18.1.15

Capítulo 46

Três semanas depois...

O tempo parecia passar em um piscar de olhos. Joe estava acostumado a dormir numa poltrona no quarto de hospital ontem e agora ele dormia em sua cama completamente confortável e quentinha. Aliás, os dias pareciam minutos! E ele não via a hora para que o final do mês chegasse para que ela voltasse para casa. Assim que o informou que iria para a clínica de Marissa, Demi não perdeu tempo e no dia seguinte ela já estava começando o tratamento com garra, ela queria ficar bem o mais rápido possível para cuidar da sua família e de si mesma.

   - Aonde você vai tão bonito assim? – Sorrindo de canto, Joe arrumou a camisa de cor rosa clara no corpo e virou-se para olhar para Elizabeth.

   - Eu estou bonito? – Perguntou sorrindo e a menina se aproximou.

   - A mamãe não vai gostar de saber que você anda por ai matando as meninas do coração. – Comentou pondo-se na ponta dos pés para passar a mão nos cabelos dele. – Você está muito bonito. – Finalmente disse fazendo Joe sorrir.

   - Eu vou à clínica, estou morrendo de saudades da sua mãe. – Saudades era pouco. Joe ligava todos os dias para saber como Demi e o bebê estavam. Ele queria estar por perto para abraçá-la à noite, sair pela madrugada à procura das comidas exóticas que Demi sentia desejo, consolá-la dos choros sem sentido e outras infinidades de coisas que acontecem com as grávidas, porém ele estava em Los Angeles trabalhando no escritório como um louco para repor os dias que precisou se ausentar e Demi estava um pouco distante da cidade, quase três horas de carro. Sorte que não teria o trabalho para atrapalhá-lo naquele dia, pois Joe tinha virado à noite para conseguir trabalhar dois dias em apenas um. – Você não quer ir comigo? – Perguntou a Elizabeth.

   - Não, eu tenho que estudar. – Disse a menina suspirando. Bem, como passaram um mês longe da escola, Daniel e Elizabeth estavam estudando pela manhã e à tarde para recuperar toda a matéria perdida. E Lizzie estava a ponto de enlouquecer, Joe a pegara dormindo sobre os livros e cadernos durante toda aquela semana.

   - Tem certeza? – Perguntou a olhando nos olhos.

   - Tenho, prefiro esperar mais uma semana. – Elizabeth desviou o olhar do pai pensando que não seria muito interessante se ela visitasse a mãe naquele momento por conta do dia que elas se despediram no hospital, o clima não estava dos melhores, Demi estava muito receosa e quieta, o que serviu como um aviso para Lizzie.

   - Ela é a sua mãe, e ela te ama muito. – Disse Joe ao perceber que a menina estava pensativa demais.

   - Eu sei, de qualquer forma eu tenho que estudar. – Joe cerrou os olhos ao olhá-la e Lizzie deu de ombros rindo. – Veja pelo lado bom.. – Disse levando as mãos aos ombros dele. – Vocês vão poder ficar sozinhos.. – Joe corou, mas não deixou de rir timidamente junto com a filha.

   - Sua mãe está brava comigo, ela não vai me dar um beijo. – Comentou ao se lembrar de como tinha sido a despedida deles no hospital, se ele não tivesse insistido, não teria abraçado Demi já que ela evitava qualquer tipo de contato.

   - Você está muito bonito, aposto que a mamãe vai ficar louca para te dar uns beijos. – Elizabeth o olhou de cima a baixo e sorriu. Joe vestia uma camisa cor de rosa claro, calças brancas e calçava supras também brancos que pareciam tão folgados que Lizzie suspeitou que o pai poderia ficar descalço caso corresse.

   - Sua mãe é difícil bebê. – Disse caminhando para fora do closet. – E eu fiz muita besteira, acho que ela vai me dar tapas, não beijos. – Disse forçando um sorriso e Lizzie revirou os olhos.

   - Você está levando chocolates, acho que ela vai adorar. – Disse ao ver os tabletes preferidos de chocolate de Demi sobre a cama.

   - Você acha que ela vai gostar? – Perguntou enquanto procurava as chaves e os documentos sobre o criado mudo.

   - Claro. Compre um buquê de rosas e ela vai amar. – Lizzie tornou a arrumar os cabelos de Joe ainda úmidos os arrepiando e sorriu o olhando. Ele realmente estava muito bonito. – Ela não vai enjoar com esse tanto de doce? Ah, não passa perfume. – Disse ao vê-lo com o vidro de perfume nas mãos.

   - Sem perfume. – Disse fazendo careta. – Acho que não, sua mãe é muito imprevisível quando está grávida. – Ora, Demi era imprevisível em todos os momentos.. Mas quando ela estava grávida qualquer coisa poderia tirá-la do sério.

   - Você avisou que está indo visitá-la? – Perguntou curiosa enquanto eles saiam do quarto.

   - Não senhora. – Joe beijou a testa de Lizzie e apontou para baixo. – Nada de shorts curtos mocinha e não fique descalço, se você ficar resfriada a sua mãe vai ficar uma fera. – Joe arqueou as sobrancelhas com a careta de Lizzie e recebeu um beijinho na bochecha antes da menina sair disparada para o quarto. Dando um passo, Joe olhou para a porta do quarto de Daniel e resolveu verificar se o garoto estava no quarto. Quem sabe Dan não gostaria de visitar Demi com ele. – Daniel? – Chamou ao ver o filho deitado na cama com a cabeça sobre alguns livros. – Dan? Você quer visitar a mamãe comigo? – Perguntou se aproximando. Como a resposta não veio, Joe aproximou-se mais e encontrou Daniel dormindo profundamente sobre o caderno cheio de cálculos. Só ai que ele percebeu que o garoto estava estudando matemática. Joe o cobriu com a coberta e em questão de minutos estava tirando o carro da garagem ao som de My Darlin depois da sua pequena passagem na cozinha em busca do pote de sorvete de flocos, duas colheres e a cesta para organizá-los.

Joe não se lembrara de ter dirigido por tantas horas como dirigira naquele começo de tarde, cantarolava e admirara a praia quando passou perto dessa. A beleza da Califórnia vez ou outra o fazia sorrir radiante, ele estava tão feliz por Deus ter atendido o seu pedido. Agora ele iria visitar Demi para saber como ela e o bebê estavam, e daqui há uma semana ela voltaria para casa para que ele finalmente pudesse colocar o plano de conquistá-la em prática. Era certeza que tudo ficaria bem, que eles ficariam bem; Joe se sentia mais que preparado para expor os seus medos para Demi, às sessões com Marissa tinham caído do céu, ele jamais pensou que naquelas tardes ele poderia descobrir tantas coisas sobre si mesmo que jamais imaginou.

Lembrando-se dos conselhos de Elizabeth, Joe guiou o carro até o acostamento ao ver um pequeno estabelecimento cheio de rosas e corações, comprou rosas vermelhas e bombons para Demi. Bem, ele estava levando tantos mimos para ela, mas mal se importava, a saudade era tão grande que ele queria que ela ficasse impressionada ao menos por alguns minutos antes de esbofeteá-lo por ele ter ido até ela.

(...)

Era uma tarde gostosa, a chuva caía lá fora deixando o clima ainda mais descontraído. Havia três semanas que Demi estava internada e não tinha um dia sequer que ela se arrependia de ter tomado aquela decisão. O lugar era incrivelmente lindo cheio de plantas que formavam um belo jardim, e a clínica era tão grande e confortável que Demi pensava que estava em casa. Claro que ela sentia saudade de Elizabeth, Daniel e Joe, mas ela estava ali por eles e por ela mesma. Era o melhor que ela poderia fazer para recuperar a sua família.

   - É a sua vez Demi. – O auditório abrigava o pequeno grupo de oito mulheres grávidas que se tratavam na clínica. Toda tarde elas se reuniam para conversar em uma rodinha sentadas no chão sobre a gestação e tudo que a envolvia. E como todas sempre contavam um pouquinho, agora era a vez de Demi que sempre ficava ansiosa para contar sobre o seu pequenino.

   - Eu estou de dois meses, três semanas e dois dias. – Disse e o coro de “Awns” a fez rir envergonhada. – Eu estou louca para comer um pote de sorvete sozinha. – Demi mostrou língua para Marissa e logo deitou a cabeça no ombro dela. Elas tinham construído uma amizade forte naquelas três semanas, Marissa sempre a ajudava e estava sempre dando todo o apoio emocional que ela precisava para se recuperar. E o resultado fora positivo, Demi já tinha recuperado todos os movimentos e a fala depois de muito trabalho. – E não vejo a hora de saber se eu tenho uma menina ou um menino a caminho. – Demi sorriu timidamente, mas a atenção de todas voltou-se para o barulho dos passos pesados. Intrigada, Demi olhou para trás e arregalou os olhos ao vê-lo um pouco molhado e batendo os dentes. – Joseph! – Disse surpresa se levantando.

   - Sabia que antigamente se um homem mandasse flores a uma mulher significava que ele queria se casa com ela? Ele mandava flores para cortejá-la para demonstra afeição. Foi difícil comprar essas, não consegui encontrar algum buquê que faz jus a beleza estonteante daquela que eu amo, sinceramente, acho que nunca encontraria. – Tudo bem, mas como respira mesmo? Ok, coração, não saia pela boca. Dizia Demi para si mesma. Joe a olhava intensamente com aqueles olhos mais esverdeados que o normal lhe estendendo um buquê de flores.

   - Humm.. oi. – Demi tentou não sorrir, mas foi impossível não fazê-lo quando ele repousou a cesta no chão e a puxou para um abraço apertado. Era tão bom sentir cada pedacinho dele a envolvendo. – Obrigada, são lindas. – Disse corada olhando para os olhos dele. Tudo bem, desvie o olhar. Disse Demi para si mesma, mas tudo que ela fez foi encará-lo como uma boba e ainda por cima sorrindo em meio as bochechas coradas segurando o buquê de rosas.

   - Oi bebê. – Desviar os olhos dos dela parecia à coisa mais difícil a ser feita, eram tão marrons, tão femininos e brilhavam tanto.. Joe sorriu quando ela mordeu o lábio inferior para conter um sorriso logo olhando para baixo sem graça e tão corada. Céus! Ele queria enchê-la de beijinhos e aninhá-la em seu peito. – Você está linda. – Disse beijando a bochecha dela demoradamente e Demi corou mais ainda, ora, ela estava de moletom, que ainda por cima era dele.

   - Você também. – De onde ela tinha tirado forças para sussurrar aquilo? Joe simples a deixara de pernas bambas, havia milhares de borboletas em seu estômago e ela mal conseguia formular um pensamento.

   - Como está o bebê do papai? – Demi sorriu ao vê-lo agachado beijando a sua barriga de forma tão carinhosa. – Papai está aqui com você e a mamãe pequeno. – Não existia melhor sensação no mundo que aquela. Ele beijava a barriga dela e conversava com o bebê como se brincasse com ele. – Eu estou tão ansioso para te pegar no colo, trocar a sua fraldinha, te ensinar a arremessar objetos para tirar a paz da mamãe. – Demi riu ao se lembrar de Daniel e a estória de arremessar objetos, que não acabara nada bem já que o menino sempre acertava o controle da televisão nas partes baixas do pai. E não tinha sido diferente com Elizabeth já que Joe sempre inventava aquela coisa de ensinar para os bebês como se arremessava objetos para que eles pudessem brincar juntos, lê-se quebrar a casa juntos.

   - Você sabe como essa estória vai acabar. – Comentou rindo quando ele se levantou.

   - É tão divertido, você deveria tentar. – Disse pressionando o nariz dela levemente para pirraçá-la. – Eu quero outro abraço. – Demi balançou a cabeça ao ver o sorriso sapeca dele e o abraçou sem jeito, e conforme o tempo se passava ela moldava mais o corpo ao dele enquanto aspirava o leve cheiro do sabonete que tanto conhecia e puxava os cabelos macios da nuca de Joe. – Eu senti a sua falta. – Demi sentiu aqueles velhos arrepios quando Joe sussurrou aquela pequena frase em seu ouvido. Ok, controlem-se hormônios.

   - Você me molhou! Onde estão as crianças? – Perguntou desviando os olhos dos dele quando partiram o abraço.

   - Elizabeth estava estudando e o Dan também. – Demi assentiu entendendo que era o melhor para eles.

   - Hum.. Essas são as minhas novas amigas. – Disse quando se lembrou do grupo de grávidas que os assistia. Diabos! Ela seria tão zoada pelas meninas por ter ficado tão corada na frente de Joe. – Naty, Amber, Mary, Jamie, Thais, Angelina, Jean e você conhece aquela ali. – Demi apontou para Marissa rindo. Elas realmente tinham uma amizade cheia de gracinhas e implicâncias, mas tudo porque se identificaram tanto uma com a outra.

   - Olá garotas. – Joe sorriu animado ao ver aquele tanto de grávidas juntas, parecia tão divertido o que elas estavam fazendo quando ele chegou. – Você também está grávida Marissa? – Perguntou e Demi gargalhou deixando Marissa corada.

   - Se ela continuar saindo todas as noites com o enfermeiro gatinho não vai demorar muito. – Marissa estava boquiaberta e lutava para não rir, mas acabou tão corada quando as meninas lançaram a ela todos aqueles olhares maliciosos.

   - Enfermeiro gatinho? – Demi corou ao olhar para Joe e encontrá-lo de sobrancelhas arqueadas com aquela feição divertida que ela conhecia muito bem.. Ele não iria gritar com ela?

   - É.. – Demi estava mais corada que Marissa quando Joe pegou o buquê de rosas de suas mãos para repousá-lo sobre a cesta e a abraçou por trás carinhosamente. Por mais que ela não quisesse aquele abraço, sentia-se completamente confortável e protegida nos braços dele.

   - Eu posso sequestrá-la por algumas horas? – Perguntou Joe para Marissa.

   - Não estamos em horário de visitas. – Disse Marissa se levantando.

   - Apenas três miseras horinhas. – Joe fez biquinho e Marissa revirou os olhos rindo.

   - Você quer repor a fisioterapia mais tarde ou amanhã cedo? – Perguntou Marissa a Demi em uma postura completamente profissional. Eles tinham que ser rígidos com o seguimento das regras para que nada imprevisto ocorresse no tratamento de um paciente. E mesmo que Demi já se movimentasse normalmente como se nunca tivesse perdido os movimentos, Marissa sabia que uma sessão fazia toda a diferença no tratamento.

   - Mais tarde. – Ronronou manhosa ao se lembrar do seu horário de soneca. Ah! Ultimamente ela estava tão sonolenta e comilona, Demi quase não ficara enjoada, mas quando ficava sentia ânsia de vômito com o cheiro de tudo a sua volta.

   - Tenho permissão para sequestrar a baixinha? – Perguntou divertido e Marissa assentiu sobre o olhar cerrado de Demi.

   - Até mais tarde baixinha. – Demi mostrou língua, mas jogou beijinhos para Marissa e as meninas.

   - O pessoal daqui é legal? – Perguntou Joe distraído enquanto eles caminhavam pelos corredores. Aquele lugar era tão grande e impecável.

   - Eu me sinto como uma criança. – Disse ao se lembrar de todas as sessões e de como todos os profissionais que cuidavam dela tratava-a com carinho e cuidado. – Eu gosto muito daqui. – Demi corou ao ver os dedos enlaçados aos dele e deu um jeitinho de quebrar aquela conexão. Não era conveniente eles andarem de mãos dadas sendo que ainda não tinham se resolvido..

   - Tem algum lugar bacana para nós ficarmos? – Demi fitou os olhos dele por alguns segundos enquanto ela pensava onde eles poderiam ficar. Ora, ela não o levaria para o quarto.. De jeito nenhum! Não seria nada legal ficar a sós com Joe, ainda mais com todos aqueles hormônios que ultimamente a deixava com muito calor.. Pensara nos quiosques próximos as piscinas, mas lá fora tudo estava molhado por conta da recente chuva.. Então o pequeno jardim próximo ao seu quarto pareceu o lugar perfeito para conversar com Joe sem que ela pudesse fazer algo insano.. Aliás, aquele homem parecia mais quente que o normal. Os ombros mais largos, os braços mais fortes e a camisa cor de rosa o deixava incrivelmente sexy.

   - Acho que perto do meu quarto. – Murmurou enquanto caminhavam preguiçosamente.

   - Acho que eu preciso tirar essa camisa molhada e os meus supras. – Demi fez careta ao olhá-lo e Joe riu a abraçando de lado. – Vamos, eu não vou fazer nada. – Disse ainda rindo. – Prometo que vou me comportar. – Demi o olhou com descrença e Joe riu sapeca. Agora ela estava encurralada, que Deus lhe desse forças para resistir a tentação que caminhava ao seu lado!

   - Pensei que você estivesse trabalhando. – Disse quando o silêncio firmou-se por tempo demais.

   - Fiz o meu trabalho de hoje ontem. – Demi o olhou feio e buscou a chave no bolso do moletom para destrancar o quarto.

   - Você voltou para casa que horas? – Perguntou um pouco irritada o convidando para entrar. O quarto branco parecia ser muito aconchegante além de simples. As paredes eram brancas assim como a cerâmica, na parede oposta à porta havia uma janela toda de vidro com persianas abertas que exibia o jardim e mais alguns hectares da clínica. As duas portas deveriam ser do closet e do banheiro. A cama era de solteiro e estava perfeitamente arrumada com uma colcha cor de rosa do mesmo tom de sua camisa, e ele sorriu ao ver o ursinho que dera para Demi sobre o travesseiro.

   - Acho que eram duas da manhã. – Demi balançou a cabeça negativamente enquanto fechava as persianas.

   - E você dirigiu por quase três horas? – Demi sentou-se na cama e preferiu fitar os próprios dedos enquanto ele descalçava os supras.

   - Duas horas e meia. – Disse levando a mão à barra da camisa. Demi concentrou-se em brincar com as orelhas de Teddy e mordeu o lábio inferior quando o coração começou a bater mais rápido, e sem querer ela o olhou para saber se ele já se livrara da camisa.. Meu Deus! Coração, fique quieto! Gritou mentalmente consigo mesma. Que boba que ela era! Se ele estava apenas tirando a camisa e ela estava quase morrendo de tanto calor ao ver aqueles gominhos e aquele peito largo, imagina quando ele se sentasse ao lado dela para conversar praticamente a tarde toda sem camisa. Huum.. não. – Está tudo bem? – Joe perguntou se sentando perto dela com a cesta ao seu lado. Estava acontecendo

   - Claro. – Demi surpreendeu-se quando ele levou a mão ao seu queixo para erguer a sua cabeça.

   - Eu gosto muito dos seus cabelos assim. – O calor a envolveu quando a mão dele deslizou por seus cabelos soltos os arrumando atrás da orelha. – Você está cada dia mais linda. – Vendo que ela estava toda coradinha, Joe a beijou na bochecha direita demoradamente e virou-se para abrir a cesta. – Está um pouco frio lá fora por conta da chuva, mas eu trouxe algo para nós. – Os olhos de Demi brilharam quando ele lhe mostrou o pote de sorvete.

   - Como você adivinhou que eu estava louca para tomar sorvete? – Demi estava tão empolgada por conta daquele pote de sorvete que não pensou duas vezes antes de curvar-se para beijar a bochecha dele, mas tudo virou uma bagunça, na mesma hora Joe virara a cabeça para olhá-la e então os lábios dela foram de encontro aos dele. No começo tinha sido estranho, Demi estava dividida entre fitar os olhos e os lábios dele, mas ela tinha que ir pelo caminho errado. As mãos, mesmo trêmulas, tocaram os braços dele, espalmaram o peito e correram pelos ombros diretamente para a nuca enlaçar os dedos aos cabelos macios. Será que o coração de Demetria aguentaria toda aquela adrenalina quando ele estava por perto? Joe suspirou pesado quando os lábios dela roçaram os dele uma, duas, três vezes e então ele levou a mão à cintura de Demi a puxando para que eles finalmente intensificassem aquele beijo como realmente queriam.

   - Au! – Droga de pote de sorvete! Joe gemeu mais uma vez sentindo o plástico gelado começar a queimar o seu abdômen. Estava tão gostoso sentir a língua dela brincar com a dele, mas agora os lábios de Demi estavam longe dos dele.

   - Você tem colheres? – Perguntou Demi se recompondo ignorando completamente o que acabara de acontecer e Joe assentiu as buscando na cesta completamente frustrado. Seria perfeito fazer amor com ela naquela cama pequena, a ideia o deixou animado demais, sorte que o pote de sorvete estava próximo àquela região..

   - Você precisa de um vaso com água para as flores. – Disse ao ver o buquê sobre o criado-mudo perto da cama. – Nós temos chocolates e bombons. – Os olhos dela brilharam ao ver os tabletes de chocolate e abriu a embalagem o mais rápido possível para saborear aquele sabor que tanto amava.

   - Abre o pote sorvete. – Disse com a boca cheia de chocolate e Joe riu o fazendo. – Deus! Eu vou engordar uns dez quilos. – Demi lambeu os lábios ao ver o sorvete branco com floquinhos negros e encheu a colher e logo a boca. – Como você adivinhou? – Soou quase como um gemido e quando Joe a olhou arrependeu-se ao ver que ela tinha os olhos fechados e mordia o lábio inferior.

   - Eu não faço ideia. – Disse sem graça experimentando um pouco do sorvete.

   - Você tem que experimentar com chocolate. – Joe a observou quebrar uma fileira de tabletinhos de chocolate preto e lambuzá-los com o sorvete e mordê-los com tanta vontade.. E tudo piorou quando Demi gemeu e tombou a cabeça para trás. – É uma delícia. – Ronronou e Joe lambeu os lábios a fitando. Sim, ela era uma delícia. 

    - É mesmo? – Ele perguntou tentado a agarrá-la e Demi assentiu lambendo os lábios.

   - Prova Joseph! – Demi quebrou outra fileirinha de tabletes de chocolate e os mergulhou no sorvete. – Abre a boca! – Joe esperou que ela levasse o tabletinho a sua boca, e quando Demi o fez ele roçou os dedos aos dela.

   - É muito bom. – Disse depois de uma mordida. – Você gosta das sessões de fisioterapia? – Perguntou a olhando.

   - Sim, eu não gostava no começo... mas depois que passei a fazer todas as sessões regularmente os meus movimentos começaram a voltar, e isso me animou muito. – Disse abrindo o chocolate branco.

   - Isso é muito bom, quando você me disse que tinha voltado a andar eu quase não acreditei. – Mesmo que o clima estivesse tenso entre eles, isso não evitava que trocassem mensagens a todo instante. Demi tinha voltado a andar há poucos dias. – E os enjoos? – Demi lambuzou o tabletinho de chocolate branco com o sorvete e gemeu feliz com aquela mistura que ela tinha inventado.

   - Eu não estou ficando mais enjoada, às vezes acontece quando eu sinto um cheiro muito forte. – Murmurou de boca cheia. – Mas eu estou com vontade de comer o mundo inteirinho. – Joe riu a olhando e lembrou-se de uma coisa que queria fazer assim que estivesse com ela.

   - Eu posso ver a sua barriga? – Perguntou para a surpresa de Demi.

   - Tudo bem. – Demi levantou-se e o nervoso a invadiu quando Joe levou as mãos à barra do seu blusão de moletom e o ergueu junto da regata.

   - Oi! É o papai de novo bebê. – Joe roçou o nariz a barriga de Demi e a beijou repetidas vezes. – Você está crescendo tão rápido. – A barriga de Demi tinha uma tímida elevação dos típicos dois meses de gestação. Joe estava tão emocionado por ver o seu bebê crescer forte e saudável. – Não dá muito trabalho para a mamãe, ok? Cuida dela para mim. – Demi sorriu emocionada ao sentir o último beijinho de Joe em sua barriga e quase se jogou nos braços dele. Eram noites tão vazias e frias, e os travesseiros não serviam mais para fazer o papel de Joe.

   - Nós já podemos saber o sexo dele. – Disse voltando a se sentar na cama.

   - Você acha que é uma menina ou um menino? – Perguntou colocando chocolate na boca dela.

   - Eu não faço ideia, esse bebê está me deixando louca de fome. – Joe riu ao vê-la abrir a caixinha dos bombons e ansiosamente morder um. – O sorvete acabou? – Perguntou um pouco desesperada.

   - Acabou. – A carinha de decepção de Demi foi a melhor de todas e Joe segurou-se para não rir. – Esse é o último tabletinho de chocolate. – O olhar de Demi era o mesmo olhar de um felino pronto para atacar, o que fez Joe gargalhar.

   - Ah não Joe, me dá. – Disse largando os bombons sobre o criado mudo.

   - Não senhora, eu adoro esse chocolate.  – Demi fez biquinho e Joe balançou a cabeça. – Ele é uma delícia. – Ora, ele levou o tablete à boca e Demi passou para cima dele.

   - Joe, por favor. – Murmurou de olho no chocolate que roçava os lábios dele. – Eu estou grávida. – Joe riu do argumento dela e deu uma pequena mordida no chocolate.

   - Nada disso. Está gostoso. – Pirraçou e ela aproximou o rosto do dele.

   - Amor.. – Mesmo que ele soubesse que ela estava apenas tentando tirar o chocolate dele, Joe fixou os olhos aos dela completamente hipnotizado com o que ela estava fazendo. Céus! Demi estava sobre ele, o corpo dela roçava o dele intimamente..

   - Demi.. – A respiração pesada dela mostrara que a brincadeira tinha terminado ali. Joe não se importou em deixar o tabletinho de chocolate em qualquer canto para envolvê-la com os braços e beijá-la com paixão, e o melhor, ela cedeu ao beijo de bom grado o fazendo deitar na cama.

A pequenina mão feminina deslizou-se pelo peito largo e o abdômen cheio de gominhos para instalar-se sobre o volume da calça e apertá-lo como ela tinha sonhado em fazer durante todas as noites que sonhara com ele. E Joe não deixou barato, levou as mãos para trás dos joelhos de Demi e as subiu apertando cada pedacinho até que finalmente ele as guiou para o bumbum e o apertou com tanta vontade que Demi desgrudou os lábios dos dele apenas para gemer lentamente excitada. O que aqueles hormônios estavam fazendo com ela? Demi sentia o calor umedecê-la de todas as formas viáveis e inviáveis, sentia a necessidade de roçar-se a ele e queria fazê-lo sem aquele tanto de roupa para atrapalhá-la. E ela trabalhou nisso interrompendo o beijo para erguer-se e tirar o blusão junto da regata jogando as peças em qualquer canto daquele quarto.

Os seios de Demi estavam mais perfeitos do que nunca, levemente maiores e bem arrumados no sutiã preto de renda. Joe sorriu bobo e subiu a mão pela barriga dela para tocá-los e quando o desejo cresceu, ele ergueu o tronco para beijá-los ainda sobre a peça que os protegia. Apertou-a contra o peito e a beijou na boca invertendo as posições agora tendo ela por baixo de si. A visão daquela mulher era a mais excitante que Joe um dia já tinha visto. Os cabelos de Demi caiam graciosamente a volta dela, negros e brilhantes; os olhos brilhavam de desejo por ele; os lábios estavam entreabertos e avermelhados por conta dos beijos. Joe gemeu sentindo o membro gritar para possuí-la o mais rápido possível, ele estava sem tê-la desde o dia que a engravidou em seu escritório há exatos dois meses e três semanas! Nunca ficara tanto tempo longe de Demi, e quando ficava, eles sempre davam um jeito de matar aquele desejo. As mãos roçaram os seios e Joe a viu sorrir de olhos fechados, ele deslizou as alças do sutiã e sentiu a pele macia enrugar-se com o seu toque. Como eram perfeitos! Joe era definitivamente obcecado por eles. Sustentou-os com as mãos os sentindo mais pesados e curvou-se para tomá-los na boca. Vez um, vez outro. Mordiscou-os e Demi deixou um gritinho escapar quando a barba dele roçou a pele sensível do seu mamilo direito antes dele chupá-lo e repetir o processo com o outro. Ah! Ela fez como sempre fazia, fechou os olhos e levou os dedos aos cabelos dele para acariciá-los enquanto sentia aquela sensação maravilhosa que era ter os lábios dele em seus seios. Mais tarde a boca de Joe cobria a de Demi num beijo avassalador, ele a apertava nos seios e na cintura enquanto ela o apertava no bumbum e arranhava as suas costas conforme ele deixava os lábios dela para mordiscá-la no pescoço a arranhando com a barba. Deus! Demi adorava aquilo, era tão bom sentir a barba roçando a pele dela para que os lábios quentes e macios lhe cobrisse de beijos.

O calor que antes ela sentia nem se comparava ao calor estonteante que agora a dominava por completo, tudo por razão dele.. Joe estava entre as pernas dela e a deixava louca toda vez que movia a pélvis roçando o volume da calça em sua direção. Demi mal conseguia conter os gemidos que escapavam entre o beijo, puxava os cabelos dele os bagunçando e sempre dava um jeito de friccionar os corpos, pois ela já não conseguia mais viver longe do calor dele que a incendiava a cada beijo e caricia. Até que veio.. Sim, veio.. Joe sentiu o corpo dela amolecer e o beijo perder força. Ele sorriu feliz por ela e continuou a beijá-la com mais calma tentando se controlar até que ela se recompusesse e retribuísse os carinhos dele. E Demi o fez aos poucos, roçou os lábios aos dele para iniciar um beijo lento e apaixonado trabalhando os seus dedos nos cabelos curtos da nuca no mesmo ritmo que a sua língua roçava a dele.

   - Desculpa entr.. – Joe, que beijava o pescoço de Demi, atrapalhou-se e chocou-se contra o chão completamente assustado e ofegante, e Demi estava mais assustada que ele por conta do barulho estrondoso. Estavam tão envolvidos que não escutaram as batidas à porta!

   - Joseph, você está bem? – Os cabelos de Demi nunca estiveram tão desgrenhado como estavam, os lábios tão avermelhados e o colo marcado.

   - Au.. – Joe gemeu levando a mão à cabeça. Se ele continuasse caindo daquela forma, provavelmente era ele quem precisaria de fisioterapia, não Demi. – Estou. – Disse ainda ofegante por conta dos beijos e da queda.

   - Eu vou esperar lá fora. – Demi corou ao olhar para trás e encontrar Marissa tão sem graça quanto eles. Diabos! Por isso que ela não queria ficar sozinha com ele.. Mais um minuto e eles estariam transando como loucos..

Os próximos minutos foram tão frustrantes enquanto se vestiam, Joe com o seu enorme volume nas calças vestia sua camisa e calçava os supras observando discretamente Demi buscar a regata e a blusa de frio para vesti-las e depois travar uma verdadeira batalha para arrumar os cabelos com os dedos. Era apenas frustrante, antigamente quando eles eram pegos, sempre riam enquanto vestiam as roupas e até trocavam beijos ardentes, mas agora ninguém estava disposto a conversar entre sussurros ou até mesmo se olhar.

   - Oi. – Disse Demi saindo sozinha do quarto já que Joe arrumava a cesta de costas para ela.

   - Meu Deus! Mil desculpas. – Sussurrou Marissa a puxando para ficarem mais distantes do quarto. – Eu não fazia ideia que vocês estavam.. um.. namorando. – Disse corada ao se lembrar das tantas fanfics que já tinha lido com Demi e Joe... Os hots faziam jus ao que ela tinha visto.. 

   - Está tudo bem. – Murmurou corada. – Nós.. eu acabei perdendo o controle. – Disse massageando as têmporas enquanto suspirava frustrada.

   - Se você quiser conversar.. eu vou trabalhar até mais tarde no meu consultório. – Disse a olhando e forçando um sorriso para Demi. Marissa odiava quando ela ficava frustrada daquele jeito, parecia que nada poderia ser feito para melhor o humor de Demi. – Eu vim perguntar se você prefere fazer os seus exercícios com o Dr. Allan ou com a Dra. Ana? – Demi murmurou “Dra. Ana” e suspirou frustrada quando Joe saiu do quarto. – As sessões com a Dra. Ana começam daqui a trinta minutos, e já os do Dr. Allan começam agora. – Marissa forçou um sorriso para Joe, que o retribuiu levando à mão ao ombro de Demi.

   - Eu.. eu acho que vou para casa. – Disse sem graça e Demi assentiu. – Tudo bem? – Perguntou a olhando e Demi tornou a assentir forçando um sorriso.

   - Mais tarde nós conversamos Demi. – Marissa acenou para Joe e Demi a fuzilou com os olhos. Qual a parte que ela não poderia ficar a sós com Joe que Marissa não entendera?

   - Você pode me acompanhar? – Perguntou e ela sorriu cabisbaixa começando a caminhar preguiçosamente ao lado dele. – Eu posso te buscar semana que vem? – Perguntou quebrando o silêncio. Por mais constrangidos que ambos estivessem, era tão bom quando eles estavam juntos, sentiam-se confortáveis e seguros.

   - Claro. – Limitou-se a olhá-lo. – Cuida das crianças, não as deixe dormir tarde demais. – Disse preocupada. Joe era um pai excelente e só tinha um defeito, ele nunca dizia não, e não impunha limites – E não deixe Daniel comer doce demais. – Daniel adorava comer doces, e Demi sempre ficava preocupada pensando numa futura diabete.

   - Cuida do nosso filhotinho. – Demi riu quando Joe disse “filhotinho” e sorriu boba sentindo a mão dele acariciar a sua barriga e um beijinho carinhoso ser depositado ali. – Tchau Demi. – Até quando ela conseguiria resistir a ele? Demi mal podia olhá-lo nos olhos que as pernas já ficavam bambas, mas ela não protestou quando ele a abraçou carinhosamente por alguns minutos e a beijou na testa demoradamente antes de partir deixando consigo um pequeno sorriso. Observara o carro dele sumir nas tantas curvas em meio ao jardim, ela já sentia tanta saudade, queria tanto estar com ele de novo, roubar beijos e comer chocolate com sorvete. Mas ele estava indo para casa. Aquele lugar era tão lindo e vistoso, os jardins enchiam os olhos e o canto dos pássaros agradava os ouvidos, mas de que adiantava toda aquela beleza sendo que ela não o tinha consigo? Aliás, ela tinha um pouquinho dele em seu ventre. Caminhou desanimadamente, mal cumprimentou todos que encontrara pelo seu caminho animadamente como ela sempre fazia, e quando chegou ao quarto, a visão estava embaçada por conta das lágrimas ao ver o ursinho Teddy sobre o seu travesseiro junto a um tablete de chocolate.

   - Joe, eu também te amo. – As primeiras lágrimas rolaram ao ler o bilhetinho com a letra dele escrito “eu te amo Dem”. Ainda chorando, Demi encolheu-se na cama agarrada ao Teddy e abriu o tablete de chocolate para comê-lo enquanto se lembrava de Joe. Ah! Ela o amava tanto!

Continua... Jemi *-* Bem, espero que vocês gostem desse capítulo, demorei para escrevê-lo porque não sabia exatamente como montar as cenas... mas acho que ficou bonzinho e deu para matar a saudade dos amassos Jemi. Próximo capítulo também promete! Créditos para Leka (♥) por ter me ajudado com a cantada do Joe, e no capítulo anterior na parte da Demi e a Marissa, eu não sabia como escrever e ela me ajudou muito e muuuito! Beijos no core, obrigada pelos comentários e continuem comentando! 

8 comentários:

  1. Ahhhhhhhhhhhhh que maravilhosos, incrível como eles nunca perdem essa fofura/fogo.
    uedksjkdskjd morri na hora que a marissa flagrou eles.
    tô doida pra um hot, brasiiiiiil.😂😂
    continua antes que meu forninho caia, beijos.❤💕💖

    ResponderExcluir
  2. Awwnn q lindoos scoor como senti saudades deles dois assim :'(
    Ta perfeito,pra mim ia rolar um hot ali ja tava me animando aqui mais nao rolou,a maldade :(
    Se o Joe chegasse pra mim com um buque de flores falado isso eu iria desmaiar
    Ta perfeito,mds eu quero o hoot se nao sabe como eu to ansiosa ❤
    Posta Logo
    Xoxo

    ResponderExcluir
  3. Meu coração não estava preparado para um capitulo desse, não me recordo se comentei os capitulos anteriores mas estava meio sumida e essa foi a primeira história que atualizei, uma das minhas prediletas, estava quase a desmaiar com essa esquentada Jemi, necessito que eles se acertem, com conversas e etc, e que Demi conte sobre Alex para que ele possa notar que não pode resolver tudo com sexo com a nossa garota problema aí lol.
    Sam, xx

    ResponderExcluir
  4. Foi lindo ❤️❤️❤️❤️
    Quanto mais leio essa fic mais apaixonada e hipnotizada eu fico ❤️
    Marissa...sacanagem ela ter atrapalhado esse momento dos dois kkk ~tadinha dela~
    Enfim...jemi tão lindos...me deu uma vontade de chorar no final desse capítulo essa troca de carinho...mesmo sendo por carta é linda demais ❤️❤️ ~emocionada aqui~
    Posta quando puder diva
    Beijos

    ResponderExcluir
  5. Ah não acredito… crendo q ia ter um hot poxa 💔 eu necessito q eles se resolvam , cara… sinto falta de jemi
    Esse capitulo ta tão <3
    Posta logo

    ResponderExcluir
  6. Não creio que vc não colocou o hot!!! Vou te bater Amanda!!! Joe sempre fofo tentando se redimir pelo que fez com a Demi. Agora ela tbm precisa levar uns tapas pq ela fica nessa coisa de ser difícil demais, só fica guardando rancor e nem tenta ver o que Joe fez e continua fazendo para se desculpar e mostrar que ele está arrependido. Espero que o Joe não canse da infantilidade dela tanto quanto eu cansei. Por favor Amanda, leva a Marissa embora da fic e traz a amizade da Demi com a Selena. É bem melhor ;)
    Beijoooos! O capitulo ficou perfeito! Mas eu quero o Hot logo to arrancando meus cabelos já kkkkk ♥

    ResponderExcluir