9.2.17

Capítulo 33


            Que tipo de pessoa normal vestia moletom e se cobria dos pés a cabeça numa tarde ensolarada como aquela? Demi fez de tudo para escurecer o quarto, porém as persianas não eram o suficiente para deixá-la no escuro como desejava. De tanto pensar e se culpar a cabeça começava a doer, claro que o choro tinha sido um dos motivos principais. Infelizmente ouvir música nos fones de ouvido não estava ajudando a relaxar. O corpo doeu quando ela se ergueu para acender o abajur e colocar o celular sobre o criado mudo. Sentia-se como uma criança manipulável e estava com vergonha por ter participado daquela trapaça de Jake. Levando as mãos ao rosto, ela mordeu o lábio inferior com força e decidiu que estava na hora de procurar se alimentar e tomar outro banho para que pudesse voltar para cama e quem sabe dormir até o outro dia.

            Os armários estavam começando a ficar puros lembrando-a que estava na hora de ir ao supermercado. O recheio da torta cozinhava a fogo médio e Demi estava perto do fogão atualizando as redes sociais e bebendo iogurte para saciar a fome. A solicitação de amizade no facebook a fez franzir o cenho. Mary? Ela deveria aceitar ou ignorar? A segunda opção pareceu mais atraente... Ao atualizar o feed, Demi revirou os olhos com tanta vontade quando viu que Joe tinha sido marcado numa publicação de Rose... Quem aquela menina pensava que era? Ela cerrou os dentes e de propósito curtiu a publicação e a leu. A cada ponto e vírgula era uma nova revirada de olhos. Ela não se importava de xeretar o perfil de Rose a busca de alguma prova contra Joe, e em troca o recheio da torta quase queimou! Deveria ser castigo apenas por pensar que Joe poderia estar mentindo. Resmungando, Demi preparou a massa desjeitosamente já que os pensamentos estavam na prima de Joe e quando a torta finalmente estava no forno ela aproveitou para tomar banho.

Será que afastar Selena e Joe tinha sido correto? E os tapas que ela tinha dado em Jake? Se ele resolvesse se vingar? Pensar em tudo que tinha acontecido naquele dia a deixaria louca, e por mais difícil que fosse Demi concentrou os pensamentos em coisas boas para que pudesse relaxar e desfrutar do banho. No lugar do moletom que originalmente pensou em vestir, o baby doll a deixou confortável e fresca. A torta cheirava tão bem, sinal que estaria uma delícia, que Demi pensou seriamente em mandar uma foto para Selena para pirraçá-la. Se o cheiro era bom, a aparência era melhor! A forma estava quente e ela sequer procurou pelas luvas térmicas, pegou a toalha de pratos para envolver a forma que foi levada ao balcão aos trancos e barrancos e dedos quase queimados. A primeira fatia não sairia inteira porque o alimento estava quente, mas Demi insistiu e quando iria degustar, bateram à porta. Céus! Ela murmurou um palavrão completamente frustrada. Deveria ser algum vizinho ou o pessoal que cuidava da administração do prédio. Abrir a porta de baby doll seria constrangedor, mas a pessoa insistia tanto que Demi resolveu que abriria apenas uma brechinha da porta sem revelar o corpo.

   - Estou destrancando, um segundo! – Disse assim que a batida soou novamente.

   - Senhorita Lovato, eu não pude fazer nada, ele entrou sem a minha permissão. – Seria difícil escoltar um homem daquele tamanho para fora do prédio julgando pelo tamanho do porteiro. Demi mordeu o lábio inferior para conter um sorriso, mas foi impossível. O perfume de Joseph a fez suspirar e nunca querer largá-lo. E ele estava tão bonito vestido com camisa social e gravata, jeans e all star que ela sorriu de orelha a orelha. E aquele cabelo arrepiado? Ele estava um sonho!

   - Está tudo bem, ele tem permissão para subir quando quiser. – Disse educadamente ao porteiro que assentiu e se despediu com um boa noite a deixando com Joe.

   - Eu sei que você pediu tempo, mas eu não consigo ficar longe de você. – Ele disparou falando claramente nervoso e tão absurdamente lindo sem os óculos de grau. – Se quiser eu vou embora. Eu só precisava saber se está tudo bem. – Jamais deixaria que ele fosse embora. Abrindo mais a porta, Demi deu espaço para que Joe pudesse entrar e quando a fechou, ela sorriu para o rapaz. – Não sei se você prefere vermelha ou branca.. Gosto mais da vermelha, então comprei vermelha. – Não importava a cor daquela rosa, só o fato dele pensar em presenteá-la já era o suficiente.

   - Obrigada, ela é linda. – E o cheiro era maravilhoso. Por alguns segundos Demi fitou as pétalas perfeitas da rosa e só depois foi perceber que havia um pequeno cartão cheio de corações vermelhos e a frase na letra dele: Não importa o que aconteça, meu coração sempre será seu. Algumas lágrimas rolaram pelo rosto feminino e no peito o coração batia mais rápido que o normal, Demi se ergueu e beijou os lábios de Joe com a ajuda dele fazendo daquele beijo o mais apaixonado que poderiam trocar. – Ei, você é a coisa mais fofa do mundo. – Joe beijou a ponta do nariz dela e Demi o abraçou como uma criança abraça o seu ursinho de pelúcia favorito.

   - Então eu posso ficar? – Perguntou todo sorridente mostrando a barra de chocolate para Demi que sorriu de orelha a orelha.

   - Claro que sim! – Ela arqueou a sobrancelha pegando a barra de chocolate da mão dele, que a puxou para mais um beijo. – Você pode comer esse chocolate, certo? – Perguntou ansiosíssima para ouvir a resposta de Joe que assentiu sorrindo. – Então.. – Demi o mordeu no queixo antes de se concentrar em abrir a barra de chocolate. – Esse chocolate é uma delícia. – Joe entendeu perfeitamente o que ela queria dizer. Acariciou o lábio dela antes de selá-los com os dele compartilhando o chocolate de uma forma que o deixou arrepiado e ansioso para beijar aquela mulher linda novamente.

   - Estou feliz que você está bem. – Disse admirando cada traço do rosto dela e o tocando na ponta dos dedos. – E que você me deixou ficar aqui. – Foi impossível não olhar para o decote. Joe o olhou e mordeu o lábio inferior sentindo arrepios e o típico calor começar a dominá-lo. – Você é linda. – As bochechas coraram e ele ficou todo sem jeito quando percebeu que Demi o olhava de sobrancelhas arqueadas.

   - Ei, coisa fofa! – Demi não deixou que ele desviasse o olhar do dela, esforçou-se para beijar a bochecha dele e o abraçar pelo pescoço. – O que você acha da gente comer torta e depois namorar um pouquinho? – Joe assentiu corado e sorriu envergonhado quando Demi o olhou nos olhos mostrando como ela o desejava. – Você pode comer ao menos um pedacinho de torta, certo? Não está salgada e acho que nem muito gorda. – Ela o guiava pela mão em direção a cozinha e Joe não conseguia parar de olhar para o bumbum dela gostando de como ele se movia perfeitamente a cada passo. – Joe? Você está me ouvindo? – Chamou-o buscando por um vaso para a rosa.

   - Eu.. – Umedeceu os lábios e assentiu envergonhado porque Demi tinha o flagrado. – Apenas um pedacinho. – Disse educadamente e Demi riu brevemente caminhando em direção ao armário para buscar por um prato.

   - Fique à vontade! – Ela teve que puxar uma cadeira para que Joe se sentasse à mesa já que ele continuava parado e sem jeito. – Quer que eu corto? – Perguntou o olhando nos olhos e ele assentiu se acomodando a cadeira. – Acho que a gente já conversou sobre isso, não temos motivos para ficar envergonhados, ok? – Ela enlaçou os dedos aos dele e se curvou para conseguir beijá-lo na bochecha. – Eu estava pensando. – Começou a dizer o servindo. – Qual o seu prato favorito? Eu gostaria de cozinhá-lo para você.

   - Não tenho um específico. – Disse tocando os dedos dela com os dele. – Mas provavelmente é lasanha com molho branco e carne. – Ele sorriu quando Demi sorriu e por alguns segundos eles se olharam e então experimentaram a torta ainda trocando olhares e sorrisos. – Não tenho muita experiência na cozinha, mas eu poderia tentar cozinhar o seu prato favorito também. A torta está maravilhosa. – O sorriso dela foi de orelha a orelha e Demi o serviu com mais um pedaço da torta.

   - Também não tenho um prato específico, fico confusa entre pizza, lasanha e strogonoff com muita batata palha. – A careta de Joe a fez rir, ele nunca reclamava de ter que comer comidas saudáveis. – Posso te ensinar a cozinhar, o que você acha?

   - Acho que eu tenho a professora de um.. cozinha mais linda de todas. – Ele a beijou na bochecha e sorriu. – Vou cozinhar verduras e legumes para você. Não podemos acabar com a nossa saúde com essas besteiras, batata palha é uma bomba calórica! – Joe cerrou os olhos quando viu Demi revirar os dela. – Ei! Não revire os olhos, vou fazer você comer alimentos mais saudáveis. – Disse a puxando para o colo e Demi foi de bom grado o acariciando no peito e nos ombros e roçando o corpo ao dele.

   - Você está ficando mais malvado. – Os dedos dela estavam no cabelo da nuca dele o acariciando conforme Joe a beijava no tórax e descia os beijos em direção aos seios. – Que tal você me ajudar a guardar essa torta? – Ela já sabia onde acabariam, e como sempre, Joe não a ajudou com a torta, ele só a beijava no pescoço a abraçando por trás. – Você não tem jeito. – Infelizmente teve que empurrá-lo para que pudesse abrir a geladeira para guardar a torta já organizada numa vasilha de vidro.

   - Eu não tenho culpa se você fica muito bonita com essa roupa. – Até a nuca ele coçou porque não conseguiu controlar como ficou envergonhado por agarrá-la. – Posso te beijar agora? – Perguntou tímido e Demi riu caminhando em direção ao balcão onde estava a barra de chocolate.

   - Vem cá amor. – Chamou-o dividida entre olhá-lo e comer o chocolate. – Isso se chama baby doll. – Disse quando o flagrou observando a renda preta com certa curiosidade. – Você nunca viu uma mulher usando baby doll? – Arriscou a perguntar se lembrando de Rose.

   - Não. – Ele corou, mas levou uma mão a cintura dela para acariciá-la ali. – As únicas mulheres que eu tinha contato quando mais novo eram as da minha família. – Disse fitando um ponto qualquer pensativo. – Baby doll. Acho que eu já vi alguma personagem usando na televisão, eu só não sabia o nome.

   - Como era na fazenda? – Perguntou quebrando o chocolate em tabletes e o ofereceu.

   - À noite a casa sempre estava cheia de amigos da família, principalmente no final de semana. – Disse pegando um dos pedaços de chocolate. – No decorrer da semana eu estudava pela manhã e à tarde trabalhava na fazenda cuidando dos animais e às vezes do pasto quando o meu tio precisava de ajuda. Era muito puxado, e no final do dia eu estava exausto. – Demi pensou na forma como viveu na adolescência e a comparou com a vida de Joe. Eram rotinas e realidades diferentes. Enquanto ela tinha crescido na cidade mais popular do mundo namorando, se aventurando e lutando para conseguir ter uma vida diferente da de Dianna, Joe estava no interior do Texas tendo uma rotina pesada e estudando.

   - Você não passava mal? Imagino que o trabalho era pesado e você é diabético e hipertenso. – Disse um pouco sem jeito e Joe enlaçou os dedos aos dela se escorando no balcão.

   - A vovó me alimentava muito bem, ela sempre dava um jeito de cozinhar os mesmos bolos e biscoitos para mim, só que de uma forma mais saudável. – Ele disse sorrindo ao se lembrar da avó. – Passei mal algumas vezes, mas eu era um adolescente muito ativo e a parte mais pesada ficava para os meus tios.

   - Você tem quantos tios? – Perguntou Demi como sempre curiosa.

   - Cinco tios e três tias. – Ele sorriu quando ela arregalou os olhos. – E muitos primos. – Era tanta gente para lembrar o rosto e o nome, tudo que Joe podia pensar quando se lembrava da família, era da avó liderando e ajudando aquele tanto de gente. – A vovó teve nove filhos, a minha mãe é a única que.. – A respiração dele pesou e Demi o abraçou com força.

   - Eu sinto muito. – Ela disse o olhando nos olhos e Joe assentiu um pouco triste, mas sorriu. – Nós podemos conversar sobre outras coisas. – Demi arrumou a gravata e espalmou o peito dele arrumando a camisa ao corpo.

   - Está tudo bem, às vezes eu fico emocionado quando penso neles, mas nós podemos falar sobre isso. – Disse pegando um dos pedacinhos do chocolate. – Eu tenho uma foto deles. Essa é a minha mãe, Juliana e o meu pai, Antônio. – A foto estava na carteira dele e era simplesmente apaixonante. Nos braços da jovem mulher de intensos olhos verdes e cabelo castanho estava um bebê pequenino e de cabelo escuro enrolado a uma manta, e ao lado dela, estava Antônio a abraçando de lado. Joseph era parecido com o pai nos traços bonitos e másculos e na cor do cabelo, já os olhos eram idênticos aos da mãe.

   - Quantos anos eles tinham? – Perguntou ainda olhando a foto.

   - A mamãe vinte, e o papai vinte e um. – Era de partir o coração. Demi resolveu não olhá-lo porque os olhos estavam marejados e o coração com a sensação de aperto. Eram apenas adolescentes que teriam um futuro muito feliz. – Um caminhão desgovernado bateu no carro dos meus pais. Fui o único sobrevivente do acidente. – A vontade de abraçá-lo era tanta que Demi o abraçou com força e o beijou no peito pensando em como era triste a história de Joe.

   - Eu tenho certeza que eles estão orgulhosos do homem incrível que você se tornou. – Ela disse o olhando nos olhos e em troca Joe a beijou nos lábios cheio de amor e paciência.

   - Eu te amo. – O beijo na bochecha a deixou corada e o sorriso que se formou nos lábios de Joe foi grande e lindo deixando Demi desnorteada e mais apaixonada por ele. – Esses são os meus amigos. – E lá estava Rose ao lado de um rapaz junto a Joseph. As bochechas de Demi coraram porque ela já sabia quem eram os amigos de Joe porque ela tinha o stalkeado. – A minha prima Rose e o meu amigo Derick. – Disse apontando para cada um dos amigos na foto que inclusive Demi já tinha visto no facebook.

   - Você contou para eles que está namorando? – Pela cara dele, a resposta era não. E Demi cerrou os olhos o fitando.

   - Eu vou contar, é só que... – Como ele explicaria a situação para ela? Joe mordeu o lábio inferior e fitou a foto com os amigos. – Acho que a Rose vai surtar, por isso não contei. – Agora tudo estava explicado e as teorias de Demi quase comprovadas.

   - Você e ela? – Perguntou finalmente o que tanto queria o olhando nos olhos e Joe arregalou os dele.

   - Claro que não, eu a vejo de uma forma especial. – Disse como se fosse o maior absurdo do mundo namorar Rose, e realmente era para ele. – Ela gosta de mim da mesma forma que eu gosto de você. Nunca vai acontecer, eu a vi crescer e cuidei dela como se ela fosse minha irmã. Mas mesmo assim não quero magoá-la, vou tentar contar aos poucos, tudo bem? – O alívio foi tão grande que Demi suspirou assentindo. – Quero te levar para conhecer o lugar onde cresci. Nós podemos andar a cavalo, alimentar os animais, tomar banho de rio. – Os dois sorriram imaginando como seria incrível fazer todas aquelas coisas juntos.

   - Você sabe dirigir trator? – Joe assentiu e riu de como Demi parecia surpresa.

   - Trator, colheitadeira, caminhão, a pick up da vovó e moto. – Disse ainda sorrindo e sentindo saudades da fazenda. – Se você tiver sorte e for época de colheita, posso te levar para conhecer o plantio na colheitadeira. A vista da plantação é de tirar o fôlego. – A mente de Demi estava a mil imaginando viver aquelas aventuras com Joe.

   - Seria muito romântico se a gente pudesse passear a cavalo. – Joe assentiu a abraçando por trás e a beijando no pescoço. – Você me mostraria toda a fazenda e.. – Ela suspirou sentindo arrepios tomá-la por conta dos beijos e das mãos dele a tocando.

   - Você vai adorar o coreto, é no pico de um monte, quase ninguém vai lá. – Demi se virou para beijá-lo na boca e colar o corpo ao dele.

   - Você vai me levar caubói? – Ela adorava como ele ficava sexy e absurdamente lindo quando estava excitado. – Qualquer dia você me mata do coração. – Ele sabia como tocá-la, especialmente no bumbum. As bochechas de Demi chegaram a corar quando as mãos dele apertaram aquela região a fazendo gemer e ansiar pelo que estava por vir.

    - Eu adoro quando você faz isso. – Ele disse se referindo a forma como Demi se aninhava ao corpo dele e o acariciava no peito e no membro.

   - Vamos para o quarto? – Aquele era um passo muito importante para Demi. Ela nunca tinha estado com alguém na própria cama, mas com Joe era diferente e a ideia a agradava muito! Aos beijos e carinhos, chegaram ao quarto ofegando e de tão excitada que Demi estava, Joe já estava sem camisa e pronto para ficar sem as calças.

   - Comprei preservativos. – Disse encostando a testa a dela e respirando fundo para que pudesse beijá-la novamente. – Gatinha. – Joe roçou os lábios nos dela e se sentou a cama. – Tira a roupa pra mim? – Pediu a abraçando pelas coxas quando ela pôs-se, ainda em pé, entre as pernas dele.

   - Você quer que eu faça um striptease para você? – Perguntou se curvando para selar os lábios aos dele.

   - Se não quiser dançar, não tem problema. – Ele a beijou abaixo do umbigo e dali mesmo a olhou intensamente. – Só tira a roupa para mim. – As bochechas de Demi coraram, mas ela assentiu depois de beijá-lo profundamente na boca. Como começaria? A única que vez que ela tentou seduzir um homem num “quase”
striptease, tinha sido com André, e não deu certo.. Ela tinha tropeçado no próprio sutiã, o que rendeu muitas risadas do namorado e dela mesma.

Tirar a roupa sobre o olhar intenso de Joe não era uma tarefa fácil. Ele estava calado, o corpo inclinado para trás com as mãos apoiadas a cama e os olhos fixos nos dela. Demi fitou os lábios dele, o peito largo e nu e o volume absurdo na calça. Ele era tão lindo! Quando levou a mão aos próprios seios e os apertou, foi imaginando as mãos grandes dele envolvendo e apertando-a ali. Para provocá-lo e quebrar o ar sério de Joe, Demi desceu a calcinha preta, da mesma cor do baby doll, e a jogou no peito dele. Ele estava tão centrado que apenas sorriu de lado e umedeceu os lábios sem deixar de fitar os olhos dela.

   - Tudo bem querido? – Nem ela mesma sabia que poderia usar aquele tom de voz sensual e cheio de promessas. Mas Joe não respondeu, esboçou um pequeno sorriso ao vê-la apertar os seios e descer uma das mãos em direção ao íntimo.

   - Fica de costas amor. – O Joe tímido e fofo tinha sumido dando lugar a um homem sexy e sério. A voz dele não soou como uma ordem dura e seca, e sim num pedido carinhoso que foi atendido quando Demi se virou aproveitando para jogar todo o cabelo castanho, que antes caía pelos ombros, nas costas. Ela mexeu no cabelo e propositalmente se curvou como se fosse pegar algo no chão. O gemido de Joe foi tão alto e quando Demi ouviu o barulho do zíper descendo, ela se virou para olhá-lo abrindo a calça e tirando o tênis com os próprios pés.

   - Respira fundo, ainda falta a parte de cima. – Foi tão bom sentir as mãos dele tocando a pele dela quando se aproximou e se curvou para beijá-lo na boca. Por um pouco ela pensou em tirar o resto da roupa de qualquer maneira, mas estava tão divertido que antes de voltar a ficar em pé, ela abraçou o membro com a mão mesmo sobre a cueca e o apertou fazendo Joe gemer e suspirar. Pedindo calma a si mesma, Demi respirou fundo e umedeceu os lábios fitando os olhos e logo o membro de Joe. Faltava poucos para tê-lo. Primeiro ela mexeu no cabelo enrolando algumas mechas nos dedos de uma mão enquanto guiava a outra até entre as pernas para acariciá-la em toques lentos e inocentes. Quando a alça esquerda do baby doll caiu, o coração de Demi quase saiu pela boca porque Joe a olhava como um gato faminto. Ela não tiraria aquela peça abaixando as alças e a deixando cair nos pés. Levou as mãos à barra do baby doll e aos poucos revelou a barriga, os seios e passou a peça pela cabeça logo a jogando no chão ficando completamente nua em frente do homem que amava.

   - Vem princesa. – O apelido a fez sorrir de orelha a orelha mesmo corada. A passos delicados Demi caminhou até ele que a sentou de lado no colo. – Você é tão linda. – Disse encantado com a beleza dela e indeciso porque não sabia onde queria tocá-la primeiro, mas optou por tocá-la nos lábios e roçá-los com os dele. – Tão linda! – Demi sorriu com o beijo que recebeu na testa, Joe a beijou na boca e selou os mamilos antes de deitá-la com todo o cuidado do mundo sobre a cama. – Está confortável? – Perguntou colocando uma mecha do cabelo dela atrás da orelha e quando Demi assentiu, ele a beijou na boca e sorriu para ela ficando em pé para que pudesse se livrar do resto das roupas.

   - Eu iria adorar se você dançasse para mim. – Demi sorriu observando como a barriga dele era seca e o peito malhado quando Joe desceu a calça olhando para ela.

   - Quem sabe no dia do seu aniversário? – Sugeriu corado a beijando um pouco acima do clitóris e Demi esboçou um sorriso nervoso, mas ele se levantou para tira a cueca. Foi uma pena, quando Joe levou as mãos as laterais do corpo e fixou o olhar ao dela começando a abaixar a peça bateram à porta.

   - Eu não acredito! – Resmungou frustrada fitando o teto. Ora! Ela morava num apartamento, as pessoas nunca batiam à porta, geralmente o porteiro interfonava para avisar que ela tinha visitas. – Se for a Selena, eu juro que vou despachá-la! – Ela estava indignada! Por que não batiam à porta alguns minutos mais tarde quando ela e Joe estivessem ofegando e completamente suados fitando o teto depois de um orgasmo avassalador?

   - Acho melhor eu esperar aqui. – Seria constrangedor para Joe e para a visita.. Qualquer pessoa notaria aquele volume. Demi riu de como Joe estava frustrado e caminhou até o closet para que pudesse pegar um robe que não revelaria muito do corpo.

   - Eu já volto. – Beijou-o na boca e quando se virou sorriu com o tapinha que recebeu no bumbum. – Você é muito safado! – Joe riu e a abraçou para que pudesse beijá-la mais uma vez.

   - Não demora. – Pediu manhoso recebendo outro beijo na boca e Demi assentiu. Será quem era? A pessoa batia timidamente à porta em pequenos intervalos, porém não desistia. Deveria ser a senhora do apartamento do final do corredor, às vezes ela pedia a ajuda de Demi ou simplesmente levava um pedaço de bolo ou torta para a moça. Respirando fundo e arrumando o robe ao corpo, abriu a porta e no mesmo instante se arrependeu.

   - Senhorita Lovato, mil desculpas, mas eu não pude fazer nada, ela insistiu e disse que estava passando mal. Não pude evitar. – Oh droga! Demi massageou as têmporas e respirou fundo algumas vezes sem saber o que faria.

   - Está tudo bem, mas infelizmente terei que conversar com o síndico. – Disse ao porteiro porque se continuasse ignorando todos os erros que ele cometia, teria sérios problemas futuramente. – Pode descer, eu cuido dela. – O rapaz mesmo receoso assentiu a deixando sozinha com Dianna. – O que você quer? – Perguntou sem rodeios se escorando a porta para impedir que Dianna entrasse.

   - Não podemos conversar aí dentro? – Deveria ser a primeira vez que Demi a via em roupas simples e com pouca maquiagem, porém a bolsa elegante sempre estava a acompanhando.

   - Eu não quero conversar com você. – Disse sem olhá-la nos olhos. – É só isso? Eu tenho coisas mais importantes para fazer. – Ela tentou fechar a porta, mas Dianna a impediu segurando a madeira com a mão e aproveitando para entrar no apartamento.

   - Eu sinto muito! Ele te machucou? – Os arrepios tomaram o corpo de Demi quando ela sentiu as mãos da mãe nos ombros e os olhos a analisando detalhadamente. Por um momento Demi pensou que Dianna estava realmente preocupada, mas então se lembrou de tudo que aquela mulher era capaz de fazer.

   - Você é muito cara de pau! – Explodiu sem paciência andando de um lado para o outro. – Você achou que eu não iria descobrir? E ainda usou a Selena? Eu não sou mais aquela garota inocente que você conseguiu usar uma vez. E eu não vou deixar você me usar como a vovó te usou! – Demi não entendeu o porquê de Dianna franzir o cenho e não se alterar como era de se esperar.

   - O que? Você acha que o Jake estava pagando para dormir com você? – E não era? Tudo estava confuso e Demi queria se livrar logo daquela mulher, a cabeça estava começando a doer e ela sentia que poderia passar mal caso continuasse dividindo o mesmo ar com a mãe por mais tempo. – Ele estava dormindo comigo. – Os olhos marrons de Demi estavam arregalados e ela tinha certeza que vomitaria a torta e o chocolate de mais cedo.

   - Vocês estavam dormindo juntos? – Disse incrédula e umedeceu os lábios ainda sem acreditar no que tinha ouvido. – Você me aconselhou a ficar com ele enquanto vocês estavam dormindo juntos? – Por que diabos tudo sobre Jake tinha que ser tóxico? A cada descoberta sobre aquele homem a deixava cada vez mais decepcionada e com raiva de si mesma, mas pensar sobre Jake e Dianna era capaz de deixá-la doente. – Você estava dormindo com o meu ex? – Ela adentrou os cabelos com os dedos e respirou fundo tentando se controlar para não surtar com Dianna. – Por favor, vá embora. – Definitivamente todas as esperanças sobre aquela mulher estavam mortas. Ela jamais iria conseguir ter uma mãe de verdade, a mulher parada a olhando só tinha a colocado no mundo e nada mais.

   - Confesso que uma parte eu fiz por dinheiro. As coisas com o Jake são mais complicadas do que você imagina. – Começou a dizer tentando se aproximar, mas Demi sempre dava um jeito de se afastar. – Pedi para ele te deixar em paz, eu juro que pedi para ele não te machucar filha! – Os olhos marrons estavam arregalados como os de um animal assustado. Ela só está tentando te manipular. A consciência disse uma coisa e o coração quase saiu pela boca quando ela ouviu a palavra “filha”. – Eu fico preocupada com você todos os dias, sinto falta de brigar com você porque você não acorda quando o despertador toca. Ou quando você pede pizza e me obriga a comer aquela coisa horrível. Eu sinto a sua falta Demi, errei, mas você pode me perdoar porque eu sei que você tem um bom coração. – Cabisbaixo, Demi limpou a primeira lágrima que rolou pelo rosto. Dianna tinha dito tudo que ela sempre quis ouvir, aliás, tudo que ela queria que a mãe sentisse.. Mas o estrago já estava feito. – Eu sei que sou egoísta e que não mereço o seu perdão. Demorei quase vinte e três anos para admitir em voz alta que eu quero você, que eu quero lutar para ser uma mãe que cuida da garotinha dela.

   - Você não vai conseguir me enganar nunca mais. – Disse sem demonstrar nem um tipo de emoção. – Não acredito nas suas palavras. Você sempre me machuca e mesmo assim eu continuo tentando ser boa o suficiente para você me amar, isso não vai mais acontecer. Vá embora, por favor. – A voz continuava intacta sem mostrar a guerra interna que acontecia na jovem. Ela não queria ser mais enganada, mas também queria perdoar Dianna e deixá-la invadir o seu mundo.

   - Não estou mentindo. – Dessa vez Dianna conseguiu tocá-la no braço e fixar o olhar ao da filha.

   - Você dormiu com o Jake enquanto eu estava com ele, o ajudou a manipular a minha melhor amiga, mentiu para mim esse tempo todo e o pior, você sabia que ele era casado e mesmo assim permitiu que eu me envolvesse com ele. É esse o tipo de exemplo que você quer dar para a sua garotinha, mamãe? – Demi forçou um sorriso fitando os olhos da mãe. – Você é uma péssima mentirosa. Por favor, vá embora! – Dessa vez ela não conseguiu controlar o nervoso, alterou o tom de voz com a mãe de maneira tão rude que Dianna se assustou.

   - Demi? – A presença de Joe quebrou o clima tenso entre mãe e filha. – Você está bem? – Perguntou a abraçando carinhosamente contra o peito nu mesmo sobre o olhar atento de Dianna. Demi não o respondeu e quando ele sentiu as lágrimas dela molharem a pele dele o coração partiu em vários pedaços. – Não é um bom momento. – Disse um tanto sem jeito a Dianna. – É melhor você ir embora. – Relutante Dianna assentiu fitando os intensos olhos de Joe.

   - Por favor, cuida dela. – Era estranho ver Dianna sem toda a arrogância e superioridade que sempre a acompanhava.

Sozinho com a namorada, Joe decidiu que era melhor não forçar a barra e apenas abraçar Demi dando o tempo necessário para que ela pudesse se recuperar da visita da mãe. Era uma cruel covardia a forma que Dianna conseguia desestabilizar Demi e machucá-la.

   - Vem princesa. – Ele aninhou Demi no colo e a beijou ternamente na testa deixando que ela escorasse a cabeça no peito dele e fechasse os olhos procurando por um pouco de paz. O tempo não foi problema, Demi cochilou nos braços de Joe e ele também quase o fez quando relaxou o corpo no sofá. – Tudo bem com você? – Perguntou quando abriu os olhos e flagrou Demi o olhando com tanta paixão que ele sorriu levando a mão à bochecha esquerda dela para acariciá-la.

    - Tudo. – Um murmúrio? Joe arqueou uma sobrancelha e a beijou na bochecha tentando animá-la.

   - Vamos, sorria! – Disse deslizando os dedos na barriga dela e Demi riu, mesmo que triste, sem deixar de olhar para os olhos dele. – Você não é a mesma sem o seu sorriso lindo. – Ele disse a beijando no queixo. – Sorria para mim. – Pediu e o sorriso que ela esboçou foi tão lindo e contagiante que Joe também sorriu a olhando nos olhos e a acariciando gentilmente no corpo. – Amo você. – Sedento por carinho, Joe levou uma mão de Demi para acariciá-lo na barba, ele encostou a testa a dela e aos poucos fechou os olhos gostando do carinho dos dedos dela. – Meu coração. – Roçou os lábios aos dela e a mordeu no queixo. – Vai rasgar o meu peito. – Demi sorriu mais interessada em beijá-lo do que em qualquer outra coisa, e ela o fez começando com selinhos até que o beijava pra valer.

   - Eu não queria que você soubesse. – Eles tinham trocado muitos beijos e agora estavam calados e abraçados até que Demi quebrou o silêncio. – Estou com vergonha. – A prova era que ela não teve coragem nem para olhá-lo nos olhos como costumava fazer.

   - Não vou te julgar, não precisa ter vergonha. – Não teve como não ouvir tudo que Demi tinha dito a Dianna. A raiva de Joe em relação a Jake só tinha aumentado. – Que tal se por hoje a gente esquecesse esse assunto? – Sugeriu pensativo e Demi assentiu porque ela ainda precisava de tempo para digerir toda aquela informação. – Vamos sair um pouco? Acho que a gente consegue pegar a sessão das nove e meia.

   - Você quer ir ao cinema comigo? – Perguntou concentrada em deslizar os dedos pelo peito dele. – O que foi? – Sem querer ela tinha puxado o mamilo direito dele, o que resultou numa senhora carranca de Joe.

   - Quero, você não quer? – Joe cerrou os olhos e balançou a cabeça num gesto negativo quando Demi tornou a tocá-lo no mamilo, claro que apenas para entrar na brincadeira dela e fazê-la sorrir lindamente para ele. – Acho que agora estamos quites. – A mão dele envolveu o seio dela mesmo sobre o roupão e o massageou arrancando um gemido baixo de Demi.

   - Eu vou me vestir. – Disse nos lábios dele ainda afetada com o carinho no seio e Joe a beijou e sorriu quando ela se levantou e caminhou em direção ao quarto. Seria bom se eles pudessem sair daquele apartamento para respirar um novo ar e viver novas aventuras. Ultimamente Joe vinha lendo na internet muitos artigos sobre relacionamentos e até mesmo sobre mulheres porque ele não queria que o namoro caísse na rotina e não queria magoar Demi.

   - Demi? – Chamou da porta do quarto com um pouco de receio de invadir a privacidade dela.

   - Estou no closet. – Disse colocando a cabeça para fora do closet. – Vem. – Chamou e ele caminhou até ela um pouco tímido.

   - Tudo bem se eu usar o espelho? – A careta dela o fez engolir em seco, então Demi o puxou pela mão ficando com ele em frente ao espelho e pegou a gravata da mão dele.

   - Você não precisa perguntar se pode usar o espelho. – Disse arrumando a gola da camisa e a região dos ombros. – Ou se pode ligar a televisão, usar o banheiro, abrir a geladeira, sentar ao sofá, mexer na minha coleção de revistinhas. – Quando ela terminou de arrumar a gravata e a camisa, beijou-o na bochecha. – Quero que você fique à vontade como se estivesse em casa, ok? - Ele assentiu a beijando na boca.

   - Já decidiu o que vai vestir? – Perguntou se sentando ao puff tentando ficar à vontade como Demi tinha dito.

   - Não consigo decidir entre esses dois vestidos, qual você prefere? – Foi divertido ajudá-la a escolher um dos vestidos e arrumar o cabelo. E Joe notou como Demi era indecisa para escolher o que usar, mal sabia ela que não precisava de muito para estar simplesmente linda, porém ele preferiu ser paciente a criticá-la, até porque cada pessoa tinha seu jeito.


 
   - Não gostou do vestido? – Mesmo sendo quase nove horas da noite o shopping central de Manhattan estava lotado a ponto de criar um conturbado trânsito de pessoas nos corredores. A felicidade de Joseph era tanta por estar andando de mãos dadas com Demi que ele não conseguia evitar o sorriso que nos lábios. – O azul combina com a minha gravata. – Demi o olhou e sorriu. Ele tinha razão. O azul do vestido combinava com o da gravata e eles deveriam estar parecendo um casal de filme de romance da Disney.

   - Geralmente a Sel me ajuda a escolher o que vestir. – Quando eles passaram por uma loja ela aproveitou para se olhar no espelho. Estava bonita, e o homem que segurava a mão dela era tão lindo que ela o olhou por algum tempo impressionada. – Joe, você não vai dar trabalho, vai? – Brincou rodeando o pescoço dele com os braços, sorte era que a sandália de salto a ajudava com centímetros suficientes para alcançar a boca de Joe, e ele repousou as mãos a cintura dela a puxando contra o corpo.

   - Sou um bom menino. – O beijo que trocaram era o suficiente para mostrar que ambos estavam comprometidos. E particularmente Demi ficou muito feliz quando abraçou o namorado e viu que as mulheres que antes olhavam para o homem dela estavam carrancudas. – Vamos? – Sussurrou no ouvido dela aproveitando para beijá-la no pescoço e sentir o corpo feminino se entregar a ele como sempre acontecia.

   - Algum filme em mente? – Perguntou o abraçando de lado para que pudessem caminhar como a maioria dos casais.

   - Não, mas eu acho que a senhorita é muito boa para escolher filmes. – Disse e teve que se curvar para selar os lábios aos dela quando Demi o olhou e fez aquele biquinho que o deixava louco para beijá-la. – Você cuida dos ingressos enquanto eu compro alguma coisa saudável para a gente comer. – Demi assentiu prontamente. Se dependesse dela para comprar comida, ainda mais em um shopping, Joseph passaria mal.

   - A fila está enorme. – Reclamou quando viu a quantidade de pessoas esperando para comprar um simples ingresso. – Joe. – Ronronou manhosa quando ele a abraçou por trás e a beijou no ombro.

   - Volto num minuto, prometo. – Demi se virou para abraçá-lo, ela não queria ficar sozinha e muito menos que Joe andasse por aquele shopping sozinho, as mulheres se atirariam sobre ele na maior cara dura! – Vou fazer o nosso pedido e venho ficar com você, fechado? – Disse pegando na carteira a quantia suficiente para pagar os ingressos e a entregando para Demi. E ela só assentiu quando Joe a encheu de beijos a abraçando com firmeza contra o corpo. – Volto num minuto princesa. – Como sempre acontecia, a troca de olhares entre eles foi intensa e Demi tomou a iniciativa de beijá-lo na boca de forma mais discreta, porém intensa e apaixonadamente. Quando finalizaram o beijo sorriram e se abraçaram um procurando no outro acalmar os ânimos.

   - Tenha cuidado amor. – Disse toda carinhosa e apaixonada acariciando o rosto de Joe e dando um selinho nos lábios dele que retribuiu e relutante a deixou sozinha. De onde estava analisou a fila dos ingressos e murmurou um palavrão, aquilo iria demorar muito! Antes que ela pudesse movimentar a perna para caminhar em direção à fila, alguém familiar no meio da multidão chamou atenção, a pessoa a olhava e o coração de Demi quase saiu pela boca ao notar que aqueles olhos azuis pertenciam a Jake. Ele bateu palmas e assentiu sorrindo para ela, o olhar era tão frio que o medo quase a apavorou. Jake a olhou por mais algum tempo esboçando aquele típico sorriso irônico, até que a esposa dele se aproximou para chamá-lo acompanhada das duas crianças animadas e carregando o bebê no colo. Pobre família e pobre Demi.


Continua... Oi! Tudo bem com vocês? Eu estou bem, aulas voltaram </3 O que vocês acharam do capítulo? Estão gostando da história? Pela reação nos comentários passados ninguém esperava que o Jake fosse casado e pai de três crianças. Cara nojento, ainda teremos mais revelações sobre ele e muitas coisas para acontecer. Obrigada pelos comentários meninas! Em breve postarei, beijo!!!

10 comentários:

  1. MEUS DEUS, é muito amor entre esse casal da "Disney" kkkkkk
    Como pode serem tão lindos e fofos?!
    Mas, como tudo não sai como imaginamos, vem a Dianna para estragar, se não bastasse a Selena kkkkk. Caramba, Dianna é chata, mulher podre, quanta falsidade... Se bem que ela avisou ao Jake para ele não tocar em um fio de cabelo da filha dela, espero que seja verdade mesmo.
    E que medo do Jake no final do capítulo, senhoooorr!!! Socorr
    Espero ansiosamente pelo próximo capítulo o mais breve possível. Por favor, não me mate não kkkkk, bjos

    ResponderExcluir
  2. Não fui a última a comentar dessa vez Heineken lol a meses sei essa cena *quase* quente, poça Diana cortou o barato. Não sei aí, mas aqui chamamos de empata toda Kkkkkk Jake quer se irritar com qual moral? Tá bom Jake, senta lá
    Sam, xx

    ResponderExcluir
  3. Dianna como sempre atrapalhando tudo, acho ela uma falsa, mas seria muito bom se ela se redimisse com a Demi por todas as coisas ruins que já fez. Joe e Demi <3 um casal lindo desses, amo muito!!!
    Jake me irrita demais, tenho dó da família dele, ninguém merece conviver com um monstro disfarçado.
    Amei o capítulo, continua!!!

    ResponderExcluir
  4. Aaaaaaaaaaaaaaaa aaaaaaaaaaaaaaaa AAA a história é maravilhosa, amo os capítulos, sem mas. Já notei que o Jake agr vai ficar atormentando e ameaçando a Demi (por favor não faz isso com ela) a bichinha já tá sofrendo tanto... Pra mim a Dianna tá sendo sincera, mas a gente colhe o que planta né? Espero que Jemi não tenha mais uma separação pq meu coração não aguenta... Até o próximo post, beijos

    ResponderExcluir
  5. Cadê a att ����

    ResponderExcluir
  6. Não acredito que a Dianna atrapalhou esse momento Jemi kkkkkk. Pena da esposa quando descubrir que o Jake não presta. Posta logo :)

    ResponderExcluir
  7. Cade tu meninaaaaa???? Essa história é simplesmente maravilhosaaaa <3
    Volta logoo pleaseee!!!!

    ResponderExcluir
  8. Todo dia de madrugada entro aqui na esperança de ver um capítulo novokkkkkkkkkkkkk Posta logo!!!! ❤

    ResponderExcluir