Olha só filho, o Lobo quer namorar com a Lobinha. – Em pé e escorada na parede da sala, com um sorriso radiante nos lábios e os olhos brilhantes, Demi fazia o máximo de silêncio possível e focara-se em Joe deitado no sofá com o pequeno Bernardo deitado sobre o corpo forte do pai. – Eles vão ter muitos filhotinhos, sabia? – Demi acabou rindo quando na TV mostrara o acasalamento dos lobos e Bernardo alternava-se em fechar os olhos e a assistir ao programa sem entender nada do que acontecia.

   - Joseph, ele é muito pequeno. – Disse Demi quando fora descoberta pelo marido e pelo pequeno. – Nós já vamos almoçar querido. – O pequeno aninhou-se nos braços de Demi quando ela o pegou e o beijou na testa. Bernardo estava caindo de sono, mas mesmo assim não deixara de levar a mãozinha ao seio da mãe naquela forma que ele mostrava que estava com fome. – Eu sei meu amor, está na hora de você mamar. – Bernardo chegara fechar os olhos enquanto era mimado pela mãe que acariciava os seus cabelos castanhos com as pontas dos dedos.

   - Ele está com sono, Dem. – Disse Joe assim que desligou a televisão e aproximou-se da esposa para beijar o pequeno Bernardo. – Vamos? – Demi assentiu e em silêncio caminharam lado a lado para a enorme cozinha onde todos estavam reunidos e conversavam animadamente rindo das piadas de Miley e do quão Nick estava corado.

   - Alice está com fome, posso amamentá-la no quarto do Bê? Ela sempre dorme depois que eu a amamento. – Demi assentiu espiando a bebê nos braços de Selena. A pequena era a mistura perfeita da mãe e do pai, era branquinha e miúda como Selena quando bebê e tinha os lindos olhos azuis do pai.

   - Ela é tão quietinha. – Comentou Demi enquanto caminhava com Selena para fora da cozinha. – Bernardo é um bom menino, mas não quer dormir mesmo que esteja caindo de sono. – Selena riu olhando para o pequeno Bernardo nos braços da melhor amiga lutando para não dormir e chamando a mãe daquele mesmo jeito manhoso que lembrava muito o jeito do pai.

   - Ele só quer brincar Dem, descobrir como o mundo funciona. – Disse Selena enquanto elas subiam a escada. – Alice agora quer explorar a casa toda só porque aprendeu a engatinhar e não quer engatinhar sozinha. Ontem o Chris engatinhou com ela a casa todinha, ela ficou tão cansada que dormiu a noite toda. – Demi riu olhando para a pequena Alice. Ela sabia como os bebês podiam ser emotivos e convencer os pais a fazer tudo que eles queriam apenas com um sorriso.

   - Aproveita para namorar quando ela estiver dormindo, daqui alguns meses vocês vão ficar loucos com as travessuras dela. – Selena assentiu adentrando o quarto de Bernardo com Demi a sua cola.

   - Ah Dem, nós estamos aproveitando. – Disse Selena sentando-se a poltrona para amamentar a pequena Alice e Demi sentou-se ao puff azul mimando Bernardo com beijinhos e carinhos. – Se eu soubesse que era tão bom ser casada e ter um bebê, eu teria me envolvido com o Chris anos atrás quando ele tentou flertar comigo e eu dei um senhor fora nele para ficar com o Ian. – Demi ajeitou o pequeno Bernardo em seus braços e logo ele estava sujando-lhe o leite materno com tanta fome que Demi sentiu-se culpada por passar tanto tempo envolvida com o almoço enquanto o seu filho estava com fome.

   - Deus sabe de todas as coisas. – Disse fitando os olhos de Selena. – Talvez se vocês se envolvessem antes não daria certo. – Selena assentiu pensativa e desviou os olhos dos da melhor amiga para fitar a sua menininha em seus braços mamando com tanta paciência.

   - Você tem razão. Não sou mais aquela mulher frágil de antes, me sinto forte e amada. – O sorriso de Demi foi de orelha a orelha em completa felicidade por Selena. – Nós estamos bem, sabe? Eu o amo, ele me ama e nós temos a nossa menina. – Disse Selena toda orgulhosa.

   - Não há nada que supere o amor, Sel. – Disse pensando em tudo que acontecera desde o dia que vira o anúncio que mudara a sua vida até o último olhar que trocara com Joe na sala há poucos minutos. – Eu o amo tanto, amo tudo que nós temos e tenho comigo que tudo que nós passamos foi para aprendermos a nos valorizar e amar um ao outro da forma mais pura. – Os dedos de Demi corriam pelo rosto de Bernardo que já dormia serenamente em seus braços cansado e satisfeito.

   - Vocês estão tão apaixonados. Dá para perceber até quando se olham. – Comentou Selena sorrindo. – Mas vocês são tão melosos. – Demi riu da careta de Selena. Não existia coisa melhor que ficar grudada a Joe o tempo todo, ele pensava como ela e bem, eles eram melhores amigos, namorados e casados.

   - Vocês exageram! Nós não somos tão melosos assim. – Defendeu-se Demi. – Nós brigamos às vezes, e estamos aproveitando enquanto estou parada. – De certa forma era verdade, havia um bom tempo que Demi não fazia shows em enormes arenas, optara por algo mais leve como acústicos nas redondezas de Los Angeles já que queria estar perto dos filhos e de Joe antes de partir para uma turnê mundial.

   - Vocês são melosos, confessa! – Disse Selena colocando a pequena Alice para golfar. – Você nem tanto, devo admitir, mas o Joe! Eu acho que a tia Dê não deu muito carinho para ele. – Demi riu levantando-se para colocar Bernardo no berço.

   - Ela é muito carinhosa, o Joe é que é manhoso e tão carente. – Disse Demi deitando o pequeno no berço de forma que sobrava um bom espaço para Alice.

   - E você adora! – Demi riu corada quando Selena lhe lançou aquele olhar carregado de segundas intenções. – Nossos bebês são tão lindos. – Disse Sel quando deitara Alice ao lado de Bernardo.

   - Sim, eles são. – Comentou Demi observando o filho dormir e a pequena Alice adormecida ao lado dele como um anjinho. – O que foi? – Perguntou Demi a Selena assim que ela a olhou um tanto surpresa e com um sorriso enorme nos lábios. Demi tornou a olhar para o berço e sorriu também pensando o mesmo que Selena.

   - Eles são tão fofos juntos. – Disse Selena mordendo o lábio inferior e logo sorriu fitando a amiga. – Já pensou nos dois adolescentes e apaixonados um pelo o outro? Nós vamos ser da mesma família. – Demi riu e fitou os dois bebês deitados lado a lado, não era uma má ideia.

   - Sel, a gente já é da mesma família. – Disse Demi abraçando a amiga de lado. – Você é como uma irmã para mim. – Selena sorriu e a abraçou de volta. – E eu acho que vou acabar proibindo o meu pequeno de namorar, ah Sel! Você não sabe como é ruim ser deixada de lado. Elizabeth está noiva e Daniel vai para a faculdade. – Murmurou emburrada e Selena a olhou sem entender.

   - Dem, qual o problema? Eles crescem e precisam seguir sozinhos. – Depois do que dissera Selena fitou o rosto de Alice e sentiu um nó no peito. – Tudo bem, é ruim.. mas é preciso. – Disse acariciando as bochechas da filha.

   - Ele recebeu a carta hoje Sel, o meu garotinho vai conhecer um mundo completamente diferente, vai fazer novos amigos e não vai ter tempo para ficar comigo. – Murmurou Demi cobrindo Bernardo e o observando com tanta paixão e proteção que só pertencia a uma mãe. – Beth está noiva, e ano que vem ela também receberá a carta da faculdade. – Selena tornou a abraçar Demi de lado sabendo como a amiga era apegada aos filhos.

   - Eles são os seus bebês para sempre Dem, isso nenhum namoro ou o mundo pode mudar. – Demi assentiu com pesar e esboçou um sorriso tristonho quando Selena a puxou para fora do quarto para que as crianças pudessem dormir sossegadas. – E você e o Joe podem trabalhar para ter mais bebês. – Demi revirou os olhos com o olhar malicioso de Selena e fechou a porta do quarto dando de cara com Daniel e Jenny.

   - Mais bebês mamãe? – Perguntou Daniel arqueando as sobrancelhas esperando uma resposta da mãe. Em um ano muitas coisas mudaram, é claro, para melhor. Todos estavam felizes e Daniel, bem, o rapaz estava radiante e amadurecera num pequeno prazo, mas Dan ainda era aquele velho garoto que adorava perturbar a irmã e tirar a mãe do sério.

   - A fábrica fechou. – Disse Demi fazendo careta.

   - O papai não vai gostar dessa notícia. – Daniel esboçou aquele sorriso galã que deixavam as garotas malucas e olhou para a namorada enlaçando os dedos aos dela. – Nós vamos.. Hum.. Vou mostrar algo a Jenny no meu quarto, tudo bem? – Perguntou a mãe um pouco tímido e Demi assentiu trocando um breve olhar com Jenny.

   - Ei! – Disse Demi quando já desceria o primeiro andar da escada e Daniel que abria a porta do quarto parou para olhar para a mãe. – Quer cochilar comigo mais tarde? – Perguntou um tanto sem jeito e Daniel assentiu sorrindo e a fitando.

   - Viu? Ele não vai te trocar por nada e ninguém. – Disse Selena despertando a atenção de Demi.

   - A senhorita Lovato está com ciúmes? – Demi quase infartou, mas riu assim que Elizabeth a abraçou por trás quando elas desciam o último degrau da escada.

   - Talvez eu esteja morrendo de ciúmes. – Disse Demi abraçando a filha e mostrando língua para Eric que cruzou os braços e arqueou as sobrancelhas. – Aliás, o que vocês estavam fazendo lá em cima? – Selena riu quando os dois adolescentes coraram com a pergunta da amiga.

   - O sinal do WiFi é melhor. – Mesmo corada Elizabeth controlou-se para não rir da resposta de Eric.

   - Vocês não enganam ninguém! – Disse Demi fitando os cabelos loiros de Eric bagunçados e as roupas desgrenhadas de Elizabeth. – Ei! Aonde vocês vão? – Perguntou Demi assim que Elizabeth gargalhou depois de beijá-la na bochecha e beijar Selena.

   - Procurar um lugar onde o sinal do WiFi pega melhor! – E então a menina saíra correndo para fora de casa puxando o namorado pela mão.

   - Ela é a sua cara. – Disse Selena apoiando as mãos nos ombros da amiga para que elas pudessem caminhar na direção do barulho que vinha da sala. – Eles são como você e o Joseph. – Demi assentiu enlaçando os dedos aos de Selena a olhando por cima do ombro e sorrindo para a amiga.

   - Mas eles têm mais juízo que eu e o meu Joe. – Juntas elas caminharam rindo e cochichando até que estavam na sala. Era tão bom aqueles encontros que eles sempre faziam. Demi sorriu observando todos tão animados e felizes. Marissa estava sentada na ponta do sofá ao lado de Miley e Chris e não economizava sorrisos para Josh, o finalmente noivo que a deixara balançada de paixão. E bem, Miley, sentada entre Marissa e os pais de Demi não deixava de fazer piadas que todos riam. Anne, Bryan e Alena conversavam e riam como todos os adolescentes faziam compartilhando mensagens e memes da internet. Denise e Paul estavam sentados e observavam os filhos. E o sorriso de Demi alargou-se ainda mais ao ver que no colo de Nick tinha um violão e que mesmo que Danielle estivesse agarrada a Kevin, ele também tinha um violão e dedilhava alguns acordes. E lá estava ele. Tão lindo e descontraído. Nenhum detalhe passara despercebido por Demi. Dos braços fortes cruzados as roupas simples que Joe vestia que o deixava mais lindo e natural. Demi o olhou e sorriu ao ver Buffy deitado sobre os pés de Joe que conversava com os irmãos feliz e sem poupar sorrisos. Os olhos cor de mel esverdeados chegavam a brilhar mais.

   - Pequena! Vem cá! – Chamou-a Joe quando a flagrara o olhando com um sorriso bobo nos lábios. E Demi caminhara até ele corada e quando finalmente estava de frente a Joe, ela ficou ainda mais vermelha quando ele afastou um pouco as pernas fazendo Buffy grunhir alguma coisa e a sentou ali a abraçando carinhosamente já que no sofá não tinha mais espaço. – Bernardo dormiu? – Perguntou Joe e Demi assentiu balançando a cabeça envergonhada depois que notara como Denise e Dianna a olhava sorrindo. – Olha para mim. – Ele pediu e Demi engoliu em seco quando virou-se para olhá-lo. Ele ficava tão lindo de boné e com aquele sorriso sempre nos lábios. – Por que você está com vergonha? – Sussurrou Joe acariciando o queixo dela fitando-lhes os olhos com tanta intensidade e paixão.

   - Não estou com vergonha. – Murmurou Demi desviando os olhos dos dele já que cometeria um ato insano se continuasse fitando aqueles olhos bonitos por muito tempo.

   - Está sim! – Joe a beijou na bochecha e a envolveu num abraço de urso flagrando também os olhares de Dianna e Denise, agora ele sabia por que Demi estava corada. – Não mereço um beijo? – Perguntou Joe esboçando um sorriso sapeca para Demi, que tornou a olhar para Dianna e Denise, mas riu quando elas desviaram os olhares também rindo.

   - Joseph, aqui não.. – Sussurrou Demi, mas já era tarde demais, Joe levara as mãos dela para o rosto e Demi respirou fundo deslizando a ponta dos dedos pela barba dele. – Amo você querido. – Sussurrou nos lábios dele e o beijou de forma calma e lenta para não chamar atenção.

   - Amo você bebê. – Ele sussurrou a beijando na testa e Demi deitou a cabeça no peito largo fechando os olhos para escutar os batimentos cardíacos de Joe. A melhor parte foi quando a voz calma e suave dele soou em versos melódicos, era tudo que ela ouvia além das batidas do coração dele e do som dos violões. A cada música o sorriso de Demi aumentava e ela aninhava-se a Joe sentindo o coração disparar de amor por aquele homem maravilhoso.

   - Esse foi o melhor dia da minha vida. – Disse Demi abraçando Joe de lado enquanto eles viam os carros partirem já no final da tarde. – Pensei que nunca mais te ouviria cantar como você cantou hoje, me sinto tão honrada. – Joe desviou o olhar do horizonte para fitar a baixinha agarrada a ele.

   - Eu me sinto honrado por ter você só para mim. – Ele disse envolvendo a cintura dela com os braços e curvou-se para beijá-la nos lábios. – Foi um dia maravilhoso, não acha? – Joe roubou um selinho demorado e enlaçou os dedos aos dela para entrarem para casa.

   - O melhor de todos! – Disse Demi o abraçando de lado enquanto eles caminhavam pelo caminho de pedras do jardim. – Você estava tão lindo cantando. Por favor, não pare de cantar, eu amo ouvir a sua voz. – Joe sorriu tímido e a puxou para que eles se sentassem num dos banquinhos do jardim para ver o sol se por naquele final de tarde.

   - Não vou parar. – Ele disse fitando o céu. – Obrigado por ser a minha garota. Eu amo você. – Demi sorriu e deitou a cabeça no ombro dele, beijou-lhe o pescoço e os lábios com paixão.

   - A casa está quieta demais. – Comentou Demi minutos mais tarde erguendo-se desviando os olhos do céu já escuro para olhar para Joe.

   - Estão dormindo ou aprontando. – Levantando-se, Demi o puxou pelas mãos até que Joe estivesse de pé e rindo das caretas que ela fazia. Ora, ele era pesado! – Você é uma gracinha. – Ele disse a abraçando por trás para que juntos eles caminhassem para dentro de casa.

   - Joe, você é muito pesado. – Murmurou Demi tentando desfazer do abraço dele. – Joseph! – Choramingou sentindo todo o peso do corpo dele em seus ombros e Joe riu agilmente a pegando no colo.

   - Melhor? – Ele disse roçando o nariz ao dela e Demi envolveu o pescoço dele com os braços para que não caísse.

   - Joe! – Ela gritou e riu quando ele ameaçou jogá-la para cima. – Você é muito malvado comigo amor. – Disse manhosa o beijando no peito enquanto Joe subia a escada. – Ei! Preciso checar se está tudo bem com os nossos bebês. – Joe negou balançando a cabeça e esboçando um sorriso sapeca abrindo a porta do quarto.

   - Eles estão dormindo. – Disse assim que adentrou o quarto e trancou a porta logo caminhando com Demi às escuras em direção à cama. – Já disse que você é a mulher mais linda desse mundo? – Ele a deitou na cama com todo o cuidado do mundo e deitou-se sobre ela aproveitando para acender a luz do abajur.

   - Hum.. Hoje não. – Demi não resistiu ao sorriso de menino dele e o aninhou ao corpo.

   - Você é a mulher mais linda de todo o mundo! – Ele disse erguendo-se para que ela deslizasse a camisa por seu tronco forte e a jogasse em um lugar que eles descobririam mais tarde. – E eu amo o seu sorriso e o jeito que você me olha. – Comentou beijando o tórax dela mesmo sobre a camisa que Demi vestia. – A sua risada e as suas bochechas coradinhas. – Demi sorriu e o puxou para um beijo apaixonado. – Amo como você é fofa e como você faz amor comigo como se não houvesse o amanhã. – Demi levou as mãos aos cabelos dele e os acariciou com os dedos abrigando Joe entre as pernas.

   - Eu te amo tanto, tanto, tanto! – Demi distribuiu uma série de selinhos pelo rosto dele e observou vidrada em como ele era lindo. A pele morena diferente da dela branca e rosada, o rosto bonito marcado pela barba que o deixava incrivelmente sexy, o nariz que ela adorava roçar ao dela e os olhos cheios de paz e amor naquela mistura de cor de mel e verde. Demi os fitou e os viu esconder-se quando ela os beijou carinhosamente e voltou a fitá-lo apaixonada. Ah! Enroscara os dedos nos cabelos negros lisos adorando senti-los macios em seus dedos. Demi o observou com um pequeno sorriso nos lábios e ficara boquiaberta quando seus olhos captaram em meio à cabeleira negra de Joe um fio que se destacava..

   - Dem? – Joe a chamou depois de beijá-la na bochecha e então fitara os olhos marejados dela. – Está tudo bem princesa? – Ele perguntou preocupado e ela apressou-se a assentir umedecendo os lábios e fechando os olhos para que a lembrança da primeira vez que ela o viu quando ainda eram adolescentes assim como todas aquelas lembranças de tudo que viveram juntos lhe invadisse a mente.

   - Eu te amo. – Ela disse o puxando para um beijo apaixonado. – Para todo o sempre.


Fim..

Oi.. É, acabou. Eu não sei o que dizer.. Então... Foi tão bom escrever essa fanfic, eu a amo e vou sentir tanta falta de pensar em novos capítulos, no Joe sempre tão fofo com a Demi.. Mas tem que acabar né? Muito, muito, muito, muito obrigada a todos os leitores pelos comentários e pelas visualizações, vocês não tem ideia de como é bom saber que alguém gosta do que você faz, sério, muito obrigada a todos(as) vocês! Droga, eu não vou chorar :( Um super e mega obrigada para a Srta. Alessandra Lopes por ter me dado uma luz em meio a escuridão que passei em alguns capítulos e por ter feito algumas partes também, beeeijo Leka <33 Vou ficando por aqui, tenho que estudar para a prova de amanhã e farei um post sobre um futura fanfic. Beijos, tchau! ps. voltei com o whatsapp, quem quiser o número manda dm no twitter >  https://twitter.com/mylittlediley

13.10.15

Capítulo 72 - Bônus


Olhá-la dormir praticamente durante toda a noite e pensar em como a amava e todas aquelas outras coisas já estava virando clichê. Lá fora o sol nascera, os pássaros cantavam e Los Angeles descansava da semana agitada naquela manhã de sábado. Joe estava tão envolvido com os olhos fixos a mulher deitada ao seu lado que mal percebera que o tempo passara desde que fora verificar se estava tudo bem com Bernardo. Ele amava como as bochechas de Demi estavam coradas, amava como os lábios dela estavam avermelhados e um pouco entreabertos, amava como os cílios eram femininos e as sardas no rosto dava a Demi aquele ar inocente de menina que o deixava louco! Como uma pessoa podia ser tão fofa enquanto dormia? Um sorriso cansado nasceu nos lábios de Joe e ele abraçou a esposa depositando um beijo na bochecha dela e logo cheirara os cabelos que exalavam o aroma de frutas. Demi estava tão serena quanto um anjo enquanto dormia. Ela tinha dado tanto trabalho antes de dormir agoniada para saber onde Daniel estava às quase onze horas da noite que quando o garoto chegou em casa com um sorriso de orelha a orelha nos lábios e a aliança no dedo anelar Demi quase o matou. Céus! Ela ficara tão preocupada com as tantas de teorias que surgiam do nada em sua cabeça, mas Daniel não se importou com os palavrões exagerados e cabeludos da mãe. O garoto sorria tanto que Joe também sorriu sabendo que ele tinha conseguido o que sonhava há meses. Ao menos tudo ficara bem, havia pensado Joe abraçando mais o corpo de Demi e deixando o sono levá-lo.

(...)

Deveria ser que horas? A preguiça de levantar-se era tão grande, mas ficar abraçado ao corpo quente de Demi era tão bom que Joe deixou a preguiça dominá-lo e ele abraçou mais Demi sabendo que quando ela acordasse ela brigaria com ele por esmagá-la durante o sono. Mas onde estava o sono? Tentara concentrar-se por minutos e minutos para voltar a sonhar com a esposa, mas nada! Ele só era  preguiça e vontade de passar o dia abraçado a Demi. Suspirando fundo, Joe amaldiçoou as malditas persianas abertas que davam livre passagem para os raios de sol que invadiam o quarto o iluminando por completo. Diabos! Não podia nem dormir um pouquinho até mais tarde enroscado a Demi que os malditos raios de sol resolviam quebrar toda a magia!

   - Porra! – Resmungou Joe um pouco baixo demais soltando Demi e deitando-se de barriga para cima. – Porra! – Resmungou novamente sentindo-se estranho por estar falando palavrão. Joe estava acostumado a acordar tão cedo durante a semana que dormir até um pouquinho mais tarde era a coisa mais estranha para o seu despertador biológico. – Merda. – Murmurou levantando-se e espreguiçando-se. Falar palavrão não era a pior coisa do mundo, era como dissipar a frustração através de uma pequena palavrinha grosseira. Joe deu alguns passos e antes que pudesse adentrar o banheiro olhara para Demi dopada de sono. Ela chegara suspirar vez ou outra. Será que ele deveria acordá-la para se juntar a ele? Joe a olhou por mais algum tempo e sorriu admirado com o quão linda ela conseguia ser até dormindo.

Ao menos Joe não era o único a estar acordado às.. às dez da manhã! Daniel dormia esparramado na cama, o celular estava caído sobre o peito do rapaz ainda vestido de terno. Não tinha como negar, Elizabeth poderia ser diferente da mãe em alguns aspectos físicos, mas até o jeito que a menina dormia abraçada a Eric era idêntico ao jeito que Demi dormia abraçada a ele. Joe quase surtou ao ver o rapaz deitado na cama da filha, mas o notebook sobre o puff próximo a cama ainda ligado nos créditos do filme ou série que Lizzie assistia o deixou completamente aliviado por saber que a menina não fazia nada de “errado”.. E bem, encontrar os olhos marrons como os de Demi fora uma grande surpresa.

   - Bom dia rapazinho. – Joe esboçara o sorriso de pai babão ao fitar Bernardo esboçando um pequeno sorrisinho ao vê-lo. O seu pequeno era tão fofo! – Você está acordado há muito tempo? – Perguntou pegando o pequeno nos braços mesmo sabendo que o Bernardo não o responderia. – Não sentiu fome à noite? O papai veio te visitar, mas você estava dormindo como um anjinho. – Bernardo era tão sereno e risonho. Joe o beijou na bochecha e o aninhou aos braços enquanto caminhava em direção ao seu quarto. – Vai me ajudar a acordar a mamãe? Olha só como ela é preguiçosa. – Um sorriso sapeca nasceu no rosto de Joe enquanto ele se sentava a cama. Acordaria Demi a cutucando como ela odiava sempre que ele o fazia e a primeira coisa que ela fazia quando finalmente estava acordada era tentar esbofeteá-lo, mas quando Demi visse Bernardo em seus braços pensaria duas vezes antes de atacá-lo como ela fazia. – Dem, acorda. – Joe riu e a cutucou arrancando um grunhido sonolento de Demi. – Quer tentar? Fala, mamãe acorda que eu quero mamar! – Joe riu e cutucou Demi por tantas vezes até que ela grunhiu alguma coisa que ele não entendeu e cravou as unhas nos dedos dele.

   - Seu filho duma p.. – Grunhiu Demi ainda sonolenta virando-se e preparando-se para esbofeteá-lo, mas quando o rosto de Bernardo entrou em seu campo de visão ela sorriu e arrastou-se na cama para ficar próxima a Joe para beijar o seu pequeno. – Bom dia bebê. – Demi adorava como Bernardo sorria ao vê-la, como os olhinhos brilhantes dele tão idênticos aos dela enchiam-se de amor aumentando ainda mais aquela conexão que eles tinham. – Vem, a mamãe não vai deixar mais o seu pai te perturbar. – A gargalhada de Joe a fez revirar os olhos quando Bernardo procurou o seio assim que ela o aninhara nos braços.

   - Ele gosta de você só porque você pode amamentá-lo. – Joe adorava como Demi ficava coradinha de raiva quando ele dizia aquilo só para pirraçá-la. – Ei, bom dia. – Disse observando Demi brincar com Bernardo e quando ela o olhou ele roçou os lábios aos dela desistindo daquela história de pirraçá-la.

   - Bom dia. – Murmurou Demi ainda de olhos fechados com os lábios encostados aos dele. – Joe.. Eu tenho que.. – As bochechas coradas dela o fez sorrir de orelha a orelha quando Demi apontou para o banheiro.  – E a fralda dele está carregada. – Joe fez careta quando Demi lhe entregou o pequeno Bernardo em seus braços e correu para o banheiro.

   - Cara, você fez cocô? – Joe fitou o rosto angelical do pequeno e arriscou cheirá-lo logo fazendo careta. – Dem, Bernardo fez cocô! – Disse Joe deitando o pequeno onde Demi estava deitada.

   - Eu sei, e você vai trocá-lo. – Demi escorou-se no batente da porta do banheiro e arqueou as sobrancelhas ainda escovando os dentes. Seria épico ver Joe trocar Bernardo já que ele nunca limpava os bebês quando eles faziam o número dois.

(...)

   - Droga Dem! Isso é bullying! – Grunhiu Joe segurando as perninhas de Bernardo para limpar o bumbum do bebê. – Demetria! – Joe aproveitou que pegava mais lenços umedecidos para repreender Demi. Ora! Ela o filmava e gargalhava o vendo sofrer com a bagunça que Bernardo fizera na fralda.

   - Diga oi querido. – Demi aproximou-se de Joe e gargalhou o vendo olhar feio. Não tinha forma melhor de vingar o seu sono do que fazê-lo limpar o cocô de Bernardo. – É para me limpar direitinho papai, não quero ficar assado. – Joe revirou os olhos e os arregalou jogando a manta um pouco abaixo do umbigo do pequeno quando ele começou a fazer xixi. Pior que limpar cocô seria tomar um banho de xixi!

   - Se você não parar de me perturbar eu vou passar cocô em você. – Murmurou Joe desistindo da ideia de limpar Bernardo com lenços umedecidos. – Que tal um banho? Depois você pode mamar e tomar um pouquinho de sol com o papai. – Demi sorriu encostando-se a cômoda do quarto do pequeno. Joe poderia até não gostar de limpar o pequeno, mas ele era tão ágil e esperto. Sem contar que era a coisa mais fofa do mundo vê-lo conversar com Bernardo enquanto preparava o banho do pequeno com todo o cuidado do mundo. Até a temperatura da água Joe verificara antes de colocar o pequeno na banheira e começar a limpá-lo com cuidado. – Separe uma roupinha fresca para ele Dem. – Demi sorriu assentindo. Ah como ela queria abraçá-lo e enchê-lo de beijos!

   - Obrigada por cuidar do nosso bebê. – Demi colocou a muda de roupa que separa para Bernardo no trocador e aproximou-se de Joe sentindo-se tão sortuda e feliz por tê-lo como marido e pai dos seus filhos. – O papai vai te vestir e a mamãe vai te alimentar, está bem? – Demi sorriu quando Joe deitou Bernardo no trocador e a puxou para que ela o ajudasse.

   - Nós fizemos um bom trabalho. – Demi o olhou e corou sem saber ao certo o que ele dizia, mas acabou rindo e o beijando no maxilar e virou-se para fitar Bernardo. Ele estava tão bonitinho vestido com um macacão branco com desenho de ursinhos. As perninhas grossas de fora, os poucos cabelos castanhos penteados pelo pai e os pezinhos rosados e cheinhos fizeram Demi sorrir. Eles realmente tinham feito um bom trabalho.

   - O nosso filhote é lindo.  – Os dois acabariam sorrindo junto com Bernardo, abraçaram-se e trocaram um beijo rápido.

   - Eu sou o homem mais feliz do mundo mesmo tendo que limpar a bunda do nosso garotinho. – Pondo-se na ponta dos pés, Demi envolveu o pescoço de Joe com os braços enterrando os dedos nos cabelos da nuca dele, fitou-lhe os olhos que estavam esverdeados por conta da luz dos raios de sol que invadiam o quarto de Bernardo e acariciou-lhe o rosto adorando o contato da barba na ponta de seus dedos.

   - E eu sou a mulher mais feliz no mundo por você ser o pai dos meus bebês. – Joe esboçou um sorriso de menino que fez Demi sorrir de orelha a orelha antes de beijá-lo na boca completamente apaixonada por ele. – Me ajuda com o café da manhã? – Joe assentiu suspirando com o carinho que Demi fazia em seu peito com as mãos. Será que ela tinha noção que ele ficava louco de desejo quando ela fazia aquilo?

...

   - Está ansiosa? – De um jeito completamente diferente do tradicional, Joe fazia panquecas que por sinal cheiravam muito bem. O café da manhã já estava quase pronto e Demi, um tanto distraída, ainda amamentava Bernardo brincando com os cabelos do pequeno pensando em tudo que tinha acontecido nos últimos meses. – Querida? – Joe a chamou assim que terminou com as panquecas e as levou num prato para a mesa.

   - O que foi? – Perguntou Demi olhando para o marido ainda em outra dimensão.

   - Está ansiosa? – Tornou a perguntar Joe distribuindo os pratos e organizando os copos nos respectivos lugares a mesa. Estava quase na hora do almoço e o café da manhã ainda não estava pronto e as crianças ainda dormiam.

   - Querido.. – Demi suspirou e ajeitou Bernardo nos braços fitando o rostinho do pequeno por longos segundos. A ansiedade a corroia a ponto de fazê-la sentir como se o polo norte e o polo sul estivessem em sua barriga. – Eu estou muito ansiosa. – Joe a olhou nos olhos e sorriu depositando um beijo rápido nos lábios dela.

   - Não fique ansiosa, tudo vai dar certo, ok? – Demi assentiu e sorriu quando Daniel puxou a cadeira ao lado dela e sentou-se completamente aéreo e com um sorriso lindo nos lábios.

   - Bom dia! – O garoto a olhou e sorriu envergonhado curvando-se para beijá-la e beijar o irmão. – Até agora você não tirou esse terno? – Daniel podia estar radiante, mas Demi não deixaria de pegar no pé dele.

   - Ah mãe! Eu estou morrendo de fome, depois eu tiro. – E o velho Daniel estava de volta! Demi olhou para Joe e os dois sorriram observando o garoto livrar-se do paletó e preparar o prato de café da manhã como ele não fazia há meses.

   - Como foi à noite? – Perguntou Demi enquanto colocava Bernardo para golfar. Céus! Se ela deixasse ele explodiria de tanto mamar.

   - Foi a melhor noite da minha vida! – Disse o garoto sem conseguir esconder um sorriso de orelha a orelha. Daniel distribuía sorrisos desde que chegara em casa suspirando apaixonado. A noite tinha sido mágica. Conversar com Jenny e desnudar a sua alma era como se um peso enorme saísse de seus ombros, a menina o compreendia e por muitas vezes se sentia como ele. Assistiram abraçados ao show das estrelas, trocaram beijos e se divertiram desfrutando da comida maravilhosa do restaurante. E bem, Dan quase quebrou a regra de ouro de Joe quando trocara beijos quentes com Jenny, mas os dois acabaram rindo e admitindo que não estavam prontos para dar aquele passo.

   - O que você aprontou? – Dan revirou os olhos ao ouvir a voz da irmã e fez careta quando Elizabeth o abraçou e o beijou exageradamente na bochecha.

   - Cara, dá um jeito nessa sua namorada. – Murmurou o garoto para Eric que estava logo atrás da menina. – E eu não aprontei nada. – Lizzie fitou os olhos do irmão e Daniel corou fitando os olhos da menina. – Mãe, manda ela parar! – Elizabeth riu e tornou a beijar o irmão na bochecha. Não tinha coisa melhor que pirraçar Daniel logo pela manhã.

   - Você pode levá-lo? Ele vai acabar acordando com todo esse barulho. – Disse Demi para Joe assim que ele se aproximou. Bernardo acabara dormindo depois que mamara e com o barulho que Daniel e Elizabeth faziam o pequeno não conseguira nem dormir por um minuto.

   - Está muito ansiosa? – Demi entregou Bernardo nos braços de Joe e fitou o rosto de Elizabeth. Dentro de dez horas o tapete vermelho do Grammy a esperava e Demi não sabia definir ao certo como aquela ansiedade a consumia.

   - Estou. – Murmurou fazendo bico e Lizzie riu. – Eu vou falar com seu pai. – Num piscar de olhos Demi já subia a escada às pressas completamente ansiosa. – Amor! – Chamou manhosa assim que trombou com Joe que acabara de sair do quarto de Bernardo.

   - O que foi pequena? – Joe envolveu Demi nos braços assim que ela o abraçou com força. – Ei, o que foi? – Perguntou preocupado segurando o rosto da amada pelo queixo para que pudesse fitar-lhe os olhos.

   - A minha barriga está doendo. – Murmurou Demi e Joe franziu o cenho sem saber o que fazer. Geralmente Demi nunca conversava sobre aqueles assuntos com ele, só quando era algo muito grave e ela sempre corava bruscamente e jamais o olhava nos olhos. – Eu estou muito ansiosa Joe! – Joe assentiu e a puxou pela mão para dentro do quarto.

   - Vamos conversar, tudo bem? – Demi assentiu e sentou-se no colo do marido quando Joe sentou-se a cama. – Você está tensa e rígida. – Comentou Joe assim que tocou o ombro direito de Demi. – Eu sei que é o seu sonho, mas é só um prêmio meu anjo. Relaxa, o dia está tão lindo, aproveite todo o seu tempo para se divertir comigo e com as crianças, faça uma coisa de cada vez. Nós vamos estar com você independente do prêmio ser seu ou não, fora que é só um prêmio Dem, não é nada perto da artista incrível que você é. – Respirando fundo, Demi sentiu um pouco da ansiedade ir embora e a vontade de passar o dia sendo mimada nos braços de Joe aumentar. Ele tinha razão, era só um prêmio e um título que de nada servia perto da realidade em que viviam.

   - É muito importante para mim, eu sonho com isso desde pequena. – Sussurrou Demi e Joe a beijou na testa. – E se eu não ganhar? – Joe a olhou e respirou fundo sabendo que Demi estava ansiosa demais para entender que aquele prêmio não significava nada perto da pessoa incrível que ela era.

   - Se é importante para você, também é importante para mim. – O sorriso tímido dela fez o coração dele disparar e Joe a abraçou contra o peito de alguma forma tentando protegê-la. – Nós temos uma vida longa a seguir, e todo ano tem Grammy. Se quiser eu posso trabalhar no seu próximo álbum em tempo integral, eu e o Nick vamos estudar todos os critérios do Grammy e vamos lançar o álbum que receberá mais indicações que os álbuns da Taylor juntos. – Demi acabou rindo do jeito exagerado de Joe. Por ela, ele fazia o impossível ser possível. – Mas agora tudo que nós podemos fazer é relaxar, ok? O que acha da gente tomar um belo café da manhã? Depois eu posso preparar a banheira para a gente tomar banho agarradinho, e se você quiser eu posso fazer massagem, posso fazer amor com você e posso te emprestar os meus cartões de crédito para você estourar o limite no shopping com as suas amigas. – O sorriso nos lábios de Demi ia de orelha a orelha, ela o empurrou e distribuiu beijinhos por todo o rosto e o peito de Joe o fazendo rir.

   - Obrigada meu anjo. – Joe sorriu ao escutar o apelido e ao ver o sorriso que estava estampado nos lábios da esposa, Demi o empurrou na cama e o encheu de beijos exagerados e carinhos. – Eu te amo.

(...)

   - La la la la... I want you to love me.. like i’m a hot ride! – Os cabelos estavam ao vento e as vozes femininas misturadas à voz da Rihanna em Only Girl. Demi sorriu para Elizabeth que retribuiu o sorriso e as duas continuaram a cantar animadamente sentindo o brisa gostosa do mar tocar o rosto e bagunçar ainda mais os cabelos. – Want you to make me feel like i’m the only girl in the world! – Demi tombou a cabeça para trás cantando o refrão quando parou o conversível no sinal vermelho e sorriu de orelha a orelha sentindo-se tão feliz. Aquele dia estava sendo tão incrível e Demi se sentia tão confortável e relaxada, tudo graças a Joe que a fez rir durante toda a manhã e a mimou. – Like i’m the only one who knows your heart! – Demi olhou para a filha e sorriu observando a menina tirar os óculos de sol para arrumar os cabelos castanho-claros completamente bagunçados. Elizabeth estava tão linda e chamava tanta à atenção masculina que por um momento Demi sentiu-se com vinte anos a mais. Lizzie era apenas uma menininha ontem e hoje já era quase uma mulher completa de parar o trânsito.

   - Os meninos estão flertando com você. – Sussurrou Demi para a menina olhando discretamente para o conversível vermelho parado ao lado do seu. Os rapazes empolgaram-se e sorriram ainda mais um cutucando o outro.

   - Eles estão flertando com você. – Disse Elizabeth rindo do primeiro rapaz que arriscou-se a acenar empolgadíssimo para Demi.

   - Nós estamos torcendo por você gata! – Demi gargalhou com a ousadia do motorista do conversível vermelho e acenou dando partida no carro quando o sinal voltou a ficar verde.

   - O papai não vai gostar de saber que os rapazes estão flertando com você. – Disse Elizabeth esboçando um sorriso provocante e Demi mostrou língua para a menina e aumentou mais o som do carro quando começou a tocar Problem da Ariana Grande.

   - A culpa não minha. – Disse Demi rindo procurando uma vaga no estacionamento do shopping. – E as meninas vivem flertando com ele. Sara já demitiu várias secretárias que tentaram assediar o seu pai. – Não tinha coisa melhor no mundo que ter um homem como Joe, ele era simplesmente maravilhoso em tudo que fazia e um sorriso dele era o suficiente para deixá-la derretida de paixão, o lado ruim da história era que sempre tinha uma mulher de olho no que a pertencia.

   - Hum.. mas o papai é tipo o homem dos sonhos. – Comentou Elizabeth assim que desceu do carro e pôs-se a caminhar ao lado da mãe. – Ele é moreno, tem os olhos esverdeados, é forte, engraçado, sabe cozinhar, lavar e passar. Fora que é carinhoso e muito inteligente. – Demi sorriu sozinha lembrando-se de quando Joe era adolescente e os cabelos dele batiam um pouco acima dos ombros largos. Ele se parecia com o Príncipe Eric da pequena Sereia, era só mudar a cor dos olhos e eles seriam idênticos.

   - Não se esqueça de que ele é muito manhoso, pirracento e ciumento, e adora me usar como travesseiro. – A pior parte de todas depois do ciúme era ser usada como travesseiro. Deus! Joe era pesado e a abraçava como uma criança abraça o ursinho de pelúcia favorito e sem dó ou piedade deita sobre o pobre coitado o esmagando, era exatamente daquele mesmo jeito que Joe fazia com ela. – Mas eu tenho que confessar que ele é um amor. – E era. Demi suspirou fazendo Elizabeth gargalhar. Eles não tinham jeito. Quando a menina estava com o pai, ele ficava o tempo todo falando sobre Demi ou sempre que via algo comentava sobre como Demi odiaria ou amaria aquilo. E agora Demi não parava de falar sobre Joe e contar as suas histórias que por sinal eram hilárias enquanto elas comprovam compulsivamente tudo que as agradavam estourando o limite dos cartões de Joe. As histórias de Demi as distraíram por tempo suficiente até que o banco de trás do conversível estava literalmente entupido de sacolas e claro, Demi não deixou de visitar o salão de beleza com Elizabeth.

   - Demetria Jonas! – Exclamara Joe fazendo mais drama que o normal ao ver a filha.  – Demetria! – Gritou boquiaberto fitando Elizabeth esperando ansiosamente que Demi adentrasse a sala. Diabos! Aquilo era coisa dela! – Demi! – Choramingou e Elizabeth revirou os olhos, mas riu do drama do pai assim que Demi adentrou a sala e levou as mãos à cintura arqueando as sobrancelhas ao olhá-lo. – Deus! Demi! O que você fez com o meu bebê? – Demi revirou os olhos com todo o drama que Joe fazia. Oras, ela só fizera o que a filha pedira: pagara o cabeleireiro para puxar algumas mechas loiras e renovar o corte do cabelo da menina, e o resultado fora maravilhoso uma vez que os cabelos de Elizabeth já eram claros.

   - Joseph, deixa de ser chato e me ajuda com as sacolas. – Demi ignorou todo o drama do marido e o colocou para carregar todas as sacolas para o andar de cima irritando profundamente Joe que insistia em resmungar baixinho coisas sobre Elizabeth ser o seu bebê. – Ei, ela está linda. Não fica chateado. – Disse Demi aproximando-se de Joe assim que ele repousou a última rodada de sacolas no closet ofegando. – Você não gostou? – Perguntou Demi espalmando o peito do marido com as mãos e envolvendo o pescoço de Joe com os braços.

   - Ela está linda. – Sussurrou Joe arrancando um sorriso vitorioso de Demi e a envolvendo com os braços. – Acho que ela está crescendo rápido demais, isso está me assustando. – Tornou a sussurrar fitando os olhos de Demi, que o beijou castamente nos lábios.

   - Ela está crescendo, aprendendo a viver, a ter a própria opinião, a saber distinguir o certo do errado, mas ainda assim ela é a nossa menininha, ok? – Joe assentiu fazendo bico e Demi o beijou brincando com os dedos nos cabelos da nuca dele conforme as línguas se tocavam e as mãos dele distribuíam caricias por seu corpo. – Não vai brigar comigo? – Sussurrou Demi quando partiu o beijo com os lábios ainda nos lábios de Joe ofegando e ele negou balançando a cabeça e roubando um selinho da esposa. – Eu estourei todo o limite dos seus cartões. – Joe arqueou as sobrancelhas e riu olhando para aquele tanto de sacola.

   - Se você está feliz com metade do shopping no nosso closet, eu também estou feliz bebê. – Demi simplesmente adorava ser mimada e principalmente quando Joe a chamava de bebê. Beijara-o na boca e Joe começou a empurrá-la em direção ao balcão de vidro de joias.

   - Joseph. – Repreendeu-o quando ele subiu o vestido que ela usava para poder-lhe acariciar as coxas. – Agora nã.. – Antes mesmo que Demi pudesse terminar a frase os lábios de Joe colaram em seu pescoço num beijo quente que a fez gemer de deleite. – Marissa está para chegar, Joseph. – Disse Demi suspirando conforme Joe distribuía beijos por todo o seu torso.

   - Será que nós não podemos esquecer essa história de Grammy e focar na gente só por dez minutinhos? – Demi fitou os olhos de Joe e assentiu tentando não surtar só de ouvir aquela palavrinha “Grammy”. – Eu sinto a sua falta bebê.. – E os beijos dele funcionaram como calmante dissipando toda a tensão e ansiedade que Demi sentia para a chegada da noite.

(...)

   - Não mexa nenhum músculo. – O pincel com o líquido negro gelado delineara o olho esquerdo e logo o direito perfeitamente, sem que nenhum traço fosse maior que o outro. Depois de o delineado seco, o rímel deu aos cílios volume e vida ainda destacando mais a sombra marrom acobreada e os lindos olhos marrons de Demi. – Você está tão linda. – Comentou Marissa tirando o excesso do blush das maças do rosto de Demi, que se continha para não sorrir já que quando se olhara no espelho encontrara o reflexo de Joe segurando Bernardo nos braços a mostrando para o pequeno.

   - Bernardo insistiu para te ver, a culpa não foi minha. – Demi e Marissa sorriram conforme Joe se aproximava com o pequeno Bernardo nos braços. – Fala oi para a mamãe e para a tia Marissa. – E tudo que Bernardo fez foi bocejar e aninhar-se aos braços da mãe quando Joe o entregou para Demi.

 - Ele acordou agora amor? – Perguntou Demi adentrando os cabelos de Joe com os dedos quando ele agachou-se e usou as suas coxas de travesseiro.

   - Têm alguns minutinhos, a gente estava brincando e ele começou a procurar o peito quando eu o peguei.. – Joe riu assim como Marissa e Demi revirou os olhos e fitou o rosto do pequenino que virava o rosto em direção ao seio. Ele deveria estar esfomeado já que a última vez que mamara tinha sido durante o café da manhã e bem, já estava quase anoitecendo.

   - Ei meu amor, você dormiu tanto e a mamãe não queria te acordar anjinho. – Fora dito e certo, o sorriso nasceu nos lábios de Demi quando o pequeno agarrou-lhe o bico do seio com a boca alimentando-se. – E você? Não vai começar a se arrumar? – Demi franziu o cenho e riu ao fitar Joe quase dormindo enquanto ela fazia carinho em seus cabelos. Ultimamente ele estava tão carente de carinho feminino!

   - Oh Deus! Eu vou beber água. – Disse Marissa saindo do closet rindo do casal de amigos. Eles eram tão melosos e fofos ao mesmo tempo..

   - Dem.. Nós temos mesmo que ir? – Demi revirou os olhos e cessou o carinho que fazia nos cabelos de Joe o fazendo grunhir manhoso.

   - Não seja manhoso querido. – Manhoso e carente. Os olhos dele brilharam em pura carência quando Joe ergueu-se para olhá-la. E ele ainda fazia aquele biquinho! – Joe.. – Demi o olhou e riu das caras e bocas que Joe fazia.

   - O que foi bebê? – Perguntou ele esboçando um sorriso preguiçoso fitando os olhos da esposa. – Você está se divertindo? – Perguntou Joe pela primeira vez falando sério e Demi assentiu balançando a cabeça e esboçando um sorriso tímido. – Você está tão linda, mas ainda prefiro a minha menina cheia de sardinhas. – Como não sorrir para ele? Joe se levantou e roçou o nariz ao dela e juntou os lábios num selinho demorado.

   - Você gosta das minhas sardas? – Perguntou Demi já sabendo a resposta.

   - Eu amo o meu céu particular. – O sorriso antes tímido dela foi de orelha a orelha e Joe sorriu também levando a mão ao rosto de Demi. – Gostei da sua maquiagem, destaca a cor dos seus olhos e Marissa não escondeu completamente as suas sardinhas. – Demi nada disse, levou a mão ao rosto de Joe e o acariciou como ele fazia com ela. – Acho que eu vou te beijar agora. – Os dedos dele acariciaram o lábio inferior de Demi, que respirou fundo e esperou ansiosamente que Joe juntasse os lábios aos dela num beijo que a começo fora lento e logo ganhara paixão e desejo.

   - Ei, é só o papai. – Demi encostou a testa a de Joe e olhou para baixo encontrando os olhos marrons de Bernardo marejados e o pequeno havia parado de mamar apenas para fitá-los.

   - Shh.. Sou eu. – Joe sorriu para o pequeno e o beijou na testa. – O papai não está machucando a mamãe, tudo bem? É só um beijinho carinhoso para deixar a mamãe feliz. – Demi riu da forma que Joe falava com Bernardo e roçou o nariz ao dele num beijinho de esquimó e roubou um selinho o fazendo sorrir para ela.

   - O papai é bonzinho, tudo bem? Ele é até chato às vezes, mas é um bom menino. – Demi guiou o pequeno e Bernardo sugou-lhe o bico do seio completamente esfomeado como sempre. – Ele está com tanta fome amor. – Comentou Demi acariciando os cabelos de Bernardo com a mão livre.

   - Deixa Bernardo terminar que eu vou deixar vocês duas a sós. – Comentou Joe assim que Marissa adentrou o closet e aproximou-se deles verificando a maquiagem de Demi. – Muitos namorados Marissa? – Perguntou Joe e eles passaram bons minutos rindo dos romances de Marissa que sempre acabavam de forma tão hilária e inacreditável.

   - Ele está tão diferente Dem. – Disse Marissa quando já estava a sós com Demi.

   - E eu estou tão orgulhosa do meu Joe. Sabe, ele sempre foi um ótimo marido, pai e amigo, mas agora eu o sinto tão diferente, é como se ele estivesse mais leve e confiante. – Marissa assentiu de imediato. Conhecera Joe numa época difícil, ele estava tão frágil e quebrado, e assim que ela pôs os olhos sobre ele soube que o problema de Joe era insegurança e o medo de não ser bom o suficiente para a esposa.

   - Ele está mais seguro. Eu não o conhecia antes, mas pelo que as meninas dizem ele está mais meloso também. – Comentou Marissa e Demi assentiu rindo. Mais manhoso era pouco para Joe. Na verdade Demi não sabia ao certo o definir naquele ponto, Joe era tão carente e necessitado do carinho dela, ele sempre procurava um jeitinho de tirar uma casquinha ou beijá-la.

   - Ele está definitivamente mais meloso. – Disse Demi com aquele ar brincalhão de sempre. – E eu não posso negar que eu estou mais apaixonada. Ele é tão fofo Marissa! Tão fofo e carente. – Marissa fez careta e as duas gargalharam.

   - Isso me lembra daquelas fanfics Jemi que eu lia antigamente. – Diabos! Marissa arregalara os olhos e estava mais vermelha que o batom que escolhera para Demi. Mil vezes diabos! Como ela fora dizer aquilo logo para Demi? E o pior de tudo era encarar a amiga que arqueara as sobrancelhas e esperava que ela continuasse. – Eu.. eu droga! – Murmurou Marissa envergonhada atrapalhando-se com a coleção de batom de Demi. – O que você acha desse batom? – Um tanto embaraçada, Marissa respirou fundo e puxou o puff cor de rosa de Demi sentando-se em frente a ela. Um dia ela teria que contar.

   - Está tudo bem. – Disse Demi levando as mãos as de Marissa, que não deixou de fitar os pulsos dela orgulhando-se das tatuagens “Stay Strong”.

   - Não foi fácil crescer sem mãe e com um pai que vivia para o trabalho. Na escola as coisas nunca eram fáceis ou normais, sofri bullying por anos, não tinha amigos e estava ficando depressiva. Até que numa manhã eu liguei a TV e no meio daquele tanto de porcaria acabei no Disney Channel, estava passando Sonny with a chance. O meu primeiro episódio foi o battle of network stars, aquele episódio da primeira temporada com a Selena.. É o meu preferido antes de Sonny with a Kiss. Era tão engraçado, naquele dia quando eu cheguei da escola passei o resto do dia pesquisando sobre a série e os personagens até que te encontrei. Chorei e sorri escutando o Don’t Forget, as minhas músicas preferidas são world of chances, believe in me e until you’re mine. Cada dia que se passava eu estava mais ligada a você, pedia o meu pai para comprar todos os CD’s e DVD’s, assistia entrevistas e passava a noite rindo dos seus vídeos com a Selena no youtube. Eu passei a me sentir completamente diferente daquela garota depressiva e sem amigos, minha relação com o meu pai melhorou e comecei a fazer amigos. Cresci com você, chorei com você, fui forte com você e no dia que saiu no noticiário que você tinha sido internada, eu pedi tanto a Deus para te proteger e eu sabia que você era forte e conseguiria vencer aquela batalha. Um ano depois consegui a minha vaga na faculdade de Seattle, foi na época em que você ficou noiva do Jonas. Deus! Eu quase infartei e jurei que se ele não cuidasse de você.. bem.. esquece! Os anos se passavam e a faculdade e os estágios tomavam muito do meu tempo, não dava para acompanhar cada passo da sua carreira, mas eu sempre estava por dentro das novas músicas e fui a alguns acústicos. – Demi não sabia o que diria a Marissa, pois o sorriso em seus lábios era tão verdadeiro e não queria dar lugar a mais nada. Os olhos chegavam a brilhar fitando a mulher a sua frente. Era tão incrível e gratificante saber que de alguma forma ela tinha ajudado alguém a superar qualquer que fosse o obstáculo, o peito enchia-se de orgulho e Demi agradeceu a Deus por tê-la dado um dom especial que poderia mudar o mundo e todos aqueles padrões. – Obrigada por cuidar de mim. – Demi envolveu Marissa num abraço surpreso, enlaçou os dedos aos dela e a olhou nos olhos quando partiu o abraço.

   - Obrigada por cuidar de mim. – Disse Demi e dessa vez Marissa quem a abraçou. – Ei.. Onde as fanfics se encaixam? – Perguntou Demi esboçando um sorriso sapeca assim que desfizeram o abraço.

   - Ah não! Essa parte eu não vou contar. – Disse Marissa já vermelha e Demi gargalhou. – Demi, você pode é.. hum.. autografar a minha coleção? – Perguntou envergonhada e Demi arqueou as sobrancelhas apenas para vê-la corar de novo.

   - Você tem uma coleção Srta. Callahan? – E novamente Marissa corou assentindo fazendo Demi gargalhar. – Posso pensar no seu caso, mas você vai ter que me mostrar essa fanfic. – Marissa revirou os olhos e procurou pelo batom vermelho escuro matte na coleção de Demi.

   - Dem, isso tem anos. A menina deve ter desativado o blog, sei lá. – Disse Marissa agora procurando pelo lápis de boca vermelho. – Deus, você será a femme fatale do Grammy. – Marissa pintou os lábios de Demi com o batom vermelho sem deixar de sorrir admirada com a mulher a sua frente. Demi estava linda! Os cabelos negros caiam pelos ombros em ondas sutis e brilhantes, os olhos estavam tão brilhantes e o lindo marrom se destacava por conta da maquiagem perfeita naquela região e bem, os lábios vermelhos quebravam aquele ar inocente o substituindo por algo sexy e fatal! - Está pronta. – Disse Marissa depois de verificar se tudo estava nos conformes e então Demi olhou-se no espelho e esboçou aquele sorriso matador.

   - Obrigada. – Disse Demi olhando para a amiga. – Você tem certeza que não quer ir comigo? Seria tão legal. – Comentou e Marissa sorriu sem graça a fazendo arquear as sobrancelhas.

   - Diríamos que o maqueiro do meu pai é um gato e nós vamos jantar no meu apartamento essa noite então não dá. – Demi estava boquiaberto e lançou a Marissa o seu melhor olhar malicioso.

   - Policial, CEO, advogado, fisioterapeuta e agora um maqueiro? Deus! Você precisa é de um bombeiro para apagar esse fogo. – Marissa conseguia arrumar mais homens que Selena e Taylor juntas. Só era uma pena que homens tão importantes e lindos de morrer nunca queriam nada sério e Marissa acabava de coração partido, mas nunca desistia de encontrar o amor da sua vida.

   - Talvez eu arrume um bombeiro fortão e com muito amor para dar. – Demi arregalou os olhos e gargalhou. – Estou brincando, ele é um amor Demi, você tem que conhecê-lo. – Ah! Demi conhecia muito bem aqueles olhos brilhantes e aquele jeito meigo de gente apaixonada.

   - Espero que ele seja um bom garoto com você. Não quero que ninguém machuque a minha menina. – Além de corar quando Demi a abraçou, Marissa sorriu sentindo-se a fã mais feliz do mundo por ter Demi como amiga. – Nós podemos marcar alguma coisa aqui em casa, um jantar ou um almoço, você quem escolhe. – Disse Demi a olhando nos olhos.

   - Acabei de conhecê-lo, está muito recente, dependendo do resultado dessa noite nós marcamos um jantar. – Demi assentiu e partiu para a próxima etapa.. O vestido! O vestido da linha do estilista Zuhair Murad fora a grande aposta de Demi. O vestido de cor clara e suave valorizava os seios bonitos num pequeno decote, marcava a cintura e caia até os pés. Demi estava tão elegante, sexy e delicada.

   - Mamãe, você pode arrumar a minha gravata. – Marissa havia ido para casa e Demi continuara no closet escolhendo as joias que usaria naquela noite. Ela só não esperava que Daniel fosse se arrumar tão cedo.

   - Sente-se aqui querido. – Disse Demi sem conseguir deixar de sorrir para Daniel. Ele estava tão lindo vestido com a calça social negra e a camisa branca. – Onde está o seu paletó? – Perguntou Demi assim que Daniel sentou-se ao puff cor de rosa a sua frente.

   - No cabide, vou vestir quando a gente estiver de saída. – Demi assentiu enquanto desabotoava os botões da gola da camisa. – O que você acha? Verde ou preta? – Disse Daniel mostrando as duas gravatas para a mãe.

   - Você vai ficar uma gracinha com a preta. – E foi dito e certo. Demi arrumou a gravata na gola da camisa e fez o nó que Daniel e Joe nunca aprendiam ou talvez eles fingissem que não sabiam para que ela arrumasse. – Você está lindo. – Disse enlaçando os dedos aos do filho orgulhosa do seu garoto.

   - Você também. O papai vai ficar babando e é bem capaz dele arrumar brigar com algum engraçadinho que resolver mexer com você. – Demi riu do comentário do garoto, e do jeito que Joe era, ela não duvidava que ele fosse fuzilar metade dos homens de Los Angeles só porque eles olhavam para ela.

   - Onde ele está? – Perguntou Demi fitando os olhos bonitos do garoto. Naquela noite Demi tinha certeza que Daniel daria muito trabalho para Jenny.

   - Eu não sei, da última vez que eu o vi ele estava com Bernardo. – Demi assentiu e ganhou um beijo de Daniel na bochecha. – É Srta. Lovato, você vai dar muito trabalho hoje. – Demi riu da piscadela de Daniel e o garoto a deixou as sós.

    - Querida? Onde está Marissa? – Murmurou Joe. Demi continuou a procurar as joias e Joe adentrou o closet completamente alheio à esposa concentrada em combinar os brincos de brilhantes com algum colar.

   - Hum.. – Murmurou Demi satisfeita alguns minutos mais tarde com o colar que encontrara. – Foi para casa, ela tem um encontro. – Virando-se ao mesmo tempo, Demi arregalou os olhos ao encontrar o marido completamente nu e Joe por encontrá-la divina.

   - Você está lin.. linda. – Disse Joe puxando a box para cima depois de passar um bom tempo admirando a esposa.

   - Obrigada. – A vontade de Demi era de morder o lábio inferior enquanto fitava as costas largas de Joe enquanto ele pegava a calça do terno e a vestia. – Joseph, o que você acha desses brincos com o colar? – Perguntou Demi assim que Joe se virou para olhá-la e olhar os brincos de brilhantes e o colar que ela tinha escolhido.

   - Coloque os brincos. – Disse Joe a puxando para que eles ficassem de frente ao espelho. Afastando os cabelos de Demi e os deixando cair pelo ombro esquerdo, Joe depositou um beijo demorado no ombro direito nu fitando intensamente os olhos da esposa pelo espelho. Abotoara o fecho do colar e a peça brilhou no tórax de Demi. – Você está tão linda Demetria, tão linda. – Ele disse a envolvendo com os braços e depositando um beijo quente na curva do pescoço de encontro ao ombro. – Você tem noção de como você está me deixando louco de tesão, Dem..? Eu quero muito borrar esse batom e.. Deus! Você ainda vai me matar Demetria, eu juro que vai meu amor. – Não resistindo a ele, Demi virou-se e espalmou o peito forte de cenho franzido, abraçou os braços com as mãos e as guiou até os cabelos umedecidos da nuca de Joe os puxando enquanto ela se esfregava a ele completamente entregue.

   - Mais tarde amor. – Sussurrou Demi dando um leve e provocante selinho nos lábios másculos. – Deixe-me ajudá-lo. – Por mais que Demi estivesse acostumada a despir Joe, vesti-lo sentindo o olhar intenso e selvagem dele sobre si era tão bom, ela podia admirar cada pedacinho da pele morena e bonita sem pressa. – Uau! Você está muito lindo Sr. Jonas. – Comentou Demi esboçando um sorriso ao vê-lo arrumar vestir o paletó e como sempre Joe aproximou-se para ela arrumar a gravata.

   - Obrigado Sra. Jonas, você também está muito linda. – Disse Joe olhando descaradamente para os seios da esposa. – O que foi? Não tenho culpa se esse vestido valoriza esses bebês. – Antes mesmo que Joe pudesse tocá-la naquela região, Demi o repreendeu com um tapa na mão, o que fez Joe rir. – Malvada. – Disse sorrindo enquanto Demi espalmava o seu peito arrumando a camisa e o paletó.

   - Não sou malvada, só conheço muito bem o marido que eu tenho. – Disse Demi depositando um beijinho na bochecha de Joe. – Espero que as meninas se comportem, não quero ninguém flertando com o meu homem. – Joe sorriu quando Demi frisou meu homem correndo os dedos pela barba dele perfeitamente feita e ele ganhou um selinho e uma piscadela da esposa.

   - Assim você me mata querida. – Demi revirou os olhos, mas riu enquanto pegava a bolsinha de mão sobre o balcão de vidro.

   - Estou te vendo, safado! – A melhor coisa de ser casada com Joe era simplesmente aquela. Eles estavam flertando a todo tempo, brigando e se divertindo como os bons amigos que eram desde adolescentes. – Você arrumou a mochila de Bernardo? Joseph! Da para parar de secar a minha bunda? – Disse Demi puxando Joe para fora do closet pelo braço. – Se você não parar você vai ficar de castigo a semana todinha. – Demi sorriu quando Joe começou a colaborar e caminhar junto com ela sem aquela obcessão boba que os homens tinham por bumbuns femininos.

   - Não me deixa tocar nos meus bebês e ainda quer me colocar de castigo por uma semana? Deus! Você é realmente má. – Comentou Joe fazendo Demi revirar os olhos. – Eu sempre sou tão bonzinho com você, a mochila de Bernardo está pronta e ele está limpin.. – Rindo baixinho do bico dele, Demi depositou um beijo rápido nos lábios dele o calando e o puxou para fora do quarto.

...

   - Você vai ficar com a vovó anjinho, tudo bem? – Demi beijou a testa de Bernardo despedindo-se do pequeno. – Mamãe não vai demorar. – E mais uma vez ela o beijou e o entregou nos braços de Dianna de coração partido por ter que ficar longe de Bernardo por algumas horas. Se pudesse Demi o levaria, mas sabia que o Grammy não era lugar para um bebê de um mês e alguns dias. – Cuide dele para mim, mãe. – Pediu a Dianna que assentia cada vez que Demi dizia aquela frase.

   - Não se preocupe, Bernardo vai ficar bem meu anjo. – Dianna envolveu o pequeno na mantinha para protegê-lo do frio da noite, fitou o rostinho de Bernardo e logo o de Demi confirmando mais uma vez que ele era a cara da mãe. – Nós vamos torcer por você, ok? Relaxa e aproveita à noite, Bernardo estará seguro comigo e com o seu pai. – Demi assentiu e recebeu um beijo da mãe na testa e aproveitou para beijar Bernardo mais uma vez.

   - Tudo bem, só estou um pouco nervosa. – Disse Demi caminhando em direção à cozinha ao lado de Dianna. – Joseph, vamos? – Disse a Joe que conversava animadamente com Eddie, que a envolveu num abraço apertado.

   - Vamos meu anjo. – Joe encheu Bernardo de beijos, o que fez Dianna rir e revirar os olhos. Quem diria que aqueles dois adolescentes irresponsáveis que deixava ela e Denise loucas de preocupação seriam pais tão cuidados e preocupados com os filhos. – Ele é muito bonzinho, mas se ele começar a chorar é só ligar. – Dianna assentiu e tornou a rir quando Joe e Demi aproximaram-se para mimar Bernardo.

   - Vocês vão acabar o sufocando! – E depois dos pais foi a vez dos irmãos. Pobre Bernardo!

...

   - Joe, eu estou nervosa. – Dentro do carro parado e escoltado por seguranças, Demi respirava fundo diversas vezes tentando não perder o controle, mas o nervoso tomara conta e ela já não conseguia mais raciocinar direito.

    - Você já fez isso milhares de vezes meu anjo. – Disse Joe segurando as mãos da esposa. – Vou descer e abrir a porta para você, tudo bem? Nós vamos acenar e sorrir, você pode dar alguns autógrafos e nós vamos passar pelo tapete vermelho. – Demi assentiu e choramingou tombando a cabeça para trás. Depois de tudo que acontecera ela ainda fora indicada ao Grammy em duas categorias: best pop vocal album e song of the year, era um sonho de menina que estava sendo realizado naquela noite, e Demi não se importava se ganharia ou não, apenas o fato de ser indicada já era o suficiente para deixá-la radiante e completamente nervosa.

   - Não fique nervosa, nós vamos estar com você. – Demi permitiu-se sorrir para Elizabeth sentindo-se mais relaxada e segura.

   - Nós estamos aqui. – Disse Daniel e Demi sorriu emocionada fitando os olhos de Joe, logo os de Lizzie e os de Daniel. O rostinho do pequeno Bernardo veio em mente e todo o nervoso sumiu. Não tinha um porque para estar nervosa, eles acreditavam nela e estavam ali para apoiá-la como sempre fizeram.

Quando a porta do carro abriu-se e Joe lhe estendeu a mão sorrindo como um príncipe encantado, Demi respirou fundo afastando todos os pensamentos negativos e segurou a mão dele levantando-se e sorrindo lindamente para o marido. Bem, ela só tinha olhos para ele e ele para ela, sorriram um para o outro envolvidos demais no próprio mundo para notar os flashes de todos os ângulos e a surpresa do público ao ver a famosa Demi Lovato perfeitamente bem depois de todos os últimos escândalos que a envolveram no último ano. Enquanto passava pelo tapete vermelho, Demi simplesmente sorriu o que foi suficiente para milhares e milhares de elogios. As pessoas a olhavam e não se continham, sorriam e a cumprimentavam envolvidas pela energia positiva que Demi transmitia. E mesmo com o coração a mil quase saindo pela boca, Demi conseguiu controlar o nervoso com o mais belo sorriso nos lábios e chegar intacta aos bastidores do Grammy onde encontrou Miley e Selena tão eufóricas e animadas quanto ela.

   - Nós três estamos concorrendo à mesma categoria. – Comentou Selena sentando-se a cadeira que lhe fora disponível já que ficar em pé já nos últimos meses da gravidez não era nada fácil.

   - Já ensaiei o meu discurso, e vocês? – Comentou Miley com ar de superior para pirraçar as amigas que reviraram os olhos.

   - Eu estou tão nervosa, que se eu ganhar eu não sei o que vou fazer.  – Disse Demi olhando para a aglomeração de pessoas que as rodeavam uns alheios aos outros.

   - Taylor está concorrendo conosco. É tão injusto, ela já tem Grammys o suficiente para distribuir como lembrancinha de festa de aniversário infantil. – O comentário de Selena fez Demi e Miley gargalharem. Mas era pura verdade, Taylor sempre era indicada e nunca saia do Grammy sem um prêmio.

   - Deus Demi! O Joe não para de olhar para cá. – Demi fitou a direção que Miley apontava “discretamente” e acenou para o marido que a olhava intensamente com aqueles lindos olhos que de longe pareciam verdes. – Ele está muito sexy. – Demi olhou feio para Miley e sentiu-se nervosa como uma adolescente quando Joe despediu-se dos homens que conversava e caminhou até elas com as mãos nos bolsos a olhando um tanto sério demais.

   - Boa noite meninas. – Joe cumprimentou Miley e Selena como um verdadeiro cavalheiro, beijou-lhes as costas da mão e perguntou como o bebê de Selena estava, e claro sem conseguir tirar os olhos da esposa por um minuto sequer. – Oi princesa. – Demi mataria Miley e Selena por deixá-la a sós com Joe. – Estão comentando que você é a mulher mais linda da premiação. – Tudo que Demi fez foi sorrir sem graça observando as amigas a fitando com olhares maliciosos mesmo de longe.

   - Está se divertindo? – Perguntou Demi quando Joe encaixou a mão a dela.

   - Estou. Selena arrumou um bom homem, eu estava preocupado com ela, mas Chris tem um bom coração. – Demi sorriu derretida de paixão pelo homem que estava ao seu lado. E sempre ela pensava: Como não amá-lo?

   - Acho que todas nós somos sortudas. Miley tem o Nick, Dani tem o Kevin, Selena o Chris, Marissa o maqueiro, hum, só falta a Taylor. – Disse Demi olhando para Elizabeth que se divertida com Eric, Jenny, Daniel e os primos. – E eu tenho você. – Joe sorriu fitando os dedos enlaçados aos dela, acariciou-lhe as costas da mão e finalmente a olhou nos olhos.

   - Acho que eu sou mais sortudo que todos vocês juntos. A minha pequena é incrível, cada dia que se passa eu me apaixono mais um pouquinho por ela. – Demi tentou esconder o sorriso, mas foi impossível. – Ela é tão linda e estão dizendo que ela deveria ganhar um prêmio por isso. Ela faz o meu coração bater tão rápido, você quer sentir pequena? – Quando Joe levou a mão dela em direção ao seu peito, Demi aproveitou para beijá-lo no canto direito da boca e Joe acabou capturando os lábios dela com os dele num beijo delicado.

   - Eu te amo Joe. – Disse Demi escondendo o rosto na curva do pescoço dele para que os flashes não a cegassem. – Eu acho que não foi uma boa ideia me beijar. – Disse Demi quando Joe a abraçou de lado e juntou os lábios aos dela mais uma vez mesmo com os flashes de todos aqueles ângulos.

   - Sorria pequena! – Só Joe mesmo para fazê-la sorrir para as câmeras mesmo mortificada de vergonha e corada.

   - Joseph! Você sabe onde essas fotos vão parar, não sabe? – Disse Demi o batendo e Joe riu achando engraçado vê-la vermelha.

   - Não me importo, estou com a minha pequena. E eu vou adorar editar a capa do jornal da semana com a nossa foto estampada na primeira página. – Demi revirou os olhos e em meio às brincadeiras bobas de Joe ela conseguiu verificar se o batom ainda estava intacto depois de Joe beijá-la na frente de todo o mundo.

   - Você é muito bobo, sabia? – Disse Demi abraçando o braço esquerdo de Joe minutos mais tarde observando a movimentação dos mais consagrados músicos do país e da mídia que não deixava passar nada.

   - Eu sei que você me ama. – Disse a olhado quando ele deitou a cabeça no ombro dela. – Eu ainda quero borrar esse seu batom vermelho. – Disse Joe não precisando fazer muito esforço para conseguir aproximar-se dela o suficiente para que as respirações se misturassem.

   - Deus! Vocês estão causando! – Disse Miley quebrando o todo o clima e Demi não pode deixar de notar os olhares feios de Selena e Taylor sobre Miley, que deu de ombros e sentou-se a cadeira disponível para ela. – Estão todos olhando. – Demi fuzilou Joe com os olhos assim que ele a olhou e sorriu amarelo.

   - Se você não se comportar a ideia do castigo ainda está de pé. – Disse Demi um pouco alto demais no ouvido de Joe, mas acabou soando como um sussurro já que o barulho era incontrolável. E Joe engoliu em seco e só segurou a mão da esposa prestando atenção nos filhos a alguns metros de distância ignorando a conversa feminina e o terrível barulho da apresentação que começara e das pessoas que conversavam. – Eu nunca pensei que o Grammy fosse ser tão chato. – Disse Demi para Joe e ele a olhou arqueando as sobrancelhas depois que ela repetiu a frase por pelo menos três vezes.

   - Pensei que estivesse animada. – Disse Joe sem entender a postura da esposa. – Para onde nós estamos indo? – Perguntou Joe quando Demi se levantou depois de dizer algo para as amigas e o arrastou para o estúdio de vídeo e áudio, que por sinal era um lugar escuro e o barulho chegara ser agradável em comparação a o que acontecia na premiação.

   - Preciso ligar para a minha mãe. – Comentou Demi buscando o celular na bolsa. – Estou preocupada com Bernardo, ele ainda é muito pequeno para ficar longe de mim. – Disse enquanto discada o número de Dianna e Joe a abraçou por trás pela cintura para que pudessem assistir as apresentações daquela espécie de camarote enquanto Demi enchia a mãe de perguntas sobre o bebê. – Ele está dormindo. – Disse Demi assim que desligou o celular esperando ansiosamente que o Ed Sheeran subisse ao palco depois de ser anunciado. Aquela definitivamente seria a melhor apresentação da noite.

   - Você o alimentou, ele não estará com fome por um bom tempo. Se ele acordar por agora é fralda suja. – Bernardo era um bom bebê, sempre quietinho e com os seus olhos marrons que diziam tudo que o pequeno sentia, era como a mãe, bastava olhá-lo nos olhos para saber o que ele precisava.

   - Eu adoro essa música. – Cantarolando e movendo o corpo no ritmo suave da melodia da música Thinking Out Loud do Ed Sheeran, Demi fechou os olhos e deixou a música dominá-la pensando em como a música era perfeita para definir tudo que ela queria com Joe.

   - Darlin’ I will be lovin you.. till we’re seventy – A voz suave e baixa em seu ouvido a fez sorrir ainda de olhos fechados levando as mãos até as de Joe sobre a sua barriga movendo-se de um lado para o outro a cada nota impecável da voz de Ed Sheeran. – Baby my heart could still fall as hard at twenty three. – Sussurrou Joe depositando um beijo na clavícula da esposa sentindo o corpo começar a pegar fogo conforme Demi dançava colada a ele.

   - Me, I fall in love with you every single day.. – Cantarolou Demi quando finalmente chegou naquela parte ainda no ritmo da música esfregando-se mais a Joe perdida na batida da música e com um enorme sorriso magnífico que mal cabia em seus lábios, ela se virou e enlaçou o pescoço dele com os braços tombando a cabeça para trás para que os cabelos negros brilhantes caíssem em cascatas por seus ombros. – Dança comigo. – Pediu adentrando os cabelos dele da nuca com os dedos e os puxou adorando a sensação dos fios sedosos em seus dedos enquanto Joe começava a se mover junto a ela a olhando com aqueles lindos olhos e sorrindo.

   - Kiss me under the light of a thousan.. – Joe sorriu quando Demi o calou com um beijo puxando-lhe os cabelos da nuca e invadindo-lhe a boca com a língua num beijo apaixonado que se não fosse pela falta de ar, eles não se separariam tão cedo. – Eu te amo tanto Demetria. – Sussurrou roçando o nariz ao dela e roubando um selinho envolvendo a esposa num abraço de urso que a fez sorrir escondendo o rosto em seu peito.

   - And the crowds don't remember my name..- Demi continuou a cantar esboçando aquele sorriso lindo e com os olhos brilhando de amor. - When my hands don't play the strings the same way! I know you will still love me the same. – E quando Joe a olhou e sorriu a vendo dançar agarrada a ele, ela o surpreendeu com outro beijo que o deixou tonto e mais ansioso para tê-la naquela noite.

   - Demi, eu não quero parar. – Disse Joe ofegando e com as mãos um pouco acima do traseiro da esposa fitando os olhos bonitos dela.

   - Então não pare amor, porque eu não quero parar. – O sorriso dele iria de orelha a orelha se Demi não tivesse juntado os lábios aos dele como se o mundo estivesse prestes a acabar. As mãos dela subiam nos cabelos escuros os bagunçando e às vezes apenas brincando com as mechinhas sedosas da nuca e já as de Joe espalmavam as costas da esposa e apertavam o traseiro dela com toda a vontade isolada há meses sem tê-la.

   - Você está me deixando louco. – Demi chegara franzir o cenho e morder o lábio inferior com força para que não fizesse barulho enquanto os lábios quentes e macios de Joe exploravam a região de seu pescoço depositando ali beijos ardentes.

   - Shh.. – O sangue congelou quando Demi olhou a sua volta e percebeu que eles não estavam sozinhos, a sorte era que as pessoas não pareciam notá-los já que toda a atenção estava presa à apresentação do John Mayer que arrancava suspiros de todas as mulheres. – Acho que a gente está namorando no lugar errado. – Joe continuou a abraçá-la firmemente contra o corpo, roçou os lábios nos dela e virou-se se deparando com produtores e alguns artistas que circulavam por ali e quando voltara a sua atenção para Demi seus olhos capturaram a placa cor de rosa do banheiro feminino e um sorriso sapeca formou-se em seus lábios.

   - Tem um banheiro feminino a poucos metros daqui. – Sussurrou Joe e logo Demi o olhou e arqueou as sobrancelhas esboçando aquele sorriso que ele tanto conhecia.

   - Acho que eu prefiro assistir a apresentação do John Mayer. – Disse Demi suspirando como todas as mulheres faziam por John. E a careta dele fora melhor que ela imaginara e quando já não aguentava mais prender o riso, Demi gargalhou envolvendo o marido num abraço de urso e depositando um beijo carinhoso na bochecha dele.

   - Querida, caminhe na minha frente. – Demi riu baixinho ao ver a situação de Joe lá embaixo, sem contar que ele estava corado e tão sem jeito quanto ela ficava naquelas situações. – Eu sempre quis fazer isso. – Assim que adentraram o banheiro às risadas, Joe agarrou a esposa a imprensando contra a parede ao som da voz magnífica da Rihanna em We found love.

   - As your shadow cross..es mine. – O sorriso de Demi era tão grande e lindo que ia de orelha enquanto ela enlaçava a cintura de Joe com as pernas e adentrava os cabelos da nuca dele com os dedos os puxando com força. - What it takes to come ali.. – Joe não esperou que ela terminasse de cantar aquele verso, selou os lábios nos dela num beijo de tirar o fôlego cada vez mais a imprensando contra a parede com as mãos correndo pelas coxas grossas por baixo do vestido. - We found love in a hopeless place! – Demi gargalhou tombando a cabeça para trás conforme Joe caminhava cambaleando com ela no colo em direção a uma das cabines.

   - Deus mulher! Fique quieta. – Ele disse chocando as costas dela contra a parede da cabine que entrara quase os derrubando sobre o vaso sanitário. – Você está tão linda, tão linda Dem. – O sorriso tímido dele a fez sorrir também. O olhar dele sobre ela era desejoso ao mesmo tempo em que era carregado de amor e carinho. Demi não escondeu o pequeno sorriso que se formou em seus lábios quando as suas pernas deslizaram pela cintura de Joe e ele colocou ambas as mãos aos seus arredores ainda a olhando intensamente e com um pequeno sorriso apaixonado que surgia nos lábios bonitos e másculos.

   - Tão sexy.. – Vencendo a ansiedade, Demi levou as mãos ao paletó negro do marido e o desabotoou dando espaço para que as palmas de suas mãos corressem pelo peito largo. – O que foi amor? – Perguntou Demi levando as mãos para o rosto de Joe o acariciando.

   - Eu só estava pensando. – Disse ele fechando os olhos e curvando-se para encostar a testa a dela. – Eu sou o homem mais sortudo desse mundo. – Dito isso, Joe cobriu a boca dela com a dele envolvendo a amada com os braços colando cada pedacinho do corpo dela ao dele como se quisesse os fundir num só. E era o que ele realmente queria fazer. Um tanto sem jeito, Joe fechou a tampa do vaso sanitário e sentou-se puxando Demi para o seu colo correndo as mãos pelas coxas torneadas dela tentando a todo custo erguer o vestido. Mas diabos! Porque tinha que ter tanto pano? Joe franziu o cenho e largou os lábios da amada fazendo Demi rir com a confusão que ele fazia com todas aquelas camadas de tecido.

   - Por que vocês mulheres são complicadas até com as suas roupas? – Ofegou Joe depois de mais um beijo e então Demi desabotoava ferozmente o colete e a camisa que ele vestia louca para tocar-lhe o peito largo e másculo com as mãos.

   - Não somos complicadas. – Murmurou Demi concentrada em desabotoar o cinto que a impedia acariciá-lo lá embaixo.. – Amor.. eu senti tanta a sua falta. – Disse colocando o corpo ao dele roçando as intimidades e as bocas se encontraram de novo, dessa vez para um beijo mais calmo enquanto as caricias eram mais ousadas e necessitadas.

   - Eu também bebê, eu também.. – Quando beijá-la e acariciá-la já não era o suficiente, Joe, que estava a um passo de enlouquecer de desejo pela mulher que se esfregava em seu colo o provocando sem puder algum, apoiou as mãos no traseiro de Demi e levantou-se a imprensando contra a parede enquanto os seus lábios trabalhavam em beijá-la no pescoço e as mãos dela em seu membro o movimentando para cima e para baixo arrancando gemidos e suspiros baixos dele. – Dem, não.. – Sussurrou Joe tentando conter um gemido já que estavam num banheiro público e ainda por cima feminino, mas os movimentos de Demi mais precisos em seu membro o fez gemer mais uma vez e encostar a testa a da amada completamente entregue aos carinhos dela.

   - Vamos querido.. – Demi acariciou o rosto de Joe com a mão livre buscando os lábios dele para colá-los nos seus quando os gemidos começaram a ficar mais frequentes e altos. – Amo você meu menino. – Com um belo sorriso nos lábios ela abraçou o marido e o amparou nos braços quando ele finalmente chegou ao ápice corado e ofegando.

   - Amo você pequena. – Demi desmanchou o sorriso tímido nos lábios dele com um beijo que se prolongou por minutos e que só era interrompido para que eles pudessem respirar e logo estavam se beijando de novo com paixão e desejo.

   - Eu não acredito que a gente está fazendo isso aqui.. – Sussurrou Demi adorando o contato direto de suas mãos nas costas largas e quentes de Joe quando ela o abraçou e escondeu o rosto na curva do pescoço dele aproveitando para distribuir beijinhos carinhos naquela região.

   - Eu sempre quis transar com você num banheiro público. – No lugar do sorriso tímido estava o sorriso safado que Demi conhecia muito bem. Joe a apertou com vontade nas coxas e colou os lábios no tórax exposto levando os beijos que ali depositava em direção aos seios perfeitos sem deixar de olhá-la com aqueles olhos intensos e que brilhavam de desejo por ela. – Você está molhadinha pequena. – Sussurrou quando os dedos espertos finalmente chegaram onde ele tanto queria acariciando e sondando a região intima quente e macia de Demi. – Shh.. Princesa, vou cuidar de você. – Puxar os cabelos dele e repreendê-lo com o olhar não foi o suficiente, quando Demi deu por si Joe já estava agachado levantando uma perna dela e depois a outra para que ele pudesse livrar-se da calcinha que ela vestia a guardando no bolso de trás da calça social.

   - Josep.. Joseph! – Tombara a cabeça para trás e gemera o nome dele o sentindo lá intenso e rápido em seu ponto sensível por várias vezes arrancando mais gemidos e suspiros que Demi tentava controlar a todo custo para que ninguém os ouvisse, chegara morder o lábio inferior com força, mas tornou-se impossível se controlar quando dois dos dedos de Joe enterraram-se em seu interior lentamente e logo saíram a deixando desnorteada. A boca dele juntou-se a fenda doce e escorregadia por várias vezes, a língua entrando e saindo e os lábios fecharam-se no ponto sensível e Demi fechou os olhos batendo a cabeça na parede enquanto os seus dedos tratavam de enroscar nas mechas negras dos cabelos de Joe os puxando com força. Fazer sexo oral nunca tinha sido tão maravilhosamente bom como estava sendo, Demi não conseguia se controlar e começara a pedir para que Joe aumentasse os movimentos, o que não aconteceu já que ele continuou com aquele mesmo ritmo calmo no ponto sensível até que ela explodiu de prazer ofegando e de olhos fechados. Foi nesse mesmo movimento que o resto do que lhe sobrara de juízo a despertou e Demi, ainda mole por conta do orgasmo devastador, arregalou os olhos ao escutar o seu nome ser anunciado e em seguida o barulho de palmas. O coração quase saiu pela boca que quando Joe levantou-se ainda envolvido no que eles faziam a puxando pela cintura contra o corpo dele, tudo que Demi conseguiu fazer foi pegar a bolsa de mão sobre a tampa do vaso sanitário e sair daquela pequena cabine parando rapidamente em frente ao espelho do banheiro para arrumar o cabelo e retocar batom e então ela apressara o passo e a multidão que a procurara a aplaudiu e sorriu conforme ela caminhava em direção ao palco para receber o prêmio que esperara por toda uma vida: O Grammy.

   - Oh meu Deus.. – Era para ser um sussurro, mas a voz ecoara naquele enorme espaço e então Demi estava boquiaberta fitando o prêmio em suas mãos. Deus! Era um sonho? – Bem.. Joseph? – Chamou arrancando risos de todos ao se beliscar. – Eu não estou acreditando. Oh meu Deus! – Demi tocou o “toca discos” e sorriu de orelha a orelha. – Oh meu Deus! Oh Meu Deus! – Ela disse dando pulinhos e logo começara o discurso agradecendo a produção do evento, a gravadora dirigida pelos irmãos Jonas e principalmente a família e os fãs que sempre a apoiaram em todos os seus passos. – Obrigada! – Demi estava tão radiante que quando desceu os poucos degraus do palco quase caiu, claro que se não fosse pelos braços fortes de Joe ela tinha pagado o maior mico do ano.

   - Parabéns princesa. – Ele disse todo sorridente a envolvendo num abraço apertado e dando-lhe um beijo na bochecha.

   - Amor, eu não acredito. – Disse Demi roubando um selinho do marido e abraçando Joe de lado para que juntos eles pudessem caminhar para o lugar onde estavam sentados.

   - Você mer... – Antes mesmo que Joe pudesse completar a frase Demi já estava surtando com as amigas com direito a gritos e pulos completamente eufóricas. – Tudo bem. – Sussurrou Joe adentrando os bolsos da frente da calça com as mãos e sentou-se a poltrona cruzando as pernas.

Naquela noite Demi ganhou as duas categorias que fora indicada e bem, quando o nome dela foi anunciado pela segunda vez lágrimas misturaram-se ao lindo sorriso dela e Joe viu-se completamente orgulhoso da sua garota. E o sorriso permaneceu nos lábios de Demi, Joe sempre a flagrara sorrindo para o nada e acabava sorrindo também contagiado pela alegria da esposa e muito feliz por ela.

   - Acho que tem alguém no mundo da lua. – Sussurrou Joe no ouvido de Demi e ela virou-se para olhá-lo com um lindo sorriso nos lábios. – Parabéns bebê, eu estou muito feliz por você. – Disse ele enlaçando os dedos nos dela fitando-lhes os olhos.

   - Eu também estou muito feliz Joe. – Disse Demi depois que dera um selinho demorado nos lábios dele. – Muito feliz por nós, pela nossa família, pelos meus grammys. Isso é tão gratificante, sabe? Alguns meses atrás eu estava bebendo como um alcoólatra. Quase morri e por um pouco não perdi a minha família. Agora tudo parece estar tão certo.. Nós temos Bernardo, as crianças estão ótimas e nós dois... Eu me sinto cada vez mais apaixonada por você. – Confessou baixinho arrancando um belo sorriso de Joe. – Eu me sinto completa. – Disse Demi sentindo o olhar de Joe desnudar a sua alma conforme ela dizia a ele como era bom se sentir bem consigo mesma, confiante e muito feliz.

   - Posso te levar a um lugar especial essa noite? – Perguntou Joe num sussurro no ouvido da esposa.

   - É claro que pode. – Demi o beijou na bochecha e descansou a cabeça no ombro de Joe enlaçando os dedos da mão direita aos dele da mão esquerda para que juntos eles pudessem assistir as apresentações finais do evento.

...

   - Ai meu Deus! Eu consegui um autografo da Rihanna! – Deveria ser a milésima vez que Elizabeth, embasbacada, dizia aquela frase fitando o pedaço de papel com o autografo da cantora. – Isso é tão legal, será que você pode conseguir o número dela? Convidá-la para ir lá em casa. – Disse a menina para a mãe e Demi respirou fundo assentindo, mas todos os seus pensamentos estavam em Bernardo.

   - Você não vai virar a melhor amiga da Rihanna. – Disse Daniel para pirraçar a irmã e a briga estourou dentro do carro a caminho da casa de Dianna.

   - Quietos! – Quando ouviram a voz de Joe já alterada Daniel e Elizabeth arregalaram os olhos completamente surpresos. Ora, quem sempre dava as broncas era Demi. – Daniel, pelo amor de Deus, pare de pirraçar a sua irmã! – Disse Joe de cenho franzido e um pouco mais calmo. – Eu não quero mais saber de brigas, entenderam? Vocês são irmãos! Um tem que apoiar o outro! Se continuarem vão ficar sem mesada até o final do ano. – Demi arqueou as sobrancelhas ao olhar para Joe assim que ele estacionou o carro. Aquela bronca era definitivamente uma bela evolução da parte dele como pai.

   - Estou orgulhosa de você. – Disse Demi assim que curvou-se para beijá-lo na bochecha e as crianças reviraram os olhos como sempre faziam.

   - Eles só precisam de um pouco de disciplina. – Joe roubou um selinho e então desceu do carro para abrir a porta para a esposa e estender-lhe a mão com um sorriso nos lábios.

   - Hum.. Obrigada Sr. Jonas. – Demi sorriu quando Joe tirou o paletó e o pôs em seus ombros para aquecê-la já que era noite e estava frio. – Muito cavalheiro o Sr. – Joe esboçou aquele lindo sorriso de menino e Demi derreteu de paixão abraçando mais o braço dele conforme caminhavam em direção a porta da casa de seus pais. – Como está o meu pequeno? – Perguntou Demi assim que Eddie abriu a porta e os convidou para entrar.

   - Acabou de acordar anjinho. – Disse Eddie envolvendo a filha num abraço de urso e dando-lhe os parabéns. – Ele está lá no seu quarto com a sua mãe. – Demi assentiu e disparou a subir a escada louca para ver o filho.

   - Olha só quem chegou Bê! – Dianna sorriu assim que Demi aproximou-se e beijou o rostinho do filho o fazendo sorrir apenas em escutar a sua voz.

   - Obrigada por cuidar dele mamãe. – Disse Demi sentando-se a cama e aninhando Bernardo em seus braços. – A mamãe demorou? Eu estava morrendo de saudades de você anjinho. – Disse o beijando na bochecha e acariciando o rosto delicado do pequeno. – O papai disse que ele acabou de acordar. – Disse Demi a Dianna assim que Bernardo agarrou-lhe o seio completamente esfomeado.

   - Fralda suja. – Disse Dianna ajeitando à mantinha para cobrir o pequeno nos braços da filha. – Ele é um amor, quietinho e risonho. – Demi assentiu fitando Bernardo com um sorriso orgulhoso nos lábios. O seu menino era tão especial e enchia-lhe o peito de amor apenas com aquele olhar amoroso. – Você também era um amor, só que era mais danado que tudo. – Assim que olhou em direção à porta, Demi tornou a sorrir ao ver Daniel ali encostado no batente da porta as olhando.

   - Eu era terrível assim? – Perguntou Daniel sentando-se a cama entre Demi e Dianna. – A vovó Dê disse que eu era um bom garoto. – Comentou o menino deitando a cabeça no colo de Dianna para que ela acariciasse os seus cabelos como sempre fazia.

   - Você ainda é um bom garoto. – Disse Dianna mergulhando os dedos nos cabelos escuros do neto e Dan fechou os olhos depois de sorrir para a mãe que o observava.

   - O seu pai quem te colocou no mau caminho com aquelas brincadeiras estúpidas. – Disse Demi assim que Joe adentrou o quarto e agachou-se a sua frente para brincar com Bernardo. – Espero que você não ensine a Bernardo como arremessar coisas Sr. Jonas. – Joe fez careta ao receber um tapa na mão, mas abraçou as pernas da esposa e deitou a cabeça no colo dela esperando receber o mesmo carinho que Dianna fazia em Daniel.

   - Pois eu vou ensinar, ele vai te deixar louca. – Dianna riu dos olhares assassinos que Joe e Demi trocavam, até parecia que aqueles dois brigariam. Ultimamente eles estavam tão melosos que era de ter ânsia de vomito só de passar poucos minutos com eles.

   - Você é uma peste. – Demi tentou mostrar indiferença, mas acabou rindo e recebendo um selinho de Joe nos lábios, o que fez Dianna e Daniel fazer careta.

   - Oh Deus! Já não basta no Grammy e agora vocês estão se pegando aqui também? – Quando Anne adentrou o quarto de braços dados com Elizabeth e Eddie logo atrás Demi corou bruscamente. Por que diabos todos queriam envergonhá-la na frente dos pais?

   - Nós não fizemos nada. – Murmurou Demi corada e o rubor intensificou-se mais quando o seu olhar se encontrou com o de Joe e a lembrança da falta da calcinha foi o suficiente para que ela arregalasse os olhos e desviasse o olhar do de Joe.

   - Tia Di, você pode ficar com as crianças e com Bernardo mais um pouco? Quero levar a Dem para conhecer um lugar especial. – Disse Joe assim que as crianças saíram do quarto eufóricas por conta da lasanha que Dianna fizera para recebê-los.

   - Tia Di? Há quanto tempo você não me chama assim? – Joe sorriu envergonhado e Demi riu daquele momento raro. Lembrara-se da época em que eram apenas adolescentes que viviam aprontando e Joe sempre chamara a sogra de Tia Di e Demi chamava Denise de Tia Dê. – Por mim tudo bem, Bernardo está quase dormindo e bem, vou vigiar as crianças para que elas não coloquem fogo na casa. – Joe assentiu ainda tímido e Demi tirou Bernardo do peito para colocá-lo para golfar já que o pequeno alternava-se em cochilar e mamar. – Querida, você não tinha planejado uma festa para hoje? – Perguntou Dianna assim que Demi colocou o pequeno adormecido no berço com a ajuda de Joe.

   - Nós achamos melhor cancelar, não seria bom para o meu pequeno e eu quero aproveitar a nossa família, sabe? Depois nós podemos comemorar todos juntos. – Disse Demi arrumando o cobertor no corpo de Bernardo. O pequeno poderia estar protegido por quem quer que fosse, mas ela ainda sim ficava preocupada.

   - Não vão comer um pedacinho da minha lasanha? – Demi e Joe sabiam que não poderiam recusar a lasanha que Dianna preparara para esperá-los, desceram conversando sobre o Grammy e juntos degustaram a saborosa lasanha de carne em meio às piadas de Joe.

   - Os meus pais adoram você. – Disse Demi assim que Joe adentrou o carro e deu partida no mesmo.

   - Os meus pais também adoram você. – Trocaram sorrisos e Joe ligou o som do carro e Since I don’t have you começou a tocar baixinho preenchendo o silêncio que se firmara entre eles.

   - Para onde nós estamos indo? – Fitar as casas passando como rápidos borrões pela janela do carro já estava a deixando enjoada, e o silêncio que se formara entre ela e Joe era anormal, oras, eles nunca ficavam em silêncio.

   - Surpresa. – Disse Joe curvando-se para abrir o porta-luvas quando parou no sinal vermelho e de lá tirou um tablete de chocolate branco. – Quer passar em algum lugar para comer? – Demi arqueou as sobrancelhas o olhando.

   - Acho que eu abusei da lasanha da mamãe, estou cheia. – Disse sem graça abrindo o chocolate que Joe lhe entregara apenas para distrair. – Joe. – Chamou algum tempo depois quebrando o silêncio entre eles e como as ruas naquele horário estavam vazias, Joe a olhou pedindo que ela prosseguisse. – Eu estou muito gorda? – Perguntou fitando a própria barriga.

   - Não querida, você não está gorda. – Disse Joe a fitando mesmo tentando manter a atenção no transito, mas ver Demi fazendo careta apertando o próprio corpo o fez sentir-se desconfortável. – Anjo, você não está malhando há um bom tempo. Há pouco tempo você deu a luz, é normal que você.. que você ganhe algum peso. – Joe revirou os olhos para Demi quando a flagrou o olhando fixamente esperando que ele concluísse o que tinha a dizer.

   - Ganhar peso significa que eu estou gorda, Joseph! – Disse Demi toda mordida e Joe tornou a revirar os olhos.

   - Dem, qual o problema de ser gorda ou magra? Eu vou te amar do mesmo jeito. Não existe uma mulher nesse mundo que tenha um bebê e que fique por aí exibindo o corpo sem um pouco de barriga. É normal! E a propósito, são as suas curvas e você deveria se orgulhar delas, graças a elas nós temos filhos saudáveis para amar e cuidar. – Respirando fundo, Demi pensou sobre o assunto e acabou concordando com Joe. Era óbvio que ela não era a mesma de antes, e pensar por aquele lado a encheu de orgulho. Bernardo era um bebê saudável e apenas um olhar do pequeno fazia o seu coração acelerar. E isso não era nada perto de ter uma barriga lisinha, ela ainda tinha todo o tempo do mundo para suar na academia até obter o resultado desejado.

   - Eu sei, é só que.. – Demi fitara as próprias unhas sem saber o que dizer e envergonhada, Joe a olhou por algum momento e respirou fundo levando a mão a dela.

   - Não precisa ter vergonha. Nós podemos trabalhar juntos para fazer o que você quiser, só vamos esperar Bernardo crescer mais um pouco. – Demi assentiu sem conseguir esconder o sorriso que se formou em seus lábios. Adorava malhar com Joe, era tão divertido e geralmente eles apostavam em tudo que iriam fazer o que sempre terminava em risadas altas e em bons amassos debaixo da ducha fria. – Só quero que você se ame e se sinta feliz com o seu próprio corpo. Milhares de garotas precisam de você, ok? – Aquela conversa os envolveu tanto que Demi assustou-se quando de repente o carro parou e toda Los Angeles estava sobre o seu olhar em milhares e milhares de pontinhos luminosos.

   - É tão perfeito. – Foi tudo que ela conseguiu dizer da Califórnia sobre os seus olhos. Lá longe a roda gigante de santa Mônica mais aqueles enormes brinquedos que Demi não sabia o nome a hipnotizavam brilhando em luzes coloridas junto às outras luzes que pareciam cobrir toda a cidade com ouro.

   - Quando você estava em coma eu sempre vinha a esse lugar para tentar me lembrar do seu sorriso, do som da sua risada e de como os seus olhos sempre brilhavam depois que eu te beijava. – Foi impossível impedir que as lágrimas rolassem molhando o seu rosto e que o coração disparasse a bater. – Quando eu olhava para o céu as suas sardinhas sempre vinham em minha mente, o seu sorriso e os seus olhos brilhantes me faziam chorar de saudade. Rezei tanto para te ter de volta, e Deus atendeu o meu pedido. – Mesmo no escuro Demi sabia que lágrimas rolavam pelo rosto de Joe, ela podia simplesmente saber pelo tom de voz baixo e rouco dele.

   - Eu nunca vou te deixar meu amor, nunca, não importa o que aconteça. – Beijando o rosto dele, Demi limpou as lágrimas que rolavam pelo rosto de Joe e ele a abraçou com força escondendo o rosto na curva de seu pescoço.

   - Eu te amo Dem. – Demi o respondeu com um beijo delicado nos lábios e o confortou nos braços lhe acariciando os cabelos.

   - O que você acha da gente comer chocolate agarradinho vendo as estrelas? – Disse Demi quando era mais tarde e Joe ainda estava abraçado a ela agora recebendo o carinho que ela fazia em seus cabelos.

   - Ótima ideia pequena. – Fazendo manha para sair do abraço carinhoso e quentinho de Demi, Joe a beijou na bochecha e abriu a porta do carro tremendo de frio e abriu a porta para a esposa a puxando para os seus braços antes mesmo de fechar a porta. – Vou pegar a mantinha no banco de trás. – Demi abraçou o próprio corpo fitando toda a cidade a sua frente e sorriu quando Joe a envolveu por trás num abraço apertado e os cobriu com a manta encostando-se a frente do carro.

   - Não está com frio? – Perguntou Demi aninhando mais o corpo ao dele sentindo-se protegida nos braços fortes do marido.

   - Um pouquinho, mas você e a mantinha estão me aquecendo. – Demi o olhou e sorriu apaixonada. Joe estava tão lindo sobre a luz das estrelas, os cabelos negros e lisos perfeitamente penteados como os cabelos de um príncipe, a sombra de um sorriso sempre estava nos lábios bonitos dele e os olhos esverdeados brilhavam de paixão e desejo. – Ei, você pode me dá um pedacinho de chocolate? – O que era para ser uma cena romântica acabou sendo motivos para gargalhadas quando Demi tentou levar o pedaço de chocolate em seus lábios aos lábios de Joe, mas o chocolate acabara caindo.

   - Joseph! Você é muito bobo. – Disse Demi ainda se recuperando das altas gargalhadas.

   - Às vezes eu acho que você não gosta de mim. – O bico dele a fez revirar os olhos, como diabos um homem daquele tamanho podia ser tão manhoso?

   - Não seja manhoso, você sabe que eu te amo. – Demi acabou virando-se para ficar de frente a ele, acariciou o peito com as mãos e o beijou no maxilar. – Os seus olhos estão verdes. – Disse Demi acariciando o rosto barbado com as mãos sem conseguir desviar o olhar do de Joe.

   - Os seus estão negros. – Sussurrou Joe curvando-se para beijá-la na boca com paixão. – É a segunda vez que eu borro o seu batom. – Joe sondou os lábios da amada com o dedo polegar e os juntou aos seus mais uma vez num beijo calmo. – Gostou da vista? – Perguntou quando ela se virou para fitar a cidade.

   - Gostei, nós temos que vim aqui mais vezes. Quero fazer coisas novas com você. – Demi revirou os olhos quando Joe arqueou as sobrancelhas e um sorriso malicioso nasceu em seus lábios. – Estou falando sério, Joe! Seria tão romântico se a gente fizesse um piquenique aqui ou se a gente pudesse, sei lá, patinar no gelo ou ir ao cinema. – Joe assentiu gostando da ideia. Los Angeles era enorme e o que não faltava era programa para casais.

   - A gente podia sair para comer besteiras, caminhar no parque, visitar museus, namorar no carro como dois adolescentes com os hormônios a flor da pele ou a gente podia assistir filmes de terror, jogar damas e assistir vídeo engraçados. – Demi encheu o rosto de Joe com beijinhos adorando as ideias dele, seria tão legal fazer todas aquelas coisas.

   - Marissa ministra um grupo para casais, uma vez eu participei de uma sessão na clínica, é muito engraçado. – Joe assentiu a virando para ele para beijá-la no pescoço colocando em prática a parte de namorar no carro como dois adolescentes com os hormônios a flor da pele.

   - Se você quiser nós podemos participar. – Disse ele a olhando e esboçando aquele sorriso travesso. – Vou contar para todo que você ronca como uma porquinha e que toda vez que a gente transa você fica muito manhosa e dorme me deixando sozinho. – Demi arregalou os olhos e o bateu fazendo Joe gargalhar.

   - Eu não ronco! – Joe sempre insistia naquela história que ela roncava apenas para pirraçá-la, o que sempre dava certo. – Vou contar que você me usa como travesseiro e que toda vez que você come amendoim a sua barriga dói. – Agora foi à vez de Joe arregalar os olhos e de Demi gargalhar. Joe sempre ficava vermelho de vergonha quando ela tocava naquele assunto delicado.

   - Você não faria isso Dem. – Ele sussurrou vergonhado enquanto Demi ainda ria.

   - E você não vai contar que eu acabo dormindo toda vez que a gente transa. – Joe assentiu mostrando o dedo mindinho para Demi, que o abraçou com o dela selando a promessa. – Não vou contar o seu segredo para ninguém, não faz essa cara Joe. – Demi levou as mãos aos cabelos da nuca dele colando os corpos e procurando pelos lábios de Joe para juntar aos seus.

   - Também não vou contar o seu segredo, porquinha. – A conversa continuou divertida e cheia de beijos enquanto juntos eles observavam a cidade e comiam chocolate agarrados um ao outro.

   - Joseph! Vem! – Demi o puxava pela mão e Joe fazia corpo mole para implicar com ela, quando ele finalmente cedeu, Demi colou o corpo ao dele e começou a se movimentar.

   - Como vamos dançar sem música? – Ele perguntou começando a dançar agarrado a ela.


   - Nobody gets too much heaven no more.. it's much harder to come by. – Os arrepios correram por todo o corpo de Joe quando a voz dela sussurrada doce e sexy chegou aos seus ouvidos nos versos de Too much heaven. - I'm waiting in line.. nobody gets too much love anymore.. It's as high as a mountain and harder to climb. – Com os olhos fechados hipnotizado pela voz dela, Joe correu a ponta do nariz pela curva do pescoço de Demi enquanto os seus pés os guiavam para perto do carro.

   - Oh you and me girl got a lot of love in store.. – As mãos dele adentraram o paletó que ela vestia e os dedos tatearam as costas dela a procura do fecho do vestido e quando finalmente Joe encontrou a cabeça do zíper, encostara Demi contra a porta traseira do carro e a envolveu em seus braços para depositar em seus lábios um beijo terno e delicado. - And it flows through you.. – Ele sussurrou abrindo a porta do carro fitando os olhos dela.

   - And it flows through me.. – Cantarolou Demi tirando o paletó que vestia e o jogando no banco do carona conforme Joe a encurralava nos bancos de trás como um felino faminto. - And I love you so much more and my love.. – Cantarolou tirando os sapatos e puxando Joe pela gravata para que ele finalmente ficasse entre as suas pernas.

   - I can see beyond forever... everything we own will never die. – Joe sussurrou cada palavra erguendo-se para fechar a porta do carro e começar a desabotoar a camisa, e Demi juntou-se a ele com os olhos fixos nos dele enquanto os seus dedos trabalhavam lentamente em desabotoar botão por botão da camisa branca.

   - Love is such a beautiful thing. – As palmas das mãos espalmadas no peito largo levou a camisa branca junto com o colete negro para um lugar que eles descobririam depois. Demi o beijou no peito tomando os mamilos másculos em seus lábios por um pequeno prazo até que Joe deitou-se sobre ela distribuindo beijos por seu tórax até o pequeno decote do vestido. - Oh you make my world a summer day.. – Ela sussurrou mais um verso da música ajudando Joe a despi-la naquele pequeno espaço que tinham e que só deixava tudo mais quente.

   - Are you just a dream to fade away.. – Aquelas curvas pareciam ser desenhadas pelo artista mais talentoso e realista de todos, Joe viu-se vidrado em cada pedacinho do corpo da amada à medida que o vestido delicado era deslizado pelo corpo quente e macio de Demi. Ela era tão linda, tão perfeita aos seus olhos e sua completamente nua a espera dele. – Você é linda meu anjo. – Ele sussurrou excitado e apaixonado depositando na testa de Demi um beijo demorado.

   - Nobody gets too much heaven no more.. it's much harder to come by I'm waiting in line.. Nobody gets too much love anym.. – Demi continuou a cantarolar com um leve sorriso nos lábios até que Joe a calou com um beijo apaixonado moldando o corpo ao dela como se pudesse fundi-los num só através dos toques delicados e desejosos de suas mãos habilidosas e grandes. - It's as high as a mountain and harder to climb. – Os lábios dela trilhavam beijos um pouco abaixo do umbigo do abdômen malhado enquanto o cinto era desabotoado para libertá-lo daquela pequena prisão. - You and me boy got a highway to the sky.. – Os olhos dela brilharam em puro desejo quando a calça desceu junto à cueca pairando as coxas grossas e lá estava ele pronto para completá-la naquela forma enlouquecedora.

   - We can turn aw.. and the tea.. Demi! – Acariciara a bochecha dela depois que ela o deixou todo arrepiado com os beijos que distribuíra no membro ereto. A saudade era tanta que sussurrando o próximo verso da música “You’re my life”, Joe deitou-se sobre a esposa e juntou-se a ela num só buscando os lábios de Demi para junto dos seus e nada mais importava, apenas ela.

...

   - Dem? Você não vai dormir, vai? – Perguntou Joe dedilhando a pele macia e quente da mulher nua deitada sobre o seu corpo.

   - Não vou te deixar sozinho. – Sussurrou Demi riscando o peito esquerdo dele em desenhos imaginários. Dormir era a última coisa que vinha em sua mente, fazer amor por horas com Joe no banco de trás daquele carro fora a melhor coisa que acontecera naquela noite, melhor até mesmo que ganhar dois Grammys. – E você? Vai dormir? – Perguntou erguendo-se para fitar os olhos dele.

   - Não minha pequena. – Joe riu arrumando os cabelos bagunçados dela e logo os seus olhos fixaram-se nos seios bonitos que se juntaram ao seu peito quando Demi voltou a se deitar. – Eu tenho uma coisa para te contar.  – Joe mal havia concluído a frase e os olhos marrons de Demi já estavam em seu campo de visão curiosos e ansiosos. Mulheres!

   - Não vai me contar? – Ela reclamou esperando ansiosamente que ele continuasse, mas Joe esboçou um sorriso preguiçoso e negou balançando a cabeça. – Você é muito chato, sabia? – Manhosa, Demi o beijou no rosto e o guiou para o interior começando a se mover lentamente até que Joe a segurou pela cintura já excitado e a ajudara a se mover tão rápido que os dois antigiram o ápice suados e cansados em meio aos gemidos e suspiros. – Vai me contar agora? – Ela perguntou o beijando na boca e Joe assentiu dando-se por vencido.

   - Espere um minuto, preciso respirar. – Demi riu descansando o corpo sobre o dele e minutos mais tarde Joe a vestiu com a camisa social branca e um tanto sem jeito eles passaram para o banco do carona rindo um do outro. – Sente-se aqui. – Joe a puxou para o colo e a apertou nos braços dando um beijo estalo na bochecha dela, o que fez rir e pedir que ele a soltasse já que ela estava ficando sem ar.

   - Joseph, você está me enrolando. – Murmurou Demi tentando não ceder aos beijos que recebia no pescoço e as mãos dele a tocando naqueles pontos estratégicos...

   - Você é irresistível Demi Lovato. – Encerrando os amassos com um chupão que era certo que ficaria marcado na pele clara do pescoço de Demi, Joe abriu o porta-luvas e de lá tirou um envelope branco.

   - O que é isso? – Perguntou Demi assim que Joe acendeu a luz amarela do interior do carro.

   - Leia. – Ele disse repousando as mãos no colo dela e relaxando o corpo no banco lendo junto com Demi cada trecho da carta que escrevera alguns dias atrás.

   - Joe! Você está pedindo demissão a Sara? – Perguntou Demi um tanto surpresa lendo novamente o trecho que ele pedia demissão e as suas sinceras desculpas a Sara. – Eu não estou entendendo amor. – Demi virou-se para olhá-lo pedindo por uma explicação. Sara tinha ajudado tanto a Joe a entrar no mundo do jornalismo, ela era a única que depositara todas as esperanças nele e o transformou num dos maiores editores dos EUA.

   - Eu estou cansado Dem. – Disse Joe sem olhá-la. – É ótimo trabalhar para a NY Times, Sara é a melhor chefa que um cara poderia ter, mas é preciso ter muito tempo para editar textos, fazer críticas minuciosas de livros, séries e filmes e muitas outras coisas. Os meus filhos estão crescendo tão rápido, Daniel é praticamente um homem e Elizabeth está tão independente. – Ele disse acariciando os cabelos dela. - Qual foi a última vez que Dan chorou com medo de um palhaço? Quando foi que Lizzie acordou no meio da noite com medo do monstro que tinha no armário dela? Quantas vezes eu te deixei sozinha porque tinha negócios a resolver? Eu não visito mais a minha mãe, não tenho tempo para brincar com Buffy ou para tocar violão com os meus irmãos. São apenas relatórios e uma pilha de papel que nunca acaba por mais que eu saía mais cedo para ficar com você. Nesses últimos meses eu aprendi muita coisa, e trocar a família pelo trabalho como eu fiz por muitos anos não está nos meus novos planos. Quero aproveitar o meu tempo ensinando as coisas da vida para os meus filhotes, vou pegar no pé da nossa menina e vou ensinar a Bernardo como arremessar objetos, como nós podemos te deixar louca de raiva quando sujamos a casa de terra. – Demi o abraçou apertado agradecendo a Deus por Ele ter preparado aquele homem para ser seu e ela dele.

   - Você vai passar as noites dormindo no chão frio da garagem se perturbar demais. – Joe arqueou as sobrancelhas levando as mãos para dentro da camisa que a protegia do frio.

   - Posso até dormir na garagem, mas primeiro eu vou te deixar molhadinha e sozinha na nossa cama. – Demi franziu o cenho e gemeu contra os lábios de Joe sentindo os dedos dele nas pontas de seus seios os puxando e os apertando. – Droga, Dem. – E como sempre diziam: a noite era uma criança.

...

   - Joe? – Desde quando passarinhos cantavam à noite? Demi abriu os olhos, mas os fechou assim que a luz forte quase a cegou. – Joe? – Chamou pelo marido mais uma vez sentindo a respiração leve dele contra o seu pescoço. Diabos! Abriria os olhos se ela não estivesse com tanta preguiça e se Joe não fosse tão quente e macio. Era gostoso dormir nos braços dele. – Joseph. – Chamou mais uma vez sabendo que eles estariam encrencados se não acordassem logo.

   - O que foi Dem? – Mas Joe só a apertou no abraço e respirou fundo voltando a dormir.

   - Amor, acorda. – Demi o cutucou ainda de olhos fechados e Joe acordou assustado com a claridade dentro do carro.

   - Dem, apaga a luz. – Ele murmurou, mas logo abriu os olhos assustando-se ainda mais quando viu que já era dia. – Droga! – Ao menos eles estavam sozinhos naquele mirante, e a manta protegia o corpo de Demi que protegia o dele já que ela dormia agarrada a ele. – Princesa, acorda. – Chamou achando engraçando como ela o agarrava e tinha a expressões tranquilas e felizes enquanto dormia. – Ei, acorda gatinha. – Ele sussurrou no ouvido dela e lentamente Demi abriu os olhos.

   - Você está pelado. – Foi a primeira coisa que Demi disse beijando o peito dele e Joe riu um pouco nervoso sabendo que todo aquele contato a aquela hora da manhã resultaria numa bela ereção, o que não seria interessante no momento. – Será que alguém viu a gente? – Perguntou Demi erguendo-se e olhando para o vidro dianteiro dando graças a Deus que os demais eram escuros.

   - Espero que não. – Espreguiçando-se, ao mesmo tempo em que Joe sentiu o corpo relaxado também o sentiu dolorido por conta do mau jeito que dormiu. – Vamos para casa? Está muito cedo para buscar as crianças. – Ele disse checando a hora no celular.

   - Espero que o meu bumbum não seja capa de revista. – Os dois acabaram rindo e se abraçando. – Ontem foi perfeito. – Disse Demi quando o olhou nos olhos. – Amo você. – O sussurro dela nos lábios dele transformou-se num selinho que pouco durou, mas que aqueceu ainda mais os corações apaixonados.

Vestiram-se entre risos e no caminho para casa não foi diferente, e é claro que eles se beijaram sempre que tiveram a oportunidade, mas quando chegaram em casa acabaram dormindo cansados e abraçados enrolados no cobertor na cama macia depois de um banho quente já que ainda era muito cedo.

   - Bom dia crianças. – As sobrancelhas arqueadas e o olhar insinuoso de Dianna fez Demi corar assim que a mãe abriu a porta.

   - Mãe, a gente acabou dormindo e.. – Apressou-se Demi a explicar o que tinha acontecido na noite passada, porém acabara mais embaraçada do que já estava. Ora, como ela iria explicar para a mãe que tivera uma noite muito agitada com o marido e que os dois acabaram dormindo nus no banco do carona do carro? – Bom dia. – Murmurou puxando Joe pela mão para dentro de casa já que Dianna já parecia saber o que tinha acontecido na noite passada.

   - Está tudo bem querida. Estava na sua cara que vocês precisavam de um tempo juntos longe de crianças. – Joe riu do comentário de Dianna e Demi corou o puxando para subir a escada.

   - Os meus bebês ainda estão dormindo? – Perguntou Demi antes que a mãe sumisse para a cozinha certamente para terminar o café da manhã.

   - Estão. Daniel e Elizabeth dormiram tarde assistindo séries com Anne. Já Bernardo chorou à noite, mas acabou dormindo. – Demi sentiu o coração partir ao pensar no seu pequeno Bernardo chorando de fome ansioso para vê-la. Puxara Joe pela mão e juntos eles subiram a escada caminhando em direção ao quarto onde as crianças dormiam.

   - Amor, olha só para eles. – Os olhos de Demi simplesmente marejaram ao abrir a porta do quarto com todo cuidado para não fazer barulho. Elizabeth dormia ao lado de Daniel compartilhando o cobertor com irmão. E bem, Bernardo estava enrolado na mantinha de ursinhos e nos braços de Daniel dormindo como um anjinho assim como o irmão.


   - A gente fez um bom trabalho. – Trocando olhares confidentes, Joe envolveu a cintura de Demi com os braços e ela o seu pescoço. – Amo você pequena. – Ele sussurrou beijando os lábios dela e juntos eles sorriram mais apaixonados do que nunca. Finalmente tudo estava bem.

Continua... OI! Finalmente terminei esse capítulo, deu um trabalhão e não é o último ahahahha. Bem, o último realmente será o epílogo, eu tinha imaginado que daria certo que esse capítulo fosse o epílogo, mas ele ficou muito grande e sem conteúdo para tal.. 
Tá.. Um anonimo comentou que leu e releu o capítulo 71 várias vezes e não entendeu o que realmente aconteceu.. Ficou confuso? Quem leu os capítulos anteriores sabe que o capítulo 71 é sobre o Daniel, eu avisei na nota final...
Então até o epílogo pessoal, obrigada pelos comentários e por esperarem por tanto tempo! Abraço!!!