2.11.16

Capítulo 27

Cheia de histórias e risadas, à noite no hospital não foi ruim. Tinha sido semelhante às noites em que Joe estava acamado com um corte abaixo da costela esquerda depois de salvar Demi no beco escuro. O único detalhe que diferenciava tudo era a forma como ela o olhava e vice-versa, como trocavam beijos enquanto liam os HQs e jogavam os jogos de celular abraçados.

Não era muito tarde, o relógio marcava nove e meia da manhã. O dia lá fora estava lindo. O sol brilhava no céu azul com poucas nuvens suave e lindamente. Era um domingo radiante na famosa Nova York. Entretanto a beleza do dia não tinha chegado ao quarto de hospital. As persianas bloqueavam a luz do sol e não era possível ouvir o canto dos pássaros. Tudo estava quieto e calmo.

Na cama, Joe franziu o cenho ainda sentindo o corpo dolorido e pensou em voltar a dormir. Ele tinha acordado mais cedo para tomar insulina e desabou em sono. Estava cansado e ainda se recuperando. Mas quando os olhos dele fitaram a mulher deitada de mau jeito na poltrona, a ideia de voltar a dormir pareceu nunca existir. O coração acelerou, os olhos estavam atentos e as bochechas levemente coradas. Ele queria se levantar daquela cama e buscar Demi para deitá-la com ele.

Como era possível uma mulher ser tão linda como ela? Joe piscou algumas vezes para confirmar que ele não estava delirando com a visão do paraíso. A mulher era real e no dia passado tinha o beijado tanto! Os cabelos médios estavam jogados de lado, era uma linda bagunça de mechas marrons suaves e sedosas. A pele alva do rosto com algumas sardinhas estava levemente corada, principalmente na região das bochechas. Os lábios dela mesmo sem um pingo de batom pediam para ser beijados. E céus! Um arrepio estranho cruzou o corpo dele quando os olhos se depararam com a camisa que ela vestia. O símbolo da Mulher Maravilha sobre os seios femininos era demais. As bochechas estavam tão vermelhas que o rapaz se sentiu culpado e desviou o olhar daquela região. Porém não deu muito certo, os olhos pousaram exatamente no bumbum avantajado coberto pela calça jeans e Joe não soube o que pensar, engoliu em seco e franziu o cenho procurando não olhar para Demi. Por que diabos ele estava em estado de alerta e sentia o corpo sensível? Para completar o quase ataque cardíaco que sofria, houve a batida à porta. Agora sim ele estava atrapalhado e vermelho, e sabia que iria gaguejar.

   - Bom dia. – A enfermeira adentrou ao quarto carregando uma bandeja com o café da manhã. Joe evitou contato visual e disse baixinho um bom dia. Ele sabia que a enfermeira era aquele tipo de mulher que o deixava todo atrapalhado com os olhares sinuosos que lançava ao corpo dele. Será que as pessoas não notavam que ele era tímido? Aliás, MUITO tímido a ponto de gaguejar? – Como está se sentindo hoje? – A mulher sorriu e ele engoliu em seco murmurando um “bem” ainda sem olhá-la. Aceitou a bandeja e corou sentindo a enfermeira olhá-lo. – A sua amiga desobedeceu as nossas regras. Ninguém é permitido fora do horário de visita.

   - E..eu pedi que ela ficasse. – Joe não a olhou, pois sabia que ele iria se atrapalhar todo e acabaria derrubando a bandeja no colo.

   - Vou aferir a sua pressão. – Não tinha como recusar. Um pouco sem jeito Joe colocou a bandeja sobre o criado-mudo e puxou a manga esquerda da camisa para que não houvesse grandes contatos físicos. Ele estava cansado de hospital e enfermeiras taradas. – Você mora aqui na cidade? – Assentindo, Joe rezou pedindo que aquela tortura acabasse logo. Aquele procedimento estava demorando.

   - Está tudo bem? – Não gaguejou, mas a voz soou baixa.

   - Tudo normal Sr. Jonas. – A mulher parecia satisfeitíssima por ouvir a voz dele. Liberou o braço da braçadeira e se afastou. – Qualquer coisa é só chamar. – Cabisbaixo Joe assentiu e finalmente respirou fundo aliviado. Ele olhou para Demi e sorriu ao perceber que ela suspirava durante o sono. Era a segunda vez que aquela enfermeira o visitava no dia e Demi sequer se mexeu.

Na bandeja tinha comida suficiente para ele e ela. Joe só não sabia como iria acordá-la. Antes de tomar qualquer decisão o rapaz caminhou até o banheiro onde lavou o rosto e escovou os dentes da forma que podia: apenas com o creme dental e água já que não tinha a escova de dente ali com ele. Tudo bem, é só a Demi. Pensou se preparando psicologicamente para sair do banheiro e acordá-la.

Demi estava tão linda dormindo que Joe queria envolvê-la em seus braços e esperar que ela acordasse no tempo dela. Mas não foi o que ele fez. Sorriu ao vê-la. Colocou os HQs e o celular que estavam no colo dela sobre o criado-mudo e se agachou em frente à poltrona.

   - Demi, acorda. – Chamou colocando uma mecha do cabelo dela atrás da orelha e sorriu quando ela franziu o cenho. – Dem, acorda. – Tornou a chamar acariciando suavemente a bochecha dela com o polegar e Demi abriu os olhos segundos depois. Estava quieta, mas esboçou um pequeno sorriso para ele.

   - Está tudo bem? – Ela perguntou se espreguiçando e Joe se levantou assentindo. – Está muito tarde? – Era domingo e como de costume Demi se levantava meio dia, às vezes até mais tarde.

   - Quase dez da manhã. – Ele disse sem deixar de olhá-la se espreguiçar como uma gata manhosa.

   - Eu já volto, ok? – Demi só se deu conta que deveria estar uma bagunça quando tentou arrumar o cabelo e os dedos engancharam numa mecha embaraçada. Ora, ela tinha dormido em uma poltrona! Joe estava tão bonito com os cabelos levemente bagunçados. Ele estava sexy enquanto ela.. Resmungando um palavrão Demi buscou pela bolsa e saiu do quarto antes mesmo que ele respondesse. Procurou pelo banheiro feminino e quando o encontrou escovou os dentes, lavou o rosto e penteou os cabelos. Era sempre bom estar preparada para qualquer situação. Ela ainda estava um pouco desajeitada, mas tinha feito o melhor que podia com o que tinha. – Bom dia. – Disse assim que abriu a porta do quarto e o adentrou. Joe estava sentado à cama e sorriu timidamente para ela.

   - Bom dia. – Estavam tímidos por conta de todos os beijos que tinham trocado no decorrer da noite, porém ansiosos para mais. O silêncio não duro muito já que Joe tinha decidido que não deixaria a timidez dominá-lo e estragar tudo como sempre acontecia, ele se levantou e ficou em frente à Demi. – Obrigado por passar a noite aqui comigo. – Disse tomando coragem para puxá-la para um abraço. – Foi a noite mais divertida que já passei em um hospital. – E era verdade. Ele nem se lembrava de que tinha passado mal, era só Demi e o sorriso dela que importava.

   - Foi realmente divertido. – O sorriso dela se alargou quando Joe finalmente a tocou no braço e aos poucos a puxou para que pudesse envolvê-la num abraço firme e acolhedor. – E não precisa agradecer, eu sempre vou cuidar de você. – Disse ela. Precisou erguer a cabeça para olhá-lo nos olhos, o que resultou em um beijo suave.

   - Eu também. – A sensação de saber que uma mulher incrível como aquela realmente se importava com ele era ótima. Selou os lábios nos dela novamente e a beijou na testa suspirando. – Não será o melhor café da manhã do mundo, mas acho que dá para enganar a fome. – Ele disse se referindo a bandeja sobre a cama com nada mais que uma maçã cortada ao meio, um copo com suco de laranja sem açúcar, biscoito e pão integral. – Você já experimentou biscoito integral? – Perguntou a puxando pela mão para que pudessem se sentar a cama.

   - Provavelmente. – Disse fazendo careta. – A mãe da Sel vive criando essas receitas para dietas. – Murmurou franzindo o cenho e Joe riu. – Você precisa se alimentar, eu vou comer na lanchonete. – Ele negou balançando a cabeça e Demi assentiu. – Você precisa comer. Eu estou achando esse café da manhã fraco. – Joseph era um homem grande que Demi tinha certeza que não ficaria satisfeito apenas com aquela comida leve.

   - Eu quero dividir com você. – Os olhos dela brilharam para aquele biquinho de Joe. Ele estava fofo e mais beijável que o comum. Uma verdadeira covardia com a sanidade de uma mulher.

   - Não quero você passando mal. – Resmungou. – Vamos Joe, coma. – Ele se sentiu como uma criança, mas também se sentiu bem com o cuidado que recebia de Demi.

   - Ao menos experimente o biscoito. – Insistiu depois de um gole do suco e uma mordida na maçã. – Se não vou pensar que você não quer tomar café da manhã comigo só porque o pão e o biscoito são integrais. – Ele estava a chantageando? O sorriso charmoso era simplesmente lindo. Revirando os olhos Demi aceitou um biscoito e o mordeu, deixou um baixo gemido escapar e Joe franziu o cenho sentindo o arrepio estranho de mais cedo.

   - Não é ruim. – Disse terminando de comer o biscoito e Joe assentiu começando a comer o café da manhã. – Você está bem mesmo? – Perguntou o observando a comer. Ela tinha ficado tão preocupada com ele. Quando sentiu o peso do corpo dele e percebeu como estava zonzo, o medo de perdê-lo mostrou como ele era importante para ela.

   - Estou. – Joe sorriu timidamente como a maioria das vezes, colocou a bandeja sobre o criado mudo e levou a mão a de Demi. – Sinto algumas dores musculares, eu peguei pesado no futebol na sexta. – Sem aviso prévio ela o abraçou e o beijou na bochecha. Adorava o jeito de Joe. Ele simplesmente segurava a mão dela sem tentar algo ousado e não a olhava como um pedaço de carne. Era sempre respeitoso e fofo.

   - Eu vou cuidar de você. – As bocas estavam próximas e Demi fitou os lábios dele mordendo os seus, acariciou o rosto barbado e se controlou para não sorrir quando foi beijada. Ele a surpreendia cada vez mais com aquele jeito tímido e apaixonado, até a forma que a segurava repousando as mãos as costas era com cuidado e respeito.

   - Também vou cuidar de você. – Foi um sussurro sexy e excitado que a deixou arrepiada. As mãos foram ao peito masculino quando as dele desceram pelas costas e repousaram na cintura. Ele depositou um beijo no pescoço dela e uma série de arrepios a tomou, mas não prosseguiu com os carinhos, abraçou-a contra o peito daquela forma protetora e o sorriso se alargou nos lábios dela.

   - Acho que é a Sel, ela disse que mandaria mensagem. – A intensa troca de olhares foi interrompida graças ao celular que vibrava no bolso da calça de Demi. E como tinha pensando era Selena. “Estou a caminho”. Antes mesmo que a mensagem fosse respondida, houve uma batida à porta e então o médico adentrou ao quarto junto à enfermeira de mais cedo.

Graças a Deus tudo estava bem com Joe. O médico o liberou e o alertou sobre o excesso de trabalho dizendo que ele jamais deveria ficar sem se alimentar e tomar insulina, passar noites em claro e praticar esportes de forma exagerada, cuidados que Joe já era ciente, mas que às vezes ignorava para se dedicar aos seus objetivos. Diabete e hipertensão eram doenças perigosas demais para não cuidar. E mesmo estando bem, Joe ainda teria que voltar para fazer exames de rotina como era comum.


   - Você não está tonto? – Deveria ser a quarta vez que Demi perguntava a mesma coisa a Joe. Ed e Selena que estavam logo atrás trocaram sorrisos e observaram o futuro casal a sua frente. Demi realmente estava preocupada e Joe vez ou outra sorria apaixonado para ela. Ele estava gostando de toda a atenção que recebia dela.

   - Eu estou bem, sério. – Disse. Procurar a chave do apartamento dentro da bolsa nunca foi tão complicado, mas depois de alguns minutos a porta foi aberta e a recepção de Lucy foi muito calorosa.

   - Meu Deus! Calma menina! – Ela não reclamou das lambidas exageradas que recebeu. Agachou-se e abraçou Lucy sem conseguir conter o riso, o rabinho balançando fazia cócegas. – Ela está faminta. – Não foi uma pergunta, mas Joe assentiu se agachando para dar um abraço em Lucy.

   - O papai estava dodói, não foi de propósito, ok? – Os olhos de Demi brilharam tanto. Era simplesmente a cena mais linda do mundo Joe mimando Lucy. A cadelinha estava em pé no colo do rapaz e tinha as patinhas frontais apoiadas ao peito de Joe prestando atenção em cada palavra dita pelo dono e ela não deixou a manha de lado, chorou e ergueu as orelhinhas, o que fez Demi sorrir de orelha a orelha. – O que você acha de leite e muitos biscoitos? – Ele a aninhou nos braços e partiu com Lucy para a cozinha já que se sentia culpado por deixá-la tanto tempo sozinha e com pouca comida.

   - Demi? – A voz de Selena a trouxe de volta a realidade e Demi se levantou e olhou para a amiga. – Nós já vamos, o Joe precisa descansar. – Ela conhecia muito bem aquela estratégia de Selena. As bochechas estavam coradas, até porque Ed estava ali com elas.

   - As crianças estão nos esperando. – Completou o rapaz e Demi entendeu que os dois estavam tentando deixá-la sozinha com Joe. Não era uma ideia muito boa julgando por todos os sentimentos que ele despertava nela...

   - Vocês vão ficar para o almoço? – Disse Joe assim que voltou da cozinha sozinho já que Lucy se deliciava de toda a comida que podia.

   - Nós temos que buscar as crianças na casa dos pais da Sel. – Disse Ed.

   - Você pode trazê-las para cá, vai ser divertido. – Ele não podia negar que estava tenso com a ideia de ficar sozinho com Demi, seria maravilhoso tê-la nos braços, mas ao mesmo tempo seria tenso. – As meninas podem cozinhar para a gente, o que vocês acham? – Perguntou fitando Selena para depois fitar Demi.

   - Acho que nós podemos cozinhar. Dem? – Primeiro ela umedeceu os lábios, mordeu-os fitando o chão e assentiu levemente corada. E Selena sorriu sabendo que Demi estava ansiosa para saber se estava perdoada ou não.

   - Então eu vou buscar as crianças, você vem comigo Sel? – Selena sabia que se fosse com Ed seria ela quem teria que pedir desculpas a Demi. Ela conhecia perfeitamente aquele olhar de código vermelho e bem, seria um enorme vacilo que com certeza não cometeria.

   - Hum.. – Murmurou olhando para Demi mais uma vez para confirmar o pedido de socorro da amiga. – Não. Nós vamos adiantar o almoço, está ficando tarde. – Ed assentiu e quando perguntou se precisava trazer alguma coisa ele ficou tonto com a quantidade de coisas que Selena pediu. Mulheres!

   - Nós podemos fazer aquela lasanha deliciosa de queijo com brócolis, o que vocês acham? – Selena nunca tinha visto Demi tão sem jeito como ela estava. Geralmente Demi era tão tagarela e pirracenta, mas lá estava ela quieta e com as bochechas levemente coradas. Estava intimidada. – Então? Vamos fazer a lasanha ou preferem outra coisa? – Perguntou ao observar que Joe também estava sem jeito.

   - Você tem brócolis? – Ela não sabia o que estava acontecendo, mas custou a olhar para Joe.

Os três caminharam para a cozinha em silêncio, nada constrangedor ou desconfortável, não para Selena que estava se segurando para não rir da situação de Demi e o Joe. Eles eram perfeitos um para o outro, definitivamente perfeitos!

   - É..é o suficiente? – Joe ainda gaguejava? Sel mordeu o lábio inferior para conter o riso e em troca Demi franziu o cenho e balançou a cabeça pedindo que ela não risse de Joe. – Eu..eu posso  com..comprar mais. – Ele era tão fofo! Estava cabisbaixo e corado. Infelizmente tinha perdido o controle e quase bateu a cabeça na porta do freezer que tinha aberto a procura do queijo.

   - Está bom, não está Demi? – Demi assentiu prontamente balançando a cabeça e se aproximou de Lucy que estava deitada perto da tigela de leite os observando, sentou-se ao lado da cadelinha e a mesma se aninhou a ela.

   - Fiquem à vontade. Eu.. eu vou arrumar algumas coisas na sala, já volto. – Quando Joe a deixou sozinha com Selena Demi revirou os olhos. Por que estava sendo tão difícil ter que ficar sozinha com Sel ou Joe?

   - Dem? – Oh droga! Olhando para cima Demi engoliu em seco ao encontrar Selena a sua frente. – Não vai me ajudar? – Perguntou. – Estou sem jeito de mexer nas coisas do Joe. – Ora, e ela estava sem jeito até para respirar perto de Joe! Mesmo incomodada com a situação Demi aceitou a mão que Selena lhe oferecia, se levantou e buscou por todos os ingredientes e recipientes necessários para cozinhar a lasanha.

 Aos poucos elas começaram a cozinhar falando apenas o necessário. Ed chegou com as crianças e com todos os alimentos que Selena tinha pedido e foi jogar videogame com Joe e os sobrinhos. Maldita ora para saber cozinhar! Demi não estava nenhum pouco confortável com a situação. Primeiro: Não sabia como olhar para Selena; Segundo: A tensão “sexual” entre ela e Joe era tão absurda que chegava a ser papável. Terceiro: Ela sentia que Ed estava a ignorando. Transitando de um lado para outro, Demi conferiu o arroz pela terceira vez consecutiva. Estava começando a ficar nervosa e cogitando a ideia de inventar uma desculpa qualquer para ir embora.

   - Eu não vou te morder. – Ao ouvir aquela frase umedeceu os lábios e fitou Selena recostada no balcão a olhando. – E o arroz não está bom. – Disse assim que por um impulso Demi tirou a tampa da panela. – A lasanha está no forno, a salada está pronta. O arroz, a verdura e o frango estão cozinhando. O Ed comprou torta de sorvete para a gente e uma torta diet para o Joe. Está tudo quase pronto e você prefere ficar em silêncio a falar comigo. – Droga! Era tão ruim quando Selena fazia aquilo.

   - Eu não sei o que dizer. – Murmurou fitando a vista da cidade pela janela.

   - Tudo bem, eu te coloquei nessa situação. – Disse Sel. Caso ela tivesse aceitado as desculpas na noite passada as coisas estariam diferentes daquele poço de constrangimento. – Você está livre hoje à noite? Nós podemos conversar no Top of The Rock. – Top of The Rock era um observatório que ficava no topo de um dos prédios mais altos de Nova York, o edifício GE em frente ao prédio em que Demi morava. – Ou lá em casa ou no seu apartamento, a gente escolhe algum lugar legal.

   - Tudo bem, acho que podemos conversar no Top of The Rock. – Conversar era uma boa ideia, e como seria no Top of The Rock ajudaria a aliviar a tensão.

   - Às sete? – Perguntou Selena esboçando um tímido sorriso e Demi assentiu. – Como foi à noite com o Joe? – Aquela pergunta tinha duplo sentido e pela cara de Selena, Demi sabia que ela só estava brincando para descontrair o clima entre elas.

   - Maravilhosa. – Disse e elas riram. – Nós lemos alguns HQs e jogamos no celular. – Disse enquanto arrumava uma mecha do cabelo atrás da orelha.

   - E? – Indagou Selena de sobrancelha arqueada e as bochechas de Demi coraram. – Vocês transaram? – Perguntou baixinho e Demi negou na mesma hora balançando a cabeça em um gesto negativo. – Vocês estão tensos.

   - A gente se beijou muito ontem. – Confessou sem conter um sorriso. – Apenas beijos. – Disse antes que Sel começasse a imaginar coisas. – Ele ainda é muito tímido. – Todos os caras que Demi tinha namorado eram “saidinhos”, e agora ela tinha Joseph que era um caso muito especial...

   - Vocês formam um belo casal. – A conversa foi encerrada ali já que o sobrinho de Selena, o pequeno Harry de cabelos negros e olhos verdes como os de Ed adentrou a cozinha e com muita manha abraçou Selena e disse que estava faminto. – Nós já vamos almoçar meu amor. – Ela disse beijando a testa do garotinho que se aninhou em seus braços. Era tão difícil não saber o que dizer para uma criança quando ela perguntava sobre a mãe. Harry tinha cinco anos e Ana seis. Eram crianças tão inocentes e que precisavam de cuidado e carinho.

Não passou cinco minutos desde que Harry grudou nos braços da tia e Joseph, Ed e Ana adentraram a cozinha animados e famintos. Demi verificou as panelas e foi uma verdadeira festa quando ela disse que o almoço estava pronto.

 As crianças quebraram aquele clima estranho e tinham toda a atenção voltada apenas para elas. Aquele almoço de domingo estava sendo divertido, o mais divertido que Demi podia se lembrar. Ela preferia ficar quieta observando como eles pareciam uma família feliz sentada à mesa num domingo bonito. E bem, para finalizar a comilança a torta de sorvete estava sensacional! Comeram e repetiram entre risos e caretas.

   - Nós podemos assistir um filme. – Dizia Joseph tentando convencer Ed a ficar mais um pouco.

   - São quase seis da tarde Joe, preciso levar as crianças para casa. – Disse o rapaz com Harry no colo que dormia que chegava a suspirar. – São uma gracinha, mas dão muito trabalho. – Selena se apressou para pegar Ana antes que ela derrubasse o controle da televisão junto com Lucy que estava feliz por ter alguém para brincar com ela. – E você precisa descansar. – Sem jeito Joe assentiu lançando um rápido olhar para Demi, ele não queria que ela fosse embora. – A gente se vê amanhã. Qualquer coisa é só ligar. – O olhar de Ed dizia muito mais que uma despedida, discretamente Joe assentiu se lembrando de tudo que o amigo tinha dito sobre as mulheres. – Não tenha vergonha. – Sussurrou assim que eles trocaram um breve abraço. – Vamos meninas? – Chamou por Selena e Ana e sorriu para Demi.

   - A gente se encontra as sete em frente ao prédio GE. – Antes mesmo que ela pudesse pensar a porta do apartamento já estava fechada e ela estava sozinha com Joe. Nem mesmo Lucy estava na sala.

Não se olharam, ambos estavam cabisbaixo e completamente sem jeito. O coração de Joseph estava quase saindo pela boca e ele teve que colocar as mãos no bolso, pois elas estavam tremendo. Já Demi se sentia estranha. Ela não era tímida e muito menos era de ficar calada, porém aquele homem bonito a pouco metros estava consumindo os seus pensamentos.

   - Eu acho que já vou. – Disse com toda a coragem que tinha e quando Joe a olhou ela engoliu em seco.

   - Fica mias um pouco. – Ele estava lutando contra aquele Joseph tímido com todas as suas forças, tanto que disse aquelas palavras olhando nos olhos de Demi e não se atreveu a gaguejar. Não poderia, ele queria aquela mulher na vida dele e não se permitiria estragar tudo por timidez. – A gente pode assistir um filme. – Completou sustentando o olhar de Demi que assentiu. – O que você sugere? – O sorriso dele descontraiu o clima e Demi umedeceu os lábios e se aproximou do rapaz que já estava agachado próximo a pilha de DVDs.

   - O que acha da gente continuar assistindo Batman a série animada? – Ela fez questão de sustentar o olhar dele, que assentiu esboçando aquele sorriso lindo.

   - Eu vou pegar o notebook. Você pode verificar se o cabo está plugado na TV? – Oh sim, ela poderia verificar várias coisas.. Demi revirou os olhos para si mesma e repreendeu todos os pensamentos pervertidos. Ela precisaria de ajuda divina para não se trancar num quarto com Joseph e acabar com toda aquela inocência dele. O cabo estava conectado a TV e logo foi conectado ao computador.

   - Acho que nós paramos no episódio vinte. – Disse se sentando no sofá. – Ou foi o vinte e um. – Murmurou franzindo o cenho ao olhar para as costas largas dele. As bochechas dela chegaram a corar.

   - Sim, o vinte e um. Me lembrei agora. – O episódio já tinha começado e Joe procurava forças para se levantar e se sentar ao lado de Demi. Ele estava controlando a timidez da melhor forma que podia, mas para tudo tinha limites. Porém ficar agachado em frente ao notebook era a coisa mais estranha do mundo. Franzindo o cenho, fechou os olhos e respirou fundo algumas vezes. Coragem! Disse a si mesmo. Demorou alguns minutos e então se levantou e se sentou ao lado dela. Como ele era bobo! Demi não era nenhum monstro que iria devorá-lo. Ela estava concentrada assistindo o episódio e às vezes até ria de uma cena ou outra.

   - Você estava aprontando menina? – Disse Demi assim que Lucy pulou em seu colo a assustando. A cadelinha estava como sempre sedenta de carinho. Se aninhou no colo de Demi e chorou até que Joe a olhou. Ele sabia o que ela queria e o fez, levou a mão para trás das orelhas da pequenina e riu quando ela tentou mordê-lo. – Fica quietinha. – Pediu dividida entre o episódio, Joseph e Lucy. Por mais tensa que estivesse Demi realmente estava concentrada nas aventuras do herói favorito, tão concentrada que quando levou a mão para acariciar a barriga de Lucy acabou com a mão sobre a de Joseph, que sorriu e enlaçou os dedos aos dela. Ele sempre precisaria de um empurrãozinho. Lucy pareceu ler os seus pensamentos, a pequena pulou para fora do sofá e caminhou diretamente para cozinha como se estivesse satisfeita com o enlaçar de dedos das duas pessoas que ela mais amava.

   - Esse episódio é muito legal. – Comentou assim que o novo episódio começou e Demi assentiu sorrindo. Era tão bom segurar a mão dela, Joe fitou os dedos enlaçados e sorriu de orelha a orelha, ela o encantava tanto.

   - Você já assistiu? – Perguntou deitando a cabeça no ombro dele suspirando apaixonada vez ou outra.

   - Quando eu era menino. – O sorriso dele foi de orelha a orelha quando Demi o beijou ali mesmo no ombro e quando ele a olhou ela estava sorrindo lindamente. – Você é tão bonita. – Disse acariciando a bochecha esquerda dela com o polegar. Era a mulher mais bonita que ele já tinha visto. Por minutos se perdeu na beleza dela fitando cada detalhe com paixão, memorizou cada pedacinho e respirou fundo completamente emocionado. O sentimento era tão imenso e indescritível. Ele só sabia que não conseguia pensar direito quando ela estava por perto e quando ela estava longe só conseguia pensar em como queria beijá-la e vê-la sorrir.

   - Você também Joe. – Ela tirou os óculos de grau que ele usava e os repousou no chão ao lado do sofá. – Eu adoro os seus olhos. – Disse acariciando a barba e logo as bochechas dele. – São tão lindos. – Sussurrou quando Joe encostou a testa a dela e fitou-lhe os olhos e os lábios.

   - Os seus também. – Ele disse aquelas palavras nos lábios dela. Roçou-os com paixão, mordeu o lábio inferior e conforme a beijava ele a puxava mais para ele.

Ela precisava ter um pouco de paciência e pegar leve com Joseph. Quando deu por si Demi já estava quase sobre o rapaz o beijando com tanta vontade e desejo de se fundir a ele. Ela precisou de alguns segundos para se recuperar e voltar a pensar com clareza. Umedeceu os lábios e respirou fundo fitando Joseph. Ele estava sem jeito, porém estava sorrindo. O que faria com ele? Demi o beijou na bochecha e disse como ele era fofo. Da bochecha os lábios migraram para a boca e ela simplesmente não conseguiu resistir, deitou o corpo sobre o dele o conduzindo para trás até que Joe finalmente se deitou no sofá. Deitar-se sobre ele não queria dizer nada demais... Queria?

   - Tudo bem? – Perguntou depois de um beijinho carinhoso abaixo da orelha esquerda. Joe assentiu balançando a cabeça, abraçou o corpo dela pela cintura e inconscientemente colocou a perna esquerda entre as pernas dela. – Joseph.. – Aquele gemido baixinho simplesmente escapou. – Joe. – Chamou-o quando ele se ergueu e a beijou no pescoço enquanto as mãos exploravam as costas e os dedos se enrolavam nas mechas de cabelo castanho. Ele era demais para ela! Fechando os olhos Demi tomou os lábios dele num beijo de tirar o fôlego, espalmou o peito largo com as mãos e friccionou os corpos.

Enquanto trocavam beijos e carinhos uma guerra de super heróis acontecia na TV, e o engraçado era que mesmo com todo o barulho nada os desconcentrava. Os beijos continuaram sedentos e apaixonados, Demi estava a um passo de perder o controle, porém não se importava. Ela simplesmente o beijava e gemia manhosa com as mãos dele vagando por suas costas, cabelo e cintura. Já Joseph sentia um calor absurdo em meio aos arrepios estranhos, ele sequer conseguia pensar..

   - Demi.. – Chamou-a de cenho franzindo e de coração acelerado. Ela o atacava com beijos no pescoço, beijos que estava o enlouquecendo aos poucos. – Dem.. – Tornou a chamá-la e quando ela se ergueu se sentando sobre a região intima dele. Oh Deus! As bochechas de Joe coraram tanto que o rapaz desviou o olhar para qualquer outra coisa que não fosse os olhos de Demi. Já tinha acontecido algumas vezes e ele tinha ficado tão deslocado.. Era tímido demais e nunca tinha estado com uma mulher.

Como era possível existir um homem como aquele? Demi estava tão pronta para acolhê-lo e estava tão radiante por Joe também estar pronto. Ele estava simplesmente fofo todo corado. Os cabelos desgrenhados, os lábios avermelhados e o peito subia e descia tão rapidamente. Era a visão do paraíso.

   - Está tudo bem, não precisa ter vergonha. – Disse baixinho no ouvido dele. Ela o entendia por mais que ansiasse pelo que eles poderiam fazer juntos.. Beijou-o na bochecha e se agarrou a ele repousando a cabeça na curva do ombro onde depositou beijos e aspirou o perfume sutil. Por alguns minutos ela ficou quieta sentindo o volume da calça, então se ergueu o suficiente para que pudesse olhá-lo nos olhos.

   - Eu..eu.. – Estava tão nervoso e envergonhado que montar uma frase era uma tarefa muito difícil naquele momento. – Droga.. – Murmurou baixinho e Demi riu levando a mão ao peito dele para acariciá-lo ali.

   - Não precisa ter vergonha. – Tornou a dizer aproveitando para colocar uma mecha do cabelo atrás da orelha e Joseph sorriu observando como ela era bonita. – Você pode me abraçar? – Pediu timidamente e ele a abraçou a apertando contra o corpo dele enquanto eles se beijavam intensa e lentamente.

Aquela conexão era tão forte e viva que não viram o tempo passar e não queriam que aquele momento acabasse. Os beijos e as cariciais só ganhavam força a cada instante, os sorrisos e os olhares estavam sempre presentes e vez ou outra trocavam nada mais que meia dúzia de palavras. Infelizmente quando Joseph estava quase satisfazendo o desejo de descer as mãos um pouco além das costas femininas para apertá-la lá no bumbum avantajado, algo começou a vibrar tocando e os suspiros frutados tomaram a sala.

   - Oi. – Murmurou Demi. Sequer tinha olhado quem era e muito menos tinha se desgrudado de Joseph, ela até o acariciava no peito gostando de sentir o carinho que ele fazia em suas costas.

   - Demetria? Onde diabos você está? – Ela conhecia aquela voz e sabia que quando Selena a chamava pelo nome significava que a situação era péssima.

   - O que? – Perguntou de cenho franzido sem entender o que a amiga queria dizer.

   - Estou em frente ao GE te esperando tem vinte minutos. – Demi olhou a hora no celular e arregalou os olhos. Há quanto tempo ela estava ali trocando beijos com Joseph? Eram sete e meia da noite! Selena iria matá-la.

   - Eu.. Droga! Chego em cinco minutos. – Apressada, Demi deu um selinho nos lábios de Joe e se levantou para calçar o all star que tinha tirado entre um beijo e outro para que pudesse se aninhar a Joe.

   - Você tem mesmo que ir? – Perguntou Joseph. Ele se ergueu e não conseguiu resistir ao pescoço feminino exposto e o beijou aproveitando para abraçá-la por trás.

   - Por mais que eu adoro trocar beijos com você.. – Disse Demi se virando para roubar um selinho. – Eu quero a minha melhor amiga de volta. – Finalmente ela tinha conseguido calçar o tênis e se levantou puxando Joseph. – Vou sentir saudades. – Disse olhando para cima para olhá-lo nos olhos e pôs-se na ponta dos pés para poder beijá-lo, claro que Joseph teve que se curvar e abraçá-la.

   - Eu também. – Ele disse a envolvendo num abraço de urso. – Só mais cinco minutos. – Pediu a olhando e Demi assentiu esboçando um sorriso nervoso. Selena iria matá-la! Mas também iria soltar fogos quando soubesse o motivo do atraso. Rindo, Demi empurrou Joseph na direção da mesa onde a bolsa estava, guardou o celular na bolsa e a colocou no ombro.

   - Cinco minutos Joseph. – Ela piscou para ele e mordeu o lábio inferior antes que ele a beijasse a segurando pela cintura com aquelas mãos grandes e másculas. – A Selena é definitivamente a melhor amiga mais chata do mundo. – Murmurou nos lábios dele o empurrando em direção a porta quando o celular começou a tocar dentro da bolsa. – A gente se vê amanhã. – Era tão difícil de soltá-lo. Demi não conseguia parar de beijá-lo e estava odiando a ideia de ficar longe dele.

   - A gente se vê. – Joe ainda roubou um beijo antes que Demi fosse embora. E quando ele estava sozinho encostou-se a porta e respirou fundo várias vezes. Tinha sido a melhor tarde/noite de sua vida.


   - Onde você está? – Era Selena. Como estava atrasada, descer de escada foi a única alternativa já que o elevador estava a muitos andares acima.

   - Eu já estou chegando!Ela descia com tanta pressa que chegava a ofegar, e quando finalmente saiu do prédio caminhou a passos largos. – Tem outra pessoa me ligando. – Ela se surpreendeu com a ligação de Dianna, eram raras as vezes que ela ligava..

   - Demi? Onde você está? – Atrapalhada, Demi quase foi atropelada. Ela não conseguia esquecer os beijos de Joe, estava nervosa para encontrar Selena e feliz por Dianna ter ligado.

   - Vou encontrar a Sel. – Disse quando finalmente conseguiu atravessar a rua sem que nenhum motorista a olhasse feio. – Acho que vou passar a noite no meu apartamento. – Provavelmente passaria boas horas conversando com Selena e caminhar à noite para o apartamento da mãe não era uma boa ideia. Aquele homem nojento estava à solta e ela não queria sequer olhá-lo.

   - Tenha cuidado, boa noite. – Dianna não disse mais nada e encerrou a ligação. Ao menos ela tinha ligado. Pensou Demi se apressando, ela já estava na quadra do GE Building e de longe podia ver Selena em pé.

   - Estou chegando. – Antes de se aproximar, Demi respirou fundo para tentar conter o fôlego e se preparar psicologicamente para conversar com Selena.

   - Você estava na casa do Joseph? – Selena perguntou surpresa ao ver a direção que ela vinha. – O seu cabelo está uma bagunça. – Murmurou adentrando ao prédio e Demi se apressou em buscar um elástico dentro da bolsa para prender o cabelo. A culpa era de Joseph e do vento da noite.

   - Sel! Me espera. – Pediu já que a amiga caminhava a passos largos em direção ao elevador depois de simplesmente passar pelos seguranças que elas conheciam desde adolescentes. – Eu não queria me atrasar, é que perdi a hora. – Disse assim que estava ao lado de Sel.

    - Eu vou te perdoar só porque você estava com o Joseph. – Selena adentrou ao elevador e sorriu para Demi. – A sua roupa está uma bagunça. – Comentou arqueando as sobrancelhas e esboçando um pequeno sorriso malicioso.

   - Droga. – Murmurou Demi arrumando a camisa e calça ao corpo. Como Selena ainda parecia brava, Demi preferiu ficar calada durante todo o trajeto até o topo do prédio.

A quantidade de luzes brilhantes era de tirar o fôlego, e Nova York dali de cima era uma imensidão brilhante. Como sempre acontecia Demi estava sem fôlego, tinha um sorriso que ia de orelha a orelha observando a sua cidade. Ela amava cada pedacinho dali. Aproximou-se da proteção e por um tempo só conseguiu fitar a cidade aos seus pés enquanto organizava os seus pensamentos.

   - No fundo eu sempre acreditei em você. – Começou a dizer fitando o topo de um prédio. – Mas eu estava chateada por nunca estar certa, entende? Sempre apostei todas as minhas fichas nos meus relacionamentos sem se importar com as consequências. Acho que é como as pessoas dizem, o amor cega.. Eu não amo e nem amei o Jake, era só que.. – Ela respirou fundo e fitou os olhos de Selena. – Ele me disse e fez coisas que me fez acreditar que nós poderíamos construir um relacionamento forte. Cheguei a pensar que ele era o cara.. – Tudo que ela queria era encontrar alguém para amar e ser feliz, não era desejar muito, mas se envolver em um relacionamento exigia muitas artimanhas. – Você, como sempre, conseguiu enxergar que ele não era nada do que mostrava. Fiquei irritada e briguei com você porque eu sentia que você estava me tratando como uma criança. Acho que foi por isso que eu acreditei nele. – Concluiu umedecendo os lábios e colocando uma mecha do cabelo atrás da orelha. – E no final das contas eu me sinto realmente como uma criança inocente por ter acredito na história ridícula que ele inventou.

   - Posso ter exagerado na proteção, confesso. – Selena estava pronta para contar tudo que sabia a respeito de Jake e não tinha mais medo das ameaças dele. – Mas não foi por mal, jamais. O assunto é realmente muito grave Dem. Mais grave do que você possa imaginar. – Ela fez questão de sustentar o olhar de Demi enquanto se preparava para contar a parte que despedaçaria o coração da melhor amiga. – Juro que tentei, mas sempre acontecia alguma coisa para atrapalhar. – Começou a dizer franzindo o cenho. – Esse tempo todo tentei te proteger do Jake porque na última vez que nós fomos a Rocco’s com o Ed, eu o vi saindo de uma cafeteria com a sua mãe.

Aquelas palavras foi um soco no estomago. Sentiu-se enjoada e traída. Era inacreditável! Ou ela era realmente inocente demais ou tinha uma péssima sorte. Tudo estava explicado. O comportamento compreensível, a preocupação de mãe. Aquela não era Dianna! Nunca foi e nunca seria! A mulher que ela conhecia por mãe era desprezível a ponto de vendê-la para ter uma vida de luxo. As lagrimas não rolaram, não.. Ela estava magoada demais para derramar lagrimas por Dianna.

   - Dem.. Eu sinto muito. – Disse Selena a abraçando com carinho. Demi parecia em outro mundo. A feição indecifrável e o cenho levemente franzido. – Eu fiquei com tanto medo, o Jake disse que se eu contasse para você ele machucaria o Ed. Mas mesmo assim eu tentei contar, eu sabia que nós poderíamos dar um jeito. – Explicou-se a olhando nos olhos e Demi nada disse.

   - Continua. – Disse ainda distante se lembrando de que todos os seus bons momentos com Dianna não passaram de uma farsa.

   - Quando estava com você ele era outra pessoa, ele tentou me convencer a ficar com ele e colocou o Joseph para limpar o banheiro masculino. – Selena assentiu quando Demi a olhou de cenho franzido. Joseph limpando banheiro? – Foram duas vezes, e na primeira ele passou mal. O Jake nos ameaçou e começou a pegar tanto no meu pé que eu pensei em pedir demissão. – Ela se sentia pior a cada segundo. Jake tinha conseguido manipulá-la tão bem. – Nós achamos que ele mandou matar o Jason. O sócio dele, o Marcus, estava tão nervoso no dia que o FBI voltou a empresa para colher mais provas.

   - Ele implantou uma câmera no meu escritório. – Murmurou a contragosto porque ela se sentia idiota e burra. – E eu encontrei fitas e CDs escondidos atrás dos livros da prateleira do escritório dele.

   - Você acha que ele mandou matar o Jason? – Perguntou ligando uma coisa na outra. A polícia estava atrás das fitas que continham a filmagem da pessoa que tinha assassinado Jason. E Jake tinha fitas escondidas.. Era um tanto suspeito.

   - Eu não sei mais o que pensar.. – Disse indiferente não com Selena, mas sim porque estava chateada com ela mesma. – Eles não estavam bem, a empresa do Jake estava falindo.. Algo do tipo.  – Murmurou sem conseguir parar de remoer o desgosto que sentia por Dianna.

Como Demi estava pensativa e parecia chateada, Selena resolveu que daria alguns minutos para que a amiga pudesse pelo menos começar a digerir parte daquela história. Ela sabia como Dianna era importante para Demi e como ela estava magoada por saber que a mãe não passava de uma farsa. Por minutos as duas apenas ficaram em silêncio fitando a vista da cidade e vez o céu estrelado. Cada uma pensava em uma coisa diferente, mas no fundo elas queriam mesmo era esquecer aquela história e continuar juntas se apoiando.

   - Dem, eu te perdoo. – Foi escutar aquelas palavras para que o alívio a preenchesse dos pés a cabeça. – Você me magoou muito quando acreditou nele, e quando eu mais precisei de você, você não estava lá para me apoiar. – Disse ao se lembrar da morte de Sophia e de toda a confusão de sentimentos que sofreu durante aquelas semanas. – Doeu muito. – Disse a olhando nos olhos e derramando algumas lágrimas. – Mas eu te perdoo e do meu jeito eu entendo, juro que me esforço para entender as suas decisões. – Demi assentiu e a abraçou com tanta força que por um pouco as duas caíram no chão.

   - Eu sinto muito, de verdade. – Ela não conseguiria soltar Selena nem que fosse preciso. – Eu fui tão idiota! Eu não mereço você. – Murmurou chorosa finalmente derramando todas as lagrimas que tentava evitar.

   - Não diga besteira. – Ainda a abraçando Selena limpou as lágrimas que Demi derramava e a beijou na testa em um gesto de carinho. – Eu entendo! Só me escuta mais, ok? Eu realmente sei quando você vai se meter em encrenca. – Era sempre daquele jeito. Selena conseguia farejar todas as confusões que Demi se metia, era como um instinto protetor de mãe. – Me desculpa por exagerar às vezes? É que eu me preocupo tanto com você, não quero que nada e nem ninguém te machuque, você é como uma irmãzinha mais nova tagarela, implicante, chata e pirracenta que eu tenho que proteger a todo custo. – Demi assentiu esboçando aquele sorriso lindo em meio as lágrimas, aninhou-se aos braços de Selena se sentindo segura e amada.

   - Por favor, diga que você vai dormir comigo essa noite?! Eu sinto a sua falta. – Quando Selena assentiu um sorriso surgiu de orelha a orelha nos lábios de Demi. Às vezes era bom quebrar a cara. Ela sempre tinha procurado mais carinho em pessoas como Dianna e em estranhos que surgiam do nada quando tudo que ela precisava estava ali: tinha Selena, Joseph e Ed. Eles se importavam com ela e ela com eles. Não era uma família de sangue, mas era muito especial e real.


Continua... Oiii! E aí? Gostaram do capítulo? Eu tentei escrever o amasso jemi da melhor forma.. mas acho que tô bem enferrujada para escrever esse tipo de cena hahaha Teve Semi também! Vocês gostaram? O que acham que a Demi vai fazer com a Dianna e o Jake? Espero que vocês tenham gostado, tentei escrever o mais rápido possível! Obrigada pelos comentários, ainda vou respondê-los, é que estou postando celular. Beeeijos e até mais!

6 comentários:

  1. Mais perfeito não existe!!! Capítulo foi maravilhoso e simplesmente perfeito, estou até emocionada kkk
    Amei os amassos jemi, tão delicados, tão fofinhos e meigos awnn
    E sobre Semi foi LINDO, eu estava ansiosa para ter uma reconciliação delas. Muito apaixonada por esse capítulo, sério... Quero mais capítulos haha. Em relação ao jake e a dianna, acho que a Demi vai da corda pra eles serem enforcados... Cara, isso vai da uma treta daquelas... Bjos e até breve

    ResponderExcluir
  2. Amei os amassos kkk queremos continuação dessa pregação aí hein, uma pena que a Selena tenha interrompido kkk mas fiquei feliz pela volta de semi e espero que o Ed não fique tão indiferente com a Demi :( acho que a Demi podia fingir para investigar a mãe daí ela podia ligar os pontos com o Jake para ela provar que ela não é tão boba quanto pensam, seria legal. Adorei o cap bjs :*

    ResponderExcluir
  3. SOCORRO!!!!!! AMEI ESSE CAPÍTULO!!!!
    Finalmente eles deram uns amassos e finalmente a Selena contou tudo pra Demi. Quero ver o que a Demi vai fazer, se vai agir agora ou se vai ficar de butuca reunindo provas. Joe é muito fofooo, morro de amores por esse casal. Continua!!!!

    ResponderExcluir
  4. ADOREI ESSE CAP MEU DEUS. N posso escrever mt mas é isso aí, finalmente a Demi descobriu da mãe dela

    ResponderExcluir
  5. Posta logo!!!! Preciso saber o que a Demi vai fazer!!!!!!!

    ResponderExcluir
  6. MANA EU JA TÔ TENDO UMA CONVULSÃO DE ANSIEDADE PARA VER O RESTO DA HISTORIA.. POR FAVOR POSTA LOGOOO

    ResponderExcluir