23.8.16

Capítulo 21

Alguns dias depois...

“Como as coisas estão?”

Joseph fitou a mensagem de Rose na tela do celular e rapidamente a respondeu dizendo que estava tudo bem. Será que Rose sabia quantas horas eram? Acordar junto com as galinhas não era a mesma coisa, ainda mais em um final de semana.. Não mesmo, quando Joseph morava com a avó na fazenda do Texas o rapaz estava de pé quando ainda estava escuro, mas em Nova York a história era outra.. Joe acordava às sete da manhã e conseguia tempo suficiente para se organizar até dá a hora de ir trabalhar. Agora acordar às cinco e meia da manhã com uma mensagem da prima era castigo, só podia ser.

“Você parece estar diferente. Está tudo bem mesmo?”

 Rose perguntou e Joe imaginou como ela o olharia e diria cautelosamente aquelas palavras. Quem ele queria enganar? Sentia saudades da prima.

“Ah não Joe! Você conheceu alguém e se esqueceu de mim?”

 Joe sorriu ao ler a mensagem. Rose sempre seria apaixonada por ele! “Não me esqueci de você. Você sempre será a minha princesinha.” Respondeu a mensagem antes que a prima o enchesse de perguntas como todas as mulheres faziam. E como previsto Rose enviou mais algumas mensagens perguntando milhares de coisas, mas não demorou quinze minutos para que a menina dissesse que Clara já estava de pé e que por sinal estava muito chateada com a falta de notícias dele e com a bagunça no celeiro, por isso Rose largou o celular e foi ajudar a avó antes que ganhasse uma senhora bronca como Joe costumava ganhar quando estava “brincando” no celular, como dizia Clara.


   - Bom dia dorminhoca. – Joe riu de como Lucy estava encolhida como uma bolinha de pelos marrons encostada a ele. A pequena era tão preguiçosa que não acordou com o chamado do dono. – Ei, bom dia! – Espreguiçando-se, Joe se sentou a cama com tanta preguiça quanto Lucy. Estava cedo demais para deixar a cama, mas o sono havia fugido! Flexionando os braços, dando um longo bocejo e tirando a blusa de moletom que o incomodava, Joe sorriu observando Lucy se aninhar a ele ainda de olhinhos fechados. – Está na hora de levantar. – Ele disse encantado com a beleza da pequenina. Às vezes Joe a olhava tão feliz por ter tido a sorte de encontrar um filhotinho tão especial como Lucy. – Uma tigela de leite se você levantar. Que tal? – Sugeriu a pegando e a abraçando carinhosamente contra o peito nu. Um homem bonito como Joe com uma cadelinha fofa como Lucy era uma tentação! Não era à toa que as mulheres iam à loucura quando Joseph resolvia passear no Central Park com a pequena Lucy em sua guia cor de rosa. Ele literalmente parava o trânsito e já tinha um pequeno fã clube..

Como o prometido Joe encheu a tigela de Lucy com leite morno e cereal para filhotes. E enquanto a pequenina se deliciava com o café da manhã ele esperava que a insulina começasse a fazer efeito para que então pudesse finalmente se alimentar.
Os dias tinham passado num piscar de olhos desde o aniversário de Selena. Joe cruzou os braços franzindo o cenho ao fitar a vista dos arranha-céus e do dia pela janela da cozinha. Foram dias terríveis. Só de pensar em como as coisas estavam entre ele e Demi doía o coração. Na verdade ele não tinha trocado nenhuma palavra com Demi desde a festa, e evitou encontrá-la na Gyllenhaal o máximo que pode. Mas se as coisas entre ele e Demi estavam ruins.. Bem... Demi e Selena não trocaram uma palavra mesmo se esbarrando nos corredores às vezes, o clima entre elas estava tão carregado e sombrio. Não tão sombrio como Ed estava.

A noite de vinte e dois de julho não foi apenas o palco do show inesquecível de Jake Gyllenhaal, não foi apenas a noite em que Joseph praticamente se declarou.. Não foi apenas a noite em que Selena foi jogada injustamente contra a melhor amiga que estava cega a ponto de não enxergar o canalha que estava a usando. Naquela noite, assim que Demi virou as costas com Jake apoiado em seu ombro, o celular de Ed tocou.

Joe podia se lembrar perfeitamente da cena. Selena estava enjoada e para que ela não se sujasse com o vomito ele a segurava gentilmente e domava os cabelos dela. O celular de Ed começou a tocar quando Selena finalmente se aninhou nos braços do namorado triste por tudo que tinha acontecido, ela tinha tentado alertar Demi do perigo que corria, mas no final da história ela tinha sido tachada como a vilã. O primeiro toque foi ignorado por Ed, mas quando veio o segundo e o terceiro o rapaz foi obrigado a atender o celular. Era de partir o coração só de lembrar de como Ed tinha perdido o chão e estava apavorado com a noticia que havia recebido. Sophia tinha partido naquela noite. Doeu tanto ver o amigo sofrer e chorar inconsolavelmente sem que ele ou alguém pudesse fazer nada. Joe respirou fundo engolindo em seco.

 Ele só sabia como conviver com a dor, não como consolar uma pessoa. As lembranças que tinha dos pais eram das histórias que Clara contava, das fitas VHDL e das pouquíssimas fotos borradas. “Eles te amavam muito”. Era sempre o que Clara dizia em todas as datas especiais. E Joe acreditava nas palavras da avó porque podia sentir de alguma forma todo o amor de seus pais. A situação com Ed foi difícil, mas Joe deu o máximo de si para ajudar o amigo e Selena.

   - Vamos assistir um pouco de TV? – Era melhor assistir a um canal qualquer a pensar em como estava sendo difícil conviver com aquela situação. – Vem Lucy.

O desenho animado o distraiu por algum tempo, Joe sempre ria das trapalhadas dos personagens como uma criança feliz. Ria de como Lucy era manhosa e fazia careta com as lambidas que recebia da pequenina em seu colo. Quarenta minutos se passaram desde a aplicação da insulina e então Joe se alimentou em pleno silencio na cozinha. Sentia falta dela. Sentia falta daquele sorriso apaixonante, da risada exagerada e de como Demi o beijava com tanta paixão. Só era insuportavelmente doloroso se lembrar de que ela tinha escolhido Jake. Justo Jake, aquele canalha que usava as pessoas na maior cara dura! Demi era uma boa pessoa e merecia alguém melhor, qualquer pessoa, exceto Jake! Joe franziu o cenho e cerrou o punho. Ah! Se ele pudesse iria socar o chefe e dizer coisas a ele.. Diria coisas até para Demi porque ela poderia ter o sorriso mais lindo de todo o mundo, poderia ser a mulher mais encantadora que ele já tinha visto, mas ela tinha o magoado de uma forma tão covarde. O coração estava machucado demais, a mente estava confusa... A fome foi embora e Joe caminhou diretamente para o banheiro do quarto para tomar um banho que certamente o ajudaria a relaxar.

“Podemos nos encontrar para o almoço?” A indecisão para enviar a mensagem durou alguns minutos, Joe apenas fitava as palavras daquela frase com uma profunda dúvida se deveria ou não convidar Mary para almoçar com ele. Ela estava sendo uma boa amiga e tinha ajudado bastante com Ed e Selena, era uma mulher doce e que gostava das mesmas coisas que ele. Mary era até tímida! E Joe estava começando a pensar em seguir o conselho de Demi, talvez ele devesse dar uma chance a Mary. Quando a mensagem foi enviada o coração de Joe disparou no peito, então ele resolveu que era melhor deixar o celular para se vestir.

   - Ei, você não pode comer o meu sapato. – Joe saiu do closet a tempo de impedir uma tragédia. Lucy, como todos filhotes, estava na fase de comer sapatos e tudo que ela pudesse mastigar. – Você tem os seus brinquedos Lucy. – Ele não alterou a voz, acariciou a cabeça da pequena e verificou se Mary havia respondido a mensagem.

“Nos encontramos onde?”

Joe sorriu feliz e se sentindo nervoso com aquela repentina coragem que ele estava em relação às mulheres. Será que era algo bom? Primeiro tinha sido Demi e agora era Mary, na verdade ele ainda estava completamente apaixonado por Demi e a queria mais que tudo, porém sabia que não podia forçá-la a ser dele.

Ficou combinado de encontrar Mary no Central Park as onze, e como ainda era cedo demais Joe decidiu que cumpriria com a palavra e levaria Lucy para dar uma volta no Central Park naquela manhã.

   - Seja uma boa menina, ok? – Agachado, Joe colocava a guia em Lucy com todo o cuidado para não machucá-la e para que a pequena não se soltasse e corresse dele como tinha acontecido algumas vezes. Lucy estava tão ansiosa e alegre que Joe riu a acariciando nas orelhinhas. Os olhos cor de mel da pequena brilhavam e a língua estava para fora da boca.

Como uma boa menina Lucy se comportou no corredor do prédio e se sentou quando eles estavam dentro elevador. Quando finalmente saíram na rua a pequena se espreguiçou e olhou para cima a procura dos olhos verdes de Joe para fitá-los com os seus cor de mel. – Eu não vou te pegar no colo por agora, quem sabe quando a gente estiver voltando para casa. – Tornando a se agachar Joe acariciou a cabeça de Lucy e em troca recebeu uma lambida feliz da pequena. O dia estava lindo e ensolarado. Joe caminhava sem pressa pela calçada da rua observando os prédios e os carros ao mesmo tempo em que apurava os sentidos para saber para onde Lucy caminhava já que ela poderia se meter numa encrenca com um cachorro maior ou com algum louco motorizado.

Estar em Nova York era tão bom. Joe se olhou numa vitrine e esboçou um pequeno sorriso para a sua própria imagem. Não era tão ruim. E apesar dos pesares, ele estava feliz com o emprego, o apartamento, a cadelinha e o coração partido. Ele só precisava crescer mais, se firmar no emprego, comprar um carro, uma casa. Quem sabe até arrumar uma namorada. Seria legal ter uma namorada. E pensar no assunto o fez pensar automaticamente em Demi. Ela seria a melhor namorada que um cara poderia desejar. Era uma mulher bonita e que adorava assistir aos desenhos do Batman. Eles formariam uma bela dupla. Só era uma pequena que as coisas eram bem diferentes...

   - Lucy? O que foi? – Joe estava de cenho franzido, estava andando normalmente quando de repente Lucy começou a tentar arrastá-lo com toda a sua força de filhote. – Lucy! – O coração dele quase saiu pela boca quando a guia soltou da coleira e Lucy atravessou a rua correndo em meio aos carros. – Oh meu Deus! – Murmurou atordoado esperando uma oportunidade para atravessar a rua e assim que o fez ele procurou Lucy olhando para todas as direções, e bem.. Ele não esperava que a pequena fosse correr para os braços dela. Não mesmo.

Agachada na calçada, Demi estava simplesmente linda vestida com um vestidinho soltinho e branco. Os cabelos castanhos brilhavam e estavam à mercê do vento que vez ou outra os moldavam. E o sorriso dela era capaz de acabar com a pior guerra, era fascinante e tão lindo. Joe estava completamente encantado e envolvido por aquela mulher, por alguns segundos ele não sabia nem mesmo quem ele era, não conseguiu mover nenhum músculo e muito menos pedir desculpas as pessoas que ele atrapalhava de passar.

   - Meu Deus! Eu senti tanta saudade de você! – Lucy não parava de balançar o rabinho, lambia Demi onde conseguia recebendo carinho de volta. – Senti muito sua falta, muita! – Era tão fofo como Demi brincava com Lucy a abraçando sem se importar se estava sujando o vestido branco e impecável agachada naquela calçada e com uma pequena cadelinha que tinha as patinhas frontais apoiadas em suas coxas. – Você está crescendo princesa. – Demi abraçou Lucy contra o peito e então foi ai que o olhar dela se encontrou com o dele. Joseph estava tão sério e tão vidrado fitando os olhos dela daquele jeito intenso e apaixonado. O olhar de Demi não era diferente, as pupilas estavam dilatadas e o marrom dos olhos dela havia ganhado um brilho especial. – Joseph. – O nome dele nunca havia soado tão bem naquela voz linda e delicada de mulher. Joe franziu o cenho se lembrando de tudo que tinha acontecido na festa de Selena e não ousou em esboçar um sorriso.

   - Oi Demi. – Ele disse ríspido como um homem mal humorado. Era tão diferente do Joe fofo e todo coradinho. Demi franziu o cenho se levantando com Lucy nos braços que a lambia e se aninhava cada vez mais a ela. – Ei, vem cá! – Demi franziu o cenho sem entender o que acontecia, para a cadelinha Joe tinha sorrisos e a típica voz suave.

   - Quero ficar com ela um pouco. – Disse Demi acariciando o pelo da pequena que não queria voltar para os braços de Joseph de jeito nenhum.

   - Não queremos te atrapalhar. – Disse seco sem olhá-la nos olhos. – E muito menos sujar o seu vestido. – Demi revirou os olhos e o olhou com muita atenção.

   - Qual o seu problema? – Perguntou sem rodeios. – Eu não estou entendendo o porquê de tanto mau humor, aconteceu alguma coisa? – Demi preferiu não alterar o tom de voz com Joseph, não iria retribuir nenhuma grosseria.

   - Ah?! Você não está entendendo? – Ela nunca tinha visto aquele sorriso cínico nos lábios de Joe e ele muito menos nunca tinha se sentido tão revoltado. – Eu não tenho nenhum problema Demi. – Disse o rapaz finalmente a olhando nos olhos. – Acho que a pergunta correta aqui é: qual o seu problema? – Joe a fitava enfurecido, ele tinha desejado confortá-la desde o aniversário de Selena e a vontade só aumentava conforme o decorrer da semana.

   - Você está sendo ridículo. – Demi murmurou odiando estar com Joe naquela situação.

   - Ridículo? Eu? Demi, pelo amor de Deus! – Ele disse um pouco alto demais atraindo olhares. – Sabe, eu não entendo como você preferiu acreditar naquela canalha a acreditar na sua melhor amiga. E eu estou sendo ridículo.. – Ironizou e Demi o olhou com raiva.

   - Você está sendo um babaca ridículo Joseph! – Disse ofegando e Joe a fuzilou com os olhos. – O que você está pensando? Eu vi com os meus próprios olhos a Selena o agarrando. Ela estava implicando demais com ele, surtando a cada vez que ouvia o nome dele. E de repente ela o agarra e a culpa é dele? – Demi falava rápido demais atropelando as próprias palavras, ela não conseguia acreditar em Selena, mas também não conseguia acreditar em Jake. Apenas dizia aquilo porque odiava a situação que os amigos estavam a colocando como se ela fosse uma criança que precisava ser cercada de cuidados.

   - Você não é inocente Demi. – Ao menos ele não tinha a chamado de burra. Joe a olhou com aqueles olhos verdes intensos e respirou fundo. – O Jake está atuando tão bem, sempre mentindo e te enganando na maior cara dura. Como você consegue ficar com esse cara? Ele te colocou contra os seus amigos e você nem percebeu, continua sendo a bonequinha manipulável dele. – Joe a olhou de cima a baixo imaginando que Demi estava toda arrumada para sair com Jake.

   - O Jake não fez nada, ele é a vítima da história. – A risada de Joseph a irritou profundamente, Demi queria soltar Lucy para partir para cima de Joseph. - Eu sei que ele é um cara legal, mas não vou te julgar, a Selena te envenenou. – O riso acabou e Joe de repente ficou sério a olhando fixamente nos olhos.

   - Você vai se arrepender profundamente quando abrir os seus olhos e enxergar quem é o canalha que você está dormindo. – Joe umedeceu os lábios sentindo o coração contrair de dor ao se lembrar da luta de Sel e Ed. – A Sophia faleceu naquela noite assim que você virou as costas para a sua melhor amiga. Eu nunca vi alguém sofrer tanto como o Ed sofreu, como ele chorou e a Selena.. Deus! Ela estava tão desesperada tentando consolá-lo, ela precisava tanto de você naquela noite. – Demi engoliu em seco sem saber o que dizer para confrontá-lo, talvez ela não deveria dizer nada.. Ed deveria estar acabado e Selena tão triste com toda a situação. Havia uma semana. Sel não a perdoaria, não mesmo. Porque ela não tinha coragem de se perdoar, preferiu virar as costas para a melhor amiga e se afogar em seu mundo. Era tão egoísta. – Ela precisava de você Demi. – A voz de Joseph soou novamente naquelas palavras e Demi franziu o cenho para não chorar. – Mas você o preferiu. Sabe, ainda bem que você o escolheu a me escolher. Não quero amar alguém egoísta a ponto de fechar os olhos para todo o mundo e não enxergar o óbvio, o que está a sua frente. Obrigado por me avisar Demi, obrigado por quebrar o meu coração enquanto ainda era cedo. – Dessa vez foi inevitável reprimir as lágrimas, ela se sentia como um lixo e estar com Joseph ouvindo tudo o que ele tinha a dizer só piorava a cada segundo porque ele tinha razão. Ela tinha escolhido Jake sem nem mesmo amá-lo, sem nem mesmo estar apaixonada por ele. Era só uma aposta consigo mesma de que Jake era um cara legal. O coração não batia forte ao ouvir o nome dele, e ela apenas o aturava e preferia dar ouvidos a razão que dizia que era melhor ficar com Jake. E Selena? Como ela..? Era tão absurdo que Demi sentiu um nó se formar na cabeça como um aviso que não dava mais. Abandonar a melhor amiga por um homem? Poderia ser ele quem fosse, mas jamais se abandona uma amiga.

   - Demi? Vamos? – A voz de Dianna quebrou todo aquele clima tenso que seguia entre Joe e Demi. Ele a via chorar e se controlava para não limpar as lágrimas que rolavam pelo rosto bonito de Demi. – O que está acontecendo? – Dianna perguntou horrorizada com a situação e Demi entrou Lucy para Joe para que pudesse limpar as lágrimas e forçar um sorriso.

   - Não está acontecendo nada. – Disse respirando fundo e Joe olhou Dianna de cima a baixo. Estava vestida e arrumada como uma mulher rica, o nariz empinado e a arrogância eram sufocantes. Não era à toa que Demi estava arrumada como a filha de uma madame.


   - Cuidado Demi, as pessoas não são quem elas dizem ser. – Joe lançou um olhar frio a Dianna e logo ele olhou para Demi que parecia um pouquinho mais despedaçada por conta do tom de voz sem emoção que ele usava, o que ele faria? Queria beijá-la e consolá-la em seus braços, mas estava tão chateado com ela. Joe não disse mais nenhuma palavra, aninhou Lucy em seus braços que parecia assustada com a discussão das duas pessoas que ela mais amava e virou as costas para caminhar sem pressa alguma em direção ao Central Park. 


Continua... Já já posto um aviso para vcs com as respostas dos comentários, bj!

7 comentários:

  1. Aí meus Deus, estou até com o coração ferido em relação a esses dois... Mas acho que foi preciso, Demi deveria saber umas verdades da boca do Joe. É tão triste tudo isso, mas o que se pode fazer quando se faz de cega???? Posta logo o próximo cap. Ansiosa demais para saber o que vai rolar daqui pra frente. Bjoooss

    ResponderExcluir
  2. Aí meus Deus, estou até com o coração ferido em relação a esses dois... Mas acho que foi preciso, Demi deveria saber umas verdades da boca do Joe. É tão triste tudo isso, mas o que se pode fazer quando se faz de cega???? Posta logo o próximo cap. Ansiosa demais para saber o que vai rolar daqui pra frente. Bjoooss

    ResponderExcluir
  3. Só digo que... A Demi precisava dessa. Ela nem sabia que a Sophia tinha falecido. O tombo vai ser grande

    ResponderExcluir
  4. Nossa que Capítulo tenso. Por um momento tive pena da Demi mas ela precisava ouvir isso. Só espero que ela fique em alerta com o Jake e que seja ela mesma que denuncie ele depois de tudo. (porque claro que ele participou daquele assassinato).

    ResponderExcluir
  5. OIIIIE LEITORA NOVA HI HEY, na verdade não tão nova leio seu blog desde os primórdios de suas histórias, so não comentava por q leio pelo celular e comentar por aqui e meio dificil sorry, aqui no seu blog estão minhas histórias preferidas de todas bjs postaaa logooo por favor por favooooor faz maratona sla vou comentar sempre agora

    ResponderExcluir
  6. Posta logo esse cap amandinha, tô ansiosa demais 😪

    ResponderExcluir
  7. Posta logo esse cap amandinha, tô ansiosa demais 😪

    ResponderExcluir