12.7.17

Capítulo 43


   - Você viu como ele me olhou? – Joe assentiu abraçando Demi por trás e ele sorriu de orelha a orelha quando ela se virou enlaçando o pescoço dele com os braços. Eles tinham acabado de chegar ao andar onde Demi morava e como o de costume, o elevador do prédio estava cheio naquele horário da manhã e um dos vizinhos favoritos de Demi, o casal homossexual, olhava para ela com cara de poucos amigos. – Você está animadinho demais amor. – Ela sorriu puxando o cabelo da nuca de Joe para controlá-lo. Ele distribuía beijinhos no pescoço dela e a abraçava daquele jeito que ela conhecia muito bem.. E estar no corredor não ajudava nada. – Você já teve o suficiente ontem à noite. – Disse quando ele a olhou e franziu o cenho, porém ganhou uma série de selinhos molhados que o fez sorrir.

   - Eu odeio ter que ficar longe de você. Não tem como você faltar hoje? Sei lá, você poderia dizer que está gripada. – Demi riu alto e sorriu quando ele tornou abraçá-la por trás enquanto ela abria a porta do apartamento.

   - Joe.. Você sabe que não. – Disse manhosa porque gostava dos beijos dele. – Eu também odeio ter que ficar longe de você. – Quando ela fechou a porta, aproveitou para encostar Joe contra ela e beijá-lo com muita vontade. E as mãos dele apertando o bumbum, a cintura e os seios foram o suficiente para excitá-la. – Eu tenho que ir trabalhar. – Disse nos lábios dele interrompendo o beijo. – Você vai se comportar enquanto eu tomo banho, ok? Nós vamos tomar café da manhã e você vai desc.. – Ah diabos! Ela não tinha conseguido terminar a frase porque Joe a beijou com tanta vontade a impulsionando pra cima e a imprensando contra a porta.

   - Não vai hoje. – Ronronou manhoso franzido o cenho conforme tentava desabotoar os botões da camisa de Demi.

   - Joseph, sossega! Eu não posso faltar. – Demi tombou a cabeça para trás a repousando na porta e por segundos deixou que Joe a beijasse no tórax e nos seios. Aquilo não iria funcionar e quando ele a olhou ofegando, Demi sorriu e deu um beijinho nos lábios dele. – Ei, mais tarde, ok? Prometo que nós vamos ficar a noite toda trocando beijinhos debaixo da coberta. – Aos poucos ela conseguiu ficar em pé e Joe estava estático tentando se recompor para não atacá-la de novo.

   - Prometo que vou tentar me comportar. – Ele disse de olhos fechados e Demi sorriu o observando. Não tinha como ele ficar mais lindo! O cabelo estava penteado como o de um rapazinho comportado e um pouco bagunçado na nuca. Os óculos davam, junto com a camisa xadrez verde de botões, a Joe aquele ar sexy de nerd que a deixava com muito calor. – Só troncando beijinhos? – Murmurou abrindo os olhos e Demi assentiu umedecendo os lábios e se controlando para não surtar porque ele estava tão excitado que a calça jeans estava absurdamente volumosa.

   - Nós precisamos conversar sobre isso. – Ela colocou uma mecha do cabelo atrás da orelha e para não se atrasar, resolveu puxar Joe pela mão em direção ao quarto. – Eu vou tomar banho e você promete que vai ficar quietinho na cama? – Perguntou se virando para abraçá-lo pelo pescoço e Joe franziu o cenho como ele fazia quando ficava mal humorado.

    - Não posso tomar banho com você? – Perguntou Joe levando as mãos à cintura de Demi, e ela tornou a umedecer os lábios. – E a gente precisa conversar sobre o que? – Meu Deus! Joe era tão manhoso que Demi teve que beijá-lo na boca algumas vezes e empurrá-lo na cama ficando sobre ele.

   - Não Joe, eu vou atrasar. – Disse dando um beijinho no queixo barbado dele e Joe impediu que ela ficasse em pé levando as mãos para cintura deliciada. – Eu deveria ter deixado o senhor dormindo, Joseph! Não sei o que você quer acordado uma hora dessas da manhã enquanto poderia estar dormindo. Agora vamos, eu tenho que tomar banho e arrumar café da manhã. – Joe resmungou quando ela arranhou as mãos dele com as unhas para conseguir se levantar. – Eu não quero brigar com você, ok? Se comporte. – Ela acabou dando um selinho nos lábios dele e Joe assentiu mesmo emburrado.

   - Podemos conversar enquanto você toma banho? – Ele perguntou aproveitando para dar outro selinho nos lábios dela porque Demi tinha sentado a cama para poder beijá-lo.

   - Podemos. – Ela sorriu acariciando a bochecha dele e deu mais dois selinhos nos lábios de Joe até que ele sorriu. – Vamos fazer o seguinte, quando eu estiver no box, você entra no banheiro pra gente conversar, certo? – Demi riu quando olhou a situação dele lá embaixo, e quando Joe arqueou uma sobrancelha, ela deu um último beijo na bochecha dele e correu para o banheiro.

   - Já posso entrar? – Perguntou Joe se erguendo de cenho franzido. Ficar perto de Demi não melhorava em nada a situação, e ele não sabia como podia resolvê-la.. – Demi? – Chamou ansioso para ficar com ela e Demi gritou um “pode” dois minutos depois.

   - Banho gelado costuma resolver. – Comentou Demi observando Joe fechar a tampa do vaso para que pudesse sentar ali. – Pensar em velhinhas de biquíni também. – Ela riu da careca de Joe e sorriu quando ele a olhou mordendo o lábio inferior.

   - Eu estou quase abrindo esse box. – Ele sorriu quando ela desenhou um coração no box que já começava a ficar embaçado por conta do vapor. – Amor, eu acordei cedo porque quero te levar na Gyllenhaal e porque eu vou entregar currículo e passar na pizzaria do André para ajudá-lo com a rede. – Demi arqueou uma sobrancelha se ensaboando. Joseph e André juntos...

   - Eu não sabia que você e o André eram chegados. – Comentou e Joe mordeu o lábio inferior observando ela ensaboar os seios mesmo pelo vidro embaçado.

   - Ele é muito legal, e nos ajudou. Devo muito a ele. – Disse e Demi assentiu.

   - Eu sei amor. O André é uma pessoa incrível, só que eu acho um pouquinho estranho ver vocês dois juntos. – Disse fazendo careta e Joe assentiu. – O que nós temos para conversar é sobre a gente. – Demi sorriu quando Joe entrou em estado de alerta se preparando para o que ela iria dizer, e automaticamente ela se lembrou das mensagens de Rose que tinha encaminhado para o próprio celular na noite passada, foi impossível não ficar tensa. Porém não era aquele assunto que ela trataria com ele, não ainda. – Você sabe que eu estou tomando anticoncepcional. – Disse e Joe assentiu a olhando porque ela tinha acabado de abrir o box totalmente nua. – Nós vamos ficar alguns dias sem sexo porque eu estou na última pílula da cartela, e eu não estou emendando. Você sabe como funciona, certo? – Não, ele nem sabia e Demi confessava que ela também não sabia como aquilo funcionava cem por cento, era Selena sempre quem a auxiliava.

   - Não faço a mínima ideia. – Murmurou buscando pela toalha branca para ela e os dois saíram do banheiro. Joe não estava muito feliz e Demi se controlava para não rir de como ele estava mal humorado.

   - O anticoncepcional me ajuda com as cólicas e a controlar o meu ciclo, e consequentemente funciona como um preservativo, diríamos assim. – Explicou adentrando o closet e Joe assentiu preferindo se deitar na cama para que pudesse dar mais privacidade para ela. – Para isso eu tenho que tomar pílulas todos os dias, elas são vinte e quatro no total e hoje tomarei à última. A minha menstruação descerá, entendeu? – Joe assentiu abraçando o travesseiro de Demi e murmurando um palavrão baixinho. Aquilo significava que ele ficaria sem ela por alguns dias, que seriam longos e insuportáveis. Ed tinha contado sobre como aqueles dias eram os piores da vida de um homem.

   - Isso é uma droga. – Resmungou quando Demi atravessou o quarto às pressas em direção à porta para que pudesse colocar a toalha na área de serviço. – Você pode emendar a cartela? – Perguntou quando ela voltou a passos largos porque estava atrasada e vestia apenas lingerie.

   - Vem cá. – Chamou e Joe se espreguiçou antes de adentrar o closet. Só de pensar que ele teria que enfrentar aqueles dias que estavam por vir, o membro murchou em segundos. – Poder, até posso. Mas prefiro dar uma pausa. – Disse mais focada em separar uma roupa. – São apenas cinco dias, não é um bicho de sete cabeças. – Disse começando a vestir a camisa social de botões.

   - É um bicho de cinco cabeças. – Resmungou e Demi riu se aproximando para beijá-lo.

   - Você fica muito fofo emburrado. – Disse roubando um selinho e Joe acabou esboçando um sorriso tímido. – Não é o fim do mundo. – Disse o olhando e ele assentiu levando as mãos à cintura dela.

   - Eu sei que não, princesa. Nós vamos continuar juntinhos e eu prometo que vou cuidar de você. – Demi sorriu e eles trocaram um beijo apaixonado com direito a olhares intensos e a um “te amo”.

***

   - Onde você vai entregar currículo? – Perguntou Demi quando eles finalmente chegaram ao outro lado da rua. A Gyllenhaal estava a pouquíssimos metros e as coisas por lá não estavam boas. Só de pensar nos tantos olhares que receberia até chegar até o escritório, Demi apertou mais a mão a de Joe como se nele procurasse apoio. E ele enlaçou os dedos com mais firmeza aos dela.

   - Por aí. – Disse a olhando e por um pouco ele esbarrou na pessoa que vinha logo à frente. Por que Demi ficava tão bonita vestida socialmente? Quando ela sorriu percebendo o olhar dele, Joe sorriu de volta sentindo as bochechas corarem. Os raios de sol pareciam vivos no castanho do cabelo dela. As mechas marrons exibiam um reflexo dourado, os olhos eram meigos e tão femininos. E a pele clara? Joe teve vontade de beijar as sardas e arrancar todo aquele batom dos lábios bonitos, e ele o faria daqui pouquíssimos segundos.

   - Por aí. Acho que você pode melhorar a sua resposta. – Disse e ele assentiu dessa vez olhando para frente só para depois olhá-la nos olhos.

   - Primeiro vou imprimir os meus currículos. – Disse e Demi assentiu o incentivando a continuar falando, e quando ela percebeu que já estava praticamente em frente ao prédio da empresa, desacelerou os passos. – Ontem conheci um pessoal no parque que disse que poderia me ajudar a arrumar alguma coisa, eles pediram currículos, enviei email, mas os entregarei pessoalmente daqui a pouco. E tem as vagas do jornal. Acho melhor primeiro visitar as empresas e deixar o currículo impresso, depois eu envio por email. – Demi assentiu e dessa vez ela não pode fazer nada porque eles estavam de fato em frente à Gyllenhaal.

   - Cuidado com as meninas, eu estou de olho em você Joseph. – Joe sorriu quando ela o abraçou pelo pescoço e se ergueu na ponta do sapato de salto para tentar beijá-lo. – Eu quero conhecer esse pessoal do parque, ok? – Disse sorrindo e ele assentiu se curvando para beijá-la.

   - Eu também estou de olho em você, Demetria. – Demi riu, mas acabou dando um beijinho carinhoso na bochecha dele porque Joe era realmente muito fofo. – Prometo que vou me comportar. – Disse um pouco corado porque ele tinha se lembrado de como tinha se comportado na pizzaria de André. Jamais corresponderia o olhar de outra mulher depois daquela noite. E ele estava com vergonha de Selena.

    - É bom mocinho. – Demi puxou o cabelo da nuca dele porque não se cansava de sentir como as mechas eram macias e sedosas. – Eu te amo, a gente conversa mais tarde, ok? – Disse o olhando nos olhos e Joe assentiu se curvando para dar um selinho nos lábios dela.

   - Eu também te amo, muito. Vou te ligar para conversarmos. – Ele levou uma mão à cintura dela e a outra ao rosto para acariciar a bochecha como costumava fazer. – Tenha um excelente dia gatinha, já estou ansioso para o final da tarde pra gente ficar em casa. – Em casa. Eles estavam tão grudados que Demi praticamente vivia no apartamento de Joe, e quando ela não estava no apartamento dele, ele estava no dela.

   - Eu também. – Demi acariciou o queixo dele estudando os lábios carnudos envoltos pela barba. Joe estava muito bonito e deixá-lo sozinho em Nova York era complicado. – Vá com calma, tenha muito cuidado e lembre-se da sua saúde amor. – Disse o olhando nos olhos e ele assentiu. – Faça uma pausa para comer daqui a mais ou menos uma hora. Você está com dinheiro? – Ele corou tão bruscamente que Demi teve que respirar fundo para não iniciar uma discussão ali mesmo no meio de tanta gente.

    - Tenho o suficiente para comer, vou me cuidar. – Ele disse tão sem jeito e para não constrangê-lo, Demi assentiu mesmo receosa e preocupada. – Bem, você tem horário e eu tenho que entregar currículos. – O sorriso triste não passou despercebido por Demi. Das tantas vezes que eles tinham conversado sobre a Gyllenhaal quando eram apenas amigos, era de se perceber como Joe era apaixonado por aquela empresa e estava vivendo um sonho por trabalhar ali, claro, antes de Jake aparecer para infernizá-los.

   - Qualquer coisa é só ligar, eu te amo! – Disse o abraçando rapidamente e Joe a abraçou de volta. Eles se olharam, sorriram e trocaram um beijo lento e apaixonado atraindo alguns olhares.

   - Eu também te amo. – Joe deu um último selinho nos lábios dela e antes de partir, ele também a beijou na testa e tornou a dizer um eu te amo arrancando um sorriso lindo de Demi que acenou e ficou a observá-lo sumir no meio das pessoas antes de adentrar o prédio.

Era mais um dia para vencer. No relógio do elevador marcava oito e quarenta da manhã, horário exato do qual o turno começava. Como estava evitando interação com as outras pessoas, Demi arriscou desbloquear o celular e procurar qualquer coisa na internet que pudesse distraí-la até que estivesse no andar onde trabalhava. E demorou, como demorou! Mas quando Demi saiu do elevador super incomodada com o olhar de Marcus, o atual presidente da Gyllenhaal, foi de grande alivio. Porém não demorou nada para ficar tudo desconfortável. O departamento já estava cheio e ninguém fez questão de disfarçar os comentários maldosos e muito menos os olhares. O coração de Demi se fechou em angustia, ela pensou em dizer bom dia, mas a vergonha foi tanta que tudo que ela fez foi abaixar a cabeça enquanto conseguia destrancar o escritório e adentrá-lo. Maldito dia que ela conheceu Jake Gyllenhaal! O ruim era que as pessoas julgavam sem ao menos saber o que tinha acontecido de fato, e como sempre, era a mulher quem ficava mal falada.

Largando a bolsa sobre a mesa, Demi se acomodou a poltrona e cobriu o rosto com as mãos. Até quando elas cochichariam sobre a sua vida pessoal? Tudo bem que a situação não era a mais normal, ela realmente tinha traído Jake, que era casado, com Joe. As coisas não eram bonitas, bem longe disso. Se ela soubesse que Jake era casado, jamais teria se envolvido com ele. E não se arrependia de ter ficado com Joe porque ela nunca esteve realmente apaixonada por Jake. Ele só tinha sido um cara de uma noite, e eles continuaram saindo por mais um tempo por insistência dele.. Porque ela não fazia questão.

   - Bom dia! – Demi franziu o cenho e só foi notar Selena adentrando a sala quando ela já tinha fechado a porta do escritório.

   - Bom dia Sel. – O sorriso foi forçado porque ela não se sentia bem com toda a situação no trabalho, bem pelo contrário, sentia-se desconfortável e insegura. – Você está linda. – Disse a Selena depois que ela colocou uma pasta sobre a mesa e se aproximou ficando de frente a Demi. Ah! Selena ficava tão bonita com o cabelo liso e usando com vestidos descontraídos. Demi abraçou a cintura da amiga e a olhou com admiração.

   - Você também está linda. – Sel sorriu deslizando as pontas dos dedos pelas sardas de Demi até que ela pudesse colocar uma mecha do cabelo marrom atrás da orelha. – Você chegou tão quietinha e cabisbaixa, está tudo bem? – Perguntou se acomodando ao colo de Demi que fez careta, mas que logo deitou a cabeça no peito de Selena gostando do carinho que recebia no cabelo.

   - Elas não conseguem disfarçar. – Murmurou olhando para Selena. – E acho que nem fazem questão. Isso está me incomodando, nunca tive problemas no trabalho e sinceramente, eu não sei como posso administrar essa situação. – Por algum motivo Demi preferiu não contar sobre as mensagens de Rose. Talvez porque ela tinha medo de ser julgada porque sabia que não tinha agido corretamente com Joe e quando ele descobrisse com certeza eles discutiriam. Só era uma questão de tempo até que Joe perceber o que estava acontecendo.

   - Você sabe Dem. – Selena se levantou e a puxou pela mão em direção ao sofá. – É só ignorar, daqui uns dias surgirá outra fofoca e ninguém lembrará. – Demi acomodou a cabeça no colo de Selena e segundos depois assentiu. Ela ainda estava pensando nas mensagens de Rose e consequentemente super curiosa, ao mesmo tempo em que estava com medo, para ler.

   - Espero, odeio toda essa indiferença. – Tornou a murmurar e Selena sorriu porque Demi era manhosa. – Eu estava pensando. – Ela sorriu para Selena quando a olhou nos olhos. – Bem, nós podíamos marcar a nossa noite das garotas, o que você acha? – Selena arqueou uma sobrancelha, depois estreitou os olhos e correu os dedos pela barriga de Demi a fazendo rir.

   - Você quer dormir comigo só porque a sua menstruação chegará, Demetria? – Demi deu de ombros, mas acabou esboçando um sorrisinho culpado. – Você esqueceu que nós tomamos o mesmo anticoncepcional? – Demi mostrou língua e Selena perdeu a pose rindo.

   - Eu tenho que dormir com o meu amor quando não estou nesses dias, você sabe como funciona, certo? Esses meninos de hoje só querem sexo o tempo todo. – Selena tornou a estreitar os olhos e Demi gargalhou alto quando Sel tornou a fazer cócegas até que ela estava vermelha.

   - Nós duas sabemos como a senhorita é.. Não aguenta ver um gostoso que não deixa o pobre rapaz em paz. – Demi arregalou os olhos e se ergueu. – Nem vem dizer que é mentira. – Sel riu e abraçou Demi de lado. – Está chateada? – Perguntou sorrindo e Demi revirou os olhos.

   - Me deixa aproveitar o meu namorado. – Resmungou e Selena riu. – Ele é tão fofo, contei para ele sobre a menstruação e ele ficou tão mal humorado. – Disse sorrindo.  – Ele está entregando currículo e mais tarde vai ajudar o André com a rede da pizzaria.

   - Posso ver com o meu pai, é só você pegar um currículo com ele. – Demi assentiu e por mais dez minutos elas conversaram sobre Joe e as oportunidades de emprego que Nova York oferecia. Selena teve que voltar ao trabalho e Demi começar o dela. E foi tedioso. Trabalhar com projetos de design era prazeroso e Demi fazia aquela parte tão bem, diferente de trabalhar com documentos. Era simplesmente cansativo e desgastante. Às vezes ela tinha que sair para buscar algumas assinaturas e era simplesmente desconfortável, principalmente quando teve que subir ao escritório presidencial.

O silêncio era tão constrangedor. Marcus mal tinha a olhado e lá estava ela sentada esperando que ele lesse cada trecho do documento como ele fazia questão. Demorou quase meia hora até que ele buscasse por uma caneta e assinasse os campos necessários, claro que depois de analisá-los por mais alguns segundos.

   - Mais alguma coisa? – A início ele não tinha a olhado nos olhos, mas quando o fez, foi quase que insuportável sentir o olhar duro e frio sobre si.

   - Não. – Disse Demi sem saber ao certo como deveria agir. – Obrigada. – Murmurou se ajeitando para se levantar e Marcus assentiu.

   - Não falte mais, não sem encaminhar um atestado. – Ela não esperava que ele tocasse naquele assunto, aliás, ela nem mesmo sabia que Marcus tinha conhecimento do dia que ela faltou.

   - Eu tive que resolver algumas coisas na delegacia, posso tentar providenciar um atestado. – Disse e se arrependeu no mesmo instante. Ela poderia até conseguir um atestado para tarde que tinha saído do trabalho para ir à delegacia, porém não conseguiria para manhã que tinha faltado. E Marcus sabia, tanto que ele arqueou uma sobrancelha.

   - As coisas com o meu cunhado sempre acabam assim. Não sei onde Susan estava com a cabeça quando se envolveu com o Jake, ele só traz problemas. Aliás, eu não sei como vocês, mulheres, caem na lábia dele. – Demi não disse nada, pegou o documento e esperou que Marcus dissesse mais alguma coisa para que ela pudesse sair o mais rápido possível daquela sala. – Enfim, nós sabemos como as coisas aconteceram. Se eu puder fazer alguma coisa por você, por favor. – Ela realmente não esperava ouvir aquela frase. Marcus era capaz de ser gentil? E ele entendia como Jake tinha sido um mentiroso aproveitador?

   - Obrigada, eu tenho que ir. – Assim que ela praticamente correu para fora do escritório, lembrou-se que Marcus era de fato o atual presidente da Gyllenhaal e ele poderia conseguir o emprego de Joe de volta. Demi até mesmo pensou em voltar para falar com o rapaz, mas particularmente falando, Marcus era de dar arrepios.


Como Jake estava atrás de uma cela, adentrar o elevador era libertador! Ela jamais toparia com ele novamente, não com os crimes que o detetive Pine alegava que Jake tinha cometido. Era o suficiente para ele pegar bons anos de cadeia e para não voltar ao posto de presidente da Gyllenhaal mesmo sendo o único herdeiro de Jason. Na correria de buscar por uma assinatura em praticamente cada departamento daquele prédio, a hora tinha passado tão rápido que quando Demi buscou pelo celular já no escritório, ela arregalou os olhos porque era horário de almoço. E as mensagens de Rose continuavam intactas. O que diabos a menina tinha dito? Os minutos pareceram horas dentro do elevador, e como Demi preferia ler as mensagens no escritório, ela esperou pacientemente que o elevador parasse no andar onde trabalhava e quando ela caminhou rapidamente para o escritório ansiosa para ler as mensagens, Ed a abordou.

   - A Selena está atrás de você. – Disse o rapaz a olhando nos olhos.

   - Eu estava resolvendo uma papelada. – Comentou e quando ela iria virar as costas para adentrar o escritório, Ed a tocou no ombro.

   - Vamos almoçar? Estamos só te esperando para comer. – Disse a olhando nos olhos e Demi arqueou as sobrancelhas. – Dem, eu estou morrendo de fome e a Selena está daquele jeito. Não sei o que eu fiz para chateá-la tanto! Ela não para de brigar comigo. – Os olhos de Ed eram verdes como os de Joe, um pouco mais claros, e ele tinha a pele clara como a dela. Demi respirou fundo pensando em como os homens só sabiam reclamar sobre o período menstrual. Diabos, eles não podiam sequer tentar entender em como aquilo era horrível? Ed resmungou durante todo o caminho até o refeitório, e bem, Selena realmente não estava pegando leve. Tinha sobrado até mesmo para ela e Demi teve muita vontade de rir de Mary, que não estava conseguindo tanta atenção de Selena como vinha acontecendo. Resumindo: a hora do almoço teve os seus altos e baixos. Começando pela comida que não estava como o de costume, depois vinha Selena com o humor oscilando a cada cinco minutos e a melhor parte foi simplesmente quando ela ignorou Mary. Porém também tinha sobrado para Demi e Ed, principalmente para Ed que tentava agradar a namorada de todas as formas sem muito sucesso...


Se o almoço foi um desastre, o resto da tarde não tinha sido diferente. Demi estava atolada em trabalho e qualquer distração resultaria em milhares e milhares de dólares na lata do lixo. Ela tinha que focar toda atenção em resolver os problemas do departamento, não em pensar no porque de Joe ainda não tinha ligado. No fundo ela sabia o porquê e estava com medo de enfrentá-lo porque ela tinha rompido uma barreira perigosíssima que resultaria numa senhora discussão. E pensar que ela com certeza discutiria com Joe no final do dia gerou uma dor de cabeça que até mesmo os olhos dela doíam. Era o que faltava para completar o maravilhoso dia! Chegou numa hora que não teve jeito, Demi teve que sair do escritório para caminhar um pouco e aproveitar para buscar água para que pudesse tomar um analgésico. Resolveu? Não mesmo! Ela só tinha ficado mais estressada com os olhares que recebeu, porém quando ela voltou para o escritório, focou em resolver logo aquela papelada e resolver a vida com Joe.


A barriga doeu e era como as pessoas diziam, ela sentiu um tremendo frio no estomago e as pernas formigaram de ansiedade. A janela em vidro já mostrava o por do sol mais lindo que Manhattan poderia oferecer. O interessante era que os arranha-céus espelhados refletiam o alaranjado do sol e aquilo era simplesmente fantástico. Os documentos estavam organizados e revisados sobre a mesa, não havia um erro! O trabalho tinha acabado e não tinha ninguém quem a atrapalharia! Para garantir que ficar realmente sozinha, Demi fechou as persianas, trancou a porta do escritório e apagou a luz deixando apenas a luminária acesa.

Não era nada de mais, era? Demi abriu o aplicativo e engoliu em seco ao ver que Joe tinha deixado uma mensagem para ela.

“Dem...” – Joseph.

Aquilo não era bom! E ele estava online! Demi tombou a cabeça para trás e fitou a tela do celular. Ele começou a digitar e depois parou. O que ela diria? E será que Joe estava muito chateado?

“Eu precisava saber” – Demi.

Tinha mais o que dizer? Joe visualizou a mensagem no mesmo instante que Demi enviou. Ele não respondeu e Demi sentiu que tinha pisado na bola, o coração estava partido e ela não queria brigar com Joe. Por que diabos ela tinha que ser tão curiosa? Ela rolava a conversa para cima sem nem mesmo perceber.


“Estou com tantas saudades de você. Eu estava conversando com a minha mãe e talvez eu vou te visitar. Claro, se você quiser. Sinto muita a sua falta. Essa fazenda, literalmente, não é a mesma sem você. Tudo está tão chato.”– Rose.

“Nós estamos comendo o seu bolo, a vovó o fez para receber o pessoal da fazenda vizinha, o filhinho deles também é diabético.” – Rose.

“Você já viu o céu essa noite? Eu e o Derick subimos na torre da caixa d’água para ver o céu. As três marias estão brilhando tanto. Sempre que as vejo, penso em você. Joseph, você está aí?” – Rose.

“Quando você vem para casa? Eu acabei de chegar aqui em casa, o Derick me deixou na porta, está ficando frio e nós vimos tantos vagalumes da estrada. Lembra de quando a gente pegava e colocava dentro do pote de vidro? Os grilos estão cantando muito!” – Rose.

“Droga, Joseph. Eu sinto a sua falta! E eu te amo tanto, ficar longe de você está acabando comigo. Meu coração dói. Eu queria ser adulta para poder ficar com você em Nova York. A gente podia alugar um apartamento e... Você sabe... Ficar juntos.” – Rose.

“Você está aí? Por que está demorando tanto para responder? Você nunca demora a responder, estou começando a ficar preocupada. Dizem que o transito dessa cidade é uma loucura, estou rezando para que tudo esteja bem.” – Rose.

“Você está bem, eu posso sentir que está! Ah! Eu estava pensando, você vem mesmo para minha formatura? Não falta muito tempo e eu quero muito dançar com você. A minha primeira dança da noite, sei que vai ser especial só porque vai ser com você!” – Rose.

“Joseph? Você está aí? Só estou enviando essa mensagem para você não se esquecer de tomar a sua insulina e ficar longe de besteiras! Sempre é bom lembrar.” – Rose.

“A mamãe fez torta para o jantar. Lembra de quando você dormia aqui e ficava todo envergonhado quando a mamãe te oferecia alguma coisa? Os seus: Sim senhora e Não senhora são tão fofos.” – Rose.

“Agora eu entendi o porquê de você não responder as minhas mensagens e ficar tanto tempo sem dar notícia.” – Rose.

“Demi Lovato? Sério? Ela é/era amante do presidente da Gyllenhaal, você sabia? Está nos principais canais de notícias e na internet. Desculpa por te dar essa notícia assim.” – Rose.

“Por que Joseph? Eu sempre estive aqui para você, e você prefere esse tipo de mulher que mal conhece. O seu lugar não é em Nova York, o seu lugar é aqui no Texas cuidando da fazenda e com uma mulher ao seu lado que te ama e que te fará feliz. Estou decepcionada.” – Rose.

“O que ela tem que eu não tenho?” – Rose.

“Deus! Eu sou tão estúpida por ficar implorando o seu amor, mas eu não consigo te esquecer uma noite sequer. Passo o dia pensando no que nós poderíamos estar fazendo caso você estivesse aqui... Pensando em como seria perfeito se você gostasse de mim como eu gosto de você.” – Rose.

“O que ela tem que eu não tenho??? ME RESPONDE JOSEPH! O que ela tem que eu não tenho?” – Rose.

“EU TE ODEIO TANTO POR ME FAZER SOFRER! E MESMO TE ODIANDO EU NÃO CONSIGO PARAR DE TE AMAR E PENSAR EM COMO A GENTE SERIA FELIZ NESSA DROGA DE FAZENDA SE VOCÊ ME AMASSE COMO EU TE AMO.” – Rose.

“Eu estou bem. Pode deixar que vou ligar pra vovó.” – Joseph.

“Nós já conversamos sobre isso. Você sempre será a minha garotinha.” – Joseph.


“Ótimo. A última coisa que ela merece é mais um neto para preocupá-la, até então você era o único que tinha juízo... Você é um idiota Joseph, sinceramente. Eu não quero ser sua garotinha, eu quero ser a sua mulher! Pena que esse puta estragou os nossos planos e deve estar rindo de mim agora mesmo. E claro, você é um banana e se deixar ser manipulado. B A N A N Ã O! !” – Rose.


“Agora você passou de todos os limites. Eu estou decepcionado com você! Desde quando você julga as pessoas sem conhecê-las? Não é para isso que os seus pais lutam todos os dias. Eu não consigo ficar com raiva de você, até entendo, mas eu sempre deixei muito claro que você é como uma irmã para mim e eu jamais vou te imaginar dessa forma. Não diga coisas sobre a Demi, você não a conhece.” – Joe.

“Então...?” – Rose.

“Desde quando você visualiza e não responde? Nova York te mudou, Joseph Jonas.” – Rose.

“Ro! Eu vou acabei de abrir a sua conversa. Como está a vovó?” – Joe.

“Sério Joseph? Você visualizou tem cinco minutos e nada!” – Rose.

“Como está a vovó? Agora você também é cara de pau? A vovó está super preocupada com você! Você não liga, demora um século para responder as nossas mensagens e só sabemos que você está vivo quando você é marcado numa foto... Todos estão preocupados com você em Nova York, mas pelo visto as coisas estão boas demais por aí...” – Rose.

“Se você continuar mandando esse tanto de mensagem, eu não vou conseguir ler todas as outras suas. E a gente se falou não tem nem quatro dias. Está tudo bem, eu estou me virando. Nova York não é um bicho de sete cabeças, e fala para vovó que eu vou ligar para ela.” – Joe.

“Você não precisa ser grosso comigo. Eu não sou a sua garota de recados. Claro, Nova York não é um bicho de sete cabeças. Todos nós percebemos como você está muito bem aí. Quer saber? Nem precisa ler as minhas mensagens, não é importante mesmo. Você deve estar ocupado com o seu trabalho na melhor empresa de tecnologia do país e com a sua namorada. Vou te deixar em paz.” – Rose.


Ser apaixonada era uma coisa, e a forma que Rose contava sobre o céu estrelado e os vagalumes era tão fofa que Demi franziu o cenho se sentindo péssima. Aquela menina não era apaixonada por Joe, Rose o amava! Amava assim como ela também amava Joe. E a forma que ele ignorava as mensagens era tão fria e decepcionante. Quando terminou de ler, Demi deixou algumas lágrimas rolarem, ela cobriu o rosto com as mãos e soluçou entre o choro. Entendia Rose e a odiava menos, porém por um lado se sentia tão injustiçada e com medo. Ela releu a mensagem:

“Demi Lovato? Sério? Ela é/era amante do presidente da Gyllenhaal, você sabia? Está nos principais canais de notícias e na internet. Desculpa por te dar essa notícia assim.” – Rose.

E chorou porque a palavra amante machucava tanto. Mas ela tinha sido amante de Jake, não tinha? A culpa também era dela porque a internet sempre esteve a disposição para uma busca sobre Jake como ela sempre fazia com os outros caras. Rose era importante para Joe e ela jamais a aceitaria, e Demi tinha certeza que a menina faria de tudo para que o relacionamento não desse certo.
Demi acabou perdida no tempo e releu os trechos que mais a machucava enquanto chorava, não exatamente porque Rose tinha tudo para destruí-la pra família de Joe, mas porque doía bastante saber que ela realmente tinha feito/era o que a menina a acusava.

“O que ela tem que eu não tenho?” – Rose.

“Deus! Eu sou tão estúpida por ficar implorando o seu amor, mas eu não consigo te esquecer uma noite sequer. Passo o dia pensando no que nós poderíamos estar fazendo caso você estivesse aqui... Pensando em como seria perfeito se você gostasse de mim como eu gosto de você.” – Rose.

“O que ela tem que eu não tenho??? ME RESPONDE JOSEPH! O que ela tem que eu não tenho?” – Rose.

“EU TE ODEIO TANTO POR ME FAZER SOFRER! E MESMO TE ODIANDO EU NÃO CONSIGO PARAR DE TE AMAR E PENSAR EM COMO A GENTE SERIA FELIZ NESSA DROGA DE FAZENDA SE VOCÊ ME AMASSE COMO EU TE AMO.” – Rose.

“Ótimo. A última coisa que ela merece é mais um neto para preocupá-la, até então você era o único que tinha juízo... Você é um idiota Joseph, sinceramente. Eu não quero ser sua garotinha, eu quero ser a sua mulher! Pena que esse puta estragou os nossos planos e deve estar rindo de mim agora mesmo. E claro, você é um banana e se deixar ser manipulado. B A N A N Ã O! !” – Rose.


A mensagem de voz era a única que estava intacta. Demi limpou as lágrimas e respirou fundo porque não adiantava nada chorar. No fundo Joe estava certo por ter aberto o jogo com Rose. Ele não era um cafajeste para enganá-la, só era uma pena Rose não entender a situação.. Aliás, era bem difícil de entender uma vez que ela o amava. Quando deu o play na mensagem de voz, Demi respirou fundo mais uma vez e quando alguns segundos mudos passaram, a voz chorosa de Rose tomou toda a sala:

- Menos de três meses para o cara que eu conhecia mudar completamente. Tudo por causa de uma mulher. Uma mulher nojenta e repugnante. Você sempre foi contra esse tipo de coisa, traição. E está com uma destruidora de lares. Você sabia que o cara tem três crianças e uma esposa que se diz devastada? E você está com ela. Quase não te reconheci quando vi aquela foto. Cabelo arrepiado e sem óculos? Lembra de quando eu insistia em arrepiar o seu cabelo e tirar esses malditos óculos? Você sempre reclamava! Não vou comentar sobre a sua barba... Eu só me sinto traída e você conseguiu partir o meu coração em milhares e milhares de pedaços, não sei se vou conseguir te perdoar. Eu só queria que você me amasse, Joseph. Não serei uma menina para sempre, você sabe que não. E mesmo sendo uma menina, eu sei o que é bom para você e eu sou capaz de te dar tudo que você precisar: amor, carinho, lealdade, cumplicidade e quem sabe até mesmo filhos. A vovó ficaria tão feliz. Não sei o que ela vai pensar quando souber que você está com uma destruidora de lares. Estou decepcionada.

Uma mulher nojenta e repugnante. Destruidora de lares. Ler era uma coisa, ouvir uma completamente diferente. Destruidora de lares. Aquela parte, principalmente aquela, não parava de se repetir na cabeça de Demi. Ela se sentiu tão triste e acabada, triste a ponto de deitar a cabeça na mesa sobre os braços e fitar o nada sem saber o que estava acontecendo. Quinze minutos depois o celular tocou e Demi nem mesmo se deu o trabalho de olhar de quem era a ligação. Chegou mensagens e ela continuou do mesmo jeito: triste fitando o nada e pensando nas palavras de Rose: Destruidora de lares. Era tão negativo e deprimente, Demi fitou o escuro e acabou soluçando quando o choro compulsivo a tomou do nada. Susan tinha sofrido por culpa dela, assim como as crianças com a ausência do pai. E as pessoas estavam falando, e como estavam! Ninguém fazia questão de esconder o desgosto ao olhá-la.

   - Srta. Lovato? – Num gesto mecânico, Demi pegou o celular e a bolsa, desligou a luminária e abriu a porta do escritório dando de cara com o segurança da empresa. – O seu namorado está te esperando lá embaixo, ele está preocupado. Tem quase uma hora que encerraram as atividades do departamento. – Demi apenas assentiu não muito interessada em conversar e muito menos em Joseph. Sem contar o fato de ela estar morrendo de vergonha de olhar para os olhos daquele segurança porque ele sabia que ela tinha dormido com Jake e que tinha vídeos de sexo deles na rede. Todos sabiam. – Está tudo bem? – Ora, ela sempre tinha sido gentil e fazia questão de conversar com todos com quem trabalhava, mas a vergonha era tanta que Demi apenas assentiu cabisbaixa e virou as costas para que pudesse caminhar em direção ao elevador. O que ela diria para Joseph? E o que ele diria para ela? Era tão difícil e desgastante! Sempre tinha alguma coisa para atrapalhá-los. Quando “Destruidora de lares.” soou na voz chorosa de Rose, Demi escondeu o rosto com as mãos se sentindo a pior pessoa de todo o mundo, era como se ela tivesse feito uma atrocidade ou algo do tipo. O sentimento era horrível. E sentir a culpa pior ainda. Quando as portas do elevador se abriram, Demi apressou o passo porque ainda tinha algumas das mulheres que trabalhavam no hall da Gyllenhaal.

   - Demi. – Joseph quase a matou do coração quando ela passou às pressas pelas portas do prédio e ele a puxou para os braços. Faltou pouco para ela gritar de susto. – Eu estava preocupado. – O tom de voz dele era uma mistura de tudo. Joe realmente parecia preocupado, mas também parecia receoso e chateado.

   - Eu só.. Não precisava ficar preocupado. – Disse desfazendo dos braços dele na cintura. – E nem vir aqui. – Joe franziu o cenho e a soltou porque jamais a forçaria a nada.

   - Só fiquei preocupado. Você não atendeu as minhas ligações e nem respondeu as minhas mensagens. – Disse e Demi arriscou olhá-lo. Ele também parecia irritado, porém muito preocupado. Os olhos dele estavam mais intensos que o normal e Joe não usava os óculos de grau. Sem contar que ele estava barbeado e simplesmente lindo vestido com suéter verde e jaqueta.

   - Eu só preciso de um tempo para pensar. – Disse controlando todo o nervoso que poderia explodir e acabar afetando o relacionamento de uma forma irreparável.

O clima pesado e o silêncio eram estranhos demais para os dois. Geralmente eles sempre estavam conversando sobre super heróis, jogos, sobre eles e tantas horas coisas. Os olhares que trocavam eram apaixonados e os beijos intensos. Agora caminhavam lado a lado, Joe sempre atento a tudo a sua volta e Demi perdida em pensamentos. Ele arriscou enlaçar os dedos aos dela e Demi não protestou, porém também não fez questão de envolver os dedos nos dele como geralmente fazia.

   - Para o seu apartamento ou para o meu? – Joe perguntou por que eles estavam chegando ao prédio onde Demi morava. – Dem? – Chamou porque ela parecia tão aérea e só o olhou quando ele a chamou mais uma vez. – Para o seu apartamento ou para o meu? – Perguntou observando ela analisar o rosto dele para depois olhá-lo nos olhos por uma fração de segundos.

   - Hoje eu quero ficar sozinha. – Disse o pegando desprevenido. – Podemos conversar amanhã ou depois. – Joe assentiu porque ele não tinha escolha. Demi estava calada demais e ele estava chateado e muito preocupado. Chateado porque ela não deveria ter feito o que fez. E muito preocupado porque se as palavras de Rose tinham sido pesadas para ele, imagina para Demi? Não era à toa que ela estava tão calada.

   - Você pode me ligar se precisar de alguma coisa. – Disse quando eles chegaram ao prédio dela e Demi assentiu.

   - Eu.. Eu vou ficar na minha mãe, acho que ela pode me ajudar a entender algumas variáveis. – Ele não esperava que ela se abrisse a ponto de contar aquele detalhe.

   - Você tem certeza? – Perguntou levando as mãos a cintura dela e Demi assentiu. Ele poderia estar chateado e Demi esquisita, porém ele ainda a amava e sabia que ela precisava de um abraço apertado. – Eu te amo, ok? – Disse quando a abraçou e ele sorriu quando ela o abraçou de volta e disse baixinho um “Eu também”. – Posso te levar lá? – Perguntou quando ele ergueu o rosto dela para que ela o olhasse nos olhos. E Demi parecia tão acuada e com medo. E foi por isso que ele não a soltou, continuou com um braço envolta da cintura dela a abraçando com firmeza contra o corpo e com uma mão acariciando a bochecha delicada.

   - Pode. – Eles teriam trocado um beijo se Demi não tivesse desviado o olhar, e Joe a beijou na testa carinhosamente.

   - Você vai pegar alguma coisa? – Perguntou por que eles estavam em frente ao apartamento dela e Demi estava quieta ainda nos braços dele.

   - Não, eu tenho roupas na casa dela. – Ela sustentou o olhar dele e logo o desviou porque, por mais que Joe estivesse lindo barbeado e os lábios dele eram uma tentação, ela ainda estava abalada com as palavras de Rose.

   - Eu sei que nós vamos conversar depois, mas eu só queria que você soubesse. – Ele começou a dizer quebrando minutos de silêncio, eles já estavam longe do apartamento de Demi. – Que você soubesse que a Rose pegou muito pesado, eu não quero falar com ela e nem sobre ela. Enfim, eu só queria que você soubesse que você é uma mulher incrível. Você só foi uma vítima, a culpa não é sua, Dem. Não deixe que as palavras das outras pessoas machuquem você. Ninguém pensa duas vezes antes de abrir a boca para falar do que não conhece, você não tem culpa de nada princesa e eu te amo muito. – Quem entrelaçou os dedos aos dele foi ela. Demi não disse mais nada e Joe preferiu ficar calado já que o silêncio agora não era mais terrível, apesar de ainda um pouco tenso.

   - Acho que eu fico por aqui. – Disse fitando brevemente o prédio onde a mãe morava para depois fitar os olhos de Joe.

   - Posso enviar mensagem? – Ele perguntou todo fofo e mesmo no estado que estava, Demi assentiu esboçando um pequeno sorriso. – Se vocês brigarem, eu venho te buscar, tudo bem? – Novamente ela assentiu deixando que ele envolvesse a cintura com os braços e a puxasse mais para ele.

   - Tenha cuidado, você sabe que pode me ligar se precisar de qualquer coisa. – Disse e segundos depois ela envolveu o pescoço dele com os braços. – Joe, eu sei que pisei na bola. Eu estou aqui para tentar entender como isso funciona, e eu acho que a minha mãe pode me ajudar. – Ele assentiu entendendo o que ela queria dizer. Pra que melhor uma mulher que dormia com homens comprometidos intencionalmente para ajudar Demi a entender que ela realmente não tinha culpa? Dianna poderia ajudar, Joe esperava que sim. Seria bom para as duas se entenderem e finalmente deixassem que o laço de mãe e filha firmasse.

   - Nós ainda vamos conversar. – Ele sorriu acariciando a bochecha dela e Demi assentiu gostando do toque. – Fica bem, e se precisar de mim, é só ligar. – Quando eles trocaram sorrisos e olhares, o clima realmente melhorou bastante. – Eu te amo. – Disse a olhando nos olhos e Demi suspirou fitando os olhos verdes dele sobre a luz da lua.

   - Eu te amo. – Disse arrancando um sorriso de Joe. Aos pouquinhos ele a envolveu com aquele calor delicioso e se curvou para beijá-la na boca com muita paixão e amor. O beijo foi demorado e intenso o suficiente para fazê-los sentir calor. – Amor. – Sussurrou quando ele separou os lábios dos dela, mas logo os roçou uma, duas, três vezes antes de aprofundar o beijo mais uma vez.

   - Tenha uma boa noite princesa. – Estavam ofegando e quando ele a beijou na testa Demi pensou em ir para casa com ele, mas sabia que as coisas não funcionavam daquele jeito. – Fala para sua mãe que eu mandei um oi. – Demi sorriu assentindo e ela mesma tomou partido de beijá-lo mais uma vez.

   - Tenha uma boa noite Joe. – Ele oficializou a despedida com um beijinho demorado na bochecha, olhou nos olhos dela e aos pouquinhos soltou a mão delicada para finalmente atravessar a rua. Demi o observou caminhar ainda na entrada do prédio. Ela o amava tanto e não aceitaria perdê-lo para nada e nem ninguém. Ela só entrou quando Joe olhou para trás antes de virar a esquina e sorriu lindamente para ela. A beleza de Joe era tão desconcentraste que Demi subiu as escadas até o apartamento da mãe sorrindo, e só percebeu que já estava em frente a porta de Dianna segundos depois. Ela deveria bater? Aliás, deveria procurá-la depois de tudo que Dianna tinha feito? E se ela estivesse ocupada com algum homem? Demi resolveu ignorar aquelas questões e depois de muita coragem, ela levou a mão à porta e bateu três vezes. Dianna perguntou quem era, mas ela não respondeu.

   - Demi? – Ela tinha visto um sorriso feliz nos lábios da mãe? Independente do que estava acontecendo, foi simplesmente maravilhoso ser recebida daquela forma e Demi não pensou duas vezes antes de se aninhar nos braços da mãe sentindo que ali ninguém poderia julgá-la e muito menos machucá-la. Daria uma nova chance para aquela mulher, e que Dianna não a decepcionasse mais uma vez, era o que ela esperava.


Continua...  Oiiii! Finalmente! Eu estava em Goiânia e cheguei em casa na segunda, fui ao show da Demi,  ainda nem acredito! Ela é tão linda e fofa! Espero que vocês perdoem a demora, e que gostem do capítulo, já vou começar  a escrever mais. Obrigada pelos comentários, beijos!!!

6 comentários:

  1. Sem palavras para esse capítulo, amei muito, como sempre né? Rs FOI NO SHOW DA DEMI? OMG EU INFELIZMENTE NÃO FUI, MAS QUEM SABE A PRÓXIMA

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada! Fui! Foi maravilhoso, nem acredito que a vi. Você terá a oportunidade de vê-la, tenha fé! Beijo

      Excluir
  2. Olá, nova leitora por aqui.
    Não comentei antes porque estava me atualizando aos poucos da historia e ainda não finalizei, mas estou completamente apaixonada.
    Tenho que dizer que JAKE GYLLENHAAL ESTÁ NA SUA HISTORIA!!! Sim, eu amo ele e meu otpzinho é gyllenswift ♥
    Vou continuar me atualizando e posta mais porque estou adorando sua historia.
    Até mais.
    Beijos, Mirela (gyllenswift.blogspot.com.br)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá! Estou muito feliz por ter mais uma leitora, seja bem-vinda ao blog! Que bom que você está gostando! O Jake Gyllenhaal é simplesmente de tirar o fôlego, ele é tão lindo e apaixonante! Ps. É impossível não pensar nas cenas de amor e outras drogas hehehehe
      Você falou do seu otp e eu acabei me lembrando de we're never ever getting back together kkkkkkk, dizem que é para ele, é verdade?
      Obrigada pelo carinho, vou passar no seu blog. Beijo!

      Excluir