15.12.16

Capítulo 29


   - Sabe o que é um alívio? – Perguntou Selena pouco ofegante e Demi que ofegava mais que o normal quando corria e se esforçava para estar no mesmo pique que Sel negou. – É correr no Central Park sem que você flerte com a maioria dos homens solteiros. – Demi revirou os olhos com bastante vontade, o que fez Selena gargalhar.

   - Eu já te disse que você é chata hoje? – Ironizou fingindo estar emburrada e Sel negou parando de correr para abraçá-la de lado. Era uma final de tarde, o sol se punha no horizonte e o céu estava simplesmente fantástico em meio às nuvens que pareciam flocos de algodão com tons de laranja, cor de rosa e o azul claro começava ficar escuro. Tinha sido mais um dia normal da semana, um dia cansativo e estressante no trabalho. Porém tudo parecia uma vaga lembrança já que Demi estava feliz por estar com Selena correndo no Central Park como elas sempre faziam.

   - Dem, eu estou ficando cansada. – Disse Selena depois de um belo gole da água da garrafinha. Não tinha muito tempo que estavam correndo, pouco mais de quarenta minutos.

   - Eu também. – Resmungou Demi sentindo a batata das pernas exausta. – A gente deveria ter feito os alongamentos. – Comentou assim que elas encontraram um banquinho livre já que o parque estava cheio de pessoas caminhando, casais, amigos e alguns solitários que preferiam observar o movimento.

   - Estou tão atarefada que acabei me esquecendo. – Disse antes de tomar mais um pouco de água e então encheu os pulmões de ar e deitou a cabeça no ombro de Demi.

   - Me sinto culpada por ter pedido ajuda com o meu projeto. – Selena sorriu flagrando o biquinho de Demi. Elas estavam simplesmente manhosas e mais carinhosas uma em relação à outra.

   - Está tudo bem, Dem. – Disse voltando a deitar a cabeça no ombro de Demi. – Eu adoro ajudar você, os seus projetos são incríveis e eu fico feliz em ajudar em um detalhe ou outro, até porque não é nada perto de todo o trabalho que você faz. Sério, está ficando incrível, você é a melhor Designer que eu conheço. – Demi sorriu de orelha a orelha e enlaçou os dedos aos dela.

   - Eu amo muito você princesa. – Por algum tempo as duas apenas descansaram em silêncio e observando o movimento no parque. – Vamos? Está ficando tarde e eu tenho que me arrumar, convidei o Joe para jantar comigo. – Selena assentiu sorrindo. Estava adorando o mais novo relacionamento de Demi com Joe, os dois eram tão perfeitos um para o outro. Selena torcia para que os dois ficassem juntos desde que Demi conheceu Joe daquela forma trágica e assustadora.

   - Como estão as coisas com ele? – Perguntou enquanto elas caminhavam em direção ao apartamento de Demi que ficava a pouquíssimas quadras dali.

   - Ontem nós discutimos, ele estava com ciúme do Jake e eu da Mary. – Murmurou fazendo careta e Selena arqueou as sobrancelhas a olhando.

   - Ele é ciumento? – Perguntou enlaçando os dedos aos de Demi para que elas pudessem atravessar a rua. Já estava escurecendo e o movimento de carros e pessoas na rua era absurdo. Morar em Nova York não era nada fácil e exigia muita paciência.

   - Bem, ele não gosta do Jake e ficou todo corado de raiva. Foi muito fofo. – Demi riu se lembrando da cena. Joe era simplesmente o cara mais doce que ela já tinha conhecido.

   - Não tem como gostar dele. – Disse Selena e Demi assentiu. – E por que diabos você estava com ciúme da Mary? Eu gosto dela, ela é tão fofa quanto o Joe. – Maldita hora para dizer aquelas palavras. Demi negou balançando a cabeça e lançou a Selena um olhar matador.

   - Ela está de olho no meu Joe! – Disse como se fosse o maior absurdo do mundo e Selena soube que se ela falasse mais alguma coisa sobre Mary, bem, Demi ficaria brava com ela e cheia de ciúmes. – E você é minha amiga ou dela? Sinto muito Selena, mas você tem que escolher um lado. – Ora, ela realmente ficaria emburrada?

   - É sério? – Disse Selena revirando os olhos e Demi cerrou os dela. – Está bem! Não faz essa cara. – Disse não gostando nada do olhar ameaçador de Demi. Ela era realmente intimidante quando ficava com ciúme. – Eu sou sua amiga, ok? Mas isso não me impede de gostar dela. – Demi fez careta e revirou os olhos. Será que só ela conseguia enxergar que Mary era estranha e tinha um único objetivo com aquela repentina aproximação: Joe.

   - Vamos trocar de assunto. – Murmurou. Era melhor, pois brigar com Selena estava completamente fora de cogitação. – Amanhã é o aniversário do Joe. – Disse apressando o passo já que estava ansiosa para estar nos braços de Joe.

   - Você já sabe o que fará para ele? – Demi corou quando olhou para Selena e não deixou de notar a malicia no olhar dela. Aquela era uma questão complicada mesmo para ela que tinha certa experiência no assunto..

   - Eu não sei, estou um pouco nervosa. – Murmurou preferindo fitar os prédios a ter que olhar para Selena.

   - Você podia convidá-lo para jantar no seu apartamento. – Sugeriu Selena e Demi esboçou um sorriso sem graça e completamente envergonhada.

   - O ponto é. – Começou a dizer quando Sel enlaçou o braço ao dela. – Eu nunca estive nessa situação, entende? – Selena assentiu e Demi umedeceu os lábios pensando no que poderia dizer. – Ele é tão inocente Sel, e eu acho que a timidez dele é contagiante. – Sim, era! Prova disso era que ultimamente ela corava. – Eu quero fazer muitas coisas com ele, mas eu não sei. Tenho medo de assustá-lo ou passar má impressão.

   - Uma mulher jamais deve se envergonhar dos seus desejos, ok? – Disse Selena a repreendendo e Demi assentiu. – E o Joe gosta de você, aposto que ele quer isso tanto quanto você. – Era uma situação nova e Demi realmente não sabia como agir, em todos os relacionamentos que tivera os seus parceiros eram experientes. – O clima nunca esquentou? – Arriscou Selena a perguntar e Demi assentiu se lembrando de quando Joe ficou excitado e não queria soltá-la de jeito nenhum quando eles estavam no apartamento dele.

   - Bem, ele ficou excitado e vermelho de vergonha. – Comentou timidamente sem deixar de sorrir ao se lembrar da cena. – Foi sexy e fofo. – Selena riu da careta de Demi, mas arqueou as sobrancelhas quando ela a olhou de olhos cerrados. – E você simplesmente acabou com todo o clima quando me ligou.

   - Você estava atrasada oras! – Defendeu-se Selena. – Se eu soubesse o que você estava fazendo eu realmente não ligaria. – Demi revirou os olhos para pirraçá-la, mas acabou sorrindo mostrando que era apenas uma brincadeira.

   - Ontem você também ligou! E as coisas estavam esquentando entre a gente. – Murmurou ao se lembrar do dia passado e de como tinha sido bom trocar beijos e carinhos com Joe na reprografia.

   - Desculpa se eu estava sendo assediada e precisava urgentemente que você me salvasse daquele tarado nojento do seu ex-namorado, ex-ficante ou sei lá. – As duas reviraram os olhos. Jake era um saco e um grande estraga prazeres. Demi se perguntava como ela tinha acreditado nele por tanto tempo.

   - Não vamos estragar o clima, ok? – Disse aliviada por finalmente ter chegado ao prédio em que morava. – Eu me sinto tão virgem quanto o Joe. – Disse baixinho para Selena que gargalhou atraindo alguns olhares quando elas adentraram o prédio. – Boa noite. – Cumprimentou o porteiro e o segurança. – Selena! A gente está passando vergonha e a culpa é toda sua. – Disse naquele mesmo tom baixo e Selena riu assentindo.

   - Dem, você está longe de ser virgem. – Disse Selena depois de controlar o riso. – Muito longe. – Demi a olhou feio enquanto pressionava o botão do elevador. – Estou brincando. – A situação era grave. Selena conhecia aquele olhar preocupado de Demi e o odiava. – Vai ficar tudo bem, você saberá como guiá-lo e vai ser especial, só não fique pensando muito nisso. Deixa rolar, entende? Não o pressione e não permita que ele fique nervoso ou tímido, aliás, vocês se gostam, não é? Não tem como dar errado. – Demi assentiu pensativa e adentrou ao elevador quando as portas metálicas se abriram. Ela gostava de Joe e esperava que Selena estivesse certa.

***


   - O pedido está errado, o meu amigo é diabético. – Ed esboçou o seu melhor sorriso para a atendente que assentiu e voltou com o enorme copo com o Milk Shake para trocá-lo por um que Joe pudesse ingerir.

Não era como se ele nunca tinha estado no meio de uma multidão, jamais, porém aquela aglomeração de pessoas era apavorante. A área de alimentação do shopping estava lotada! Eram pessoas sentadas às mesas, pessoas trabalhando, pessoas andando. Era uma mistura de conversas com as músicas que vinham das lojas e do pequeno palco montado onde um homem tocava violão e uma mulher elegante cantava. Estar no shopping era.. Bem, Joe se sentia intimidado com os tantos olhares que recebia das mulheres adultas e das adolescentes. Estava um pouco deslocado e se sentia como um verdadeiro peão do interior do Texas na cidade grande. Era bom se lembrar de suas origens, ele nunca seria dinâmico como Ed ou simpático como Demi.

   - Joe, relaxa. – Pediu Ed dando um tapinha no braço do amigo que franziu o cenho. – Tenta se divertir, ok? – Joe assentiu e observou Ed agradecer e trocar breves palavras com a atendente que trouxe o Milk Shake e se desculpou pelo pedido errado. – Tudo bem, você é tímido, mas cara, você tem que aprender a controlar isso, só vai te atrapalhar. – Ele não disse nada porque estava com vergonha. Mais cedo quando eles estavam na loja masculina ele tinha gaguejado e derrubado uma pilha de camisas só porque a atendente o deixava nervoso.

   - Elas me intimidam. – Disse se referindo a todas aquelas mulheres que sempre lançavam aqueles olhares estranhos a ele e se comportavam de forma diferente. – E como se elas quisessem me devorar. – Murmurou e Ed riu. Bem, não era para menos. Ele era um homem grande, forte, moreno e que tinha um belíssimo par de olhos verdes.

   - Você é quente. – Disse Ed sorrindo divertido ao se lembrar de como as mulheres ficavam afetadas com a presença de Joe. – As mulheres não resistem a um peão. – Joe fez careta e estava levemente corado. Por que será que todos aqueles assuntos o deixava tão envergonhado?

   - Eu estou com a Dem. – Disse. Ele estava com tanta saudade dela e queria tanto beijá-la. – Nós podemos ir? Eu ainda não sei o que vou vestir para encontrá-la. – Ultimamente ele estava sendo tão cuidadoso com as roupas que vestia, era complicado combiná-las, mas ele estava tendo todo o cuidado de pesquisar na internet e observar como os outros homens se vestiam.

   - Joe, relaxa, ok? Nós ainda precisamos dar um jeito no seu cabelo. – Ele estava cansado e pensava em como perguntaria “coisas” para Ed sobre as mulheres.

   - O que tem de errado com o meu cabelo? – Perguntou de cenho franzido. Ele gostava de seus fios escuros lisos e grossos penteados de lado. Aquele corte era ideal para todas as situações e Joe não conseguia se imaginar sem o seu cabelo arrumadinho de menino comportado.

   - Está grande e é muito arrumadinho, precisa de mais movimento. – Mais movimento. Ele não queria ter aqueles modelos esquisitos de cabelo. Curto demais em um lado e grande demais em outro. Porém Joe topou cortar um pouquinho do cabelo e quem sabe penteá-lo de um jeito diferente.

   - Não está muito grande. – Reclamou sem conseguir esconder o mau humor e Ed revirou os olhos finalmente se levantando para que eles pudessem procurar por um cabeleireiro dentro daquele shopping. – Ontem nós discutimos. – Disse para Ed quebrando o silêncio entre eles. Ele queria conversar e pedir conselhos, não ir ao cabeleireiro ou aquelas lojas chiques onde as atendentes eram intimidantes. – O Jake a beijou, ela não terminou com ele. – Murmurou e Ed tinha a boca numa linha não aprovando a situação.

   - Você não pode deixá-la te machucar. – Disse e Joe assentiu pensativo.

   - Ela disse que é complicado, e que ela não poderia terminar o que eles tinham na empresa. – Disse ao se lembrar das palavras de Demi. – E ela está disposta a fingir que não sabe sobre a mãe e aquele canalha.

   - Ela realmente precisa conversar com ele num lugar que não é a Gyllenhaal. – Ed sabia como Demi era profissional e como seria complicado para ela terminar com Jake. – O Jake não vai facilitar as coisas, ele não joga limpo e você tem que estar preparado para lutar pela Demi. Não será nada interessante quando ela terminar com ele e assumir um compromisso com você. As pessoas falavam Joe. – Será que ele aguentaria tanta pressão? Era Jake Gyllenhaal, o dono de uma empresa multimilionária enquanto ele era apenas um analista de redes recém-chegado do Texas que não tinha nada além de um apartamento alugado e uma cachorrinha comilona.

   - Eu vou lutar por ela. – Ele disse firme e forte daquela decisão. Demi tinha o conquistado e ele não a deixaria partir, principalmente para os braços de Jake. – Ela estava com ciúme da Mary. – Disse sem conseguir esconder o sorriso. Demi era intimidante quando estava brava, porém também ficava fofa e ele tinha vontade de beijá-la.

   - O que você disse a ela? – Perguntou Ed também sorrindo e Joe contou a Ed toda a história do beijo que Mary tinha lhe dado e que Demi tinha visto tudo.

   - Ela ficou muito brava. – Concluiu de cenho franzido e Ed riu. Ele sabia como Demi era ciumenta. – E depois ela começou a perguntar tantas coisas. Tipo, qual era o dia do meu aniversário, a minha cor favorita, essas coisas.

   - A Demi é ciumenta, pelo menos com a Selena. Elas têm uma amizade intensa e uma morre de ciúmes da outra, essas coisas de mulheres. – Elas eram tão grudadas uma na outra, era uma amizade bonita e encantadora. – Então se ela tem ciúme da Sel, ela realmente vai ficar maluca caso outra mulher se aproxime de você. É melhor evitar isso, converse o básico com as mulheres e não as olhe. Você não vai querer enfrentar a fúria de uma namorada ciumenta, vai por mim. – Estava ficando interessante aquela conversa e Joe se sentia cada vez mais ansioso para que Ed falasse mais sobre as mulheres. – E a Demi é mais tagarela que a Selena, ela adora perguntar e falar sem parar. O legal é que ela gosta de coisas legais e sabe conversar sobre tudo. – Joe sorriu assentindo. Ele gostava muito de quando Demi se empolgava com os desenhos animados e as revistas em quadrinhos que eles liam. E ela ficava tão linda e fofa jogando videogame que ele chegou a suspirar só de lembrar. – É normal ela querer saber a data do seu aniversário, a sua cor favorita, a sua comida favorita. – Joe assentiu depois de pensar naquela questão. Era realmente importante para iniciar um relacionamento. Aquele tipo de detalhe o ajudaria a aguardá-la e vice-versa.

   - Eu preciso te perguntar algumas coisas. – Disse envergonhado, porém eles finalmente chegaram ao cabeleireiro.

   - Nós já conversamos. – Joe assentiu e tentou ser o mais simpático possível com o pessoal do salão de beleza. Ed tinha razão quando disse que a timidez só o prejudicaria. Ora, a adolescência era a prova mais viva daquele fato. Ele era tímido ao ponto de não conseguir fazer amizade e sequer tinha conseguido ficar perto de uma garota sem gaguejar ou ficar todo atrapalhado.

Ele tentou se enturmar com os outros rapazes conversando sobre a posição dos times da liga Europa e sobre tecnologia. Não tinha sido ruim e não tinha arrancado nenhum pedaço. Porém o coração ainda acelerava um pouco e vez ou outra ele ficava tímido, mas Ed sempre dava um jeitinho de encaixá-lo a conversa enquanto eles cortavam o cabelo e faziam a barba.

   - Você não tem costume de usar barba? – Ed perguntou assim que eles saíram do salão.

   - Eu sempre tentei me livrar da minha barba, quando eu era mais novo o pessoal da escola me zoava por ser o primeiro rapaz da classe a ter um bigode.

   - Que bobeira. – Murmurou Ed e Joe assentiu. Adolescentes eram complicadíssimos! Ainda mais quando estavam em grupo.

   - Estou tentando me adaptar. – Ele disse de forma geral e Ed assentiu. – E a Demi gosta. – Aquele era um bom motivo para ele continuar a cuidar da barba e da aparência.

   - O que você queria perguntar antes de entrarmos no salão? – Ed perguntou o olhando e Joe corou desviando o olhar.

   - Se eu comprar chocolate para a Dem ela vai gostar? – Perguntou um tanto sem jeito e Ed deu de ombros.

   - Elas adoram chocolate. – Foi tudo que ele disse e Joe adentrou o Walmart assim que viu a placa da loja. – Você não pode comer chocolate? – Ed perguntou enquanto eles caminhavam para a seção de guloseimas da loja.

   - Chocolate escuro e amargo com pelo menos sessenta por cento de cacau. – Disse concentrado em procurar por algum chocolate que agradaria Demi.

   - Leve um que vocês possam comer juntos. – Sugeriu Ed e Joe procurou pelos chocolates amargos.

   - Não é todo mundo que gosta de chocolate amargo. – Comentou pensando na possibilidade de Demi não gostar daquele chocolate.

   - Então leve um amargo e um branco ao leite. Ela não terá saída. – A ideia era boa e Joe assentiu escolhendo por um chocolate amargo que não o prejudicaria e escolheu o chocolate branco ao leite como Ed tinha sugerido.

   - Ela é alérgica à pelúcia? – Ele perguntou assim que caminhou um pouco mais pela loja e encontrou uma variedade de bichinhos de pelúcia que tinha certeza que Demi adoraria.

   - Eu não sei. – Murmurou Ed e Joe começou a procurar por algum bichinho antialérgico. – Por que você não leva esse? É bonitinho. – Joe negou balançando a cabeça e sorriu ao encontrar o que realmente agradaria a Demi. – Isso é um gato? – Perguntou Ed de cenho franzido e Joe revirou os olhos.

   - Acho que é uma gatinha, ela vai gostar. – As cores preferidas de Demi estavam lá em alguns detalhes e os olhos marrons daquela gatinha eram semelhantes ao dela.

   - Tudo bem. – Ed riu da careta de Joe. Ele não conseguia esconder que estava completamente apaixonado por Demi. – Eu vou buscar chocolate para Sel e para as crianças, a gente se encontra na fila, ok? – Joe assentiu e caminhou sem muita pressa para a fila de um dos caixas. Enquanto esperava ser atendido ele aproveitava para ler os títulos das revistas e olhava para os produtos disponíveis nas prateleiras próximas dos caixas até que finalmente foi chamado.

   - Você demorou. – Disse a Ed ao caixa ao lado.

   - Senhor? – A moça o chamou e Joe procurou pela carteira no bolso da calça, e bem, ele corou bruscamente quando Ed pegou três camisinhas e as incluiu junto ao chocolate e o gatinho de pelúcia.

   - Desculpe. – Murmurou se atrapalhando com as notas. Sorte era que a moça do caixa era simpática e não riu junto com Ed de como Joe estava vermelho e envergonhado.

   - Você está vermelho porque comprou preservativos, imagina quando for usá-lo? – Joe corou um pouco mais, claro, se possível. Será que aquele assunto sempre seria embaraçoso para ele? E se Ed tivesse razão? E se ele corasse quando fosse..? Do jeito que ele ficava nervoso e todo atrapalhado era melhor desconsiderar aquela ideia. – Eu estou brincando Joe. – Disse Ed para acalmá-lo e Joe assentiu observando a vitrine das lojas conforme eles caminhavam pelos corredores do shopping. – Você está bem? – Ed perguntou com receio de que a brincadeira não fosse bem vista por Joe.

   - Acho que eu preciso conversar sobre isso. – Ele murmurou se sentindo um extraterrestre por ter que recorrer a Ed quando o assunto era aquele. Como fazia falta ter um pai para orientá-lo e tirar todas as dúvidas que o assombrava.

   - Nós somos amigos e você pode me perguntar o que quiser, ok? – Um pouco relutante Joe assentiu. Era tão vergonhoso! Ele completaria vinte e três anos no dia seguinte e não sabia como aquilo funcionava! Ele tinha beijado a primeira mulher não tinha sequer um mês! Durante todo o caminho até o carro Joe preferiu ficar em silêncio pensando no que ele poderia perguntar para Ed, mas eram tantas coisas que ele ficava assustado e não sabia por onde começar. – Relaxa! – Ed sorriu tentando descontrair o clima dentro do carro, porém Joe continuava tenso e corado. – Só vou te deixar em casa depois de termos essa conversa. – Ele continuou calado e Ed encostou o carro num lugar onde eles poderiam conversar tranquilos. – Você não precisa ter vergonha, ninguém vai ou tem o direito de te julgar.

   - Eu quero isso. – Ele disse pela primeira vez em alto e bom som. – Eu só.. – Será que era tão complexo quanto parecia? Joe não conseguia pensar em nada porque o nervoso não deixava. Era frustrante. – Eu tenho medo de ser um desastre. – Disse finalmente encontrando as palavras corretas para definir o que temia. – Eu nunca estive com uma mulher dessa forma, tenho medo de fazer tudo errado e ela rir de mim.

   - Vamos com calma. – Ed estalou os dedos e desceu um pouco do vidro da janela do carro. – Ela não vai rir de você. – Ele disse tendo a certeza que Demi seria paciente e carinhosa com Joe. – Quando vocês estiverem prontos para dar esse passo, um vai guiar o outro. Ninguém é perfeito quando se trata desse assunto, não existe necessariamente um padrão a ser seguido. Tudo bem, ela pode ser mais experiente e num momento ou em outro você precisará da ajuda dela, mas será especial, entende? Você só precisa esquecer essa timidez e dar muito carinho a ela. Não é esse monstro de sete cabeças que se regeneram que você está imaginando. – Joe assentiu um pouco mais aliviado. Ele estava pensando em tantas coisas que não tinham nada a ver e tinha se esquecido do detalhe mais importante: ele precisava ser transparente quando estivesse com ela. Teria que se entregar de corpo e alma.

   - Eu vou tentar relaxar. – Disse respirando fundo, mas ainda não olhava para Ed. – Mas o que eu devo fazer? Quando a gente se beija eu gosto de abraçá-la. – Ele estava vermelho porque além de abraçar Demi, ele também fantasiava em apertá-la no bumbum.

   - Bem.. – Ed sorriu se lembrando de Selena. – Em primeiro lugar: Você só pode fazer o que ela gosta, nunca force a barra. – Disse e Joe assentiu. Ele jamais faria nada contra a vontade de Demi e sabia que ela também não faria nada contra a vontade dele. – O contato visual é muito importante, você saberá se ela está gostando ou não. Particularmente é minha parte favorita, não tem nada melhor no mundo do que olhar nos olhos da mulher que você ama e sentir que ela também te ama. – Joe assentiu. Ele entendia o que Ed queria dizer, pois sempre que beijava Demi e a olhava nos olhos o peito quase saia pela boca. O olhar dela era especial e apaixonado. – Você pode tocá-la e beijá-la em todos os lugares que ela permitir. – Os dois acabaram rindo quando Joe arriscou olhar para Ed. – Lembre-se, não é uma regra ter uma sequência para as coisas acontecerem. Siga os seus instintos e se você tiver alguma duvida pergunte, se você quiser elogiá-la, elogie. O importante é que vocês façam isso acontecer juntos, como eu disse mais cedo: um guiando o outro. – Ele finalmente não se sentia tenso e prestes a explodir. Sabia que seria fantástico só porque seria com ela.

   - Eu vou tentar me lembrar disso tudo. – Disse quando Ed deu partida no carro.

   - Cara, você não tem que seguir tudo que te falei. É apenas uma ideia, certo? – Comentou Ed o olhando brevemente. – Quando se trata de sexo, existem milhares e milhares de opções. Você só tem que deixar acontecer no ritmo de vocês, nada de seguir passos, será chato e os dois vão acabar frustrados. – Era o que ele precisava fazer no geral: ser ele mesmo sem ter vergonha de quem ele era.

   - Eu estou ansioso para encontrá-la. – Ele disse sem deixar de sorrir ao pensar em Demi. – Obrigado por me ajudar. – Agradeceu e Ed assentiu sorrindo. Crescer apenas com os conselhos da avó e orientações básicas da escola às vezes ajudava muito em algumas situações, mas em outras ele se sentia uma criança perdida.

   - Amigos são para isso! – Ed disse e os dois sorriram. – E não se esqueça do detalhe mais importante, você terá que se prevenir. E não me pergunte como faz isso, você tem os preservativos e a Demi vai te ajudar ou você pode pesquisar na internet. – Joe assentiu um tanto corado e Ed riu com muito gosto. Era engraçado vê-lo corar. – Joe, relaxa! – Pediu ainda rindo e Joe tornou a assentir levemente corado. – Amanhã é o seu aniversário, seria bom se vocês pudessem passar a noite juntos.

   - Talvez seja cedo para isso acontecer entre a gente, não tem uma semana que nós estamos realmente juntos. – Ele iria pensar a respeito e se Demi topasse eles jantariam juntos e se fosse para acontecer, aconteceria.

   - Vou te ajudar a se arrumar, camisas xadrez são legais, mas você não precisa vesti-las sempre. – E os próximos minutos foram divertidos e constrangedores para Joe, mas uma coisa era certa: Ed era o melhor amigo que um cara poderia ter.


***

    - Nada de ficar vermelho! – A cada conselho de Ed, Joe assentia prontamente. Ele tinha demorado um pouco para conseguir uma roupa que o agradasse, porém estava bem arrumado. Vestia camisa branca de botões, e como Ed tinha recomendado, ele encolheu as mangas um pouco abaixo dos cotovelos. A calça de brim era preta e os tênis eram brancos. No punho esquerdo o relógio de prata que tinha herdado do pai brilhava. O cabelo antes comportado estava um pouco arrepiado e os óculos eram a marca registrada dele. – As mulheres podem achar fofo, mas é broxante. – Joe tornou a assentir, mas franziu o cenho. Ele não ficava vermelho de vergonha por opção. – Se acontecer não se esqueça do preservativo. – Ele balançou a cabeça se lembrando de que os preservativos estavam na carteira no bolso direito na calça. – Vocês podem namorar, conversar, rir. Vai ser divertido e vocês se gostam, não precisa ficar nervoso, aproveita o seu tempo com ela..

   - Joseph? – As bochechas de Joe coraram e Ed o repreendeu com o olhar. Era apenas Selena, mas era o suficiente para que ele ficasse todo envergonhado e sem jeito. – Você fez um bom trabalho. – Sel deu um selinho nos lábios de Ed e cumprimentou Joe com um abraço que ele definitivamente não esperava.

   - A Demi está o esperando? – Ed perguntou a Selena sem deixar de observar como Joe estava tão sem jeito que para disfarçar brincava com a embalagem do ursinho de pelúcia que presentearia a futura namorada.

   - Ela está tão nervosa quanto ele. – Disse Selena apenas para que Ed ouvisse e os dois sorriram.

   - Joe, relaxa, eu já estou indo. – Joe o olhou, mas assentiu. Era inevitável, ele estava ansioso para estar com Demi, mas estava nervoso. – Relaxa! – Ed acabou rindo quando eles trocaram um abraço e um aperto de mão. Era só um garoto apaixonado, mas ele tinha certeza que tudo ficaria bem.

   - Você está lindo, e a Demi também está ansiosa. – Selena sabia que Demi a mataria caso ela ouvisse aquela frase, mas era apenas uma tentativa de melhorar as coisas para Joe. – Tenha uma boa noite e cuida da minha menina. – Joe sustentou o olhar sério de Selena e observou o casal de amigos caminhar em direção ao carro de Ed de mão dadas. Eles acenaram antes de partirem e então ele estava sozinho. Uau. Por alguns segundos Joe respirou fundo fitando o céu estrelado daquela noite, as suas três estrelas favoritas brilhavam intensamente e ele sorriu. Tudo daria certo, era apenas Demi. Precisou de mais alguns segundos, respirou fundo e finalmente adentrou ao prédio cumprimentando o porteiro que o informou que a Srta. Lovato já o esperava. Será que tudo estava nos conformes? O cabelo não estava bagunçado ou alguma coisa estava errada? Antes mesmo que Joe pudesse pensar as portas do elevador se abriram no andar onde Demi morava. Ele finalmente tinha chegado e o frio na barriga estava o consumindo a cada segundo! Relaxa! Disse a si mesmo se lembrando de tudo que Ed tinha dito. Ele não deveria ficar nervoso porque não havia motivo, era apenas Demi, a mulher que ele estava completamente apaixonado.

A mistura do nervosismo e da ansiedade o guiou até a porta do apartamento dela. Joe pensou em correr de volta para o elevador e ir para casa, mas também pensou que queria muito que aquela noite acontecesse. Ele queria ver o sorriso de Demi e ouvir a risada dela, queria escutar a linda voz feminina contando sobre aquele dia e sobre milhares de coisas. Ele queria olhar nos olhos dela antes de beijá-la e queria abraçá-la com muito carinho. Foi pensando em tudo que ele queria que Joe bateu à porta e esperou ansiosamente até que ela fosse apertada pouquíssimos segundos depois.

   - Joseph. – Quem tinha o sorriso mais largo e feliz? Bem, era um mistério. A felicidade dos dois era visível. Os olhos brilharam e eles não sabiam o que dizer por que o sorriso não deixava. O nervoso de Joe pareceu nunca existir e a ansiedade de Demi evaporou! Os passos que ele deu para dentro do apartamento foram imperceptíveis assim como quando Demi fechou a porta. Apenas se olhavam e desejavam estar juntos.

   - Eu.. Eu.. Trouxe para você. – Ele estava surpreso e feliz por não ter soado inseguro apesar de ter gaguejado.

  - Obrigada! – Demi sorriu de orelha a orelha fitando o gatinho de pelúcia. Era um presente fofo, só não era mais fofo que aquele homem lindo que estava a sua frente. Ela não resistiu, abraçou-o com força o beijando no peito e olhou para cima. Os saltos que usava lhe acrescentavam bons centímetros, mas não era o suficiente para poder beijá-lo na boca sem ter que se esticar um pouquinho. – Amor! – Ela sorriu sentindo o carinho que ele fazia em sua bochecha esquerda, fechou os olhos quando ele a rodeou com o braço esquerdo e finalmente selou os lábios aos dela sem pressa. Era um beijo calmo que aos poucos ficava cada vez mais intenso até que precisaram interrompê-lo por falta de ar.

   - Você está linda. – Ele disse nos lábios dela e ela o beijou com carinho. – Está muito linda. – Tornou a elogiar arrumando uma mechinha do cabelo castanho que estava fora do lugar atrás da orelha. O vestido acinturado era discretamente florido e batia um pouco acima dos joelhos. E bem, Joe gostou muito de ver as pernas dela nuas.

   - Você também. – Demi o beijou brevemente porque não se cansava dos lábios dele e o abraçou gostando de todo aquele contato. – Obrigada, é um gatinho muito fofo. – Ela disse abraçando o bichinho de pelúcia e Joe sorriu de como ela estava fofa.

   - Eu acho que é uma gatinha. – Ele comentou depois de beijá-la na testa e Demi examinou o presente.

   - É realmente uma gatinha. – Ela concordou fitando os detalhes cor de rosa e roxo. – Bem, eu vou dormir agarrada com ela pensando em você. – As bochechas dele coraram assim como as dela, mas ambos sorriram. – Nós vamos comer todo esse chocolate, o que você acha? – Ele não fazia ideia de como ela era compulsiva por chocolate! Céus! Selena iria matá-la caso descobrisse a quantidade de chocolate que Demi pretendia ingerir apenas naquela noite. – Você pode comer, certo? – Ela perguntou torcendo para que a resposta fosse positiva e Joe assentiu.

   - Não sou muito fã de chocolate, mas eu posso comer com você. – Ele deu de ombros quando ela o olhou com os olhos arregalados como se fosse o maior absurdo de todo o mundo.

   - Você não tem noção de como eu amo chocolate. – Demi sorriu imaginando como ficaria perfeita a mistura de Joe com chocolate. As bochechas chegaram a corar e ela teve que espantar aqueles pensamentos pecaminosos antes que fizesse uma besteira. – Eu vou levar a minha gatinha para o quarto, já volto. – Antes de partir Demi distribuiu beijinhos pelo rosto de Joe o fazendo sorrir de orelha a orelha. Agora sozinho ele se sentia um idiota por ter ficado tão nervoso que até tinha pensado em ir embora, era tão bom estar com Demi que o tempo parecia não passar, tudo que importava era apenas ele e ela. – Joe, fica à vontade! – Ela disse quando voltou do quarto e o encontrou ainda parado perto da porta. – Você já é de casa. – Demi colocou as barras de chocolate sobre o criado-mudo da sala e segurou as mãos de Joe.

   - Eu só estava pensando.. – Ele disse sorrindo ao vê-la olhá-lo. – Eu estava tão nervoso que pensei em desistir da nossa noite. – Demi arqueou as sobrancelhas e enlaçou o pescoço dele com os braços.

   - Eu também estava nervosa. – Confessou gostando de quando ele a abraçou contra o corpo e se curvou para que ela pudesse beijá-lo na boca. – Mas eu quero que isso aconteça e eu não vou deixar você fugir, quero muito que a gente dê certo. Muito. – Ela não sabia se estava se precipitando em dizer aquelas palavras, mas Joe não hesitou por nenhum momento, o verde dos olhos dele estava tão puro e intenso que Demi engoliu em seco sentindo o corpo ansiar para tê-lo.

   - Eu também Demi. – Ele disse firme fitando os olhos dela. – Por favor, tenha um pouco de paciência comigo, às vezes eu não sei o que fazer e eu não quero estragar as coisas entre a gen.. – Ela levou o dedo indicador aos lados dele e o beijou na bochecha direita.

   - Nós vamos fazer isso funcionar juntos. – Trocaram um abraço apertado e um beijo rápido, então Demi o olhou e sorriu. – E eu vou ser paciente. – Ela roubou um selinho e enlaçou os dedos aos dele. – Você está com fome? O nosso jantar está pronto. – Joe assentiu prontamente. O que Ed tinha dito não funcionava apenas para o sexo, um relacionamento não era como seguir uma receita de bolo. Joe só se deu conta do que o amigo queria lhe passar quando ele caminhou em direção à cozinha junto com Demi trocando abraços e beijos. Ora, ele tinha a abraçado por trás e a fez rir quando a beijou no pescoço! Alguns dias atrás ele não conseguia conversar com uma mulher sem gaguejar! Tudo que ele precisava fazer era acabar com aquela vergonha e ser espontâneo. – Nós temos salmão com aspargos, wrap integral de frango e queijo, brócolis com creme de queijo e suco de laranja natural. – Joe sorriu a cada vez que Demi colocava um dos pratos sobre a mesa. Ela realmente se preocupava com a saúde dele. – Você pode comer todos esses alimentos, certo? Eu pesquisei na internet e a Sel me ajudou a cozinhar. – Ela disse se sentando à frente dele e Joe assentiu. Tudo parecia muito saboroso.

   - Está tudo perfeito Dem. – Deus! Como ela amava ouvir o apelido na voz dele! Demi sorriu de orelha a orelha sustentando o olhar dele, permitiu que os dedos fossem enlaçados e o olhou com muita paixão. – Obrigado por ter esse cuidado. – Ele disse por que não eram todos que respeitavam as condições dele, Clara e Demi pareciam ser realmente as únicas que se importavam.

   - Eu vou cuidar de você, não quero te ver numa cama de hospital. – Ela forçou um sorriso e o ajudou a servir. Demi não podia se lembrar de nenhum momento que tinha sido preocupante como o dia que Joe passou mal e ficou internado. Ela tinha ficado assustada e preocupada com ele. – Se estiver ruim foi a Sel que fez. – Os dois acabaram rindo e Joe fez sinal de positivo com a mão aprovando o salmão.

   - Você não é muito fã de brócolis, é? – Ele perguntou sorrindo ao flagrá-la franzir o cenho para o brócolis com creme de queijo.

   - Estou começando a me acostumar. – Disse se servindo justamente do alimento que eles comentavam. – É que geralmente eu como besteira, então essa coisa de brócolis e ter todos esses cuidados é novidade para mim. Tem um tempinho que eu e a Sel estamos tentando mudar o nosso cardápio e praticar exercícios físicos, e agora que eu estou pesquisando sobre diabetes e hipertensão fico assustada só de me lembrar da quantidade de besteiras que eu comi quando era adolescente. – Era realmente assustadora a quantidade de fast foods que Demi e Selena consumiam numa semana de aula. Não foi à toa que Mandy, a mãe de Sel, as ensinou a cozinhar.

   - Nós temos que cuidar da nossa saúde, gatinha. Você tem sorte que é saudável. – Demi assentiu finalmente experimentando o brócolis, não era ruim. Oh, aquela receita estava bem longe de ruim. – Parece ser horrível não poder comer sobremesas e pratos gordos, mas não existe nada pior que ter que passar a noite em um hospital. – Demi assentiu pensativa. Joe realmente tinha razão sobre aquela questão. Ter saúde era a maior riqueza que um ser humano deveria desejar e prezar. – Não é ruim comer alimentos saudáveis. O jantar está uma delícia. – Trocaram mais algumas palavras sobre aquele assunto até que ficaram em silêncio, não era nada desagradável ou constrangedor.

   - Como foi o seu dia? – Demi perguntou depois de um gole do suco de laranja.

   - Um pouco cansativo na empresa e o Ed me fez andar muito no shopping, mas foi divertido. – Demi riu da forma como Joe franziu o cenho como se repensasse se “divertido” era a palavra correta. – Agora que eu estou com você está sendo a melhor parte do meu dia. – O sorriso de orelha a orelha que ela esboçou o fez sorrir feliz e o coração disparou no peito. – E o seu dia? – Ele perguntou buscando os dedos dela sobre a mesa para enlaçados aos seus.

  - Normal. O mesmo projeto e a mesma correria da Gyllenhaal. – Ela disse um pouco desanimada brincando os dedos dele nos dela. – Mas eu estou muito feliz. Foi muito bom correr com a Sel e passar um tempinho com ela aqui em casa. – Ela tinha jurado que jamais afastaria Selena como tinha feito. Não tinha como ser feliz sem Sel. – Bem, e agora nós estamos juntos. A melhor parte do dia. – Os dois sorriram e trocaram olhares ansiosos pelo que estava por vir.

   - Vamos arrumar essa bagunça? – Joe umedeceu os lábios ao olhá-la. Ele estava ansioso para poder beijá-la e todas aquelas coisas. A princípio Demi estava um pouco relutante e sem jeito, mas acabou aceitando a ajuda de Joe já que só era preciso guardar as sobras do jantar e cuidar da pouca louça suja. E aqueles minutos que limpavam a bagunça do jantar passaram tão rápido e em completo silêncio.

   - Pensei que poderíamos escolher o filme juntos. – Ela disse sem olhá-lo. Tinham acabado de chegar à sala e podiam sentir o clima se fechar cada vez mais entre eles.

   - Acho que eu não tenho nada em mente. – Maldito comentário! As bochechas de Joe coraram e ele fitou os tênis que calçava como se fossem a coisa mais interessante do mundo. Ele deveria ser um pouco mais discreto.

   - Você tem alguma preferência? – Demi abriu o aplicativo da Netflix no computador que já estava conectado a tevê e esperou pacientemente que Joe dissesse alguma coisa, mas ele apenas negou balançando a cabeça ainda em pé onde ela tinha o deixado. Ele estava começando a deixá-la nervosa! Se ele travasse ela também travaria. – Você não tem nada contra romances, tem? – Ela perguntou o olhando e ela mesma acabou corando com a própria pergunta. – Não são todos os homens que gostam de filmes românticos. – Murmurou envergonhada.

   - Assisti poucos, mas tudo bem. – A voz de Ed soava nos pensamentos de Joe dizendo “Relaxa!” e foi o que ele tentou fazer, sentou-se ao sofá e respirou fundo algumas vezes sem olhar para Demi já que ela o deixava nervoso com toda aquela beleza encantadora.

   - Cidade dos anjos. Sempre ouvi falar desse filme, mas nunca assisti, dizem que é bom. – Comentou assim que colocou o filme. – Você quer pipoca? – Perguntou e ele negou. – Alguma coisa para comer? – Tornou a perguntar e Joe a negar. Ela também não estava interessada em pipoca, talvez no chocolate. Demi se certificou que as barras estavam ao seu alcance perto do sofá e se sentou ao lado de Joe depois de apagar as luzes. O coração quase saiu pela boca. Será que ela deveria deixar as luzes acesas?


   - Dem, desculpa, eu estou um pouco nervoso. – Era melhor dizer a ela. Custou muito para que Joe conseguisse dizer aquela frase, mas ele o fez porque sabia que era melhor que Demi soubesse a interpretá-lo mal.

   - Está tudo bem. – O alívio dissipou-se do corpo de Demi e ela enlaçou os dedos aos de Joe. – É normal, eu também estou um pouco nervosa. – Quando eles se olharam Demi tomou iniciativa e o beijou sem pressa. – Está tudo bem, ok? – Ela disse carinhosamente acariciando o rosto dele e Joe assentiu emocionado por ela ser compreensível com o nervoso desnecessário que ele sentia. – Espere um pouco. – Num pulo ela se levantou e pausou o filme, caminhou a passos largos em direção ao quarto para buscar a manta de microfibra já que estava ficando frio. – Tira os tênis. – Pediu e Joe assentiu começando a desamarrar os cadarços, logo ele calçava apenas as meias. – Deita no sofá. – A careta dele foi fofa, mas ele se deitou mesmo envergonhado. – Está frio. – Disse pegando as barras de chocolate e as colocou junto com o celular no tapete felpudo onde ela poderia alcançar sem dificuldade.

   - Pode colocar para mim? – Se era para ficar confortável ele ao mesmo tentaria. Joe entregou a chave do apartamento, a carteira e o celular para que Demi colocasse no cantinho do tapete felpudo e quando ela despausou o filme eles sorriram se olhando quando ela finalmente se deitou ficando mais para a borda do sofá e os cobriu.

   - Você pode me abraçar? – Oh sim! Ela era muito manhosa e suspirou quando Joe a abraçou aproveitando para depositar um beijinho no pescoço dela. – Como a Lucy está? – Ela perguntou sem conseguir ficar quieta por nem quinze minutos.

   - Está bem e muito comilona. – Demi riu se virando para olhá-lo sem se importar com o filme, ela preferia se perder naqueles olhos verdes intensos. – Ela está crescendo e não para quieta, acho que ela sente a sua falta. Às vezes ela fica deitada e suspirando como se fosse o filhote mais carente do mundo. – Demi sorriu imaginando a cena. Se pudesse ficaria com Lucy, mas não era permitido animal no prédio.

   - Eu vou visitá-la, e se der certo posso tentar trazê-la para ficar aqui comigo alguns dias? – Perguntou brincando com os botões da camisa dele e Joe assentiu. Ele nem mesmo estava mais focado na conversa.

   - É claro que pode. – O típico gesto que demonstrava nervosismo dessa vez tinha outro significado. Demi mordeu o lábio inferior, colocou uma mecha do cabelo atrás da orelha e acariciou a bochecha de Joe suavemente gostando de sentir os pelinhos mesmo que pequenos da barba pinicá-la. Ela tocou o lábio inferior dele com o polegar e o olhou nos olhos se surpreendendo com a forma intensa e desejosa que ele a olhava.

   - Os seus olhos são lindos. – Elogiou tirando os óculos de grau que ele usava para colocá-los de junto aos outros pertences. – Eu poderia me perder neles. – Eram tão verdes e intensos, bem desenhados e bonitos. Fechando os próprios olhos Demi entreabriu os lábios para receber os de Joe nos seus. Aos poucos o corpo dele se apossava sobre o dela e a sensação era eletrizante, um gemido baixinho escapou e quando terminaram o beijo se olharam.

   - Eu estou tão apaixonado por você. – O coração de Joe batia tão rápido que ele suspeitava que poderia rasgar o peito. A respiração estava falha, e se as mãos dele não estivem contra o sofá sustentando o peso do corpo elas tremeriam. – Meu coração está batendo tão rápido. – Ele disse deixando um suspiro escapar por conta dos dedos de Demi em um sua barba.

   - O meu também está. – Demi sorriu levando a mão ao peito esquerdo dele para sentir aqueles baques impressionantes. – Não precisamos ter pressa. – A ereção dele roçava a coxa esquerda feminina e Joe estava com tanta vergonha, pois Demi tinha esfregado a perna contra ele causando sensações explosivas. – Não precisa ficar nervoso amor. – Ela sussurrou contra o ouvido dele e o mordeu levemente no lóbulo da orelha. Ah! Ela não pode conter o sorriso quando ele gemeu conforme ela o beijava com carinho no pescoço e deslizava as mãos pelo peito largo e aquelas costas? Demi respirou fundo e engoliu em seco. A beleza daquele homem era uma covardia! Quase atingiu o ápice quando foi mais ousada e deslizou a mão pelo abdômen sentindo como ele era rígido e definido. As bochechas dela chegaram a corar e o calor se instalou com tanta força entre as pernas quando ela desceu um pouco mais a mão do abdômen para apertá-lo mesmo que sobre a calça. Se eles estavam trocando apenas carinhos imagina quando acontecesse? Demi se sentiu zonza só de pensar em tê-lo, seria tão intenso.

   - Dem.. – O gemido soou sexy e as bochechas de Joe estavam tão coradas quanto as dela, mas não era de vergonha, não mesmo. As sensações que percorriam o corpo dele eram novas e deliciosas. Ele não sabia lhe dar com aquilo, só conseguia pensar que explodiria em mais sensações se Demi o apartasse lá embaixo de novo. E ele queria tanto que ela fizesse! Se não fosse tímido guiaria a mão dela até e quem sabe a outra ele usaria para tocar o bumbum maravilhoso?

   - Joe.. – Ele a surpreendeu com um beijo quente e Demi aproveitou para inverter a posição que estava  para se sentar sobre onde tanto queria. Céus! Ela estava de vestido e o volume da calça roçou diretamente o sexo dela. – Meu Deus.. – Deixou escapar aquele múrmuro apoiando as duas mãos no peito de Joe e o olhando nos olhos ela se movimentou vagarosamente. Oh sim, ele ficou vermelho, mas não ousou em desviar os olhos dos dela repousando uma mão na coxa direita por baixo do vestido e a outra mão ele acariciou a bochecha de Demi quando ela se deitou sobre ele e o beijou toda manhosa e apaixonada.

Esperar estava valendo muito a pena. Não que Joe tinha tido chances quando era adolescente, mas quando cresceu e se transformou naquele homem de tirar o fôlego as mulheres começaram a notá-lo e ele poderia ter tido um bom número delas para se gabar como qualquer idiota faria. Vez suspirando e vez gemendo, Joe abraçou o corpo de Demi contra o dele e depositou um beijo carinhoso na testa dela. Ele estava tão feliz por tudo estar acontecendo com ela. O primeiro beijo, a primeira paixão e ele tinha certeza que ela seria a primeira e única mulher que ele iria amar e construir uma família.

   - Você pode me tocar se quiser. – Ela disse baixinho contra o ouvido dele levando a mão direita ao seio esquerdo dela. – Está tudo bem amor. – Os lábios dela foram selados carinhosamente no maxilar dele e Demi se ergueu um pouco para observá-lo conforme sentia as mãos aos poucos trabalharem em apertá-la suavemente nos seios. Ele era realmente inocente, até os olhares de Joe eram inocentes. Ela esboçou um pequeno sorriso o olhando. Ele estava tão concentrado e parecia gostar de acariciá-la. – Ei, você é fofo. – Disse o beijando na bochecha e Joe sorriu a olhando.

   - Não é frustrante? – Perguntou e Demi franziu o cenho, mas negou balançando a cabeça quando entendeu o que ele queria dizer.

   - É muito sexy. – Trocaram olhares e então se beijaram deixando que as mãos corressem livremente pelos corpos excitados. Ah! E quando as mãos dele apertaram o bumbum dela? Demi rompeu o beijo e deixou que um longo e baixo gemido escapasse por seus lábios ainda com a boca roçada a dele. Joe ainda poderia ser inocente, mas ele sabia como tocar uma mulher, ele o fazia com tanto gosto e firmeza que era impossível não se sentir em êxtase e desejada sobre aquele corpo atlético. – Às vezes isso acontecesse. – Demi o olhou nos olhos e sorriu quando Joe colocou a mecha do cabelo dela que os atrapalhava atrás da orelha. Ele também aproveitou para se deitar sobre o corpo dela, entre as pernas dela já que Demi o abrigou entre elas e enquanto eles se beijavam ela desabotoava os botões da camisa relevando a pele morena com uma leve camada de pelos escuros no peito e um pouco abaixo do umbigo. – Você é tão forte caubói. – Ela mordeu o lábio inferior e deslizou o dedo indicador pelo peito de Joe até o cós da calça. Ele estava sem camisa e era de tirar o fôlego. – Você é muito gostoso Joe. – Os dois acabariam corados, mas riram. Sim, ele era delicioso e respirar estava mais difícil a cada vez que Demi olhava para aquele peito magnífico e aquele braços musculosos. – Joseph.. – De olhos fechados Demi tombou a cabeça e respirou fundo quando ele arqueou a pélvis contra o sexo dela enquanto os lábios dele distribuíam beijos pelo pescoço e desciam em direção ao discreto decote do vestido.

   - Posso? – Demi estava surpresa e corada, mas assentiu com um pequeno sorriso nos lábios o observando tentar abaixar as alças do vestido que ela usava um pouco sem jeito, mas ela acabou o ajudando. – Você é tão linda. – Ele disse e ela sorriu e arrumou o cabelo dele que estava uma completa bagunça.

   - Você também Joe. – Ela não se cansava de olhá-lo nos olhos ou beijá-lo nos lábios, trocaram mais alguns beijos e então Demi o empurrou para que pudesse se erguer ainda com os lábios nos dele. – O zíper do vestido, desça-o. – Ele roubou um selinho e distribuiu beijinhos pelo pescoço dela, afastou os cabelos castanhos e bonitos das costas os repousando delicadamente sobre o ombro direito de Demi. – Quero você Joe. – O zíper do vestido já estava aberto e faltava pouco para que ela ficasse completamente nua.

   - Eu também quero você Dem. – Aproveitando a proximidade, Joe deslizou as mãos pelas costas nuas dela enquanto sentia a mão de Demi apertá-lo na ereção.

  - Joseph. – Chamou-o levando a mão para o botão da calça. – Posso? – Joe assentiu começando a ficar nervoso, mas Demi o beijou para distraí-lo conforme os seus dedos abriam o botão da calça e desciam o zíper. Iria acontecer e eles não podiam esperar mais um segundo sequer. Um pouco desajeitada e ainda o beijando, Demi pôs de joelhos ficando alguns centímetros mais alta que ele e quando o beijo partiu ela o olhou nos olhos e despiu o vestido ficando apenas com a roupa íntima que era a calcinha preta rendada.

   - Você é linda. – As curvas dela eram graciosas, a cintura delicada e os seios médios tinham mamilos marrons convidativos. Encantado, Joe a puxou pela cintura e sorriu ao olhá-la nos olhos. Ela estava nos braços dele linda vestindo a própria pele. Por alguns minutos ele preferiu admirá-la e tocá-la com carinho e respeito, e sempre que ela o olhava com aqueles olhos marrons bonitos e femininos ele a desejava mais.

   - Me beija amor. – Demi fechou os olhos quando ele a beijou na boca e a tocou timidamente no seio esquerdo a apertando levemente. Conforme se beijavam Demi o empurrava para que ele deitasse com ela sobre o corpo dele. Aquele sofá estava uma bagunça e era um pouco pequeno para acomodá-los confortavelmente, talvez ela quebrasse a própria regra e levasse Joe para o quarto para a cama dela.. Mas o clima estava tão intenso para quebrá-lo. Os corpos se roçavam quentes e sedentos de desejo, os lábios não se desgrudavam e Joe tinha uma mão ora no seio, ora no rosto e ora no bumbum feminino. Já Demi não descartava a oportunidade de tocá-lo nos músculos dos braços ou arranhá-lo no abdômen, claro que apenas com uma mão já que a outra não deixava o membro excitado por nada! Ela conseguia arrancar cada gemido de Joe, ele estava duro, quente e pulsante. Podia senti-lo já que a mão o apertava sobre a cueca. – Você tem certeza? – Interrompeu o beijo um pouco ofegante o olhando nos olhos e Joe assentiu desejando que acontecesse.. Só deu tempo de trocarem mais um beijo e então o clima que tinham lutado para criar foi trincado pelo toque de um celular. Demi resmungou manhosa e escondeu o rosto na curva do pescoço de Joe que a deitou no sofá e se levantou já que o celular que tocava era o dele.

   - Ei, não faz essa cara gatinha. – Sentado ao sofá, Joe se curvou e beijou rapidamente os lábios de Demi. – Nós já continuamos. – Ele disse deslizando as pontas dos dedos pela barriga lisa dela e então pegou o celular no tapete felpudo.

   - Está tudo bem? – Demi cobriu os seios com a manta e abraçou Joe por trás, e bem, agora o clima estava definitivamente quebrado e ela não hesitou em murmurar um palavrão ao ver o nome de Mary na tela do celular de Joe. – Você não vai atender? – Perguntou sem conseguir esconder a mágoa na voz e Joe respirou fundo finalmente aceitando a chamada de Mary.

   - Oi, boa noite. – Joe massageou as têmporas e olhou para Demi pedindo numa suplica para que ela não ficasse chateada, mas era tarde demais. – Espere um pouco. – Disse a Mary que não parava de falar sobre o problema que o notebook dela estava para acessar a internet. – Dem, não fica chateada. – Ele se curvou para beijá-la, mas Demi se esquivou do beijo.

   - Vou te dar privacidade. – Droga! Ela se levantou vestindo apenas a calcinha, pegou o vestido jogado no tapete e caminhou na direção onde Joe supôs que era o quarto. O que ele faria agora?

   - Joe? Você está aí? – A voz delicada de Mary soou no celular e Joe deixou o corpo cair para trás e pacientemente começou a explicar para Mary o que deveria ser feito para resolver o problema com o notebook. Claro que demorou mais do que o esperado, às vezes ele tinha que repetir uma explicação e tentava no máximo focar no notebook, mas Mary falava e perguntava tantas coisas. Que furada que ele tinha se metido! Não estava em seus planos aquele desagradável imprevisto, e bem, Joe não sabia o que fazer já que ele não queria ser grosso com Mary e não queria magoar Demi.


   - Você está conseguindo? – Perguntou já cansado. Aquela ligação tinha acabado de completar quarenta minutos e ele sentia que estava muito encrencado com Demi que tinha acabado de voltar para sala vestida com shorts e uma baby look verde estampada com rosto do Hulk. Irônico.. Porém ele tinha gostado de ver os mamilos dela marcarem a camisa. – Mary, eu tenho que desligar. – Disse respirando fundo quando Mary começou a contar sobre o filme que ela tinha assistido. – Se você não conseguir leve o notebook que eu dou um jeito. – Ele não conseguia tirar os olhos de Demi, e ela nem o olhava, estava concentrada comendo chocolate enquanto mexia no celular sentada ao tapete felpudo. – Tchau, boa noite. – Se ele dissesse “beijo” como Mary, Demi o expulsaria a pauladas! – Dem, desculpa.

   - Eu não sabia que vocês eram íntimos. – Ah! Ela estava chateada! – Tudo bem. – Demi não o olhou, concentrou-se no celular e no chocolate.

   - Ela é só uma amiga, nada demais. – Disse um pouco desesperado e Demi arqueou uma sobrancelha e sorriu para o chocolate. – Eu não podia desligar e deixá-la falando sozinha, seria muito grosseiro. – Agora ele realmente estava desesperado para conseguir reverter à situação. – Eu quero ficar apenas com você! Eu nem gosto dela desse jeito, não fica chateada, por favor!

   - Joe?! – Demi riu ao olhá-lo. – Eu disse: tudo bem. Relaxa! – Ela não podia negar que estava chateada, mas não faria um escândalo porque seria ridículo. Cuidaria de Mary ela mesma, seria de mulher para mulher..

   - Você está chateada. – Não tinha sido uma pergunta. Ele se sentou ao lado dela e a tocou no joelho. – Quer que eu vá embora? – Perguntou alguns segundos depois e Demi finalmente o olhou e negou balançando a cabeça.

   - Está tarde. – Comentou olhando a hora no celular. – Você alimentou a Lucy antes de sair? – Perguntou oferecendo chocolate para Joe que assentiu pegando um tabletinho do chocolate escuro. – Então fica aqui comigo, a gente poderia assistir alguns episódios do Batman.

   - Tudo bem, eu vou ficar com você. – Ele sorriu quando Demi deitou a cabeça no ombro dele o abraçando de lado. Ela parecia cansada e sonolenta.

   - Se precisar ir ao banheiro é no final do corredor. – Demi roubou um selinho e se levantou para procurar pelos episódios do seu herói favorito no notebook. – Você está com fome? Se quiser posso cozinhar alguma coisa. – Perguntou o olhando e Joe negou caminhando até onde ela estava para abraçá-la por trás.

   - Você está muito bonita gatinha. – Ele a beijou no pescoço e ela se virou para beijá-lo na boca.

   - Você está muito saidinho. – Disse e riu quando ele ficou vermelho de vergonha. – Eu estou brincando. Você pode buscar o meu travesseiro e um para você no meu closet? – Perguntou olhando para cima já que ela era baixinha e ele grande demais. – A primeira porta do corredor, os travesseiros estão visíveis na prateleira perto do espelho. – Ela o beijou na boca quando ele se curvou e então Joe foi a procura dos travesseiros enquanto ela programava uma lista de episódios no aleatório.

   - Ei, já chega de chocolate, não quero que você fique doente. – Ele tinha sido tão rápido e lá estava a abraçando por trás como gostava de fazer.

   - Não vou ficar, vou não quer mais? – Perguntou colocando mais um pedacinho de chocolate na boca e Joe arqueou a sobrancelha quando ela o olhou. O beijo que trocaram foi intenso e por um pouco o clima esquentou, mas um episódio começou quando Demi apertou sem querer uma das teclas do notebook. – Eu vou guardar o chocolate e escovar os dentes, tudo bem? – Joe assentiu, mas antes de deixá-lo a sós Demi umedeceu os lábios ao olhá-lo. – A gente pode improvisar uma escova de dente, se você quiser é claro. É que eu não gosto de dormir sem escovar os dentes. – Disse o olhando. Acabou que Demi tinha uma escova novinha em folha guardada no closet e quando era mais tarde os dois estavam deitados no sofá abraçados assistindo as aventuras do herói favorito até que adormeceram.




 Continua... Ei! Perdoem a demora, sério, não é de propósito! É que engenharia consome tanto tempo e energia, nesses últimos dias eu estava estudando sem parar para as provas do final do semestre, foi desgastante e eu fiquei exausta! Ainda tenho prova amanhã de circuitos elétricos, eu estava estudando para essa prova, por isso não deu para postar antes, desculpem! Espero que nessas férias eu tenha mais tempo para escrever. Bem, eu tenho que voltar a estudar 😑 beijos e obrigada pela paciência e pelos comentários, eu estou bem meninas! Espero voltar o quanto antes e dar mais atenção para vocês!

6 comentários:

  1. Mds, foi o capítulo mais fofinho que já li 😍
    Foi tão doce e meigo, fiquei encantada com tudo que rolou!!!
    Tirando a ligação da Mary pro Joe, que definitivamente cortou com o clima de Jemi, nossa... Foi ridículo! Espero que no próximo capítulo tudo possa rolar e ser mágico entre eles. Simplesmente apaixonada 😍
    Parabéns pelo capítulo! E não demorei a postar nas suas férias. Sentimos falta de ler toda semana e saber o que vai acontecer, bjos até breve 😘

    ResponderExcluir
  2. Tudo bem Amanda. Nesse fim de ano ta uma correria olha eu teria amado mais o cap se a Mary não tivesse estragado tudo. Ela acabou com o clima. Puxa o hot ia acontecer kkk na próxima espero que eles desliguem o celular. Adorei esse momento Jemi.

    ResponderExcluir
  3. AAAAAAAAAAAAAA QUE CAPITULO LINDO!!!!
    O mais fofinho mesmo, acho que meu fav até agora.
    Fiquei toda ansiosa esperando pelo hot e vem a Mary pra estragar tudo...
    Eles são tão fofos juntos e o engraçado é que eu imagino mesmo a Demi e o Joe, acho que a química deles é tanta que eu imagino em qualquer situação kkdsjk
    Enfim, to aqui pra enaltecer seu blog e suas fanfics <3
    Boas provas e continuaa!!!!

    ResponderExcluir
  4. Que cap perfeito, muito ansiosa pelo próximo. Boas provas

    ResponderExcluir
  5. O capítulo foi lindo e fofo mas a vontade de matar a Mary... Que garota inconveniente hein? Se fosse eu, apertava o botaozinho e desligava o telefone aff. Não sei quem atrapalha mais, ela ou o Jake... Mas a fic tá maravilhosa, n fica se pressionando pq n posta rápido, posta quando der, vice precisa de um tempo so pra você tbm, se for pra ter caps maravilhosos a gente espera. Até o próximo capítulo, beijos 😘

    ResponderExcluir