18.7.14

Capítulo 1


Sexta-feira. O corredor amplo e bem polido era pisoteado por estudantes cansados demais um dia de aula. Todos pareciam desesperados para voltar para casa. Uns apenas buscavam por seus objetos pessoais e os materiais escolares nos respectivos armários loucos para fugir daquele lugar.. Já outros eram trancados nos armários pelos valentões do ensino médio. A típica faxineira resmungava ao ver os bolos de chiclete grudados nas carteiras e até no chão, sem contar o zelador molestador de garotinhas.. Mais um dia de terror na escola.

   - Daniel Jonas, advertência! – Não! Isto significava que ele estava expulso da Buckley School! Expulso!

   - O que eu fiz? – O garoto tirou o boné da cabeça e passou as mãos pelos cabelos os bagunçando e bufou irritado. – Ele estava preso no armário. – Daniel apontou para o garoto que já estava no final do corredor e logo olhou indignado para a diretora.

   - Eu não quero saber das suas desculpas, mocinho. – Velha desg... Daniel semicerrou os olhos ajeitando a mochila nas costas e a outra mochila com o violão. – As regras são claras, nada de instrumentos musicais, bonés e muito menos trancar os seus colegas no armário. – A diretora, a senhora Truscott parecia impaciente fitando o garoto.

   - Eu não o tranquei. – Disse como se fosse o maior absurdo do mundo. Ser um valentão era como se ele estivesse indo contra todos os ensinamentos dos pais.

   - Dan, papai está nos esperando. – Daniel encarou a diretora por breves segundos com os olhos cerrados. Aquilo não ficaria assim. Estava tão distraído a ponto de não perceber a presença da irmã. Ora, que diabos Elizabeth faria com aquele tanto de livro? A irmã mais nova era a miniatura da mãe. Entretanto os cabelos eram castanhos claros e os olhos como os do pai: castanho-esverdeados.

   - Lembre-se Jonas, você só entra neste instituto de ensino na segunda-feira acompanhado por seus responsáveis. – Passando as mãos pelo terninho azul marinho, a diretora acenou brevemente para a pequena Elizabeth e virou as costas.

   - Eu odeio esta escola. – Sussurrou caminhando ao lado da irmã.

   - Você tem notícias da mamãe? – Lizzie perguntou ao irmão tendo que olhar para cima para fitar os olhos do mesmo. Daniel com quase dezessete anos estava com a mesma altura que o pai. Não era forte, mas também não era magro demais. Os cabelos castanhos escuros curtos nas laterais da cabeça e maiores em cima.

   - Ela não responde minhas mensagens. – Disse semicerrando os olhos quando a luz do sol lhe pegou de surpresa. – E você? – Perguntou fitando Elizabeth e a “biblioteca” que ela carregava nos braços.

   - Também não. – Lizzie esperou o irmão abrir a porta do carro para que pudesse adentrá-lo. Ao menos teria um final de semana maravilhoso devorando livros.

   - Uau. Esta energia positiva de vocês está me contagiando. – Ironizou ao fitar os filhos claramente entediados no banco de trás. Joseph aos trinta e nove estava na lista dos homens mais sexies do mundo. A idade só lhe trouxera músculos e o deixara mais sexy. Muito sexy..

   - Nós podemos ir para casa? – Perguntou Daniel deslizando o polegar freneticamente pelo ecrã do Iphone.

   - Você tem notícias da mamãe? – Perguntou Elizabeth brincando com os cabelos do pai enquanto o mesmo dirigia.

   - Ela não responde minhas mensagens. – Elizabeth franziu o cenho ao olhar para o irmão. – Vocês têm notícias dela? – Perguntou olhando para a filha pelo retrovisor.

   - Ela também não responde minhas mensagens. – Disse Daniel guardando o Iphone no bolso da calça. – Nós podemos ir para casa? – Tornou a perguntar. Joe observou o filho por segundos e percebeu que ele não estava bem. Caso estivesse, Elizabeth e Daniel estariam brigando como cão e gato. Fora que Dan era um garoto alegre e cheio de energia positiva.

   - Tem jogo hoje. – Toda sexta-feira Joseph jogava futebol com os irmãos e os amigos. A única vantagem era que o esporte o ajudava a manter-se em forma junto com a academia.

   - Não podemos ficar em casa? – Choramingou Elizabeth. – Eu prometo cuidar de Dan e do cachorro. – Tornou a choramingar tombando a cabeça para trás. Futebol era um saco!

   - Sinto muito crianças. – Seguiram para casa em silêncio. Joseph tentara puxar assunto, mas parecia que ninguém estava disposto a prolongar a conversa. – Vinte minutos. – Disse fitando o relógio que ganhara de Demi.

   - Você está brincando? – Elizabeth arregalou os olhos. – Vinte minutos não é meu banho! – Resmungou franzindo o cenho.

   - Você perdeu dois minutos resmungando, mocinha. – Joe sorriu ao vê-la adentrar a casa acompanhada por Daniel pisando duro. Elizabeth era a cópia perfeita da mãe. Tinha a personalidade forte e desafiava tudo e a todos. O rádio tocava Drive, um dos hits de Miley. Joe esticou as pernas e levou as mãos para trás da cabeça acomodando-se ao banco. Por um momento permitiu-se pensar nas aventuras com Demetria.. Estava com tantas saudades dos beijos, das caricias e de estar com ela. Nos quase doze meses vira Demi poucas vezes. No começo do ano ele viajou com os filhos para o Canadá para que pudessem comemorar o dia das mães, e quando a turnê de Demi passara por Los Angeles encontraram-se apenas por dois dias e duas noites. Joe preferiu afastar as lembranças das poucas e quentes noites que passara com Demi, tudo que ele não precisava era ficar excitado..

   - Onde está Lizzie? – Disse assim que Daniel adentrou o carro.

   - Ela estava na cozinha. – Comentou distraído checando as mensagens no celular.

   - Está tudo bem? – Perguntou. Estava tão preocupado com o seu garoto.

   - Promete que não vai brigar? – Daniel olhou cautelosamente para o pai.

   - Pelo amor de Deus! Você não engravidou nenhuma garota, engravidou? – Joe surpreendeu-se ao ver o garoto ficar corado e completamente sem jeito.

   - Pai! Não. – Disse rapidamente envergonhado. – É só uma advertência. – Joe respirou fundo e acomodou-se ao banco.

   - O que aconteceu? – Perguntou desligando o rádio. – Sua mãe vai ter um infarto. – Daniel sabia que a mãe iria matá-lo. Aquela era a última advertência que ele poderia tomar. Agora eram quatro advertências e uma suspensão na metade do ano letivo e significava que ele estava expulso da Buckley School.

   - Pai, eu não entendo. – Disse guardando o telefone. – Alguns garotos da minha classe usam boné e outros tocam violão, por que eu não posso? Tudo que eu faço naquela porcaria de escola é motivo para polêmica. – Só tinha uma explicação e Joe era ciente dela.. – Na hora da saída eu estava esperando Lizzie, mas o pessoal do time prendeu um garoto dentro do armário e eu o ajudei. Mas a diretora acha que fui eu. – Daniel fitou Elizabeth adentrando o carro e franziu o cenho. Uma bolsa térmica?

   - O que foi? – A garota ajeitou a bolsa no colo. – Eu não quero passar fome e sede no estádio. – Daniel revirou os olhos e bufou irritado.

   - Lizzie, nós vamos jogar bola, não morar no estádio. – Por Deus! A paz entre aqueles dois não existia. Nos quase trinta minutos até StubHub Center Daniel e Lizzie discutiram, ou melhor, quase guerrearam sem cessar. Cada um com um argumento melhor. Deus! Eles eram a cópia perfeita da mãe, argumentativos. Joe tinha certeza que eram.

   - Quietos! – Joe franziu o cenho ao vê-los ofegar. Por Deus! Elizabeth tinha uma faca de plástico em mãos e ameaçava o irmão. – Eu juro que não vou me arrepender de acertar umas boas palmadas em vocês. – Daniel e Elizabeth assustaram-se ao fitar o pai. Quem costumava fazer ameaças e as cumprir era Demi. Joe sempre era calmo e compreensivo, mas tudo tem limites. – Mais uma ofensa e à coisa vai ficar feia. – Lizzie e Dan assentiram ainda assustados, dificilmente o pai os advertia de tal forma. Quando Joe finalmente estacionou, Daniel e Lizzie pareciam mais aliviados e menos desconfortáveis um com o outro, aliás, estavam livres para manter toda a distancia possível, o StubHub era grande o suficiente para isto.

   - Você pode ligar para a mamãe? – Daniel perguntou enquanto atravessavam a rua. Lizzie ao lado esquerdo de Joe e Dan ao lado direito do pai.

   - Preciso me trocar, depois eu ligo tudo bem? – Joe o olhou rapidamente e o garoto assentiu. – Por favor, não quero ser chato, mas esta desunião entre vocês me deixa triste. - Ora, eram diferentes. Cada um com sua personalidade difícil e opiniões muito diferentes. O que Dan e Lizzie não sabiam era que aquela rivalidade acabava deixando o pai chateado. Joe sempre tivera amizade com os irmãos e esperava que os seus filhos também fossem unidos e compartilhassem uma amizade verdadeira. – Prometam para mim que não vão brigar enquanto o velho aqui se exercita? – Daniel olhou para Lizzie, e Lizzie olhou para Dan. Assentiram calados, mas acabaram rindo junto com o pai. – Cuide da sua irmã. – Joe beijou a testa de Lizzie carinhosamente e apenas piscou para Dan antes de deixá-los na arquibancada.

   - Você contou para o papai que está expulso da escola? – Daniel assentiu enquanto se sentavam nas primeiras cadeiras da primeira fila. – Daniel, você está muito ferrado. – Daniel apenas assentiu novamente. Ferrado era pouco. Quando a mãe voltasse para casa ele estaria ferradíssimo, mais do que já estava.

   - É melhor você não contar nada para a mamãe. – Advertiu-a. Elizabeth era os olhos e os ouvidos de Demi, ela sempre ferrava o irmão em todas as oportunidades e não oportunidades que tinha. – Eu quero contar, tudo bem? – Dan fitou os olhos da irmã e a mesma assentiu.

   - Você sente muito falta da mamãe? – Lizzie perguntou depois de alguns minutos de silêncio.

   - Sinto, você sabe que todos nós sentimos falta da mamãe, mas daqui a alguns dias ela vai estar conosco. – Daniel desviou o olhar do campo de futebol para fitar a irmã. Até as sardas de Demi a pequena Elizabeth herdara. Daniel sorriu para a irmã e a abraçou de lado por alguns segundos. Por mais que tivessem suas diferenças, eles se entendiam.

   - Eu estou sonhando? – Joe sorriu de orelha a orelha ao vê-los abraçados. Ah! Seus bebês eram tão lindos.

   - Talvez. – Lizzie sorriu para o pai e logo desgrudou-se de Dan. – Aproxime-se. – Disse ao pai enquanto mexia na bolsa.

   - O que você vai fazer? – Joe franziu o cenho, mas aproximou-se.

   - Quando mamãe está fora eu sou a mulher da casa. – Lizzie finalmente achou o que procurava. – E eu tenho que cuidar de vocês, homens irresponsáveis e despreocupados. – Daniel gargalhou da cara do pai enquanto Lizzie esparramava o liquido pastoso pelo rosto do mesmo.

   - Uau. – Joe realmente não esperava por aquilo. – Eu não sabia que eu era um homem irresponsável. – Disse fitando os olhos castanho-esverdeados da filha.

   - Pois é, mamãe me orientou sobre homens. – Elizabeth parecia despreocupada enquanto cobria o rosto do pai com o protetor solar. – O sol está forte, aliás, o senhor almoçou papai? – Perguntou arqueando as sobrancelhas.

   - Comi pizza. E vocês? – Como estudavam pela manhã e tinha aula de educação física no inicio da tarde, Lizzie e Dan costumavam almoçar no colégio já que Joe trabalhava à tarde. Só quando Demi estava em casa que ela os busca para o almoço e os levava de volta para a escola e os esperava na casa de Dianna ou Denise, acontecia toda sexta-feira.

   - A comida da cantina é horrível. – Disse Daniel e Lizzie assentiu. – Você ligou para a mamãe? – Perguntou.

   - Elizabeth. – Joe a repreendeu. Tudo bem, ele sabia que ela só queria cuidar dele, mas protetor solar atrás das orelhas já é demais. – Ligue para ela, o pessoal está me esperando. – Joe entregou a carteira junto com as chaves e o celular para Dan o orientando de como deveria proteger a irmã no meio daquele tanto de homem. O estádio não estava lotado, era apenas o pessoal do time e poucas pessoas na arquibancada, mas como Joe era protetor e ciumento demais quando se tratava de Lizzie, todo cuidado era pouco. Sua garotinha já tinha os seus quinze anos e ele sabia que ela era graciosa demais e que os homens a apreciava..

   - Está chamando? – Lizzie perguntou observando o irmão impacientemente.

   - Eu aposto que a mamãe esqueceu o celular na poltrona do avião ou esqueceu-se de carregá-lo. – Lizzie assentiu balançando a cabeça. Sabia que a mãe, às vezes, ou quase sempre.. era muito lerda e também sobrecarregada e acabava se atrapalhando.

   - Eu odeio futebol. – Lizzie buscou o Ray ban wayfarer na bolsa junto com os headphones, tudo que tinha a fazer era cochilar até aquele maldito jogo acabar. – Daniel, você quer comer alguma coisa? – Perguntou para o irmão que já observava o jogo.

   - Você trouxe barra de cereal? – Perguntou sem ousar em desviar os olhos do jogo. Lizzie revirou os olhos e entregou para o irmão a barrinha de cereal.

   - O que você está fazendo? – Os olhos verdes estavam cerrados e fixos aos castanho-esverdeados da irmã.

   - Eu preciso de um ombro para cochilar. Um ombro largo, ok? – Mulheres! – Se alguém fizer gol não se levante e não grite. – Música, confere. Óculos escuros, confere. Ombro largo também confere. Lizzie ajeitou a cabeça no ombro do irmão e o beliscou quando o mesmo a chamou de chata. Ora, ela era uma garota e queria passar longe de estádio e futebol, mas estava lá. Então a única coisa que poderia ser feita para recompensá-la era implicar com Dan.


Matá-lo! Lizzie precisava pensar em um plano brilhante para ferrar de vez com a vida de Daniel. Céus! Aquele garoto não parava de gritar. Ela tinha certeza que ele fazia para implicar.. E como tudo pode melhorar.. ou não, Bryan se juntou a eles. Bryan com seus cabelos amarronzados e olhos azuis era de tirar o fôlego de qualquer garota, ele era um pouco mais velho que Lizzie e um pouco mais novo que Dan. Claro, Elizabeth era a última a nascer da família, a caçula. Perguntara-se onde diabos Alena estava. Caso a prima estivesse lá, elas poderiam conversar, caminhar e quem sabe jogar alguma coisa juntas. Mas Alena passava boa parte do tempo com a mãe e quando não estava com esta, estava na escolinha de balé. Lizzie preferia livros, séries, filmes e arriscar-se no piano por diversas horas. Demi era sua parceira de travessuras, aliás, a própria mãe era sua melhor amiga. E não é nada legal quando sua melhor amiga te deixa sozinha.


   - Elizabeth! – Daniel a chamou assim que a mesma levantou-se rapidamente dizendo apenas “Vai se ferrar”. Às vezes Lizzie parecia mais com a mãe do que muitos diziam. O comportamento rebelde e explosivo surpreendia a todos, Lizzie era exatamente como Demi quanto tinha os seus quase quinze. Em um movimento brusco a bolsa que a menina usava foi ao chão, irritada, Lizzie agachou-se para pegá-la. Depois de respirar fundo, Lizzie decidiu que o melhor a fazer era caminhar. Só assim ela poderia pensar sobre a vida e bolar um plano para vingar-se do irmão. Estava cansada de caminhar, deveria ser a segunda volta que dera envolta do campo. Talvez agora ela atendesse. Lizzie pegou o Iphone na bolsa e discou o número que sabia de cor. Um toque, dois toques, três toques e desligado. Ora! Estava chamando e Demi não atendia. Lizzie tornou a guardar o telefone na bolsa e quando olhou para frente o sorriso quase explodiu em seu rosto.

   - Oi meu amor. – Demi a abraçou com toda a força que tinha, beijou-lhes o rosto e disse que a amava. Estava morrendo de saudades.

   - Eu estava com saudades. – Elizabeth não ousou em partir o abraço, voltou a enterrar a cabeça no pescoço da mãe para matar toda a saudade que tinha. – Eu não quero te largar. – Disse rindo.

   - Eu também não. – Demi sorriu amplamente enquanto acariciava os cabelos da sua menina. – Por que você estava sozinha? – Perguntou calmamente assim que Lizzie partiu o abraço.

   - Daniel estava me perturbando. – Demi revirou os olhos e fez careta. Ela precisava fazer alguma coisa. Daniel e Lizzie precisavam dar uma trégua. – Você está linda mamãe. – Lizzie parecia encantada ao olhar para a mãe. Demi realmente estava linda. Os cabelos loiros jogados de lado, a típica maquiagem que jamais a abandonara. Céus! E aquela espécie de blusão-vestido de linha rosa bebê que batia exatamente no meio das coxas grossas. Lizzie tinha a certeza que o pai iria ter uma crise de ciúmes.. E para fechar com chave de ouro Demi usava uma bota rasteira de cano baixo country de cor clara.

   - Só não mais que você. – Demi riu ao vê-la corar e a abraçou novamente. – Vamos atrás do seu pai e do seu irmão. – Demi ouvia de bom grado cada história que Lizzie contava. A garota parecia radiante ao lado da mãe, Demi também não estava diferente, sorria e gargalhava junto com Lizzie.

   - Eu vou acordá-lo. – Lizzie estreitou os olhos ao ver o irmão cochilar na cadeira, seria a vingança quase perfeita..

   - Beth, deixe-me acordá-lo. – Demi queria apertar as bochechas de Dan como sempre fazia e abraçá-lo calorosamente.

   - Ele me perturbou à tarde inteirinha, não me deixou cochilar. É a vingança perfeita. – Lizzie fez biquinho, mas a mãe a repreendeu.

   - Depois você se vinga. – Demi piscou para Lizzie logo subindo o primeiro degrau que dava acesso a primeira fila de cadeira. – Dan, acorda meu amor. – Demi lembrou-se do seu pequeno e sorridente menino. Céus, passaram-se dezessete anos? Lembra-se de como o seu pequeno era danado, de como ele era fofo e fazia de tudo para conquistá-la.. – Bebê, acorda. – Demi beijou carinhosamente a testa do filho e o mesmo abriu os olhos. – Oi. – Demi sorriu de orelha a orelha ao vê-lo sorrir.

   - Eu estava com saudades. – Daniel a abraçou calorosamente apertando-a contra o peito. – Você está linda. – Demi sorriu ao receber um beijo na bochecha.

   - Vocês estão me deixando envergonhada. – Demi virou-se e deparou-se com Lizzie que os observava nada feliz.

   - Daniel! – Elizabeth semicerrou os olhos e o irmão estremeceu! Droga! Lizzie iria entregá-lo. – Mãe Dan est.. – Antes que Lizzie pudesse completar a frase, Demi desviou o olhar da filha para encontrar o de Joe aproximando-se deles. O coração quase saiu pela boca. O suor escorria pelo peito moreno esculpido. Os ombros largos e os braços fortes. Por Deus! Seu homem era completamente lindo.

   - Pequena? – Joe sorriu de orelha a orelha ao vê-la. Então a loira gostosa que os jogadores secavam era a sua Demi? Ela estava linda. – Você está maravilhosamente linda. – Demi corou e sorriu envergonhada.

   - Não é para tanto. – Demi o olhou e mordeu o lábio inferior. Estava louca para beijá-lo.

   - Eu estou louco para te abraçar, mas preciso de um banho. – Joe sorriu completamente sem graça. Ele passara as últimas duas horas correndo atrás de uma bola, estava melado de suor e não cheirava muito bem, e a sua garota estava lá.. – Prometo que é rápido. – Joe não deixava de fitar os olhos dela. Estava morrendo de saudades. Depois de segundos fitando-se, Joe piscou para Demi e desceu o primeiro degrau para caminhar para o vestuário. Joe estava muito mais malhado e forte do que estava há alguns anos. No antebraço direito tatuara o símbolo que significava “Me ajude a te ajudar” e nas costas do mesmo braço tatuara um coração vazado e uma flecha. Demi o seguiu com os olhos até o mesmo sumir no meio de homens fortes e sem camisa.

   - Ele está morrendo de saudades. – Comentou Lizzie. – Papai dormiu todas às noites abraçado com o seu travesseiro. – Demi sorriu para a filha. Foram noites difíceis sem Joe. Para amenizar a saudade, eles se comunicavam todas as noites antes de dormir. E Demi sempre dormia com uma camisa dele e com o ursinho de pelúcia que ganhara do mesmo.

   - Lizzie é muito curiosa mamãe. – Daniel fuzilou a irmã com os olhos por breves segundos e abraçou a mãe de lado. – Eu gostei do seu cabelo. – Daniel sentou-se ao lado de Demi observando-a. Sua mãe com certeza era a mulher mais linda de todo o planeta.

   - Você também não fica para trás. – Demi riu da careta que o menino fizera e beijou-lhes a bochecha carinhosamente. – Sente-se Lizzie. – Lizzie sentou-se no colo da mãe e descansou a cabeça no tórax da mesma e ficou a fazer caretas para o irmão.

   - Você chegou que horas? Nós estávamos tentando te ligar, mas só dava caixa postal. – Dan ignorou as caretas da irmã e olhou para a mãe.

   - Eu cheguei agora pouco. – Demi fitou os olhos do filho enquanto brincava com os cabelos de Lizzie. – Meu celular descarregou. – Demi riu da careta de Daniel. Geralmente ela recebia criticas duras em relação a celular.

   - Dan pensou que você esqueceu o celular na poltrona do avião. – Demi gargalhou gostosamente. Aquilo já acontecera diversas vezes.

   - Eu só esqueci uma vez. – Defendeu-se e Daniel e Lizzie assentiram com um “Aham”. – Vocês estão aqui desde que horas? – Demi perguntou observando o estádio. Já era final de tarde e começara anoitecer rapidamente.

   - Papai nos buscou na escola e nos levou para casa para tomar banho e nos arrumar em vinte minutos. – Choramingou Elizabeth.

   - Como você sabia que estávamos aqui? – Perguntou Daniel curioso.

   - Paparazzis.- Demi revirou os olhos. Conforme os anos se passaram e a fama aumentara os malditos paparazzis não deixava a sua família em paz.

   - Lá vem o papai. – Demi o procurou com os olhos e o encontrou aproximando-se junto de Nick e Bryan. Por Deus! Joe era de tirar o fôlego. Demi abraçou Bryan calorosamente e logo Nick. A cada elogio ela corava mais um pouquinho..

   - Oi. – Joe sorriu timidamente olhando-a. Demi murmurou um “oi” também tímida e aproximou-se mais os fazendo rir. – Eu estou morrendo de saudades. – Sussurrou colando o corpo ao dela. Sentir o calor do corpo dela era como estar em casa depois de uma eternidade longe. O olhar preso ao dela. As respirações se misturando enquanto os lábios tocavam-se superficialmente. As pálpebras fecharam-se ao sentir a pressão dos lábios dele contra os dela. Um beijo de amor cheio de saudade. Ficar tanto tempo longe um do outro nunca mais viria à tona. Era castigo demais ficar longe dos braços de quem você ama. Tempos sem sentir o calor do corpo de Demi contra o dele eram maus tempos.

   - Amo você. – Demi sussurrou nos lábios dele sem querer deixá-los. – Muito. – Sussurrou no ouvido dele o abraçando calorosamente.

   - Eu também te amo bebê. – Joe beijou a bochecha de Demi abraçando-a com aquele típico abraço de urso. – Eu não quero te soltar. – Sussurrou a fazendo rir.

   - Eu também não. – Demi encaixou a cabeça ao pescoço de Joe e aproveitou com todas as fibras do seu ser o tempo que ficara nos braços dele. – Chato. – Demi mostrou língua para Nick enquanto caminhavam. Ora, ela estava morrendo de saudades de Joe, e Nick os atrapalhara.

   - Nós temos todo o tempo do mundo para matar a saudade. – Sussurrou Joe abraçando-a por trás enquanto caminhavam para fora do estádio.

   - Claro que temos. – Demi o olhou sobre o ombro e sorriu ao receber um selinho. – Eu estou louca para ir para casa. – Suspirou frustrada. Estar confinada dentro de um avião por várias horas junto de pessoas desconhecidas que observa todos os seus movimentos atentamente não era estar muito confortável. Tudo que Demi mais queria era estar aconchegada em sua cama quentinha e macia depois de meses longe dela abraçada a Joe.

   - Está muito cansada mamãe? – Daniel perguntou olhando admirado para os pais. Era meio louco. A maioria dos alunos da classe tinha pais separados ou que brigavam o tempo todo. Mas os seus pais eram tão diferentes. O amor que existia entre eles sempre estivera vivo desde que o garoto começara a entender as coisas.

   - Estou bebê. – Demi sorriu o olhando. Estar em turnê durante um ano não era brincadeira. A pressão psicológica era fatal. Fora a saudade sufocante que estava de casa e dos seus amores.

   - Uau. – Nick arregalou os olhos ao ver a quantidade de paparazzi que os esperava no lado de fora do estádio.

   - Está com segurança? – Lizzie perguntou para a mãe.

   - Eles levaram as minhas malas para casa. – Demi comprimiu a boca em uma linha. Seria complicado passar por aquele tanto de paparazzi apenas com os seguranças do estádio. Despediram-se de Nick e Bryan calorosamente e Demi prometera que iria os visitar o mais breve possível. Quando era mais tarde, depois do stress com os paparazzi, e do longo engarrafamento finalmente chegaram em casa.

Continua.. Então. Está aqui o primeiro capítulo. Daniel já está expulso da escola.. A Demi vai surtar, preparem-se para o próximo capítulo... Beijos!


13 comentários:

  1. Eu to apaixonada!!!!! Que perfeiçao!! Posta logo

    ResponderExcluir
  2. Amanda eu quase tive um treco quando eu vi que vc tinha postado, eu tipo, sou muito viciada nessa fic, ai já surtei com o prólogo e agora com o capitulo 1!!!!
    Dan danado como sempre né?? puxou ao Joe, já sendo expulso da escola, tenho certeza de que a Demi vai dar muita bronca nele e Lizzie como uma boa irmã vai rir, já estou até imaginando a cena hahahaha
    Lizzie e Dan mesmo brigando o tempo todo parecem ser aquele tipo de irmãos que protegem um ao outro, não quando é pra contar o que o outro aprontou para os pais, já que Lizzie não poupa guardar segredo não, ela quer que Dan se ferre mesmo kkkkk mas no sentido de se alguém mexer com um deles, um proteger o outro *---*
    Já imagino o Joe tendo um infarto ao ver Demi chegando toda gata, gostosa e loira no campo, ele tbm deve ter se morrido de ciúmes e tbm de orgulho quando os caras estavam a secando hahaha esses dois vão matar a saudade na cama e só não podem botar a casa pra baixo né?? tem que ser cuidadosos, imagina se Lizzie ou Dan escuta eles matando as saudades?? hahahaha
    to falando isso pq eu sei que eles são fogosos e irão matar essas saudades com um sexo bem selvagem, #Adoro!!!
    Eu amei esse capitulo, esta perfeito, assim como todos que vc escreve, esta perfeito, Beijoos <3
    Aguardo ansiosamente para o próximo!! :)

    ResponderExcluir
  3. OMG o cap está perfeito!!! Não tenho palavras para expressar tamanha perfeição Amanda!!!
    Ao ler o cap eu ,e emocionei... quando a Demi e o Joe se encontraram....foi lindo!!
    Quanto ao Dan... ele realmente está ferrado rsrs. A Lizzie vai entregá-lo à Demi!!! Quero só ver!!
    Apesar das briguinhas entre o Dan e a Lizzie ainda acho eles bem unidos.. pois briguinhas bobas entre irmãos são normais rsrs
    Obrigada por postar Amanda!!! Essa fic é maravilhosa e quando a gente começa a ler não temos vontade de parar mais.... é o meu vício!!
    Estou ansiosa pra saber o que vai acontecer!! Bju!!

    ResponderExcluir
  4. eu to apaixonada pela 2ª temporada *-*

    ResponderExcluir
  5. Ai me apaixonei <3
    acho que essa vai ser a melhor temporada de todas
    ai daniel seu gostoso . e o joe nem se fala.... papai me abana kkkkkkkkkkk
    ai adorei o primeiro capitulo *-* acho que vai ser a melhor temporada de todas
    ai posta logo
    to super curiosa

    ResponderExcluir
  6. Vai ser mais focado em Jemi ou nós filhos deles?
    Gostei, continua!

    ResponderExcluir
  7. Aiiin *--* ! Tu escreve tããão beem !!
    Foi uma delícia ler!
    A história se gira agora em torno de Dan e Lizzie??

    xoxo

    ResponderExcluir
  8. Q perfeitaaa posta logo 😱😱😱❤️

    ResponderExcluir
  9. Continua logo por favor estou loca para saber o que vai dar

    ResponderExcluir
  10. Ai que perfeito isso *-*
    Dan é tão danado e fofo ao mesmo tempo asjasj. Demi vai surtar quando souber da adivertencia u_u e a Lizzie é outra danada asjasj
    posta logo <3

    ResponderExcluir