11.1.15

Capítulo 44

Como era possível parar de sorrir? Demi não conseguia o fazer. Ela apenas o olhava sorrindo de orelha a orelha e vez ou outra suspirava apaixonada; Ah! Poderia ser o maior clichê de todo o mundo, mas Demi não se cansaria de suspirar por ele. Arrepios percorreram sua pele conforme as mãos grandes e másculas acariciavam a sua barriga, Joe tinha um sorriso lindo nos lábios e conversava com o bebê. Era tão fofo como ele o fazia, parecia tão feliz e apaixonado.

   - Papai está muito ansioso para te pegar no colo. - Disse correndo os dedos pela barriga ainda lisa de Demi. - Nós vamos deixar a sua mãe maluca com as nossas brincadeiras, prometo que vamos aprontar muito. - Demi mordeu o lábio inferior quando ele a olhou ainda sem deixar a barriga mostrando aquele sorriso sapeca de menino. - Eu aposto que você vai ficar tão encantado quando ver a nossa menina, ela é tão linda bebê. - Sussurrou e beijou a barriga demoradamente. - Você deve estar cansado, não é? O papai já brincou muito com você, agora é hora de dormir bebê. Nós amamos você. - Demi deixou uma lágrima rolar de pura emoção e felicidade. O seu bebê era tão pequenino, mas já era tão amado.

   - Mamãe te ama. - Disse acariciando a própria barriga antes de Joe abaixar a blusa de moletom e ajeitar a coberta no corpo de Demi.

   - Está cansada tagarelinha? - Perguntou Joe se esticando para roubar um selinho.

   - Só um pouquinho. - Era incrível como a fala de Demi melhorava a cada nova frase, ela estava deixando de gaguejar aos poucos. Tudo porque passara praticamente dois dias falando sem parar. Todos que a visitavam demoravam séculos no quarto escutando as aventuras de Demetria, ela os faziam chorar de tanto rir, e até discutira política com o tio de Joe.

   - Então, vamos ajeitar para dormir? - Demi fez careta em negação quando o viu preparar a poltrona.

   - Joseph, seu lugar já está preparado. - Disse se afastando para a extremidade esquerda da cama.

   - Dem, eu não quero te atrapalhar, você precisa descansar e eu só vou causar problemas. - Disse desdobrando a mantinha que pertencia a ela para se cobrir enquanto estivesse dormindo na poltrona. - Não se preocupe querida, eu estou acostumado com essa velha amiga. - Demi revirou os olhos quando Joe se acomodou na poltrona e só não se levantou para puxá-lo porque não conseguia.

   - Joe.. - Murmurou manhosa. - Dei..ta comigo amor, por favor. - Como ele iria resistir? Demi o olhava daquele jeito que ele tanto conhecia..

   - Tudo bem. - Joe desamarrou os cadarços e descalçou os tênis antes de deitar-se ao lado dela. - Está bom? - Perguntou a abraçando de lado.

   - Hum.. não. - Murmurou colando mais o corpo ao dele.

   - Dem.. - Disse a repreendendo. Não seria nada interessante se alguém abaixo da barriga dele ganhasse vida..

   - Amor.. Eu sinto a sua falta. - Joe suspirou fundo e a abraçou com mais força.

   - Você não faz ideia de como eu sinto a sua falta.. - Sussurrou de olhos fechados escondendo o rosto no pescoço de Demi. - Não faz isso. - Pediu quando sentiu as mãos dela caminharem por seus braços tentando o puxar para cima dela.

   - Apenas.. - Demi fechou os olhos quando os lábios dele tocaram os dela e o peso do corpo forte a empurrava cada vez mais contra o colchão. - Apenas um beijo. - Disse baixinho e ambos sorriram.

   - Apenas um.. - Os lábios se encaixaram perfeitamente e logo as línguas estavam sincronizadas uma brincando com a outra. Joe não esperava por aquilo.. mas foi impossível não sentir a carne pegar fogo assim que as mãos de Demi empurraram a camisa que ele vestia para cima. - Você está tirando casquinha Dem? - Demi mordeu o lábio inferior para conter um sorriso ao sentir o pescoço ser superficialmente arranhado pela barba que começara a nascer conforme Joe distribuía beijos por aquela região.

   - Só um pouquinho. - Disse correndo as mãos pelas costas largas já que a camisa de Joe estava toda embolada na região do peito dele.

   - Minha pequena, você é muito levada. - Joe deu um beijinho carinhoso no queixo de Demi e depois na testa. - Está na hora de você descansar meu anjo, o dia foi cansativo. - Joe deu um selinho nos lábios de Demi e quando se ergueu para abaixar a camisa antes embolada em seu peito, Demi fez careta. - O que foi? Não gostou da minha camisa? - Perguntou rindo enquanto se deitava ao lado dela. Deus! Ele deveria tomar mais cuidado, aquela cama era de solteiro e ele estava sujeito a cair a qualquer momento.

   - Prefiro quando você está sem e..ela. - Joe deu uma leve mordida na bochecha dela e a abraçou carinhosamente.

   - Nós vamos ter todo o tempo do mundo para namorar Dem, só temos que ter paciência. - Disse calmamente e Demi suspirou frustrada.

   - Eu quero ir para casa Joe, não aguento mais ficar deitada sem conseguir me mover. - Joe ficou por alguns minutos em silêncio apenas a abraçando podendo sentir o coração dela bater.

   - Eu imagino como deve ser ruim bebê, mas nós temos que ter paciência; vamos dar cada passo juntos e na hora certa, sem pressa. - Joe sabia como ela se esforçava para manter-se firme e forte. Não deveria ser nada fácil dormir e acordar com a vida toda revirada. - Sabe, eu aprendi que quanto mais ansiosos nós ficamos, mas o que queremos demora para acontecer. O nosso tempo não é o mesmo de Deus Dem, e as coisas só vão acontecer no tempo e perante a vontade dele. - Demi virou-se com muito esforço e o abraçou.

   - Eu sei.. - Sussurrou beijando o peito dele. - Mas eu quero tanto ir para casa amor, cuidar de você, dos nossos filhos, dos nossos cachorros, preparar a nossa casa para receber o nosso bebê, voltar a cantar. - Joe encheu o rosto de Demi com selinhos e a aninhou em seu peito.

   - E você vai meu anjo, mas primeiro nós vamos cuidar de você. - Demi riu ao sentir os dedos dele correrem por sua barriga fazendo cócegas. - Eu vou te mimar tanto, mais tanto, que você vai querer me matar. - Joe fingia mordê-la e Demi gargalhava gostosamente o abraçando. - Eu já comprei o milho e o leite para a canjica. - Demi arregalou os olhos e Joe gargalhou escondendo o rosto no pescoço dela.

   - Você está brincando Joseph! - Disse ainda de olhos arregalados e boquiaberta. Diabos! Ela teria que fugir e voltar só quando o seu bebê estivesse com dois anos? Ah não! Joe a perturbaria tanto com aquela estória de comer alimentos que a ajudaria a produzir leite materno para o bebê!

   - Espere, vou buscar a nota fiscal na minha carteira. - Demi cerrou os olhos ao olhá-lo e Joe gargalhou.

   - Joseph! - Quando Joe olhou nos olhos dela, ele confessou que estava apenas brincando. - Você sabe muito bem que vai depender muito da forma que o nosso pequeno vai mamar para que eu tenha leite até que ele complete dois aninhos. - Comentou distraída com a barra da camisa dele. - Claro que a alimentação também influência. - Joe assentiu admirado.

   - É? E como o bebê deve mamar? - Perguntou acariciando o queixo dela com a mão.

   - A boquinha dele tem que abocanhar a aréola do seio para estimular as glândulas mamárias, algo assim. - Demi repousou a mão na cintura de Joe e quando finalmente o olhou teve vontade de esbofeteá-lo. - Seu safado! - Disse rindo ao ver o sorriso safado que ele tinha nos lábios.

   - O que foi? - Perguntou também rindo. - O que eu fiz? - Demi escondeu o rosto no pescoço de Joe e o abraçou.

   - Estou brincando com você bebê. - Joe sorriu ao ver como ela estava corada e a beijou rapidamente. - Eu estou tão feliz Demi, eu sei que já disse isso milhares de vezes, mas parece um sonho. - Demi sorriu e acariciou o rosto dele com carinho. - Eu pedi tanto a Deus para ele te trazer de voltar, e ele atendeu o meu pedido. Você voltou para mim e nós vamos ter outro filho. - O sorriso dele era tão sincero, a felicidade contagiante e a energia tão gostosa e positiva.

   - Obrigada por pedir por mim amor. Eu estou tão feliz que você voltou para a igreja. - Comentou admirada com o quão lindo era o sorriso dele. - Isso é tão bom para a nossa família Joe. - Era tão estranho. Joe estava tão diferente, parecia aquele velho Joe que ela namorava. Ele estava mais divertido, tranquilo, sem uma pilha de trabalho a ser feito, e ele parecia tão apaixonado e feliz, não que antes ele deixara de demonstrar que a amava, mas agora era tão diferente, aquele amor que os uniam parecia tão vivo e forte. Dava-lhe forças para querer melhorar, para querer viver.

   - Eu sei. Quero muito que você vá comigo. - Demi assentiu com um sorriso. - Eu vou orar, tudo bem? - Demi o observou levantar-se e agachar-se na beirada da cama, e quando ele fechou os olhos e uniu as mãos para conversar com Deus, ela fez o mesmo.

   - Joseph? - Chamou-o abrindo os olhos para encontrá-lo sorrindo encantado olhando-a. - Vem. - Demi recebeu um beijo demorado na bochecha e ele a abraçou de lado.

   - Dem, eu estava pensando numa coisa. - Disse depois de minutos em silêncio abraçado a ela.

   - No que você estava pensando? - Perguntou enlaçando os dedos aos dele.

   - Quando nós vamos contar para os nossos bebês que eles vão ganhar um irmão? - Perguntou e Demi riu com o "bebês".

   - Nós podemos contar aman..nhã, o que você acha? - Perguntou ainda brincando com os dedos dele.

   - Por mim tudo bem. - Disse dando um beijinho carinhoso no ombro dela. - O que você acha? Eles vão gostar? - Perguntou curioso.

   - Acho que a Beth vai surtar e o Daniel, você sabe como ele é amor. - Daniel era um pouco ciumento quando se tratava da mãe, Lizzie também era, porém não tanto como o irmão. Dan não gostava de dividi-la, mas isso não o fazia um mal garoto, ele apenas se sentia seguro e amado quando estava com ela. - Mas ele vai amar ter um irmãozinho ou uma irmãzinha, eu tenho certeza que ele vai proteger tanto o nosso pequeno. - Joe assentiu e automaticamente a mão dele estava sobre o ventre de Demi o acariciando.

   - Eu acho que a Lizzie vai ficar mais enciumada que o Dan. - Comentou já que conhecia bem o comportamento da filha.

   - Os dois vão ficar com ciúmes amor. - A risada dela o fez rir também, mas segundos depois estavam em silêncio. Ambos pensavam em como seria o bebê que estava a caminho, se ele se pareceria mais com Joe ou com Demi, se ele iria gostar de brincar mais com Lizzie ou com Dan, e se ele seria um menininho dos olhos cor de mel ou uma menininha do queixinho idêntico ao da mãe. - Eles crescem tão rápi..do. Eu ainda me lembro do dia que cheguei de viagem e te contei que estava grávida, eu era tão nova e estava com tanto medo e tão feliz ao mesmo tempo. O Dan cresceu tão rápido, ainda me lembro de quando ele dançava na nossa sala apenas de fralda, de quando ele chamava o Buffy de Uffy e quando Elizabeth nasceu? Você se lembra de como ele ficou todo vermelhinho de ciúme ao ver a nossa menina nos meus braços? Nós passamos por tantas coisas, enfrentamos tantos obstáculos para criá-los. Eu os amo tanto am..or, você não faz ideia. - Joe a abraçou com força enquanto se lembrava de todos aqueles anos que eles estiveram juntos mais unidos do que nunca lutando com todo o amor que tinham para fazer aquela família que construíram juntos cada dia mais forte e feliz. - O Dan tem barba Joe! A Beth está tão independente, eles cresceram tão rápido amor, nossos bebês. - Joe limpou as lágrimas que rolavam pelo rosto de Demi com beijinhos.

   - Nós fizemos um bom trabalho. - Disse a beijando na bochecha. - E agora temos o nosso pequeno para protegermos. - Demi assentiu esforçando-se para abraçá-lo apertado.

   - Eu te amo Joe. - Cobrindo-a com a coberta, Joe disse que a amava, beijou-a na testa e encostou a cabeça a dela logo adormecendo. Amanhã seria um longo dia.

(...)

   - Bom dia.. - O sussurro sonolento partira da voz masculina. Mal sabiam o horário, como o dia amanhecera, ou até mesmo se amanhecera; o importante era que estavam juntos espremidos naquela pequena cama, ele aquecido no calor do corpo dela; e ela aquecida no calor do corpo dele.

   - Bom.. - Antes mesmo que Demi concluísse a pequena frase, o olhos se fecharam e ela quase adormeceu.

   - Nada disso.. - Disse com a voz roupa passando para cima dela. - Está na hora de acordar. - Os lábios de Joe tocaram o pescoço de Demi e ela grunhiu lutando para acordar e adormecer ao mesmo tempo.

   - Vai dormir Joseph. - O esforço mais o sono e a preguiça não a ajudou a mover a mão até o peito dele para empurrá-lo, o que deixou Demi frustrada. Poxa! Quando ela iria poder tocá-lo como queria? A fala estava voltando, ou melhor, ela tagarelou tanto e a coisa melhorou, mas os movimentos não voltavam, era um arrasta arrasta interminável de mãos! Ora, aquilo era cansativo!

   - Beijo, vamos bebê, dá beijo! - A bela revirada de olhos indicara que o dia de Demi começara mal, mas mesmo assim ela beijou a bochecha dele e logo depois Joe a atacou com um belo e estranho beijo de bom dia na boca. - Eu não me importo se nós acabamos de acordar ou não. - Comentou a abraçando de lado recebendo um sorriso modesto e envergonhado de Demi. - Eu não quero ficar longe de você. - Por um minuto Demi se perdeu nos olhos dele. Eram tão lindos, grandes, masculinos e pincelados de verde e cor de mel; Então os lábios foram unidos enquanto o corpo dele roçava o dela, as mãos apertavam suavemente a cintura e logo uma delas estava sobre o ventre o acariciando como ele sempre fazia.

   - Então, nós vam.. opa. - Os lábios de Joe se afastaram dos de Demi e pela segunda vez no dia ela estava frustrada. - É.. Hum.. a porta estava aberta. - Disse a menina apontando para a direção da porta. - Eu volto mais tarde. - Disse Elizabeth guardando o telefone na bolsa de franja.

   - Lizzie, esper.. - E o barulho ecoou pelo quarto logo seguindo pelo grunhido. Joe acabara caindo da cama! Diabos! Que chão gelado! - Au.. - Gemeu meio que choramingando.

   - Você está bem? - Joe olhou para cima para encontrar os olhos marrons de Demetria sobre ele.

   - Vem, eu te ajudo. - Lizzie deu uma mãozinha para o pai, que logo estava resmungando sobre as costas doloridas se sentando na poltrona.

  - Onde está o seu irmão? - Perguntou Joe a Lizzie.

  - Cantina? - Disse como se fosse óbvio. - Bom dia mamãe. - Elizabeth abraçou Demi calorosamente e a beijou na bochecha com carinho. - Como foi a sua noite? - Perguntou, mas segundos depois estava tão vermelha quanto um tomate maduro.

   - Oh.. Hum.. sonolenta. - Disse Demi rindo. - E a sua? - Perguntou para a menina já sentada na beirada da cama.

   - Sonolenta. - Murmurou e Demi riu. - Vocês tomaram café da manhã? - Perguntou pensativa e ambos negaram. - Eu vou puxar o Dan pela orelha e nós podemos tomar café da manhã juntos aqui, o que acham? - Sugeriu.

   - Nós.. umm, ou melhor, você, o seu pai e o Dan vão ser expulsos do hospital a qualquer momento. - Disse Demi ao se lembrar de que deveria ter um limite de pessoas para visitas a um paciente. E um café da manhã no quarto não seria nada adequado aos olhos dos médicos e enfermeiros.

   - Vamos? - Pediu a menina de olhos brilhando. - Eu voou buscá-lo, ok? - Demi suspirou e assentiu, como dizer não para Elizabeth? Era praticamente impossível!

   - Não exagere, e, por favor, sejam discretos ao entrarem no quarto, nada de brigas. - Alertou Joe e a menina saiu do quarto em um piscar de olhos.

   - Você está bem? - Perguntou Demi o olhando preocupada e Joe assentiu coçando a nuca. - Deita aqui comigo. - O jeito que ela o olhou dizia que ele não deveria negar. Joe, mesmo receoso, deitou-se ao lado de Demi.

   - Vamos contar agora? O que você acha? - Demi mordeu o lábio inferior e assentiu sentindo a mão dele acariciar a barriga dela.

   - Tudo bem.. Quanto an..tes melhor.  - Disse.

   - Então tudo bem. - Joe sorriu galanteador e pôs o rosto na curva do pescoço dela. Enquanto esperavam, a mão dele deslizava carinhosamente pelo braço dela, assim como a mão de Demi brincava com o bíceps do braço esquerdo de Joe.

   - Seu idiota! Ela quase nos viu. – Disse Elizabeth fechando a porta do quarto com certa dificuldade por conta da pequena bandeja que tinha em mãos e da cesta pendurada no braço direito.

   - Quieta pirralha. – Dan nem olhou direito para a menina, olhou para trás e sorriu corado ao ver a mãe e o pai olhá-los sorrindo.

   – Bom dia. – Disse Demi e Joe juntos e os garotos se aproximaram da cama.

   - Bom dia mamãe. – Dan apertou a mão de Joe e logo fez aquele toque que só os garotos entendiam. – Pai! – Disse rindo já que Joe não soltava a mão dele e ele estava louco para dar um belo abraço e um beijo na mãe.

   - Eu juro que vou ficar com ciúme, vocês se esqueceram de mim? – Perguntou fingindo estar emburrado e Demi arqueou as sobrancelhas e sorriu divertida.

   - Está com ciúme? – Perguntou rindo do biquinho dele.

   - Estou. – Joe sorriu bobo quando sentiu os braços de Lizzie o envolver num abraço desajeitado. – Humm. – Murmurou manhoso quando Lizzie o beijou no rosto.

   - Não fica com ciúme bonitão. – Joe a beijou na bochecha sentindo-se aquecido depois de um dia frio ao olhar para os olhos da filha. – Eu amo você. – Cantarolou a menina e Demi fez careta.

   - Dan, eu amo você. – Disse Demi para o garoto que a abraçou mesmo tendo a mão presa a de Joe.
   - Está com ciúme querida? – Perguntou Joe de sobrancelhas arqueadas e Demi não hesitou em dá uma bela revirada de olhos.

   - Óbvio que não. – Disse olhando para Lizzie de olhos cerrados fazendo a menina sorrir.

   - Ciumenta, ciumenta. – Cantarolou Joe a pirraçando e Demi mostrou língua para ele.

   - Eu estou com fome! – Reclamou Daniel e Lizzie arqueou as sobrancelhas.

   - Então vamos comer. – Disse Demi o beijando na bochecha. – O que vocês têm na cesta? – Perguntou com certo interesse e Joe soube logo do que se tratava..

   - Bolo de chocolate que a vovó fez, torradas da cantina.. – Disse Lizzie colocando a bandeja, antes sobre o braço da poltrona, agora no colo de Joe.  – Biscoitos e suco de laranja. – Disse por fim ao esvaziar a cesta.

   - E o bolo de laranja que a vovó Dê fez? – Joe sentiu-se honrado ao ver os olhos de Demi brilharem ao escutar “bolo de laranja”.

   - Tem bolo de laranja? – Perguntou logo mordendo o lábio inferior e olhando para Lizzie atentamente. Ok, Demetria parecia um felino observando cada movimento da sua presa pronta para atacar.

   - Acho que tem. – Disse Lizzie de cenho franzido checando se tinha bolo de laranja na cesta. – Humm.. Acho que nós esquecemos o bolo na cantina. – Demi arregalou os olhos e Joe comprimiu a boca sabendo que os sintomas malucos da gravidez estavam só começando.

   - Joe.. – Disse toda manhosa o olhando. – A..amor, eu quero bolo de laranja. – Elizabeth os olhou atentamente e mais uma vez aquela questão tinha sido confirmada..

   - Tem bolo de chocolate, você não quer? – Perguntou Daniel e Demi balançou a cabeça negativamente.

   - Quero bolo de laranja. – Murmurou manhosa.

   - Mas o seu bolo preferido é o de chocolate. – Disse o garoto confuso.

   - Eu quero bolo de laranja. – Joe respirou fundo e a olhou.

   - Tudo bem, nós temos uma coisa para contar. – Disse abraçando Demi de lado. – Demi? – Perguntou e ela o olhou como uma menina que fora proibida de brincar com o seu brinquedo preferido.

   - Eu estou grávida e quero bolo de laranja. – Disse num murmuro manhoso. Joe viu os olhos de Daniel arregalarem e Lizzie levar a mão à boca. Os próximos minutos foram tão tensos e cheios de expectativas e medos.

   - Nós vamos ter um bebê. – Disse Joe sorrindo sem graça para os filhos e quando ele olhou para Demi, encontrou os olhos dela brilhando fixos a ele como quem está esperando ansiosamente por alguma coisa.

   - Joe.. – Sussurrou Demi e ele a olhou a repreendendo. – Mas.. – Disse logo bufando irritada.

   - Um bebê? – Perguntou Daniel de olhos arregalados.

   - Sim, um bebê, tem um bebê aqui. – Joe levou a mão ao ventre de Demi.

   - Joe, eu quer.. – Demi sentiu um arrepio percorrer todo o seu corpo quando a mão de Daniel estava sobre a sua barriga.

   - Aqui? – Perguntou o garoto deslizando a mão suavemente pela barriga da mãe. As lágrimas já se formavam nos olhos de Demi, ela se lembrara de quando estava grávida dele.

   - Aqui. – Demi levou a mão de Dan para o seu ventre e o menino o acariciou delicadamente como se estivesse com medo de machucá-la.

   - Oh meu Deus. – Soluçou Elizabeth completamente emocionada. Uma coisa era ela saber as escondidas, outra coisa completamente diferente era participar da felicidade dos pais e do irmão como uma família feliz. – Eu não acredito! – Lizzie levou a mão para perto da do irmão e Demi quase desabou de chorar ao ver os seus filhos juntos. Dan, Lizzie e o seu pequenino ainda em seu ventre.

   - Vocês estão felizes? – Perguntou Joe curioso.

   - É confuso.. mas eu estou feliz. – Disse Daniel sorrindo.

   - De quantos meses você está? – Perguntou Elizabeth animada e Demi nem precisou perguntar se a menina estava feliz.

   - Dois meses. – Disse com um lindo sorriso nos lábios.

   - Dois meses? – Disse Lizzie de olhos arregalados. – Nós precisamos adiantar as coisas, temos que comprar roupinhas, personalizar o quarto, mobilhá-lo. Meu Deus! E o nome? Vocês já decidiram? – Joe gargalhou ao ver os olhos arregalados de Demi e abraçou Lizzie carinhosamente.

   - Nós ainda não sabemos se vai ser um menino ou uma menina para comprar roupinhas, sua mãe precisa de descanso por agora e nós não decidimos o nome Srta. Elizabeth, mais alguma pergunta? – Lizzie suspirou frustrada enlaçando os dedos aos do pai.

   - Nós precisamos cuidar disso, sete meses passam voando. – Demi apenas assentiu e voltou a olhar para Joe com os olhos brilhando.

   - Eu já sei. Você quer bolo de laranja. – Disse e as crianças entenderam o porquê do alvoroço por conta do bolo de laranja. – Eu vou atrás do bolo de laranja crianças, senão o nosso bebê vai nascer com cara de bolo de laranja. – Joe repousou a bandeja na cama e levantou-se para calçar os tênis e se espreguiçou dando a Demi a maravilhosa visão das suas costas largas e dos seus braços fortes flexionados mostrando cada músculo perfeito. E aquele traseiro? Oh não.. Esquece o bolo.. o que ela queria agora era ele!

   - Joe.. – Oh meu Deus! O que ele iria fazer com toda aquela manha de Demetria?

   - O que foi bebê? – Perguntou segurando o rosto dela com as mãos carinhosamente. Ele conhecia aquela carinha.. O jeito que ela mordia o lábio inferior e o olhava. Céus! Joe esperava que o seu cérebro não entendesse os sinais da sua garota.. mas ele podia sentir alguém entre as suas pernas começar a ganhar vida. – Eu vou comprar o seu bolo, tudo bem? – Disse carinhosamente dando um selinho molhado nos lábios dela.

   - Tudo bem. – Disse frustrada o olhando com aqueles grandes olhos marrons.

   - Vocês já sabem, cuidem da baixinha enquanto eu estiver fora. – Orientou as crianças. – Qualquer coisa me liga. – Daniel e Lizzie assentiram e Demi choramingou ao sentir o beijinho carinhoso na sua bochecha antes de Joe partir.

   - Você quer dividir um pedaço de bolo de chocolate comigo? – Perguntou Daniel gentilmente ajudando Lizzie com o café da manhã.

   - Mas e o bolo de laranja? – Elizabeth riu de como manhosa a mãe era e entregou o prato com a fatia de bolo de chocolate para o irmão.

   - Vamos fazer o seguinte, você come só um pouquinho do bolo de chocolate para matar a fome, e quando o papai chegar você come o bolo de laranja. – Demi assentiu com um pequeno sorriso e Dan levou a primeira colherada para a boca dela. – Está gostoso? – Perguntou e Demi assentiu pedindo mais abrindo a boca. Era tão divertido estar com eles; Demi gargalhava em meio ao café da manhã improvisado com as perguntas indiscretas de Elizabeth e com as caretas de Daniel.

(...)

   - Está cansada meu anjo? – Perguntou Joe deslizando a mão ora na cintura ora na costela de Demi. O dia tinha sido cheio, os familiares não paravam de visitá-la e lá fora os fãs e a imprensa iam à loucura por notícias, tudo que eles sabiam era que Demi acordara do coma, mas queriam mais notícias detalhadas, o que não tinham.

   - Estou. – Suspirou fundo se esforçando para passar para cima dele. – Joe, quando nós vamos para casa? – Deveria ser a milésima vez que ela perguntara aquilo naquele dia. Bem, o dia para eles não tinha sido tão cansativo como fora no geral, quando estavam sozinhos trocavam caricias e se beijavam muito, claro que foram flagrados algumas vezes, mas não se importavam.

   - Falta apenas um dia para você voltar para casa. – Disse a abraçando. – Nós vamos procurar a melhor clínica de fisioterapia desse país e você vai ficar boa logo. – Prometeu sorrindo para ela.

   - Eu quero voltar ao normal Joe, quero ser independente de novo. – Demi odiava ter que esperar uma enfermeira vir até ela para lhe dar banho ou ajudá-la em suas necessidades, odiava receber comida na boca e milhares de outras coisas que a limitava. Era horrível ser dependente de outra pessoa.

   - Você tem que ter paciência, os seus movimentos vão voltar com o tempo e com muito trabalho. – Disse calmamente. – E eu prometo que vou te levar e te buscar todos os dias na clínica, vou cuidar de você com todo carinho do mundo. – Demi assentiu calada. Joe teria um senhor trabalho.

   - Você acha que eu vou ficar boa em pouco tempo? – Perguntou pensando no seu bebê que precisava urgentemente que ela voltasse ao normal para ajudá-lo a crescer forte em seu ventre.

   - Claro que vai, ok? – Joe roubou um selinho e esperou ansiosamente que Demi assentisse. – Ei, o que foi? – Perguntou de cenho franzido ao vê-la fechar os olhos.

   - Acho que a minha cabeça está começando a doer. – Murmurou franzindo o cenho sentindo a dor se intensificar a cada segundo que se passava.

   - Dem, você quer que eu chame o Dr. Callahan? – Perguntou preocupado e Demi choramingou levando as mãos à cabeça.

   - Eu.. – Joe estava à beira de ter um infarto, chegara ficar pálido. – Vai passar, calma. – Disse respirando fundo tentando controlar a dor. Demi sabia que quanto mais tensa ela ficasse, mas a dor iria dominá-la.

   - Ai meu Deus! Demi, eu vou chamar um médico. – Disse calçando os tênis de qualquer jeito enquanto vestia a camisa.

   - Joseph, fica calmo, eu vou ficar bem. – Disse esforçando-se para massagear as têmporas.

   - Eu vou atrás de um médico! – Joe saiu às pressas do quarto ignorando o chamado dela correndo desesperado atrás de um médico. Ora, ele não iria ficar sem ela de novo.

   - Sr. Jonas! – Joe se equilibrou antes mesmo que fosse ao chão.

   - Marissa, oi. – Disse aflito.

   - O que aconteceu? – Perguntou Marissa arrumando as pastas como estavam antes de esbarrar em Joe. Deus! Aquele homem só sabia correr pelos corredores daquele hospital! Outro dia três enfermeiros ficaram machucados por conta dele.

   - Demi está com dor de cabeça, eu estou preocupado. – Disse cada vez mais aflito. – Onde está o seu pai? – Perguntou ao se lembrar que Marissa era filha do Dr. Callahan, médico que cuidava de Demi.

   - Ele está na cantina, eu acho. – Disse confusa. – Diga a Lizzie e Daniel que estou os esperando amanhã às oito da manhã na minha sala, e o senhor no final da tarde. – Marissa era psicóloga e cuidara de Lizzie e Dan no decorrer do mês que Dem estava em coma, ela tinha os ajudado bastante a lhe dar com aquela situação. Joe também consultava com Marissa, claro que depois de muito esforço e insistência dela, ele acabou a procurando e eles tinham se tornado bons amigos.

   - Claro, eu digo. – Disse já do outro lado do corredor e Marissa riu um pouco nervosa e preocupada com Demi, mas como ela era psicóloga, não podia fazer nada por ela. Joe procurou atentamente por Callahan pelos corredores do hospital, e quando o encontrou todos na cantina tinham olhos apenas para ele.

   - Desculpe atrapalhar, mas Demi está com dor de cabeça. – Disse preocupado. – Eu não sei o que fazer, ela não está bem. – Callahan pediu licença aos outros médicos e saiu apressado com Joe o seguindo.

   - Quando ela começou a reclamar de dor? – Perguntou a passos largos.

   - Nós estávamos conversando sobre a recuperação, e ela disse que a cabeça estava começando a doer. – Joe gemeu preocupado quando eles chegaram ao quarto e encontraram Demetria aparentemente abatida.

   - Está tudo bem querida? A dor passou? – Perguntou Callahan checando a temperatura de Demi.

   - Não. – Murmurou Demi desanimada deixando Joe de coração partido.

   - Onde dói? É só a cabeça? – Perguntou a examinando com os olhos.

   - Sim, só a cabeça. – Disse tombando a cabeça no travesseiro.

   - Fique calma. Sr. Jonas, precisamos de um copo com água. – Em questão de segundos Joe tinha um copo com água em mãos. – Apenas um comprimido de paracetamol, não fará mal para o bebê. – Demi apenas assentiu e bebeu um pouco da água antes de tomá-la junto com o comprimido. – Eu estou por aqui hoje à noite, qualquer coisa o senhor sabe onde me encontrar, tudo bem? E a senhora sem esforços e stress, durma bem. – Demi assentiu e Joe a cobriu com a coberta cuidadosamente.

   - Obrigada. – A voz dela estava tão fraca e Joe temeu que o coma voltasse..

   - Boa noite. – William sorriu para Demi antes de deixar o quarto.

   - O meu bebê, dorme bem. Eu vou estar aqui quando você acordar. – Joe beijou a testa de Demi demoradamente e ela apenas o olhou e forçou um pequeno sorriso antes de fechar os olhos.

Continua... Então, espero que vocês gostem desse capítulo, teve muito momento Jemi, eles são tão fofos e eu não vejo a hora de escrever o hot *-* Eu vou tentar escrever e postar no dia 12, que é o aniversário do blog.. e hoje, dia 11 é o meu aniversário u.u
então vamos ver no que dá, né? Muito obrigada pelos comentários e por todo carinho, beeeijos <3

ps. desculpem algum erro, eu estou morrendo de sono! 

11 comentários:

  1. estou DEFINITIVAMENTE na merda, to lendo tua fic dnv e to na parte que o Dan é bebezinho e ler esses momento familia Jonas partiu meu coração e eu to na merda mais uma vez por culpa dessa tua fic arrebentadora de corações, tu merece uns tapa por para nesses momentos!!!!!! POREM jemi momentos amooo mtoo!! feliz aniversario amandaaa, tudo de bom pra ti hoje e sempre e que tu alcance sempre todos os teus sonhos viu;??? bjaoo sdds no grupo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ps: primeira vez que sou a primeira a comentar, acho q isso merece maratona

      Excluir
  2. Eu li esse cap bem na hora que você postou mas tava tão sonolenta que tive que ler dnv UHEUHEHUE
    MARAVILHOSO!!!
    Jemi tão lindos e unidos, eu tô amando isso, imagina quando ela tiver o bebê? Socorro!
    Tomara que a Demi se recupere logo porque eu também tô doida pra um hot, mas vejo que está muito distante, afinal, ela vai ter um bebê e vai ter que se recuperar e ainda tá com esses problemas de movimento.
    Vou ter que esperar um bocado UHEUHEUHE
    Perfeito, continua.❤

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ps: FELIZ ANIVERSÁRIOOOOOO, FELICIDADES!!❤

      Excluir
  3. Aweeeeeeee FELIZ ANIVERSARIIO. capitulo maravilhoso. POSTA MAIS

    ResponderExcluir
  4. PUTZ, PRIMEIRAMENTE FELIZ ANIVÉRSARIO, E O CAPÍTULO SIMPLESMENTE MARAVILHOSO ADOREIII, POSTA LOGO.

    ResponderExcluir
  5. PARABÉNS PRA VOCÊ NESTA DATA QUERIDA, MUITAS FELICIDADES... MUITOS ANOS DE VIDA o/ parabéns, meu amor... tudo de bom pra você, felicidades ❤
    Quantos anos seu blog vai fazer?
    Espera um pouco, foi isso mesmo que eu li? VAI TER HOT AMANHÃ, AI MEU DEUS! NINGUÉM SAI... estou pra desmaiar aqui OoO Voltando...
    Eu amei esse capítulo, teve muitos momentos jemi e foi engraçado a Demi pedindo bolo de laranja kkkkk eu ri muito com isso... tão fofa *u*
    Já estou esperando ansiosamente pelo próximo... Beijos e não esquece de me enviar um pedaço de bolo de chocolate HAHA.

    ResponderExcluir
  6. FELIZ ANIVERSARIO!! Tudo de bom, muita paz, saúde e que você continue sendo escrevendo maravilhas!
    Como sempre estou sem palavras para comentar, cada dia mais perfeito, o momento Jemi com o Dan e a Lizzie foi o mais perfeito ♥ Estou receosa de quando Demi se lembrar dos acontecidos no ultimo mês, eu não quero mais brigas :/
    Estou louca para um hot perfeito que só você sabe escrever kkkkk
    Sam, xx

    ResponderExcluir
  7. Primeiro de tudo queria te desejar um FELIZ ANIVERSÁRIO, que Deus lhe dê muito e muitos anos de vida, e muita paz, saúde, amor, sucesso, felicidade, muita criatividade para a fic haha, e todas as melhores coisas do mundo! Espero que vc tenha um ótimo dia e obrigada pelo capitulo. ♥

    Bom, eu irei dizer de novo que sim esse capitulo ficou maravilhoso e perfeito como todos os outros que vc já postou mas vc precisa saber que a cada capitulo que vc posta fica cada vez mais perfeito! O Joe e a Demi super fofos, ele está sendo tão fofo com ela, mas tbm o tadinho esta se sentindo culpado por ela estar no hospital e nessa situação. Eu pensei que eles iam fazer algo mais quente ou a Demi ia dar uma "mãozinha" a Joe kkk pq eles estão com fogo, mesmo a Demi mal se movimentando eu tenho certeza de que ela esta doida para dar a Joe kkkk ah agora eu pensei ela não ia conseguir dar uma "mãozinha" a ele pq ela ainda não tem totalmente os movimentos das mãos de volta né? Pois é Joe, aguente mais. Dan é dos meus, sempre na cantina pq eu acho que é o melhor lugar do hospital haha Lizzie sempre pegando eles no flagra, imagina se fosse um médico? Vê eles dois se agarrando? Eles contando sobre o novo bebê *--* algm me dá Dan? Pq esse menino é um sonho! Eu tenho certeza de que ele vai cuidar bem do novo irmão/irmã que estará vindo. Ahh a Demi esta indo para a casa. Finalmente!
    Já pode passar uns dias e ter logo um hot! Beijooooos ♡

    ResponderExcluir
  8. Hey linda
    Feliz aniversário atrasado kkk
    Tudo de bom,continue sendo essa pessoa e escritora maravilhosa...enfim que seus sonhos possa se realizar.
    Sobre o capítulo...
    Joe ficou tão preocupado com a Demi ❤️❤️❤️❤️❤️❤️❤️❤️❤️❤️❤️❤️❤️
    Espero que a dor de cabeça dela não fique pior..e que ela melhore o mais rápido possível.
    Posta quando puder viu
    Beijos ❤️

    ResponderExcluir
  9. Leitora nova aqui !!
    To simplesmente amando essa história!!
    Ela tem q se recuperar logo , voltar pra casa e ter o baby kkkkkk
    Posta loooggooooooo
    Sou Gigi

    ResponderExcluir